21 de abril de 2016

Censura e versão chinesa da caça às bruxas


A caça às bruxas ainda é uma realidade no século XXI.
E é uma realidade mais e mais presente na China.
Com a grande diferença de as bruxas serem agora os estrangeiros e a Internet.
Xi Jinping é a cara de uma linha cada vez mais dura na condução da política do País do Meio.
Uma linha que conheceu nos dias mais recentes dois episódios perfeitamente reveladores de uma mania de perseguição algo doentia, da exaltação exacerbada dos valores da cultura chinesa, vistos sob crescente ameaça pela liderança política do país.
A já famosa banda desenhada que tem como protagonista Xiao Li (a pequena Li), a menina chinesa indefesa que é vítima da perfídia do académico David, afinal um espião em busca dos mais inconfessáveis segredos de Estado chineses, é francamente insultuosa para as mulheres chinesas, aqui retratadas como dondocas incapazes de fazer a distinção entre um amor verdadeiro e um jogo de sedução com fins político-militares.
E é reveladora de uma desconfiança a roçar o psicótico relativamente  a tudo o que é estrangeiro.
Os estrangeiros que vivem na zona de Cantão já se habituaram a ouvir a expressão gwai lo, uma forma que tem tanto de depreciativo quanto de inócuo, de fazer referência aos estrangeiros que habitam nesta zona.
O Governo Central foi um pouco mais longe e deixou de lado o gwai (fantasma) para se concentrar numa espécie de bruxas más, atributo que qualifica todos os estrangeiros.
Para além da supracitada banda desenhada, no domínio da realidade e da censura pura e dura, Papi Jiang, pseudónimo da internauta Jiang Yilei, viu-se confrontada com o ultimato de ceder aos valores socialistas chineses, ou ver o seu espaço na Internet bloqueado (já o foi em boa parte dos vídeos publicados), porque supostamente incluiria "linguagem repugnante e conteúdo vulgar" (a expressão é da Administração Estatal de Imprensa, Publicações, Rádio, Cinema e Televisão).
Estas acusações têm como fundamento a  crítica social bem humorada que a internauta faz (fazia...) a algumas tradições e situações do quotidiano chinês.
Sobretudo no consulado de Xi Jinping a tão apregoada e saudada abertura da China ao Mundo terá que ser olhada apenas na vertente económica.
Como estes exemplos claramente demonstram (outros haveria...), nas vertentes política e social essa abertura ainda se apresenta muito longínqua.

28 comentários:

  1. Nem tanto ao mar nem tanto à terra,
    não é Pedro!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Esta liderança chinesa está muito arreigada aos chamados valores tradicionais chineses, Angela.
      Estou a ser simpático quando afirmo isto e não afirmo algo mais grave...

      Eliminar
  2. E é isto que vai aos poucos acontecer com Macau e Hong Kong também, à medida que se dá a integração plena na República Popular da China. Aquela cena dos "50 anos sem mudar" há muito que já provou ser uma treta. E isto é uma chatice para todos aqueles que acham que é a grande mãe China que vai aprender alguma coisa com Macau e Hong Kong. Esqueceu-se de referir que uma taiwanesa foi impedida de entrar em Macau por ter no seu passaporte um autocolante que diz "Taiwan is my country".

    Quanto ao facto de sermos "cuai lous" (sim, eu também sou apesar de ser mestiço de 2ª geração), sou-o com muito orgulho! Isso das discriminações existem em todo o lado, pois até parece que em Portugal também não chamam nomes feios aos chineses, tipo "chinocas" que "mijam contra o vento daí serem amarelos" ou que as chineses têm o não sei quê atravessado...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Estou curioso para ver o que fará a próxima geração de líderes na China, FireHead.
      Esta é muito ortodoxa, muito dura de princípios e actuação.

      Macau e Hong Kong serão mais ou menos integrados consoante os líderes das duas Regiões saibam ou não defender as respectivas autonomias e particularidades.
      Confesso que o que vamos vendo não é muito animador...
      Esse episódio que relata é um bom exemplo.

      Nunca me ofendi com esse tratamento.
      Já o ngao chai me parece de muito mau gosto.
      E é efectivamente verdade que em Portugal se dizem algumas coisas que são muito ofensivas.
      Sendo casado com uma local, macaense mas de aparência chinesa, imagino que haja alguns comentários menos abonatórios nas minhas costas...
      À minha frente perguntaram-me muita vez se ela falava português.
      Respondi sempre da mesma forma - "Falem com ela. Se ela não responder ou não fala ou é mal educada"

      Eliminar
  3. Parece-me que em vários pontos do mundo a censura está a regressar, nuns lados mais às claras que noutros. Para onde caminha a humanidade Pedro?
    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. parece que caminhamos para o que George Orwell previa, Elvira Caravalho.
      O Big Brother faz-se notar cada vez mais.
      Abraço

      Eliminar
  4. Estamos mal, muito mal.

    Os países encerrarem-se sobre sim mesmos e as pessoas a fecharem horizontes dão sempre mau resultado.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Esta liderança chinesa, em termos de abertura ao exterior, está a dar passos na direcção oposta, São :(

      Eliminar
  5. Nunca me esquece de quando foi as Olimpíadas na China os directos eram com vários segundos de atraso para poderem manipular as imagens se necessário, com isto está tudo dito.
    Um abraço e continuação de uma boa semana.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Vícios que custam a perder e desaparecer, Francisco.
      Um abraço, continuação de boa semana

      Eliminar
  6. Desconhecia completamente esta questão...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não é algo que o poder político chinês queira divulgar, Chic'Ana....

      Eliminar
  7. Na Europa também temos caça às bruxas e aos bruxos como por exemplo o caso Jan Böhmermann.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Como já respondi anteriormente, estamos a viver cada vez mais num mundo orwelliano.
      No que isso tem de pior, infelizmente, ematejoca

      Eliminar
    2. Esse caso é , considero eu, muito pior !!!

      Eliminar
  8. Pedro, leu "1984" do G. Orwell? Pois, estamos a chegar lá.

    Aquele abraço e votos de excelente fim de semana para si e suas princesas.(Vou tirar o dia de amanhã de férias e 2ª feira é feriado)!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Li e já aqui lhe fiz referência, Ricardo.

      Divirta-se muito na companhia das suas mais que tudo.
      Aquele abraço, Bfds

      Eliminar
  9. A sociedade controlada por umas cabeças que julgam tudo saber e tudo poder!
    Talvez caminhemos para o que George Orwell previa no seu "1984" mas o Homem que conheceu a liberdade de expressão e o sentimento de coletividade talvez não se deixe dobrar assim com essa facilidade.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Essa é a minha esperança, Golimix - que haja sempre alguém a dizer não, como escrevia Manuel Alegre.

      Eliminar
  10. Muito complicado entender esta China e não só nos dias de hoje, Pedro ! :(
    Deixa-nos sempre de "pé atrás" !

    Abraço ! :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É sempre conveniente jogar à defesa, Rui...
      Aquele abraço

      Eliminar
  11. Pedro, cada vez estou mais cansada de ouvir certas expressões. Se calhar sou eu que sou idiota, mas antes de rotularem alguém pela cor ou pela aparência lembrem-se que somos todos seres humanos. Se a censura continua então vamos andar para trás com certeza. Espero que a palavra liberdade trave tudo isso. Beijos com carinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Isto já está no ADN de certas pessoas, rosa-branca.
      E, quando é assim, não há nada a fazer.
      Beijos

      Eliminar
  12. É lamentável o socialismo não ter vencido a guerra pelo poder!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Na China quem venceu foi o comunismo, Portuguesinha.
      Cada vez mais ortodoxo na política, mais aberto na economia.

      Eliminar
  13. Não deixa de ser curioso que sendo a China considerada como um país emergente economicamente, teime em conservar métodos ancestrais, relativamente à abertura ocidental.

    É pena as legendas da imagem, não estarem traduzidas, Pedro!
    Muito eu gostaria de saber porque tanto chora a menina, perante o interrogatório policial!

    Beijinhos e até amanhã. Desta vez somos nós a ter feriado! :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Isso ainda é o mais ridículo, Janita - a menina chora de arrependimento, por ter traído a pátria.
      Beijinhos (amanhã há mais anedotas)

      Eliminar