21 de fevereiro de 2013

A rota farpela do Estado



Sob a ameaça de os meter na cadeia, o Estado torna cada cidadão um recebedor de impostos, no caso do IVA e do IRS: retêm-nos com a obrigação de os entregar ao Fisco. Quem presta um trabalho cobra IVA a quem o prestou e paga IRS por tê-lo prestado. Idem quem vende o que seja.
Agora, sob a ameaça de multa, o Estado torna cada cidadão fiscal das obrigações tributárias dos comerciantes, punindo-os se não lhes exigirem facturas.
Em vez de pagar aos funcionários, o Estado corta-lhes o vencimento e despede-os. Em contrapartida, usando o Direito Penal como forma de pressão, o Estado privatiza o serviço fiscal pela pior forma, a mais desproporcionada, a mais atentatória dos princípios constitucionais.
Até aqui os tribunais, que terão de ser o braço armado do sistema, têm estado calados e sobretudo quietos. Até ao dia em que o primeiro tribunal levantar a mão para a acabar com este expediente que degrada o cidadão no cobrador de fraque, a rota farpela do Estado.

in A Revolta das Palavras 

12 comentários:

  1. Ao estado a que chegámos e o povo continua submisso sem se aperceber de tamanhas maldades.
    Os juízes pensam apenas neles e esquecem-se da sua primordial função. Direitos e deveres de um povo abusado escandalosamente.

    ResponderEliminar
    Respostas

    1. Luís,
      Vamos ver o que diz o povo quando for chamado a votar (as autárquicas podem ser uma boa oportunidade para mostrar um cartão avermelhado ao governo) e os Tribunais quando forem chamados a intervir nestes casos.
      Abraço!!

      Eliminar
  2. O homem da foto faz-me lembrar o Pinguim... XD

    ResponderEliminar
    Respostas

    1. O do Batman, interpretado pelo pequenino? Faz, sim senhor! :)))

      Eliminar
  3. Por ora estou mais interessado em saber a decisão dos juizes do TC sobre o OE 2013, mas não deixa de ser pertinente este post.

    ResponderEliminar
  4. Num tempo sem tempo, cada coisa a seu tempo.
    Ena tanto tempo pá.

    Um abraço

    ResponderEliminar
    Respostas

    1. Nao há tempo, nao e, António?
      Era o que dizia o George Carlin :)))

      Eliminar
  5. Caro Amigo Pedro Coimbra!
    A tributação exacerbada também é a tônica aqui...
    Caloroso abraço! Saudações inconformadas!
    Até breve...
    João Paulo de Oliveira
    Diadema-SP

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro Prof. João Paulo de Oliveira,
      Pior que uma tributação exagerada é o Estado querer fazer de cada cidadão um bufo, um cobrador de impostos.
      Está tudo doido!!
      Aquele abraço

      Eliminar
  6. Respostas
    1. FerreirAmigo,
      Aceito a tua sugestão de pedir todas as facturas em nome daquele personagem :)))
      Vai merecer divulgação por aqui
      Aquele abraço!!

      Eliminar