5 de dezembro de 2017

A idade do ece

12 comentários:

  1. bom dia
    chegar a essa idade já não é mau
    JAFR

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E chegar a esta idade com este espírito ainda melhor, Joaquim Rosário.

      Eliminar
  2. Caro Amigo Pedro Coimbra.
    Este meu patrício é supimpa.
    De maneira hilária ele traz à baila a dura realidade da idade senil.
    Caloroso abraço. Saudações combalidas.
    Até breve...
    João Paulo de Oliveira
    Um ser vivente em busca do conhecimento e do bem viver, sem véus, sem ranços, com muita imaginação, autenticidade e gozo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. De senil ele não tem nada, Amigo João Paulo de Oliveira.
      Tem é imensa piada.
      Aquele abraço

      Eliminar
  3. I enjoyed over read your blog post.
    Your blog have nice information, I got good idea from this amazing blog.
    I am always searching like this type blog post. I hope I will see again…
    ตารางคะแนนพรีเมียร์ลีก

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. piseth san,
      You are always to come and comment.
      Thank you for your kind words

      Eliminar
  4. ahahah... Está com muita piada !... mas não estou de acordo ! eheheh ... Será que sou só eu ?... rsrsrs
    Sinto-me melhor agora que há 20 anos atrás !!! ... Verdade !
    Belíssima saúde !!! :)
    :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Como todas as anedotas, é uma generalização, Rui.
      Já disse umas dezenas de vezes que gosto muito mais de mim agora que nos vintes e trintas.
      Aquele abraço

      Eliminar
  5. Pedro, ai se vê a riqueza da língua portuguesa !
    que não envelhece, lembrei-me deste poema que gostei de conhecer :

    Língua Portuguesa
    (Olavo Bilac)

    Última flor do Lácio, inculta e bela, 
    És, a um tempo, esplendor e sepultura:
    Ouro nativo, que na ganga impura
    A bruta mina entre os cascalhos vela...

    Amo-te assim, desconhecida e obscura.
    Tuba de alto clangor, lira singela,
    Que tens o trom e o silvo da procela,
    E o arrolo da saudade e da ternura!

    Amo o teu viço agreste e o teu aroma
    De virgens selvas e de oceano largo!
    Amo-te, ó rude e doloroso idioma,

    Em que da voz materna ouvi: "meu filho!",
    E em que Camões chorou, no exílio amargo,
    O gênio sem ventura e o amor sem brilho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E sem acordos, Angela.
      Com acordos essa riqueza vai toda água abaixo.

      Eliminar
  6. Bom...não podemos generalizar.
    Tenho pacientes nessa faixa etária,com bastante "sangue na guelra",como diz o bom povinho!

    Abraço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Como respondi ao Rui, como todas as anedotas é uma generalização e um exagero, PSICANALISTA.
      Aquele abraço

      Eliminar