26 de dezembro de 2012

Natal da dignidade humana (Padre Anselmo Borges)



Numa troca célebre de cartas entre o cardeal Carlo M. Martini e o agnóstico Umberto Eco, publicadas com o título "In cosa crede chi non crede?", U. Eco escreve: Mesmo que Cristo fosse apenas o tema de um grande conto, "o facto de esse conto ter podido ser imaginado e querido por bípedes implumes, que só sabem que não sabem, seria miraculoso (miraculosamente misterioso)". O Homem teve, a dada altura, "a força, religiosa, moral e poética, de conceber o modelo do Cristo, do amor universal, do perdão aos inimigos, da vida oferecida em holocausto pela salvação dos outros. Se fosse um viajante proveniente de galáxias longínquas e me encontrasse com uma espécie que soube propor-se este modelo, admiraria, subjugado, tanta energia teogónica, e julgaria esta espécie miserável e infame, que cometeu tantos horrores, redimida pelo simples facto de ter conseguido desejar e crer que tudo isto é a Verdade."
Mas Jesus não é um simples conto ou um mito. Hoje, ninguém com honradez intelectual põe em dúvida a sua existência e há um acordo de base quanto a dados históricos fundamentais, como mostra Xabier Pikaza, na obra Quem Foi, Quem É Jesus Cristo?, que coordenei, e na qual especialistas de renome mundial tratam das perguntas essenciais sobre Jesus: uma biografia 'impossível' de Jesus, Jesus e a gnose, Jesus e Deus, Jesus e o dinheiro, Jesus e a política, Jesus e as mulheres, Jesus e as religiões, que quer dizer: "ressuscitar dos mortos"? Sintetizo X. Pikaza quanto ao consenso de base sobre "Jesus: quem foi, o que queria, que final?"
1. Jesus foi um profeta escatológico, que anunciou e actuou na perspectiva da acção iminente de Deus, que iria transformar a ordem social e política do mundo. 
2. Foi um sábio, perito em humanidade, contando histórias iluminantes para a condução da vida, para lá da banalidade do mundo e em ordem ao seu entendimento e transformação. 
3. Foi um taumaturgo e um carismático. Tinha "poderes" especiais, com grande capacidade de influência. Colocou-se do lado dos oprimidos, com "sinais" a seu favor, preocupando-se com a saúde das pessoas, a sua libertação e autonomia pessoal. 
4. Foi homem de mesa comum. Estava interessado na comunicação viva e fraterna entre todos, como mostram os banquetes com pecadores e excluídos, ultrapassando as divisões entre puros e impuros. 
5. Criticou uma forma de família baseada só na genealogia, para procurar uma forma nova de comunhão e inter-relação entre todos: num momento de grande desestruturação social, apresentou-se como impulsionador de um movimento messiânico, aberto a todos e integrando os diversos estratos da sociedade, especialmente os marginalizados. 
6. Foi um comprometido radical, de tal modo que a sua proposta não foi aceite por muitos "bons" judeus do seu tempo. Rompeu com normas sacras aceites pela maioria religiosa e abriu-se aos marginalizados sociais, num momento de grande crise económica, cultural, social e familiar. A sua proposta tornou-se perigosa, originando um conflito com os defensores da ordem religiosa e os representantes de Roma. 
7. Foi um pretendente messiânico, executado em Jerusalém. Foi um profeta, um sábio, um carismático, mas não apenas isso. Ele subiu a Jerusalém pela Páscoa do ano 30 como portador do Reino de Deus, ainda que se discutam as características da sua pretensão. Foi rejeitado pelas autoridades sacerdotais de Jerusalém e condenado à morte por Pôncio Pilatos como "rei dos judeus". 
8. Depois da sua morte, o seu movimento profético-messiânico manteve-se e transformou-se. Muitos continuaram a acreditar nele, confessando que ele está vivo em Deus. Reflectindo sobre o modo como viveu, como agiu e se comportou, sobre a sua experiência de Deus, que proclamou, com palavras e obras, como amor incondicional, tiveram a experiência avassaladora de que ele não morreu para o nada, mas para o interior da Vida plena de Deus. É o Vivente em Deus.
Afinal, o Natal verdadeiro é o Natal da dignidade humana. Como dizia o filósofo ateu Ernst Bloch, foi com Jesus que sabemos que nenhum ser humano pode ser tratado como "gado". 
Já Hegel tinha escrito também que por ele sabemos da dignidade divina do ser humano. Bom Natal!

23 comentários:

  1. “O nome da rosa”... o livro mais conhecido (para mim)de Umberto Eco que recordei ao ler este texto.

    ResponderEliminar
  2. Li o livro e vi o filme, Catarina.
    Este texto do Padre Anselmo Borges é um convite à reflexão neste época.
    Como o é o do Padre Vítor Gonçalves que também hoje publiquei.

    ResponderEliminar
  3. Se esse grande Homem tivesse nascido nos nossos dias, seria considerado apenas mais um pobre louco ao cimo da Terra! Ninguém lhe daria ouvidos! E imaginemos que ele regressasse agora mesmo ao Planeta; a não ser que ele demonstrasse algum poder totalmente fora do normal, ninguém o levaria a sério! Seria apenas mais um lunático! ;)
    Boas festas, meu caro!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Luciano, esse Homem seria morto de novo pelos poderosos, desta vez, talvez de forma mais rápida e sofisticada. Até os “sem-poder” ficariam a duvidar de tanta bondade. : )

      Eliminar
  4. Luciano,
    Sou um grande admirador do Padre Anselmo Borges.
    Por todas as razões e por ter sido mestre e ser amigo do meu pai.
    Um humanista.
    Que nos apresenta Cristo como ontem o apresentava o Padre Luís Sequeira, o jesuíta que me casou e baptizou a minha filha Catarina.
    É o Homem, a dimensão humana, de Cristo que tantas vezes esquecemos e que convém lembrar constantemente.
    Grande Abraço e continuação de Boas Festas!

    ResponderEliminar
  5. Anselmo Borges é alguém que leio e admiro muito.

    Boas Festas!

    ResponderEliminar
  6. Daniel C. da Silva (Lobinho),
    Espero ter a oportunidade de conhecer pessoalmente o Padre Anselmo Borges pessoalmente.
    Enquanto tal não se revela possível, vai passando por aqui com as suas crónicas, a sua visão humanista do Mundo, com a qual muito me identifico.
    Li "Religião e Diálogo Inter-Religioso" e achei o livro excepcional.
    Já leu?
    Se ainda não leu, recomendo vivamente.
    Boas Festas!

    ResponderEliminar
  7. Gostei muito do texto, das palavras "confundidas" (ou não) de Eco e do padre Anselmo.

    Não responde inteiramente às minhas perguntas "filosóficas", porque se não tenho dúvidas sobre a existência de Jesus Cristo e do seu espírito "radical" e "revolucionário" para a época - que até hoje me dá a sensação de ser vagamente agnóstica-cristã - não prova que fosse filho de Deus. Que era um "iluminado" (no bom sentido!), também não duvido!

    E adorava ter Fé num Deus amigo de todos os crentes, incluindo pobres e desvalidos, mas essa Fé tarda em chegar (depois de ter partido)! Deus que fosse Deus (Alá, Buda ou outro na nomenclatura) não permitiria tanta desumanidade e injustiça pelo mundo... ;)

    Beijinhos!

    ResponderEliminar
  8. Teté,
    Deus criou o homem, o seu filho fez-se homem, e deu liberdade ao homem que criou.
    Esse Homem e que, com as suas imperfeições, comete essas injustiças que menciona.
    O Deus em que eu acredito e bondoso e magnânimo.
    Mas lembre-se que o filho desse Deus sofreu, sofreu muito.
    E com esse sofrimento foi um exemplo para o Homem.
    O seu comentário enriquece, em muito!!, este blogue e este post em particular.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  9. Para mim, o verdadeiro espírito Natalício e que devia ser sentido e posto em prática durante todo o ano, resume-se a essa frase tão simples:
    "O Natal verdadeiro é o Natal da/o(respeito pela)dignidade humana".

    Continuação de Festas Felizes, Rui, para si e Família.

    Janita

    ResponderEliminar
  10. Janita,
    Uma frase simples mas que efectivamente resume o que deve ser o Natal.
    Só nao concordamos numa coisa - eu sou Pedro, nao Rui :))))

    ResponderEliminar
  11. Peço-lhe imensa desculpa, Pedro!
    Por vezes cometo gaffes que me fazem rir de mim própria, mas esta fez-me corar de vergonha, acredite! Menos me perdoo, por saber que se chama João Pedro( nome do meu neto mais velho) e que isso se deve ao facto de ter nascido entre o São João e o São Pedro.
    A 27 de Junho!!
    Estou perdoada?
    Um beijo.

    ResponderEliminar
  12. Janita,
    Perdoada?
    Fez-me rir a bom rir e ainda pede perdão?
    Foi um momento bem engraçado.
    E deixe-me que lhe diga, o seu neto tem um nome muito bonito!! :))))
    E a avo uma memória tremenda!!
    Um beijo

    ResponderEliminar
  13. Reflexão exige-se, a todos os níveis.

    Este 'caso' não foge à regra.

    Abraço

    ResponderEliminar
  14. O Padre Anselmo Borges e presença obrigatória aqui, António.
    Neste momento de grandes dificuldades, reconheça-se o papel que a Igreja tem representado, a voz incomoda que tem sido, o trabalho missionário e ecuménico que tem realizado.
    Aquele abraço

    ResponderEliminar
  15. Como você sabe, não aprecio muito o Pe. Anselmo Borges enquanto padre, devido ao seu modernismo, mas como filósofo tem o seu quê de espectacular.

    Jesus Cristo foi apenas e só a personalidade que mais influenciou o mundo, seja para crentes ou não crentes. Tanto assim é que até fixou o nosso tempo.

    Jesus Cristo não é, como erroneamente muitos pensam, apenas o Filho de Deus. Ele é sim Filho de Deus, mas na Sua própria relação com a Trindade. Ele é o próprio Deus encarnado, ou seja, Deus que se fez Homem, e é por isso que agora no Natal celebramos o nascimento do Deus-Menino, de Deus que veio habitar entre os homens (Emanuel). E é precisamente por isso que Nossa Senhora é Mãe de Deus, pois as naturezas divina e humana de Jesus são inseparáveis.

    ResponderEliminar
  16. Olá Pedro !
    Espero que tenha passado um óptimo e santo Natal, com muita saúde e felicidade ! :))
    Continuação de Boas Festas, ... que o Natal mantém-se ! :))

    Abraço !
    .

    ResponderEliminar
  17. Genial e obrigado pela partilha que origina uma reflexão a sério!

    Beijos

    ResponderEliminar
  18. Muito bonita esta postagem, Pedro.
    Votos reiterados de Boas Festas idos de Coimbra. :))
    Beijinho.

    ResponderEliminar
  19. Pedro passo para lhe desejar continuação de boas festas junto daqueles que ama.

    beijinho e uma flor

    ResponderEliminar
  20. FireHead,
    Ao contrário de si, eu acho o Padre Anselmo Borges excepcional.
    Tudo aquilo que você comenta, e muito bem, estava o Padre Luís Sequeira a expor na entrevista de que lhe falei.
    Essa dimensão humana é normalmente esquecida ou, pelo menos, deixada em segundo plano.
    E é bom que seja lembrada.

    Rui,
    Mantém-se o espírito do Natal.
    Sempre que quisermos.
    Aquele abraço e continuação de Boas Festas

    Fatyly,
    O Padre Anselmo Borges é um "convidado" ilustre.
    Que por aqui passará muito mais vezes, de certeza.
    Beijos :)

    ana,
    Continuação de Boas Festas para Coimbra também.
    Já via as iluminações na Baixa e gostei muito :)
    Beijinho

    Adélia,
    Beijinho e continuação de Boas Festas

    ResponderEliminar
  21. Caro amigo Pedro Coimbra!
    Um bom texto reflexivo!
    Caloroso abraço! Saudações filosóficas!
    Até breve...
    João Paulo de Oliveira
    Diadema-SP

    ResponderEliminar
  22. Caro Prof. João Paulo de Oliveira,
    O Padre Anselmo Borges tem esse dom - fazer-nos pensar, reflectir.
    Aquele abraço!

    ResponderEliminar