19 de abril de 2016

Dilma Rousseff a caminho da destituição?


Depois de Bill Clinton, agora Dilma Rousseff a fazer entrar o anglicanismo impeachment no vocabulário corrente.
Impeachment que não vem a ser outra coisa que não seja um processo formal de destituição e perda de mandato da Chefe de Estado no Brasil.
Com a votação no Congresso Dilma Rousseff sofreu a segunda derrota neste longo processo (a primeira tinha sido na comissão especial na Câmara dos Deputados).
Segue-se o Senado.
Nova derrota implicará a suspensão do mandato de Dilma por um período de 180 dias e um processo de investigação  que poderá conduzir ao julgamento no Supremo Tribunal Federal, à possibilidade de perda de mandato e impossibilidade de exercício de cargos públicos por um período de oito anos.
Estes são os factos.
O que já aconteceu e o que poderá vir a acontecer.
A apreciação da situação é ainda mais complexa que o complexo processo de impeachment.
O Brasil é neste momento um país profundamente dividido entre apoiantes e opositores de Dilma Roussseff.
Dilma Rousseff que foi perdendo apoios ao longo do processo, inclusivamente entre membros do seu governo, que foi ficando progressivamente mais isolada, mais limitada a um conjunto de fiéis seguidores que não lhe garantem segurança.
Isolamento que se afigura como consequência de uma inábil gestão política de toda a situação, que terá tido um dos seus pontos mais importantes na tentativa de integrar Lula da Silva no elenco governativo.
O processo de destituição está a correr os seus termos legais, está a ser cumprido o constitucionalmente previsto.
E é isso que deverá acontecer até final, seja qual for o resultado final.
Resultado que terá então que ser respeitado por todos.
Esta é a vertente política do caso.
A vertente criminal essa é para ser apreciada e julgada nos tribunais.
Com o Brasil, mergulhado em profunda crise política e económica, à espera.

32 comentários:

  1. A sua análise frisa um aspeto importante, designadamente, o de separar o processo político de destituição da vertente criminal. Embora, neste caso, um não exista sem o outro (são os dois lados da mesma moeda), devem realmente ser separados, porque têm "timings" diferentes. Mas para o cidadão comum, que assiste a toda esta "fantochada", é impossível não sentir uma enorme revolta. Por isso, apreciei a forma racional e assertiva como abordou este escândalo.

    Um beijinho, Pedro

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Miss Smile,
      O povo brasileiro, e as instituições brasileiras, não precisam que um português a viver em Macau lhes diga o que devem ou não fazer.
      As instituições políticas (a luta política tem momentos muito pouco nobres) e judiciais estão a fazer o seu trabalho.
      E há leis e formalismos que têm que ser cumpridos.
      Podemos manter-nos atentos, não podemos nem devemos dar lições de moral ou democracia a ninguém.
      Espero que o Brasil ultrapasse esta crise e retome um caminho de pujança que já há algum tempo perdeu.
      Esteja quem estiver na governação.
      Beijinhos

      Eliminar
  2. Gostei e subscrevo o que dizes. Ontem vi um bocado e o comportamento dos deputados com discursos tão patéticos leva-me a dizer que "anda tudo louco", porque com razão ou sem ela jamais deferiam proferir o que alguns disseram.

    Beijos e um bom dia

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Os tais comportamentos nada edificantes, Fatyly.
      O exemplo do que não deve ser feito.
      Beijos e votos de um bom dia

      Eliminar
  3. Ai Brasil Brasil, este povo merecia melhores governantes.
    Um abraço e uma óptima Terça-Feira.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Um país que estava numa trajectória de ascensão brutal e que caiu numa crise económica e política que terá que ser muito bem deslindada e explicada, Francisco.
      Doa a quem doer.
      Um abraço é uma óptima terça-feira também

      Eliminar
  4. Olá amigo Pedro, estou de acordo com o amigo Francisco. Merecia mesmo, mas nós também...vamos a ver...Quanto ao comentário seu no meu canto. Recebi sim, mas só hoje aprovei os comentários. É que tive aqui uns probleminhas no blog e só ontem o meu filho me resolveu. Beijos com carinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pensei que não tinha ficado, rosa-branca.
      Estas máquinas as vezes também têm manias.
      Beijos

      Eliminar
  5. Pedro, o Brasil será sempre, repito, sempre o reflexo do "deixa andar" do laxismo instalado há séculos na sua sociedade.

    Subscrevo, por inteiro, o seu post e acrescento que o Brasil, a mim, nada me diz, não gosto de brasileiros tal qual eles detestam os portugueses.

    Aquele abraço!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O Brasil viveu um período de grande acalmia política e de grande fulgor económico, Ricardo.
      Que se foram perdendo consequência de um grande desnorte e de grande promiscuidade entre negócios e política.

      Não são todos os brasileiros que têm esse comportamento, Ricardo.
      Conheço alguns, e passam por aqui outros, que não são nada assim.
      Um país que ainda não viste imãs que quero visitar com a família.

      Aquele abraço

      Eliminar
  6. Concordo com o Pedro , de todo.

    E como diz o Francisco Oliveira, o Brasil merecia bem melhor classe política quer à Esquerda quer à Direita.

    Incrível o que se viu e ouviu na votação...

    Boa semana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O que se viu e ouviu na votação foi uma perfeita palhaçada, São.
      Faz-nos pensar que o nosso Parlamento até não é assim tão mau...
      Boa semana

      Eliminar
  7. É caso para dizer que "venha o diabo e escolha". Fiquei realmente chocada com muitos dos discursos (se é que podem ter este nome) dos intervenientes.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Palhaçada, Chic ' Ana, aquilo foi pura palhaçada
      Beijinhos

      Eliminar
  8. Michel Temer, o vice de Dilma, é um homem que como o apelido sugere, mete medo. Não com a razão do seu lado mas com jogadas políticas onde tudo tem feito para lançar a descrença sobre a sua 'chefe' e o sistema que afinal ele ajudou a criar.
    Se Dilma é isenta de culpas? Naturalmente que não. Contribuiu para o desassossego brasileiro.
    Espera-se que o Senado decida em desfavor da presidente e até já se contam espingardas. Tudo leva a crer que Dilma 'vai à vida' e com ela arraste mais algumas pessoas. Por exemplo, Lula da Silva.
    Como diria o outro ... 'é a vida'.

    Abraço, Pedro.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A destituição de Dilma parece inevitável, António.
      Para além das manobras políticas (onde é que não as há??), Dilma foi perfeitamente canhestra a dirigir esta crise política.
      Então aquela tentativa de integrar Lula no governo é de bradar aos céus.
      Quem semeia ventos....
      Também deve haver algo de semelhante no Brasil.
      Está aí a tempestade.
      Aquele abraço

      Eliminar
  9. Também eu apreciei a forma racional e assertiva como o Pedro abordou este escândalo.

    A despeito de todos os motivos legítimos que existem para ser contra o governo Dilma Rouseff, como aquela tentativa de integrar Lula no governo, o que se viu na votação da Câmara foi um espetáculo de hipocrisia e uma vergonha para a democracia brasileira.

    {*}

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Um grande macaense costumava dizer que até na m**da há que ter dignidade, ematejoca.
      A favor, ou contra, dignidade foi coisa que não se viu naquela Câmara.

      Eliminar
  10. O que mais me impressiona é que ela não foi acusada de corrupção, nem ainda percebi ao certo o porquê de eventualmente ser impedida de exercer o seu mandato. Mas fiquei muito mal impressionada com as "razões" que alguns deputados deram quando votaram... :P

    Beijocas

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Dilma é acusada de ter violado a Constituição, de ter praticado irregularidades no exercício da governação.
      A questão criminal, a existir, terá que ser tratada noutra sede.
      Este impeachment nada tem a ver com a operação Lava-Jato.
      Beijocas

      Eliminar
  11. Completamente de acordo!
    E acho que o Brasil merece melhor governo. Achei nojento o comportamento dos deputados, as palavras usadas para a votação, o ódio que se fazia transparecer nos olhos, foi vergonhoso.

    Beijinho Pedro

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O que se passou na Câmara foi abjecto, Adélia.
      Esperemos que o Brasil reencontre o caminho da paz e da prosperidade.
      Beijinhos

      Eliminar
  12. E eu acho que só agora é que o cheiro se começou a espalhar com a ventoinha! A grande putrefação ainda não é tão visível!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Por enquanto estamos no domínio político.
      Quando se chegar ao criminal acredito que o fedor seja muito maior.

      Eliminar
  13. E agora, diz uma amiga brasileira: entra um novo gang :(((
    É um país muito dificil de governar, esperemos que tudo melhor.
    bjs

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Esse é o sentimento dos brasileiros, papoila.
      O sentimento de que basicamente só mudam as moscas.
      Bjs

      Eliminar
  14. Não sei como tudo isto irá terminar, mas temo o pior, Pedro. O processo de destituição de Dilma foi do mais badalhoco que já vi. Jornais americanos e ingleses insuspeitos, como o New York Times vêm publicando artigos a denunciar a golpada da direita corrupta. No meio disto tudo, espanta-me ver pessoas de direita em Portugal ( um dos quais é um velho amigo que já foi de extrema esquerda e hoje é um direitolas do piorio)a elogiar Bolsonaro. Se o fanatismo corropmpe os cérebros de tugas inteligentes, como está a acontecer com esse meu amigo, que se pode esperar dos brasileiros?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. As golpadas políticas, de direita ou de esquerda, têm tanto de ignóbil quanto de habitual, Carlos.
      E o fanatismo, idem.
      O que se viu no Brasil foi um espectáculo absolutamente degradante.
      Dos dois lados da barricada.
      Agora há um país dividido ao meio à espera não se sabe muito bem de quê.

      Esse amigo que refere não é por acaso um amigo comum, Carlos??? :))

      Eliminar
  15. Dei-me ao cuidado de assistir à votação em directo desde o inicio até quase ao final. Fiquei horrorizada com as declarações dos deputados. Deputados que elogiam um presidente de Câmara com vários processos de corrupção, deputados que dão a paz de Israel como motor do seu voto, deputados que dão em directo os parabéns à neta, antes da votação, deputados que elogiam um dos maiores
    carrascos e torturadores do regime anterior, etc, etc.
    Coitado do povo que tem tal gente para os representar.
    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O que se viu foi degradante, Elvira Carvalho.
      O povo brasileiro merece muito mais que aquilo, caramba.

      Eliminar
  16. Sou brasileira, moro em Porto Alegre no Rio Grande do Sul. Posso lhe afirmar que não está nada fácil viver este momento de transições, escândalos e e incertezas. Resta-me torcer pelo futuro do melhor cenário possível, seguindo em frente com a vida, mantendo os olhos bem abertos para os acontecimentos todos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. As cenas a que assistimos no debate (pode chamar-se debate ao que vimos???) foram degradantes, Rosa Mattos.
      Espero que o Brasil saiba encontrar o caminho da serenidade e da prosperidade.

      Eliminar