6 de abril de 2016

O cozido à portuguesa do Restaurante Tavares Rico (Lisboa)


 
Este prato é servido no restaurante Tavares Rico, e denominam-no "Cozido à Portuguesa".
Pode ser cozido, mas não é à Portuguesa com certeza!
Por favor retirem o nome "Portuguesa" daí!
Isto não é português, isto não é a nossa cultura.
Português que se preze enfarda uma pratada com carne, orelha, enchidos, feijão, hortaliça, arroz e legumes!
Agora esta miséria?!?
Isso é para tudo menos para portugueses!


ISTO SIM É UM COZIDO À PORTUGUESA!

29 comentários:

  1. Olha, eu já não lamento a quantidade, que essa por mais que venha a crise, é sempre à grande aqui em Portugal. Mas a qualidade... ou é de mim mas já se compram os alimentos sem sabor. Ovos pouco saborosos, que mal fazem recordar ovos de verdade, carne sem gosto, comprada nos bons talhos ou nas melhores prateleiras de hippers, coisas assim... sem gosto. Por isso se me dessem a escolher fartura ou ausência de fartura mas com um paladar requintado, ia para a ultima com deleite :)

    Abç

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Portuguesinha,
      Eu não sou nada fã de comida tipo enfarta-brutos.
      E até gosto de nouvelle cuisine.
      Mas sem exageros.
      Abç

      Eliminar
  2. Completamente de acordo com o meu amigo, português que se preze come uma bela pratada de cozido de garfo e faca e não com pinças.
    Um abraço e óptima Quarta-Feira.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Fizemos um em minha casa no Dia de Páscoa, Francisco.
      À portuguesa, nada de Tavares Rico.

      Eliminar
  3. De cozido à portuguesa nada tem mesmo....

    ResponderEliminar
  4. Bah! Essa porção é pouco até para as crianças. hahaha
    Gostei desse prato cheio, este está a meu gosto. Que delicia de comida.
    Tenha uma ótima semana.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Cozido à Portuguesa é aquela pratada com aquela variedade toda, Anajá
      Não é aquela coisa que fica num buraco de um dente.
      Tenha uma óptima semana também

      Eliminar
  5. Caro Amigo Pedro Coimbra.
    Fico cá a salivar de saudades da farta mesa portuguesa na curta estadia que tive no reino distante além-mar no ano passado. Na casa do meu Padrinho Mor Rui Espírito Santo, sua esposa, a Dona Lena, fez uma torta de bacalhau à Dona Lena, que esqueci da minha mudança de hábitos alimentares e repeti o prato. Se minha saudosa mãe, a Sra. Matilde Pinheiro de Oliveira (1923-2008) estivesse entre nós admoestar-me-ia, porque sempre dizia que não devemos ser gulosos na casa de outrem, mas sei que no reino os anfitriões ficam jubilosos quando os convidados repetem o prato. Pedro, quando tu visitares a Invicta, certamente conhecerá pessoalmente nosso querido Amigo e meu Padrinho Mor Rui Espírito Santo e gentil esposa, a Dona Lena. Se for servida a torta de bacalhau à Dona Lena, não esqueça deste teu Amigo parvo do lado de cá do grande oceano e hemisfério que nos separam. Hummmmmmm!!!!
    Caloroso abraço. Saudações apetitosas.
    Até breve...
    João Paulo de Oliveira
    Um ser vivente em busca do conhecimento e do bem viver, sem véus, sem ranços, com muita imaginação, autenticidade e gozo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A gula é um pecado inofensivo para terceiros, Amigo João Paulo de Oliveira.
      Só pode ser complicado para o próprio.
      Ainda assim, como sempre ouvi dizer, perdoa-se o mal que faz pelo bem que sabe.
      Grande abraço

      Eliminar
  6. Pois, esse primeiro prato parece mais uma coisa de Tavares pobre :)

    Um beijinho, Pedro

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nem a um pobre se dá uma coisa daquelas, Miss Smile.
      Isto é gozar com a cara das pessoas.
      Beijinhos

      Eliminar
  7. Eu gosto muito do cozido à portuguesa. Embora o faça muito raramente. Às vezes faço assim uma espécie, minha avó dizia que era "cozido à raistaparta" São os legumes sem batatas, e carne de porco e frango ou perú. Isto é, nem carne vermelha, nem enchidos.
    Não que não goste dele com tudo, mas os enchidos não me fazem bem nenhum e carne vermelha também não gosto.
    Agora chamar cozido à portuguesa a essa coisa aí de cima, parece-me publicidade enganosa.
    Um abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Como dizia ao nosso amigo João Paulo de Oliveira, um exagero alimentar de quando em vez não é grave.
      E um cozido sem enchidos é como um jardim sem flores.
      Esta coisa do Tavares Rico é para enganar tolos.
      Sem papas nem bolos.
      Um abraço

      Eliminar
  8. Dessa tal "coisa" chamada de nouvelle cuisine gosto de ver expostos os pretos, alguns dos quais são "arrumados" de tal maneira que até parecem pinturas.
    Qual foi o pintor italiano que pintou uma refeição abundante numa toalha de mesa de um restaurante? Lembras-te?)
    Mas para comer, por favor... um cozido (esqueceste-te do rabo de porco?) tem que ser farto quer nos ingredientes, quer no tempo que lhe é dedicado para ingeri-lo. Ah, e o vinho: tinto.
    Depois disto (um belo de um almoço) uma passeata pelas redondezas (para desmoer) e ao jantar um caldo do cozido, com massinhas e um ou outro farrapo da couve.
    Ah, e o vinho: tinto!

    Para acabar um café um "dedal" de malte e um grande abraço pah!.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Há nouvelle cuisine que até me agrada, Kok.
      Mas, quando se metem com exageros, fico com a sensação que estão a gozar comigo.
      E não acho piada nenhuma à brincadeira.
      Aquele abraço!

      Eliminar
  9. ~~~
    Totalmente de acordo!

    (Apesar de apreciá-lo mais magro...)

    Como dizia o outro,
    para vermos arte, vamos a una exposição!

    ~~~ Beijinhos. ~~~
    ~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Gostei desse dito, Majo :))
      Em cheio!!!
      Beijinhos

      Eliminar
  10. Eu nunca fui a um Restaurante que sirva esse tipo de comida...Gosto de pagar e comer.
    Mas chamar a isso cozido à portuguesa é mesmo ridículo.
    Amigo vou levar a foto para mostrar a uma amiga minha.Que só vendo se pode acreditar. Abraço.
    Irene Alves

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Do local onde estou sentado, bem aqui ao lado, quase visível da minha janela, há um restaurante desse tipo.
      Três estrelas no Guia Michelin, luxo, ostentação, mas muita qualidade.
      Não é esta "criatividade", Irene Alves.
      Um abraço

      Eliminar
  11. Um verdadeiro disparate !!! :(( ... Eu até admito esse "tipo de cozinha", agora dar esse nome a esse prato é de bradar aos céus !
    Até pode ter sido cozinhado e cozido, agora chamar-lhe "à portuguesa" ! :((((

    Abraço ! :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Isto é gozar o pagode, Rui.
      Eu gosto de nouvelle cuisine, há aqui muita e boa oferta e eu frequento os restaurantes com todo o gosto.
      Mas não é esta parvoíce.
      Aquele abraço

      Eliminar
  12. No Domingo passado comi um cozidinho igual ao segundo, estava divino, muito saboroso e comeria já outro outra vez :)))
    Bjs

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu papei um no Dia de Páscoa.
      Feito pela minha sogra e delicioso.
      Bjs

      Eliminar
  13. Pergunta: esse prato (o primeiro) é anedota, ou é mesmo verdadeiro?! : ))

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Verdadeiro, Catarina.
      Pode pesquisar.
      Há inúmeras referências a esta bizarria.

      Eliminar
  14. na minha opinião Pedro, o primeiro prato pode ser a sobremesa do primeiro ?!

    ResponderEliminar
  15. Poderia imaginar que o 1º fosse qualquer coisa menos o que lhe chamam :)

    ResponderEliminar