13 de setembro de 2012

Galopim de Carvalho. Património Natural cada vez mais empobrecido por falta de vontade política



GALOPIM DE CARVALHO

ATÉ OS DINOSSÁURIOS PORTUGUESES
NÃO ESCAPAM A UMA PERENE AUSTERIDADE


Há duas décadas, Portugal viveu tempos de glorioso mediatismo paleontológico com a descoberta de monumentais e numerosas jazidas fósseis em vários pontos do País. Os dinossáurios, em particular, protagonizavam o espetáculo aliciante de uma viagem de muitos milhões de anos às eras em que os "grandes lagartos" andaram por aqui. A comunidade científica internacional dedicou atenção a essa epopeia de preservação e valorização dos achados de que foi rosto, sobretudo, o Prof. Galopim de Carvalho, nosso Convidado deste mês.
Todavia, o cenário atual da maioria desses monumentos científicos é desolador. Valiosas jazidas permanecem num completo abandono e pungente degradação. O antigo diretor do Museu Nacional de História Natural critica a falta de vontade política dos responsáveis das administrações central e local, que dessa forma estão a empobrecer a cada dia o nosso Património Natural. Alguns dos projetos visando a conclusão ou assistência de manutenção das jazidas foram entregues pelo nosso Convidado há mais de vinte anos! Nada feito, apesar de se reconhecer o inestimável potencial turístico das mesmas. Bem pode dizer-se que os dinossáurios portugueses já vivem em austeridade desde os anos noventa. 
Convidámos o Prof. Galopim de Carvalho e desenvolver o tema, enumerando especialmente as situações mais clamorosas.

Ler [ aqui ] no espaço Convidados.


4 comentários:

  1. Além de tudo o mais, gosto dele pela su bonomia e tratamento pessoal.

    ResponderEliminar
  2. Difícil não concordar com o que ele diz, não e?

    ResponderEliminar
  3. Será que o inestimável valor turistico é semelhante ao das figuars rupestres em Foz Côa? É que por lá as pessoas choram o não terem feito a barragem...

    ResponderEliminar
  4. Mas aqui o que Galopinm de Carvalho pede é atenção a esse património, Catarina.
    Pelo vistos, votado ao abandono.

    ResponderEliminar