6 de abril de 2016

As directivas do Executivo chinês e Macau


O Executivo chinês, sob a liderança de Xi Jinping, está apostado num regresso aos chamados valores tradicionais da cultura chinesa.
Depois de em Fevereiro ter sido publicada uma directiva que proíbe a construção de "edifícios estranhos, exagerados, excêntricos ou em estilo estrangeiro" (a margem de discricionaridade é enorme), agora, pela voz de Li Guo, Director do Ministério dos Assuntos Civis, fica-se a saber que, até Junho de 2017, serão eliminados estrangeirismos, encarados como atentatórios da soberania e dignidade nacional, ou em desacordo com importantes valores socialistas (por falar em discricionaridade...).
Estas medidas dão sequência a uma política mais virada para dentro, a uma linha dura na condução da política interna e do partido, que passa pelo reforço da educação patriótica, o combate à ostentação e ao desperdício, a exaltação de algumas virtudes que foram regra na milenar China e também na época da Revolução Cultural.
Curiosamente, enquanto o primeiro sistema caminha neste sentido, o segundo sistema, Macau em particular, assiste impávido e sereno ao abafar crescente dos valores locais em favor de um novo-riquismo provinciano e pimba.
A China a proibir os estrangeirismos e os nomes estrangeiros nos edifícios, enquanto Macau espera a inauguração do Parisian, entre o Venetian e o Studio City, todos na Strip do Cotai, e perfeitamente visíveis do One Grantai e do One Oasis.
E ainda há quem ponha em causa a aplicação do princípio um país, dois sistemas...

14 comentários:

  1. Ninguém põe isso em causa. A questão é que é mais primeiro sistema e menos segundo sistema... por enquanto. A tendência é para a chinesificação.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Em Macau parece que é ao contrário, FireHead.
      Dar uma olhadela de vez em quando ao primeiro sistema até é capaz de não ser má ideia.
      Tem é que se perceber quando e em que matérias.

      Eliminar
  2. Existem momentos em que parece ser necessário corrigir excessos, mas nem sempre as políticas seguem o caminho mais correcto.
    Votos de um bom dia.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. As actuais autoridades centrais chinesas são um bocado bruscas e brutas no modo de agir, Luís.
      Mas, nesta mania dos estrangeirismos, até percebo que tenham que o ser.
      Votos de um bom dia aí para Portugal também

      Eliminar
  3. Os ciclos repetem-se e ainda vamos ver a china voltar ao livrinho vermelho.
    Um abraço e óptima Quarta-Feira.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Já esteve mais longe, Francisco.
      Um abraço, uma óptima quarta-feira também

      Eliminar
  4. Tudo o que o Pedro aqui conta dava tema para a 'Mixórdia de Temáticas' do Ricardo Araújo Pereira.
    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A situação é mesmo anedótica, António.
      Aquele abraço

      Eliminar
  5. ~~~
    Não aos pirosos edifícios, do tipo Las Vegas decadente,
    mas não fechar as portas à evolução da arquitetura e aos
    trabalhos artísticos de mestres consagrados.

    ~~~ Beijinhos, Pedro. ~~~
    ~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mas era mesmo isso que se esperava que aqui acontecesse com a liberalização do jogo, Majo - a construção de edifício icónicos, assinados por gente de renome, gente que chama mais gente.
      Foi o que fez Singapura com o Marina Bay Sands.
      O que aconteceu aqui foi um pastiche parolo do que há em Las Vegas.
      Inclusivamente pela mesma empresa (Las Vegas Sands).
      Beijinhos

      Eliminar
  6. Compreendo e aprovo a atitude do governo chinês ! ... Um país e ainda mais a China, com tradições milenares, deveria procurar manter as suas características e não perder a sua identidade, mas não com dois pesos e duas medidas !
    Na minha opinião não faz sentido a situação em Macau !

    Abraço Pedro !

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Xi Jinping passou-se da cabeça quando começou a ver réplicas de cidades europeias e espalharem-se pela China, Rui.
      E reagiu à bruta.
      Em Macau, quando foram negociados os contratos de concessão, à semelhança de Singapura, uma das exigências devia ser a construção de edifícios que viessem marcar a diferença.
      Não foi, foram feitas cópias, e agora é demasiado tarde.
      Aquele abraço

      Eliminar