7 de março de 2018

Parto com dor



Já muito foi dito e escrito acerca da ideia absolutamente estapafúrdia e aviltante de aumentar exponencialmente os valores das taxas a cobrar pelos Serviços de Saúde nos casos em que a parturiente não é residente permanente de Macau.
Um aumento para valores insuportáveis para a esmagadora maioria dos trabalhadores não residentes, mais um ataque despudorado a quem trabalha em Macau e serve Macau com o seu esforço diariamente.
E mais uma medida completamente cega, que peca por representar uma descarada discriminação negativa quando devia ser o oposto – a discriminar, discriminar positivamente.
Taxar quem aqui vem propositadamente ter os seus filhos, muitas vezes com má-fé (tentar por essa via pedir residência para os seus filhos aqui nascidos), os visitantes que aqui têm os seus filhos, faz todo o sentido.
Quem aqui trabalha, quem serve esta que é Região Administrativa Especial da República Popular da China, que sempre se caracterizou pelo convívio harmonioso de diferentes culturas, raças, religiões, é não perceber onde se vive e o que de tão extraordinário e único tem este local.
Esta sanha persecutória dos trabalhadores não residentes está a atingir níveis de insanidade.
Não ficaria bem com a minha consciência se nada dissesse, se não juntasse a minha voz às muitas que já condenaram esta intenção absurda dada a conhecer pelos Serviços de Saúde.
Ainda não é tarde para repensar todo este processo, recuar em intenções que ofendem o mais básico espírito humanista, a mais básica dignidade humana.
Espero (a esperança é mesmo a última a morrer) que haja coragem e bom senso para o fazer.

38 comentários:

  1. Estes Senhores andam sempre a inventar e não com os melhores propósitos.
    Como diz o meu amigo esperemos que haja bom senso.
    Um abraço e continuação de uma boa semana.

    Andarilhar
    Dedais de Francisco e Idalisa
    O prazer dos livros

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tem havido tanta falta de bom senso, e de vergonha, que já tenho dificuldade em acreditar, Francisco.
      Aquele abraço

      Eliminar
  2. O povo aguenta tudo.


    Bjos
    Votos de uma boa Quarta-Feira

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Esperemos que não tenha que aguentar esta afronta.
      Que ainda por cima é só para alguns, os mais necessitados, por acaso.
      Bjs

      Eliminar
  3. Se for para a frente é mesmo um parto com muita dor.
    Um abraço.
    Autografos Futebol

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Uma afronta, Francisco Emanuel.
      E sem qualquer sentido.
      Aquele abraço

      Eliminar
  4. Realmente, isso não tem sentido algum !

    SÃO

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Só tem sentido na cabeça deformada de gente mal formada, racista, xenófoba, doente, São.

      Eliminar
  5. São os mais frágeis que mais pagam e sofrem.
    A saúde, em qualquer parte do mundo, devia ser igual para todos, isto é, a haver comparticipação do estado, todos pagam o mesmo.
    Quem é rico que recorra o que entender, o privado, o mais caro, o que entender.
    Uma boa noite.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A saúde, se não pode ser gratuita, e em Macau pode perfeitamente, não pode nunca penalizar os mais necessitados, Maria Araújo.
      Tão simples quanto isto.

      Eliminar
  6. "Taxar quem aqui vem propositadamente ter os seus filhos,... faz todo o sentido."
    "Quem aqui trabalha, quem serve esta que é Região Administrativa,... "
    Neste segundo caso não faz qualquer sentido !!! :((
    Plenamente de acordo, Pedro.
    Um verdadeiro disparate ! :(

    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Um disparate que ofende, Rui.
      Completamente desnecessário, absolutamente demente.
      Aquele abraço

      Eliminar
  7. Espero sinceramente que o bom senso impere, pois é de uma tremenda injustiça.
    Beijinhos
    Maria de
    Divagar Sobre Tudo um Pouco

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ofensivo, Maria Rodrigues, simplesmente ofensivo.
      Beijinhos

      Eliminar
  8. Muito bem! Não sou residente nem tão pouco visitante, mas acho que tem toda a razão! Pelo título vinha à espera da canção do Sérgio Godinho... :))

    Beijinhos e vivam as mulheres!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Foi propositado, Graça.
      Publicar este post na véspera do Dia Internacional da Mulher.
      De que servem lindos discursos quando se tem esta prática??
      Beijinhos

      Eliminar
  9. Será que também querem dessa forma, controlar a taxa de natalidade em Macau?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não, Magui.
      Macau enfrenta, como tantos outros locais, um problema de envelhecimento da população.
      Mais ainda quando se prevê que venha a ter muito proximamente a maior esperança de vida no Mundo.
      O problema aqui é pura xenofobia.

      Eliminar
  10. É caro ter um filho mas até para ele sair para fora é caro.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E penaliza-se quem menos possibilidades económicas tem, Diana Fonseca.
      É cada brilhância!!

      Eliminar
  11. Oxalá amigo.
    Parabéns à senhora sua esposa. Longa vida com saúde e alegria para ela. Tudo de bom para vós.
    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Dia de namoro hoje, festejos em família no final da semana.
      Ela merece.
      Abraço

      Eliminar
  12. Então se um turista ficar doente também paga?
    A medida parece-me absurda, já que os impostos sobre os salários, consumo, etc., serão iguais ou idênticos aos dos naturais de Macau...
    Continuação de boa semana, caro Pedro.
    Abraço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Um turista eu até percebo, Jaime Portela.
      Porque isso acontece um pouco por toda a parte.
      Se ficar doente, paga.
      Nem que seja através de seguro de saúde.
      O que não faz sentido nenhum é que os residentes não permanentes, que aqui vivem e trabalham, paguem.
      Aquele abraço

      Eliminar
  13. É uma injustiça gritante...mas Pedro também por cá e em muitos hospitais já racionam a "epidoral" e cesariana, só quando não houver alternativa. Falam, explicam, blá, blá mas tudo passa apenas para redução de gastos.

    Beijocas


    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Esse é o grande problema, Fatyly - gerir serviços públicos com mentalidade de comerciante.
      Os governos não existem para poupar dinheiro, os governos recebem dinheiro dos impostos e devem reinvestir esse dinheiro no bem estar das populações.
      Quem não perceber isto não percebe o básico e tem que ir fazer outra coisa qualquer que não seja serviço público.
      Beijocas

      Eliminar
  14. Sensibilidade e bom senso tb faz falta
    Abraço
    https://caminhos-percorridos2017.blogspot.com/

    ResponderEliminar
  15. Pelo que li, posso depreender que o Pedro, apesar de aí trabalhar, não reside em Macau?

    Vim dar-lhe um abraço e desejar um bom 2018.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ao contrário, Alquimista.
      Eu sou dos privilegiados (residente permanente de Macau).
      Mas não suporto injustiças e medidas perfeitamente absurdas e gritantemente xenófobas.
      Aquele abraço, que 2018 seja um ano fenomenal.

      Eliminar
  16. Deve ser da chuva que cai aqui como se não houvesse amanhã, é que não dá para entender essa medida. Qual é a lógica disso? Para evitar os "chicos espertos" que vão ter os filhos aí com segundas intenções? Pagar o justo pelo pecador? De facto é, não só injusto, como mau demais!

    Beijinho.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não tem lógica nenhuma.
      É pura estupidez e é ofensivo para o mais básico humanismo.
      Beijinho, bfds

      Eliminar
  17. it is not about what is needed for the benefit of cOMMON MAN it is about how can politician prove themselves more beneficial for businessmen who are their Godfather in new style of politics

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. That's exactly that, baili - runing government like it was business.
      It's not, can never be.
      Specially in health matters.

      Eliminar
  18. Fiquei incrédulo com o que li. Por onde anda a inteligência e o bom senso?

    Abraço, Pedro

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pelos vistos bem afastada daqui, AC.
      Aquele abraço, boa semana

      Eliminar