18 de julho de 2013

O canto das cagarras


O Presidente da República é, cada vez mais, um personagem estranho para a grande maioria dos portugueses.
Depois de ter pensado no impensável (obrigar Pedro Passos Coelho, Paulo Portas e António José Seguro a encontrarem uma plataforma de entendimento é quase contra natura) o Presidente resolveu ausentar-se numa aparentemente disparatada visita às Ilhas Selvagens.
Depois das tartarugas nas Seychelles com Mário Soares, as vacas nos Açores e as cagarras nas Selvagens com Cavaco Silva.
O Fungagá da Bicharada?
Acredito que não será tanto assim.
Esta visita do Presidente da República só pode ter uma explicação minimamente lógica.
Cavaco Silva fechou aqueles três gatos assanhados, deixou-os às arranhadelas, e foi-se embora esperando que eles se cansem e se entendam.
Ou definitivamente assumam que não se suportam.
Quando voltar, depois de ouvir o canto das cagarras, acredito que não se importe nada de ouvir o canto do cisne.
Venha ele dos partidos que formam a coligação governamental, ou do lado dos socialistas.
E, em boa verdade, acredito que é até esse o desfecho que Cavaco anseia.
Mas, numa atitude tipicamente sua,  não quer ser ele a ficar com o odioso de dissolver o parlamento e convocar eleições antecipadas tout court.
Para chegar a este resultado (alguém, em boa verdade, acredita que aquele trio chegue a um entendimento duradouro??) deixa que outros o obriguem a tomar essa decisão.
A tal decisão que ele deseja, mas não deseja mostrar que deseja.
Depois de ouvir o canto das cagarras, acredito que Cavaco Silva irá ouvir o ansiado canto do cisne.
E poder, apontando o dedo para os partidos desavindos, convocar eleições.
As tais eleições que tantos dizem querer mas que ninguém efectivamente deseja.
À excepção, se bem percebo, de Cavaco Silva.
As cagarras são aves que conseguem andar no mar seis meses sem vir a terra.
E que só vêm a terra para nidificar.
Cavaco Silva, como Presidente da República, é algo semelhante a uma cagarra.
Capaz de andar meses (anos) ausente, alheado da realidade, a vogar no mar, de repente aparece, volta ao ninho, com ideias que não lembram a ninguém, mas que têm, bem vistas as coisas, um objectivo claro.
Se pensarmos assim, a visita às Ilhas Selvagens nem é assim tão disparatada.
Será algo simbólica até.

30 comentários:

  1. Talvez o senhor tb necessite de desanuviar ... : )

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ele resolveu ir para longe e ver de lá o circo a pegar fogo, Catarina.
      Que até era isso que efectivamente queria.

      Eliminar
  2. A lógica que apresenta até tem sentido.

    Esta atitude de obrigar os Partidos a entenderem-se, se fosse esse o seu real desejo, já a teria tido, pelo menos, há um ano .Além disso, o seu dicurso no 25 de Abril foi de tal protecção ao Governo e culpabilização da oposição que até os pobres cravos se atiraram ao chão.

    E nós sabemos quanto Cavaco não gosta de Passos e detesta Portas.

    Nunca gostei de Cavaco nem jamais votei nele e é dele que conheço o maior certificado de estupidez e ignorância passado por alguém a si mesmo: "Nunca tenho dúvidas e raramente me engano".

    Seja como for, a fuga às responsabilidades e a hipocrisia tão característica do reformado de Boliqueime custa-nos 160 mil euros!

    Bom dia, Pedro.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. São,
      Eu só consigo ler este ultimato a três figuras que não se gramam nem um bocadinho desta forma.
      Cavaco sabe que eles não vão chegar a nenhum entendimento e que vai ter que convocar eleições.
      Mas vai convocar eleições porque o obrigam a isso, não porque ele queira.

      Essa é a mensagem para fora.
      Lá por dentro, ele quer mesmo é acabar o mandato em paz e sossego.
      Nem que para isso tenha que deixar o País de pantanas e virtualmente ingovernável.
      Aquilo que foi passado como uma atitude patriótica, parece-me um acto de puro egoísmo e do mais frio calculismo.
      Em resumo, mais politiquice.

      Eliminar
    2. Concordo totalmente!

      Só lamento que Seguro se tenha deixado enredar na armadilha de Cavaco: é o que faz não ter experiência de vida, mas sim só de juventudes e aparelhos partidários!

      Daniel Oliveira afirma uma coisa sobre Cavaco que eu considero certíssima: "O objectivo de Cavaco sempre foi Cavaco!"

      Bons sonhos

      Eliminar
    3. Cem por cento de acordo com o Daniel Oliveira, São.
      O raciocínio de Cavaco é muito simples, maniqueísta, até - eu, eu, depois eu, e depois eu.
      Se restar alguma coisa, primeiro eu e depois ainda eu.

      Eliminar
    4. Mas TODOS os políticos pensam:

      PRIMEIRO EU!

      DEPOIS EU!

      E OUTRA VEZ EU!

      E não importa se eles chamam cavacos, seguros, soares, sócrates, portas ou coelhos.

      E nós outros também não pensamos assim???

      Quem pensa doutra maneira que atire a primeira pedra!!!

      Eliminar
    5. ematejoca,
      Uma pessoa que muito me ensinou, dizia-me exacatmente isto - primeiro nós, depois nós, depois nós, se sobrar alguma coisa nós e depois divide-se a meias.
      A diferença é que as minhas decisões não afectam milhões de pessoas.
      Se afectassem, já teria que pensar de outra maneira, não é?
      E não estou a pedir a ninguém que seja perfeito, longe disso.

      Eliminar
  3. Ele foi para as Seychelles como há quem vai para a Tailândia, amigo. Não sejamos maus com ele, que foi democraticamente eleito. :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois é, FireHead.
      Só que eu, e outros como eu, vamos para a Tailândia com o NOSSO dinheiro.
      Estes caramelos andam a abanar o fiofó com o dinheiro dos outros.
      Que, ainda por cima, dizem que tem que ser poupado.

      Eliminar
  4. Estimado Amigo Pedro Coimbra,
    O PR, Cavaco foi em busca das Cagarra, designação comum dada às aves procelariformes do género Calonectris. Os seus parentes mais próximos, dentro da família Procellariidae são as pardelas, para as levar ao gatos assanhados, já que esta ave é uma ave migratória e na próxima migração poderá contar com os poleiros em S. Bento,São Caetano, Belém, no Rato e nas Caldas.
    Veremos qual delas voará mais alto, digo, qual o rato que cairá na armadilha.
    Pensava eu que a melhor visita seria ao deserto e vendo os camelos e acumulando areia na vista talvez assim o PNS vira-se dormedário.
    Abraço amigo desta ilha dos Amores, que deserta nunca o será.

    ResponderEliminar
    Respostas

    1. O problema é que, antes disso, fez cagada, Amigo Cambeta.
      E da grossa.
      Aquele abraço!

      Eliminar
  5. Pedro,

    a viagem custa a módica quantia de 160 000€, uma vergonha!

    Este tipo é um pa#$aço, amigo!

    Aquele abraço

    P.S. - Atenção não chamei palhaço a ninguém, como tal, não cometi qualquer crime!

    ResponderEliminar
    Respostas

    1. Sou testemunha que não chamou palhaço a ninguém, Ricardo.
      Mas, se chamasse, não era crime, pois não?
      A decisão MST deve ter feito jurisprudência :)))
      Aquele abraço!!!

      Eliminar
  6. Eu cá gostei da comparação com a cagarra. Mas que raio de nome!!!! Aquilo trocado por i, dá uma cigarra, que é outro bicho igualmente interessante.
    (Muito bom. Parabéns pelo texto)

    ResponderEliminar
  7. Eu cá gosto da comparação com a cagarra. Mas que raio de nome foram inventar para uma ave!!!! Cagarra...............
    Um simples trocadilho com o i e dá cigarra, que é um bicho igualmente interessante...
    (Gostei do texto. Está muito bom)

    ResponderEliminar
    Respostas

    1. Relógio de Corda,
      Neste caso foi mais uma viagem depois da cagada.
      Mas, bem vistas as coisas, já são tantas.
      Vou lá passar pelo blogue agora.

      Eliminar
  8. O homem passou anos sem dizer nada, de repente acordou e decidiu ser o centro das atenções, mas não pelas melhores razões...
    É que há coisas que não lembram a ninguém...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Lembram, lembram, Su.
      Não tarda nada e ele está a dizer que tem que convocar eleições porque a garotada não se entendeu.
      Ele até nem queria (quer pois!!) mas tem que ser porque aqueles irresponsáveis não se entendem.

      Eliminar
  9. Ontem, na sua mensagem ao País ele deu uma explicação para tudo isso, Pedro. Está lá no CR
    Abraço e bom fds

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Vou lá ler, Carlos.
      Aquele abraço e votos de bfds

      Eliminar
  10. se ele viesse cá agora, percebia que os vícios e defeitos que aponta às pessoas do centro se alastraram ao país, como uma mancha de azeite.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Um dos maiores defeitos de Cavaco Silva, Carlos - só vê os defeitos dos outros.
      E ele tem tantos!!!

      Eliminar
  11. Continuo sem entender nada disto, mas quanto mais leio ou ouço, mais confusa fico! Ainda nem sei se é golpe palaciano ou se foi engendrado por um gangue perigoso dos subúrbios...

    Beijocas, anyway! :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Golpe palaciana, engendrado por Cavaco, para Cavaco, em benefício de Cavaco, Teté
      Beijocas!!

      Eliminar
  12. Excelente...nota 20:)

    e o padrinho da cagarra amanhã falará ao país - 20,30h de cá

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Vejamos se, face ao mais que previsível falhanço nas negociações entre o triunvirato, ele convoca mesmo eleições

      Eliminar
  13. "obrigar Pedro Passos Coelho, Paulo Portas e António José Seguro a encontrarem uma plataforma de entendimento é quase contra natura"
    Genial!
    Mas alguém "acarditou" que isso era mesmo possível? Isso foi uma fachada, ainda não consegui entender foi para enconrir o quê...

    ResponderEliminar
  14. Começo a pensar que Cavaco acreditou mesmo, que acreditou que assustava os meninos e eles lhe obedeciam.
    Santa ingenuidade.

    ResponderEliminar