27 de dezembro de 2012

O Joker (Revolta das Palavras)



Num país de ignorância mal disfarçada pela erudição, num país em que mesmo a suma instrução conduz ao desemprego e a total falta dela ao Governo, num país em que a pompa retórica é a circunstância até em simples crónica de jornal, num país em que ser Dr. é a pedra de armas do plebeu vaidoso e o Dom aristocrático foi regiamente vendido a saldos como comenda e prebenda, num país que googla um saber fingido para se dar ares, de entrevistadores que ao perguntar preferem fazerem-se ouvir, num país de analistas políticos arvorados em fazedores de opinião, num país em que a História, como verdade, não se ensina e, como propaganda, se trafica, falsificada, num país de fancaria feita porcelana e de cacos a passar por cristal, surgiu um homem que com tudo gozou, o burlesco que somos, o patético que parecemos.
Invocar o nome das Nações Unidas mais do que símbolo de uma mentira histórica - pois foram a união das nações vencedoras em 1945 e o forum actual das nações desunidas - é a demonstração final de que antes isso - na ânsia de acreditação e de verosimilhança - do que citar-se como se vindo da União Europeia, o aerópago caduco em que ninguém acredita e em que todos fingem crer.
Este homem não é um mentiroso, ele é o ícone da mentira, ele não é ele próprio, sim aquilo em que nos tornámos.
O mundo do parecer tem nele expoente, o culto da imagem, expressão.
No teatro de falsetes em que se tornou a política, ele poderia ser mais um dos robertos. Tem a pose, a aparência, o estilo. A seus pés, o mundo da comunicação bebeu-lhe os ditos, o chic do Chiado abriu-lhe os salões.
Risos, pois, gargalhadas até ao engasgamento, ao rebolar, aos urros, aos espasmos, à epilepsia total deste país demencial.

15 comentários:

  1. A que país se refere o texto?! : )
    Ao país que usa e abusa de títulos académicos?
    : )

    ResponderEliminar
  2. Exactamente, Catarina.
    E sabe que, por causa dessa mania, nós portugueses temos a fama, muitas vezes o proveito, de adorar o tratamento formal (dr. eng. arq.)?

    Sabe qual é a situação concreta a que se refere o texto?
    Se não sabe, com o nome Artur Baptista da Silva faça uma pesquisa e ria, ria muito!! :)))

    ResponderEliminar
  3. Ele apenas aproveitou o desejo de sangue de tanta gente em relação ao Governo e disse o que eles queriam ouvir.
    Um bom exemplo disso foi o Nicolau Santos do Expresso ,amigo do Sócrates e que agora malha fortemente no Governo

    ResponderEliminar
  4. Este é o país dos doutores e dos engenheiros, mas, ao contrário dos países verdadeiramente civilizados, aqui muitos doutores e engenheiros disso só têm mesmo o nome.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Provincianismo do mais puro, FireHead.
      Que teima em se manter.

      Eliminar
  5. O mesmo Nicolau Santos que veio agora, publicamente, dizer que não há desculpas para quem, com 32 anos de experiência de jornalismo, se deixou enrolar desta maneira, Hugo.
    Eu dava um prémio e este fulano.
    Como é que ele conseguiu "comer" jornais, estações de televisão e rádio, Universidades!!!, sem ninguém topar o esquema?
    Genial, carago!!
    Continuação de Boas Festas!

    ResponderEliminar
  6. "mais do que ser...é preciso parecer"...é este o mote de vida de muita gente...

    ResponderEliminar
  7. A mim ensinaram-me precisamente o contrário, Feliz.
    Mais vale ser do que parecer.
    Ou ter.

    ResponderEliminar
  8. Tinha visto qualquer coisa no facebook, mas nem liguei muito: são tantos "doutores" a atirar postas de pescada para o ar, que nem vale a pena...

    Como não entendi o texto à primeira, li os comentários "et voilá", fez-se luz! :)))

    Ainda deu para uma boa risada! :D

    Beijocas!

    ResponderEliminar
  9. Teté,
    Repito, eu dava um prémio a este burlão!!
    Incrível, que imaginação e que latosa!!! :)))
    Beijocas!

    ResponderEliminar
  10. Nós portugueses temos a fama, os outros povos, como por exemplo, os austríacos, o proveito, de adorar o tratamento formal (dr. eng. arq.).

    Não sei qual é a situação concreta a que se refere o texto, como também não sei, quem é o Artur Baptista da Silva.

    Vou fazer pesquisa.

    ResponderEliminar
  11. Pois lata é o que não falta a muitos por aí... Este é de facto o expoente máximo de variadíssimos exemplos (ou exemplares)com que todos nós certamente já nos cruzámos. :)

    Finalmente com net... vou tentar regressar aos blogues a que ultimamente tenho faltado. Aproveito para agradecer as visitas e desejar um bom final de ano e um melhor 2013 :)

    ResponderEliminar
  12. Pois... lata é o que não falta a muitos por aí, com os quais certamente já todos nos cruzámos. Este caso é de fato o expoente máximo desses exemplos ( ou exemplares ) de gente.

    Com a net de volta, agradeço agora as visitas e aproveito para também deixar os meus votos de bom final de ano e de um melhor 2013 :)

    ResponderEliminar
  13. É uma história incrível!
    O homem enganou tudo e todos!

    ResponderEliminar
  14. ematejoca,
    Vale a pena.
    Vai rir um bom bocado :))

    luisa,
    Impressionante o que este tipo conseguiu.
    E impressionante fazer-se agora de vítima.
    Há gente que merecia um prémio de desempenho teatral, caramba!!
    Um Maravilhoso 2013 para si e família

    Su,
    Este é mesmo o verdadeiro artista.
    Da rádio, TV e disco e da cassete pirata :)))

    ResponderEliminar