27 de agosto de 2013

Mais uma machadada no bilinguismo


Ainda haverá alguém em Macau que tenha dúvidas que o bilinguismo é um principio estruturante desta Região Administrativa Especial da República Popular da China?
A julgar pelo que se vai vendo no dia a dia, parece que sim.
Mais grave, essas dúvidas não surgem do cidadão comum, o que até seria compreensível, aparecem constantemente ao nível
da governação, da gestão da coisa pública.
O que é inadmissível.
O último exemplo é uma bizarra publicidade, institucional sublinhe-se, exclusivamente em língua chinesa, repetida vezes sem conta em horário nobre no canal da TDM em língua portuguesa, acerca das regras a observar no momento da votação nas eleições para a Assembleia Legislativa que se aproximam. 
Para além de uma flagrante violação legal, esta publicidade constitui mais um acto de completo desrespeito por todos aqueles que não dominam a língua chinesa e uma  insensatez inqualificável.
Gostava que me explicassem a quem se dirige esta publicidade.
À meia dúzia de bilingues que vêem o canal em português da TDM?
Mas esses já viram, ou podem ver, a mesma publicidade no canal em língua chinesa, não é?
A primeira vez que vi a referida publicidade confesso que pensei tratar-se de um lapso.
Que seria corrigido com o tempo.
E o tempo foi passando.
Sem qualquer alteração.
Não há ninguém na tão interventiva Comissão de Assuntos Eleitorais da Assembleia Legislativa que veja o canal em língua portuguesa da TDM?
Só pode ser essa a explicação.


EM TEMPO:
Já depois de ter escrito este post, a referida publicidade aparece com legendagem em português.
E assim já está bem!!

23 comentários:

  1. Pedro, eles já nem disfarçam a vontade que 2049 chegue rapidamente

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mas ainda faltam uns anitos, Hugo.
      Convém, nesses anitos, respeitar a lei.
      E respeitar as pessoas.
      A atitude do presidente da CEAL, aqui há dias, quando uma jornalista lhe pediu para ele responder em português, foi miserável.

      Eliminar
    2. Essa do presidente da CEAL não apanhei.

      Eliminar
    3. platao,
      No final da passada semana, e acerca dos panfletos do Coutinho, uma jornalista portuguesa fez-lhe uma pergunta.
      E pediu, muito educadamente - "importa-se de responder em português, por favor?"
      Ele olhou para ela, com um olhar misto de desprezo e de despeito, e respondeu em cantonês.
      A olhar para o outro lado.
      Chamar-lhe mal educado é ser muito educado para quem não o merece.

      Eliminar
  2. OLÁ PEDRO COIMBRA,
    PASSANDO PARA DEIXAR O MEU ABRAÇO PARA TI.

    ResponderEliminar
  3. Respostas
    1. Todos os defeitos, Ricardo - ilegalidade, falta de educação, de respeito, do mais comum bom senso.
      Numa publicidade institucional acerca da forma correcta de exprimir o sentido do voto.
      Algo que, nas últimas eleições, deu aqui uma barracada de todo o tamanho.
      Grande abraço!!

      Eliminar
  4. Que tristeza! E, mais, que falta de respeito!!

    Boa semana

    ResponderEliminar
    Respostas

    1. Com aquela jornalista, o tipo foi mal educado, São
      Ostensivamente!
      Boa semana!!

      Eliminar
  5. Quem é que dizia que a China tem todo o interesse de manter os portugueses em Macau?? :)

    ResponderEliminar
    Respostas

    1. Isto não tem nada a ver com a China e com o que a China quer para Macau, Firehead.
      Isto são as luminárias aqui que inventam
      Esses sim, nunca quiseram os portugueses cá
      Embora, curiosamente, devam aos portugueses tudo o que são

      Eliminar
    2. Bom, Mao Tse Tung queria despachar os portugueses de Macau, até chegou a perguntar em que hotel é que eles se encontravam... Nos chineses não se pode meter a mão no fogo. Se os da China dizem uma coisa e os de Macau querem e fazem outra então é porque se passa alguma coisa.

      Eliminar
    3. Estes mandarins daqui continuam a não querer ouvir os recados que vêm dos lado de lá, FireHead.
      Até que a China resolva mexer-lhe onde lhes dói mais - no bolso.
      Nesse dia, veremos como é.
      E veremos o que se vai passar nestas eleições e logo a seguir às mesmas.
      Vale a pena estar atento

      Neste pormenor, desta publicidade institucional, o erro foi corrigido, a legalidade reposta.
      Se é preciso berrar para as pessoas acordarem, a gente berra.

      Eliminar
  6. Temo que os portugueses tenham os seus dias contados por terras de Macau, Pedro.

    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas

    1. Se dependesse destas luminárias, já era, António.
      Mas como isto são vozes de burro, nos céus não são ouvidas.
      Aquele abraço!!

      Eliminar
  7. Manda quem pode!! Lá como cá; cá como lá! Indecente!

    Pedro, fiquei a saber que também sofreu um acidente ali por Rio Maior. Lamento! Horrível, não?!

    Beijo.

    ResponderEliminar
  8. Manda quem pode! Lá como cá e cá como lá!

    Pedro, fiquei a saber que também sofreu um acidente ali por Rio Maior como o malogrado Carlos Paião. Horrível, não?

    Beijo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não tive um acidente, Graça.
      Tive todos os anjinhos do meu lado.
      Tal como o Paião, uma ultrapassagem mal calculada, um susto que deixou o meu pai e o meu padrinho sem cor, a necessidade de parar, tomar ar, acalmar porque os corações parecia que iam saltar pela boca.
      Beijo

      Eliminar
  9. Bom, pelos vistos eles querem acabar com as duas línguas, mantendo a chinesa, obviamente... E modo de ultrapassar isso?!? ;)

    Beijocas!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Fazer frente a estes gajos, Teté.
      E contar com a ajuda do governo chinês.
      Que está interessado em aprofundar a relação com os países de língua oficial portuguesa e quer usar Macau nessa tarefa.
      Mas estes cabeças de atum recusam perceber isso.
      Beijocas!

      Eliminar
  10. Sempre me pareceu que isso seria inevitável, Pedro. Estivemos ai séculos, mas não soubemos fazer o trabalho de casa.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Neste caso, houve um final feliz, Carlos.
      Agora já há legendagem.
      Mas, apesar de concordar que não fizemos bem o trabalho de casa, a verdade é que é difícil (impossível???) forçar as pessoas a prender seja o que for se não quiserem.
      E foi esse o caso.

      Eliminar