2 de julho de 2013

Nas mãos do CDS/PP


E depois do adeus de Vítor Gaspar?
Depois do adeus de Vítor Gaspar, ao contrário do que escreveu Ary dos Santos, não será o ficarmos sós.
Será antes o ficarmos nas mãos de Paulo Portas e do CDS/PP.
João Ribeiro, porta-voz do PS, em furiosa correria, veio exigir a realização de eleições antecipadas porque "este governo caiu".
O PS adianta-se aos outros partidos, cumpre o seu papel, mas sabe perfeitamente que o Presidente da República vai eventualmente ouvir os partidos com assento parlamentar antes de tomar uma decisão.
Uma audição que será particularmente relevante no caso do CDS/PP.
Já se sabe que a oposição em bloco defende a realização de eleições antecipadas.
Falta saber o que pensam os partidos da coligação.
Pedro Passos Coelho, apesar de notoriamente desgastado, deixará o futuro do governo nas mãos do Presidente da República.
Presidente da República que, avesso a cenários de crise política, para mais em vésperas de realização de eleições autárquicas, vai perguntar a Paulo Portas o que pensa o CDS/PP fazer agora.
Se o CDS/PP mantiver o apoio ao governo, ainda que seja nos moldes dúbios em que o vem fazendo, não acredito que Cavaco Silva dissolva o Parlamento e convoque eleições.
E quem é que acredita que Paulo Portas, que sai reforçado no governo com a demissão de Vítor Gaspar, vai deixar cair o governo e submeter-se a sufrágio correndo o risco de um resultado no mínimo desfavorável?
Sai Vítor Gaspar, obstinado, teimoso, impopular, cansado (já queria abandonar o governo há oito meses como se pode ler aqui)  sobe Maria Luís Albuquerque e sai reforçado no seu estatuto Paulo Portas.
E ficará tudo assim.
Pelo menos até à realização das eleições autárquicas.
Depois das eleições autárquicas, e muito dependentes dos resultados destas, poderá haver outros desenvolvimentos.
Até lá, mais uma vez, same same but different.

28 comentários:

  1. Os anti-Gaspar podem agora lançar os foguetes, mas depois já apanham as canas. O melhor mesmo é esperarmos que o povo decida, uma vez mais, destruir (ainda mais) Portugal nas próximas eleições. É assim a democracia.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Quem me dera ter essa democracia, com todos defeitos, por aqui, FireHead.
      Para evitar que o poder e a riqueza se concentrem numa mesma oligarquia há gerações.
      Que se vai eternizando numa espécie de sucessão dinástica.

      Sem dúvida, confirma-se o que dizia Churchill - o pior de todos os sistemas políticos. Se exceptuarmos todos os outros.

      Aquele abraço!!

      Eliminar
    2. A democracia só vale a pena quando existe um povo com cultura democrática. Compreendo que a China não possa ser uma democracia. Nós aqui em Macau neste aspecto até podemos dar-nos por contentes, amigo.

      Eliminar
    3. Com a representação parlamentar que temos, FirehEad?
      Livra!!!

      Eliminar
    4. Melhor que não ser uma democracia, certo? Diga lá que em Portugal não é a mesma coisa. Será que o problema é da democracia ou é das pessoas que vivem em democracia? :)

      Eliminar
    5. Enquanto estivermos entregues a politiqueiros irresponsáveis (leia o que disse Freitas do Amaral) o País não tem futuro.
      Nem presente :(

      Eliminar
  2. Olá, Pedro, começo por citá-lo, nesta minha "dissertação" sobre a "crise" aberta por Vítor Gaspar, nomeadamente, quando diz que e passo a citar «João Ribeiro, porta-voz do PS, em furiosa correria, veio exigir a realização de eleições antecipadas porque "este governo caiu".
    O PS adianta-se aos outros partidos, cumpre o seu papel(...)» (fim de citação).

    Com efeito, meu amigo, o PS sempre lesto, sedento de poder e caracterizado por uma falta de memória a todos os títulos notável vem, agora, pedir "eleições antecipadas" se não fosse trágico, Pedro, era para rir.

    E tal é trágico porque, o PS é um partido de "lobbies" - mais até que o PSD - é um partido sem qualquer tipo de rigor (em termos de finanças públicas) e que, em pouco tempo, reduziria a escombros o esforço feito por todos os portugueses nos últimos dois anos gastando o "capital de credibilidade" que tanto nos custou a (re)conquistar.

    Podem "brincar aos partidos" mas, por favor, não brinquem com os portugueses, isso é que não. Basta de jogadas, mais ou menos, rasteiras, de "golpes palacianos", de tentar fazer esquecer ou escamotear o passado recente.

    Enfim, gostava de ser mais profundo e demorado na analise mas, confesso, estou com o meu tempo muito limitado porque quero, até ao final do mês, limpar a mesa e ir para férias descansado, Pedro.

    Aquele abraço e votos de uma excelente semana para si e família, amigo!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Já imaginou o que seria agora mais um governo PS daqueles que tivemos ao longo dos anos, Ricardo?
      Sócrates é só o mais recente exemplo.
      Mas, se olharmos para trás, o que para ali vai.
      E um líder de governo como o Seguro, o jovem mais velho de Portugal.

      Mas nada disso vai acontecer.
      Porque Paulo Portas não vai tirar o tapete a este governo e Cavaco Silva não vai dissolver o Parlamento e convocar eleições.
      Insisto, e sublinho, antes das autárquicas.
      Depois, e dependendo dos resultados, a conversa já poderá ser outra.
      Aquele abraço e votos de boa semana para si e família!!

      Eliminar
  3. Estimado Amigo Pedro Coimbra,
    Como sempre estou a leste da politica portuguesa, mas mesmo assim estou como diz o Almanaque do Borda Agua.
    Abraço amigo

    ResponderEliminar
    Respostas

    1. O Gaspar é que meteu água, Amigo Cambeta.
      Muita água
      Aquele abraço

      Eliminar
  4. Não creio que Cavaco consulte seja quem for, porque para ele só a forma importa e não o conteúdo. Além disso, este é o seu Governo, como desde o discurso de 25 de Abril bem tem demonstrado.

    O Governo não se demite, o Presidente não demite o Governo, as políticas continuarão as mesmas e a destruição do país também.

    Mas , para mim , não existem inocentes nesta tragédia: o povo português , especialmente quem votou Cavaco repetidamente para todos os lugares e quem votou em Passos sabendo da sua total inexperiência governativa e laboral.

    Boa semana

    ResponderEliminar
    Respostas

    1. Precisamente pelo factores Cavaco Silva ser muito formal é que acredito que vai chamar os partidos com assento parlamentar, São.
      Depois de os consultar, mera formalidade, anuncia solenemente a decisão que já tomou.
      Sendo eu abstencionista estou particularmente à vontade para tecer quaisquer críticas.
      Boa semana!

      Eliminar
  5. Desde que aceitou fazer esta coligação PPC ficou irremediavelmente nas mãos de PP que, só aparentemente, era o elo mais fraco.
    É no CDS que está a a vida ou morte do desgoverno!

    ResponderEliminar
    Respostas

    1. Se ainda havia dúvidas, agora ficam desfeitas, Rosa dos Ventos

      Eliminar
  6. Cheguei aqui, hoje, exactamente alguns minutos depois de saber que Paulo Portas tinha batido com a porta, Pedro.

    Também o CDS sai de cena, em termos governamentais.

    Aquele abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Hoje vou escrever sobre isso, António
      O prestidigitador Paulo Portas tirou um coelho da cartola que eu confesso que não adivinhava
      Aquele abraço!!

      Eliminar
  7. Não ficou tudo assim até às eleições autárquicas: Paulo Portas demitiu-se hoje! E agora estamos à espera da comunicação ao país de PPC. Pelo sim, pelo não, já pus uma garrafa de espumante no frigorífico... :)))

    Beijocas!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Vamos ver as cenas dos próximos capítulos, Teté.
      Vou aguardar.
      Beijocas!

      Eliminar
  8. Nas mãos do Paulo Portas já não ficamos.
    Não gostou de ser o nº 2. Dizem que o segundo é o primeiro dos últimos :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Estamos cada vez mais, Su.
      A cartada dele é brilhante!

      Eliminar
  9. O Cavaco não vai demitir o governo, existem lugares que são dificeis de abdicar e, isso vai fazer que continuemos entregue aos tubarões.

    beijinho e uma flor

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois é isso que ainda acredito também, Adélia
      E mantenho - só se for empurrado para isso Cavaco deixará cair o governo antes das autárquicas.
      Beijinho

      Eliminar
  10. Coimbramigo

    Mas que grande salgalhada... Entre o "porque o Portas não vai tirar o tapete a este Governo" e a demissão "irrevogável" do ministro de Estado e dos Negócios Estrangeiros vai apenas um milímetro de afastamento, mas que, para o caso, tem mil anos luz de distância.

    Erraste Coimbramigo, erraste e por isso dá a mão à palmatória... Os rapazes do PSD/PPD (que têm metido água por todas as Portas) meteram-se num lindo imbróglio. Pode Passos Coelho afirmar que não se demite "em nome do País" mas o que é facto é que amanhã (para aí já hoje) se demitem os restantes governantes do CDS/PP. A "clareza" de Pedro Passos Coelho é uma treta, para não dizer mesmo uma encomendação funerária. Porque este (des)Governo já cheira mal, pois está em putrefacção.

    Sabes que eu sou PS (o qual, de resto, ajudei a fundar...) e portanto as linhas que escrevo podem ser entendidas apenas a nível partidário; mas, não são. São do interesse nacional de um País que se sente traído, enganado, insultado, vilipendiado.

    As eleições antecipadas, por muito que façam sofrer o senhor que habita no palácio de Belém e que dizem ser o PR (quiçá com a ajuda da Virgem de Fátima) são inevitáveis. Portugal precisa da ida às urnas; com este (des)Governo, urnas só funerárias.

    Não quero fazer comparações com mais nenhuma democracia, quero apenas sublinhar que o nosso País vive em Liberdade e em Democracia; quanto aos outros que dizem que assim vivem "não metas a foice em seara alheia".

    Veremos como "isto" involui, já que evolui é impensável. Esta gente que diz que nos (des)governa não bateu no fundo; ficou abaixo dele. Sendo assim, tudo o que venha a acontecer será melhor do que ela, fatalmente.

    E agora? E a troika? E as avaliações? E o dinheiro que falta em Portugal? Todas estas interrogações e mais outras, aliás, mais muitas outras, não podem ser respondidas senão através do voto. Por mais que fique atravessado na garganta de muitos cidadãos que criticam a democracia, vai ser assim. Ou será que me engano? Ná, creio que não - infelizmente para todos nós os Portugueses e em suma para Portugal.

    Peço-te desculpa de me ter alongado nos considerandos que acima deixo, pois com eles certamente "entupi" o Devaneios a Oriente. O Devaneios a Ocidente nem sequer existe; mas o Pesadelo a Ocidente existe. E o principal culpado é o (des)Governo que estrebucha.

    Abç

    Henrique
    __________

    NB - Já seguiram os tais postalitos...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. FerreirAmigo,
      Preparava-me para assumir o meu erro quando recebi o teu comentário.
      Não é longo, muito menos tens que pedir desculpa (desculpa? A "casa" é de todos, porra!) e é muito pertinente.
      Agora vou escrever sobre o que aconteceu e o que pode vir a acontecer.
      Entretanto, lê o que escreveu o padre Anselmo Borges.
      Não publiquei por acaso.

      Quando receber os postais, apito.

      Daqui a bocado vou passar na Travessa para ler e comentar o texto do nosso amigalhaço João Paulo de Oliveira.

      Grande abraço!!

      Eliminar
  11. Parabéns a todos estes artistas que transformaram Portugal numa nova Grécia. Agora amanhem-se.
    Os que pensam que com novas eleições vai ficar tudo bem estão muito enganados.
    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Hugo,
      Essa é a maior tragédia - o País começa a parecer ingovernável.
      Ainda para mais numa situação de extrema dificuldade.
      Demasiado triste, deprimente até.
      Aquele abraço!!

      Eliminar
  12. O cenário é assustador... Faltava a crise politica para se juntar a tudo o resto, o Paulinho? O Paulinho deu de frosques a tentar sair como o bonzinho da fita, mas de bonzinho também, pouco lhe encontro... Como diz o Pedro, somos governados por politiqueiros!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Um geração de puros oportunistas, Poppy.
      Ainda por cima, medíocres.

      Eliminar