5 de dezembro de 2012

Reformas na Suíça com tecto máximo de 1700 euros

21 comentários:

  1. Um bom exemplo que os imbecis dos nossos governantes deviam seguir! Só que o problema é que isso colocaria em causa as suas respectivas pensões! E pensões de 1700 euros não são suficientes, por exemplo, pró Cavaco fazer face às suas despesas! É triste!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. 1700 de reforma para quem tem seguro para tudo e mais alguma coisa e recebeu salário médio de 3900 durante toda a vida ....

      Quando se fazem comparações, há que fazê-las na íntegra!

      Eliminar
  2. Uma forma de dar sustentabilidade ao sistema e, simultaneamente, garantir uma pensão de reforma decente aos cidadãos.
    Com outros benefícios sociais associados (saúde, educação,....) o que é que se pode pedir mais?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. o salário médio na Suíça é de 3900€ ... Os Velhinhos no fim da vida vão passar férias de 10 anos em qualquer lugar da Europa.

      Eliminar
    2. E o que é que eu comentei, Anónimo???
      O que é que serão outros benefícios sociais associados???

      Eliminar
  3. Caro amigo,

    mas há que falar, também, dos outros benefícios que os suíços gozam, nomeadamente, na isenção de pagamentos de medicamentos, tratamentos de saúde, internamentos, educação, ocupação de tempos livres, enfim.

    E, permita-me a pergunta, Pedro:

    Quem desconta mais não deverá ter uma pensão mais elevada?

    Quanto a mim, davam-me o salário bruto e, eu próprio, trataria do meu "pé de meia" para a reforma!

    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O sistema suíço são três pilares, o primeiro é esse dos 1,700; o segundo é financiado pelos trabalhadores e empresas segundo os rendimentos que tiveram e é separado desse, o terceiro são PPR. https://en.wikipedia.org/wiki/Pension_system_in_Switzerland

      Eliminar
  4. Atenção Pedro, que essa é apenas uma parte do que os suiços recebem de reforma pois eles para além das contribuições para o Estado,também descontam obrigatoriamente para os bancos e seguradoras através dos denominados complementos de reforma.
    Eu pessoalmente concordo com este sistema público/privado mas imagino o barulho que se ia levantar em Portugal se os privados entrassem no sistema

    ResponderEliminar
  5. Ricardo e Hugo,
    Precisamente o que eu tinha respondido, resumidamente, ao Luciano.
    A meu ver, esse esquema publico/privado e inevitável no futuro.
    Sob pena de termos sistemas de segurança social falidos.

    ResponderEliminar
  6. A Suíça é outra coisa. A mentalidade faz toda a diferença.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. CONCORDO, E UMA GRANDE VERDADE! "... A mentalidade faz toda a diferença..."

      Eliminar
    2. Infelizmente, não estou a ver uma medida destyas a ter sucesso em Portugal, Manuel :(

      Eliminar
  7. E no Luxemburgo ainda são um bocadinho mais altas, Pedro

    ResponderEliminar
  8. Como refere a própria entrevistada o limite máximo só existirá desde 2011 (estranhei quando vi o título porque tive conhecimento de uma portuguesa que por ter trabalhado alguns anos na Suíça ficou com uma reforma de 3000 € - reformou-se porque lhe foi diagnosticada a doença da Maria Eliza de que agora não me lembro o nome).

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. amigo isso nao e uma reforma mas sim uma pensao de invalidez quando xegar a reforma recebe como um reformado,,,,,,,,,,,
      GOMES

      Eliminar
  9. FireHead, Carlos e Gábi,
    Há que enfrentar uma cruel realidade - o modelo social que vinha sendo seguido é insustentável.
    Como tal, buscam-se novas soluções.
    Que implicam maiores contribuições dos cidadãos e tectos de reforma mais baixos que os actuais.

    ResponderEliminar
  10. Tardiamente porque só agora aderi ao blog, venho também dar a minha colher de chá, que vale o que vale.Mas concordo com um teto máximo para as reformas, penso que assim não haveria diferenças tão vergonhosas como existem por cá em Portugal,como por exemplo reformas de €7.000.00 e mais, e outras de €250.00. Existindo pessoas adicionam 3 e mais mas que saem do mesmo sistema gerando a falência do mesmo evidentemente. Agora também não concordo com a obrigatoriedade de descontar para a SS e descontar para outras entidades, e depois receber só uma reforma. TErá que ser muito bem revisto e isso mexeria em muita coisa, mas terá que ser pois como está não vai concerteza poder continuar. Penso no entanto que o sistema Suiço é o mais acertado.

    ResponderEliminar
  11. Olá Maray,
    Seja bem vinda!
    Tectos máximos e proibição de acumulação de reformas.
    Faz todo o sentido não faz?
    Se se compaginarem estas medidas com uma protecção social eficaz, e uma visão de futuro, teremos um sistema sustentável.
    No presente e no futuro.
    E pessoas com uma velhice digna.

    ResponderEliminar
  12. Já conhecia, a Suiça é um mundo à parte, eles lá investem em PPR é o normal, do Estado esse é o tecto máximo da reforma. É um país à parte a Suiça...

    ResponderEliminar
  13. Um exemplo que se pode tentar seguir, Poppy.
    Não será fácil, no entanto....

    ResponderEliminar