4 de julho de 2013

Mais habitação pública em zona nobre da cidade?


Confesso que, apesar de, como dizia um antigo árbitro de futebol em Portugal, já ter visto um porco a andar de bicicleta num  circo, ainda há coisas que me deixam perplexo.
Não bastava uma instância judicial superior sugerir que as suas sentenças sejam objecto de recurso para uma instância inferior (Macau a inventar o conceito de subir para baixo??); não bastava que, no início da semana, quando fui pagar a renda do lugar de estacionamento que arrendo no edifício onde trabalho (China Plaza) fosse confrontado com o triplicar do montante da renda em meia dúzia de anos (quem é que viu os seus salários triplicarem nesse período? Eu, não!); ontem ouço afirmar, em plena Assembleia Legislativa, que os terrenos onde iria ser erguido o projecto habitacional de luxo La Scala, que tanta bronca têm dado, situados junto ao Aeroporto Internacional de Macau, em zona nobre e cara da cidade, podem agora ser destinados à construção de habitação pública.
Isto na mesma sessão em que foi admitido que o elefante branco da habitação pública de Seac Pai Van, ali logo ao fundo, tem uma taxa de ocupação de sensivelmente 2%.
A construção de habitação pública em Seac Pai Van foi uma ideia bizarra.
Há todos os motivos para não construir ali habitação pública.
Já nem vale a pena repisar os argumentos porque a taxa de ocupação fala mais alto que qualquer discurso.
Mas a habitação pública em Seac Pai Van foi, já todos o percebemos, a means to an end.
O que é se pretende agora com esta possibilidade de construir mais habitação pública na mesma zona?
E os senhores deputados, preocupados com as eleições que estão aí à porta, ouvem e não perguntam quem são as luminárias que têm estas ideias estapafúrdias?
Pior, alguns até aplaudem a iniciativa!
Não há outra maneira de comentar tanto disparate - não há cu que aguente, pá!!

24 comentários:

  1. Eu fui mesmo no ultimo dia (mesmo à tuga) entregar a papelada no Intituto de Habitação, ainda por cima durante o horário de expediente. :)

    A zona do Sec Pai Van vai ficar muito diferente depois quando a malta for para lá viver em massa, amigo.

    Lá para o final do ano, segundo me disseram em Dezembro, abrirão novas candidaturas, desta vez para Macau. :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. FireHead,
      Seac Pai Van não tem infra-estruturas para ali ser construída habitação pública.
      Quando as pessoas quiserem fazer ta pau ao final de um dia de trabalho o que é que fazem?
      Vão buscar um bifinho ao Morton's??
      Aquele mastodonte foi ali construído para outros fins, FireHead.
      Foi uma porta que se abriu para não mais se fechar.
      O que eu gostava de perceber é o que é que se pretende agora com esta ideia peregrina de construir nos terrenos do La Scala.
      Com o tempo perceberemos.
      Aquele abraço!!

      Eliminar
    2. Se não tem infra-estruturas, arranja-se. Até parece que você não sabe como são as coisas aqui. Depois quando a malta for para lá viver, surgirão restaurantes, tascas, 7 Eleven', K's e por aí fora.

      Há coisas que o melhor mesmo é não procurarmos entender. Como canta a velha canção, "Macau sã assi".

      Eliminar
    3. Mas eu já entendi tudo ali em Seac Pai Van, FireHaed.
      Ora se entendi!!
      Ainda não entendi esta do La Scala.
      In time, my friend, in time.

      Eliminar
  2. Pedro,

    começo, outra vez, por citá-lo quando afirma que «Não bastava uma instância judicial superior sugerir que as suas sentenças sejam objecto de recurso para uma instância inferior (Macau a inventar o conceito de subir para baixo??)» e fico...perplexo e preocupado, pá!!!

    Então, que sistema é esse? Será o da "pirâmide invertida"? Epá, é que isso não existe em Direito!!!

    Enfim, quanto ao resto, você melhor que eu sabe do que está a falar!!!

    Aquele abraço, amigo!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mas é isso mesmo, Ricardo.
      Já imaginou um Tribunal na Madeira a rever e a alterar sentenças do Supremo Tribunal de Justiça?
      Pois é mais ou menos isso que o Tribunal de Última Instância sugere.
      De arrepiar os cabelos!!!
      Aquele abraço!

      Eliminar
  3. Caro Amigo Pedro Coimbra!
    É muito desalentador quando nos deparamos com situações, como a que você relatou e ficamos com a sensação que os anseios de uma parcela significativa da população são tratadas pelos poderes constituídos com a postura de "ouvido de mercador".
    Caloroso abraço! Saudações reivindicatórias!
    Até breve...
    João Paulo de Oliveira
    Diadema-SP

    ResponderEliminar
    Respostas

    1. Caro Amigo João Paulo de Oliveira,
      A decisão em causa é tao idiota que parece mentira
      Mas está bem acompanhada por outras do mesmo teor.
      Aquele abraço!!

      Eliminar
  4. Se o mundo não anda lá cheio de doçura, o jeito é encontrá-la em outro lugar ou de outra maneira… Cantar junto com a Mary Poppins, por exemplo.

    http://www.youtube.com/watch?v=HrnoR9cBP3o

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. As minhas filhas já interpretaram a peça na escola, Margot
      Uma maravilha!!

      Eliminar
  5. Por que será que não fico admirado?

    ResponderEliminar
    Respostas

    1. Porque já percebeu que se fazem por aqui coisas que não lembram ao diabo, António?

      Eliminar
  6. Pedro,
    Parece que afinal há muita coisa parecida com o nosso país.

    Mas hoje venho lembrá-lo que são as festas da nossa cidade e homenagem à rainha.
    Um beijinho especial com 37º por aqui.

    ResponderEliminar
    Respostas

    1. Ana,
      Não esquecer que estivemos aqui quase 500 anos, não é?

      Nunca me esqueço da data, Ana.
      Por todas as razoes e porque é hoje o aniversario de uma grande amiga minha.

      Beijinho (por aqui andamos nos 33; mas com uma humidade muito alta. Ate custa respirar!)

      Eliminar
  7. Como é? Uma decisão superior a descer?!

    Pergunto-me o que fizemos nós durante séculos de presença nos diversos continentes?

    Bom fim de dia

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O oposto do pleonasmo, São.
      Mais criatividade que isto.....

      Eliminar
  8. Afinal a porcaria política daí é irmã gémea da de cá...

    ResponderEliminar
  9. Respostas
    1. Carlos,
      Portugal tem decisões judiciais a subir para baixo?
      Habitação pública na Quinta da Marinha?
      Nem pensar!!

      Eliminar
  10. Como sempre, na mouche!
    Os escritos que mais gosto são os da análise política e sobre especificidades locais.
    Bom fim-de-semana!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Há espaço para tudo, mor.
      Para as coisas mais sérias e para a palhaçada.
      BFDS!!

      Eliminar
  11. No Porto desde sempre que os bairros sociais coabitam com as zonas mais nobres. O Aleixo junto à Foz é o mais conhecido, mas na verdade quase todos os bairros de habitação social estão misturados com os bairros "bons". Julgo que foi inicialmente uma tentativa de não "guetificar" os pobres, mas compreendo que deva ser muitíssimo complicado de gerir essa vizinhança "forçada"...
    Um abraço

    ResponderEliminar
    Respostas

    1. Miú Segunda,
      As maiores dificuldades sao as que enfrentam os habitantes desta habitação pública
      Serem enviados para uma zona caríssima, sem infra-estruturas (transportes públicos, escolas, supermercados, mercado, estabelecimentos de restauração,....) a que possam ter acesso é, para além de estúpido, cruel.
      Esta é a zona onde se encontram todos os grandes projectos de hotelaria, jogo, retalho, e onde vão ser construídos muitos mais.
      Habitação pública, ali?????
      Um abraço

      Eliminar