Estatuto da Língua Portuguesa em Macau



O deputado Pereira Coutinho mostra-se preocupado com a menorização da Língua Portuguesa na Administração Pública da Região Administrativa Especial de Macau.
A lei codificada e a lei aplicada, the law in the books and the law in action.
Todos teríamos consciência que, apesar do estatuto de Língua Oficial que é conferido legalmente à Língua Portuguesa, a sua utilização prática, já residual antes da transferência de poderes, o seria cada vez mais após Dezembro de 1999.
O que mais me surpreende nem é pois essa menorização, agora até a poder vir a ser consagrada em leis avulsas.
O que me surpreende é verificar a pouca sensatez (não quero ser indelicado e caracterizar o fenómeno de outra maneira) de quem fez carreira na Administração por (supostamente) ser bilingue e agora avança no sentido de destruir aquela que podia ser a sua única vantagem competitiva.
Já aqui comparei este fenómeno a matar a galinha dos ovos de ouro para fazer uma canja.
Agora só me resta acrescentar – bom proveito, que a canjinha não seja afinal indigesta.

Comentários

  1. Como as coisas mudam conforme os peões...enfim!

    Beijos e um bom dia

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A Língua Portuguesa tem vindo a perder estatuto, Fatyly.
      O que é curioso porque é o contrário do que Pequim queria com a estratégia lusófona.
      Beijos

      Eliminar
  2. Penso que seria uma consequência natural. Ou não?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pequim queria (quer) fazer de Macau a plataforma natural para a Lusofonia, bea.
      Mas com a estratégia desta malta cada vez mais veremos Pequim a formar quadros lá.
      Que vão substituir estes tontos.

      Eliminar
  3. Nem quero comentar para não ser extremamente dura, mas ainda digo : sopas depois de almoço.

    Tudo de bom.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pequim dá um presente e Macau recusa, São.
      Apesar dos avisos de muito boa gente.

      Eliminar
  4. Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades...
    Isabel Sá  
    Brilhos da Moda

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Só os burros, como as moscas, é que não mudam, Isa Sá.

      Eliminar
  5. Pedro, se o idioma desaparece como fator de diferenciação,
    é mais um passo para a total integração, parece lógico,
    e depois há quem se queixe!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Devia ser óbvio, não, Angela?
      Mais pragmático ainda - seria uma vantagem assegurada para os bilingues agora e no futuro.
      Vão concorrer no mercado com falantes de mandarim e inglês e verão o lindo futuro que têm!!

      Eliminar
  6. Pequim sensato (o que não é muito comum) e Macau a ir em sentido contrário.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pequim é sobretudo pragmático, Magui.
      Esta rapaziada é poucochinha.
      Paciência...

      Eliminar
  7. Cada vez menos a língua portuguesa tem o merecido valor... até no Brasil.....
    .
    Um dia feliz
    Cumprimentos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O que não faz sentido nenhum porque é Língua Oficial em muitos países nos vários continentes.

      Eliminar
  8. É constrangedor as coisas vão-se perdendo!
    -
    Beijos e uma boa tarde!

    ResponderEliminar
  9. Pedro, boa tarde. Estou te trazendo um recado
    de um amigo bem próximo. Disse ele, o amigo;
    Diga a esse moço que as minhas empregadas
    eu as escolho a dedo. (pronto, Pedro. Recado
    dado)
    Um abraço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois, quem não é casado tem esse privilégio... :)))))
      Aquele abraço

      Eliminar
  10. A língua portuguesa deveria ter mais reconhecimento.

    It's Lizzie

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Legal até tem, Lizzie.
      A prática é que não é conforme.

      Eliminar

Publicar um comentário

Mensagens populares