19 de março de 2013

O assalto cipriota e a UE como uma espécie de bombeiro pirómano


Os ministros da Economia e Finanças do Eurogrupo aprovaram na passada semana um pacote de ajuda à economia cipriota que poderá atingir os dez mil milhões de euros.
Uma União Europeia que não conseguiu prever, muito menos evitar, uma crise financeira sem paralelo no pós-guerra, aparece agora aos olhos do Mundo como uma espécie de bombeiro pirómano.
Um bombeiro que hipoteticamente combate os "incêndios" que deflagraram em vários países da zona euro (Grécia, Portugal, Espanha, Irlanda, Itália, Chipre) mas que, com as medidas que toma, em muitos casos os agrava.
Numa Europa carente de verdadeira liderança, a nível nacional e supranacional, cada vez mais a fazer passar a ideia de completo desvario, cada vez mais a fazer passar a ideia de uma máquina extremamente pesada, pejada de burocratas e tecnocratas, pagos a peso de ouro mas de duvidosa competência e total ausência de bom senso, o assalto cipriota acaba por não ser uma total surpresa.
A mesma União Europeia que critica repetidamente os países em dificuldades económicas, e os cidadãos desses países, pelos seus gastos excessivos (já todos percebemos que essa é só uma pequena parte do problema) apressa-se agora, no caso cipriota, a atacar o aforro.
Em que é que ficamos?
Não gastar, poupar, para ser assaltado nas suas poupanças pelo desvairado monstro europeu?
Cavaco Silva, em Roma, fez referência a uma medida perigosa e a ausência de bom senso.
O Presidente da República estaria a pensar não só nas poupanças dos cipriotas (depósitos até 100 000 euros serão taxados em 6,7%; acima desse valor em 9,9%) mas também no que representa este ataque a um dos maiores offshore europeus.
O dinheiro que se encontra nos bancos cipriotas, o dinheiro que está agora sob ataque cerrado da União Europeia, não é apenas resultante do aforro dos cipriotas.
Arriscaria afirmar que talvez seja menos aforro cipriota do que dinheiro que chega aos bancos cipriotas vindo de outras proveniências.
Dinheiro que, face a este ataque, vai evidentemente migrar para outras paragens.
Quando uma economia se encontra em dificuldades, com um grau de gravidade que obriga ao recurso a auxílio externo, uma medida destas só pode ser tomada por uma espécie de bombeiro pirómano.

22 comentários:

  1. Parabéns, Pedro, por um post muito bem escrito e perspicáz. O Velho Continente só está a destruir-se a si próprio com estas medidas extenporâneas (em vez de tomarem medidas a sério e nos sítios certos).
    Um amigo meu disse, e eu subscrevo: "a pergunta não é se o Euro vai acabar; é quando!".
    Um abraço.

    ResponderEliminar

  2. Apesar de toda a gente saber que os bancos cipriotas eram uma enorme lavandaria Anónimo :))), a verdade é que este ataque é completamente desmedido e desvairado.
    Porque vai afectar os pequenos depositantes, o pequeno aforro, lançar ondas de choque nos outros países europeus e fazer os cidadãos europeus olhar para o colchão ou gastar o dinheiro.

    Não acredito no fim do euro.
    Não era só a UE a ser afectada com essa implosão, era o Mundo todo.
    Como tal, não acredito que isso aconteça.
    O que acredito é que a Europa vai ter que repensar seriamente o seu projecto, os caminhos que está a trilhar.
    E depressa!
    Aquele abraço!

    ResponderEliminar
  3. E o mundo continua calado nesta onda de destruição de toda a Europa. Estas guerras são muito mais fortes que todas as anteriores para a supremacia do poder alemão e francês.
    Todos estamos a trabalhar para uma cambada de ladrões que só semeiam a destruição e deixam os países num caos...
    Até quando...?????

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. luís,
      As últimas notícias já apontam no sentido de algum recuo nestas medidas.
      Seriam taxados, até em percentagens superiores, apenas os depósitos acima dos 120 000 euros.
      Uma forma de obter a aprovação do parlamento cipriota e de justificar este ataque com a necessidade de combate à evasão fiscal e à lavagem de dinheiro.
      Não me convence.
      Uma medidas destas pode ter repercussões catastróficas a nível de todo o sistema bancário europeu.
      E, daí espalhar-se sabe-se lá para onde.
      Cambada de cretinos irresponsáveis!
      Aquele abraço

      Eliminar
  4. Pedro,

    em primeiro lugar, gostaria de felicitá-lo por um post tão lúcido e real do que, actualmente, se passa para os lados de Frankfurt/Berlim, sim, porque eu Bruxelas são apenas marionetas das vontades alemãs.

    Em segundo lugar, não é menos verdade que a "lavagem de capitais" efectuada pelas chamadas máfias russas rondou, entre 2009 e 2011, a fabulosa e astronómica quantia de 120 mil milhões de euros quando, ao invés, o PIB/Anual do Chipre é qualquer coisa como 20 mil milhões de euros. Porém, querer taxar todos os depositantes da mesma forma como se taxam os grandes oligarcas russos, meu amigo, isso mais não é que um confisco e, digo mais, de uma miopia e falta de visão no que concerne ao sistema bancário por parte de Rehn, Merkel, Schauble e outros tecnocratas que habitam lá para o centro da Europa.

    Em terceiro lugar, gostaria de referir que penso que caminhamos, a passos largos, para uma eventual III Guerra Mundial, é com mágoa que o afirmo, é esta a minha convicção.

    Grande abraço!

    ResponderEliminar
    Respostas

    1. Ricardo,
      Pelos vistos já houve um recuo neste confisco.
      Passam a ser taxados apenas depósitos acima de120000 euros.
      Atacar o pequeno aforro era revoltante.
      Se se quer atacar as mafias que usam os bancos cipriotas para lavar dinheiro nao se pode atacar o pequeno aforro em simultâneo.
      Isso é atira fora o bebe com a agua do banho.

      Oxalá esteja enganado, meu bom Amigo.
      Um conflito, nesta altura, sera devastador.
      Aquele abraço

      Eliminar
  5. Parabéns pelo texto...e é simplesmente assustador este desvaria numa UE que se desintegra a olhos vistos.

    Já para não falar da política interna de ou em Portugal onde os buracos financeiros/corruptos é numa de cada cavadela uma minhoca e 99,9% foram feitos por "canalhas" das cores políticas do actual executivo.

    Já não sei mais no que pensar... apenas que isto tudo vai de mal a pior!

    Beijos

    ResponderEliminar
    Respostas

    1. O que me parece absolutamente de loucos é atacar o pequeno aforro.
      Precisamente o que a UE dizia quererpromover.
      Pelos vistos já recuaram nesta medidas estúpidas.
      Beijos

      Eliminar
  6. A concretizar-se a medida cipriota, seria um rastilho para o fim do euro.

    A Europa dita unida está parada, e desunida, à espera das eleições na Alemanha.

    Aí, oxalá que se Merkl vencer, tal não aconteça com maioria.
    Sem ela, teria que fazer uma aliança com a esquerda e as coisas levariam uma volta.

    Parabéns pelo texto, Pedro.

    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas

    1. António,
      A UE tem tomado medidas que me deixam surpreendido.
      Esta, confesso, deixou-me boquiaberto.
      Ate parece mentira.
      Espero que este recuo que agora se anuncia nao seja apenas estratégico.
      Leviandades como esta pagam-se muito caro.
      E por muito tempo.
      Grande abraço, Amigo!

      Eliminar
  7. Qual é a língua que se fala no Chipre? O grego? Ahhh, fiquei esclarecido... :)

    ResponderEliminar
    Respostas

    1. Acha que foram os cipriotas os culpados e que merecem as parvoíces da UE, Firehead?
      Cuidado, se da mau resultado nao fica pedra sobre pedra.

      Eliminar
    2. Eu é que tenho a mania de pensar que a União Europeia é uma coisa boa, amigo. Afinal...

      Eliminar
  8. O problema , Pedro, é que estes bombeiros estão apostados em queimar tudo até ao fim!
    Abraço e boa semana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Carlos,
      Já imaginou o que seria uma ilhota encostar a UE à parede?
      Já não precisa de imaginar.
      É o que está a acontecer.
      Aquele abraço e votos de boa semana!

      Eliminar
  9. Isto é de loucos e assustador Pedro.

    beijinho e uma flor

    ResponderEliminar
    Respostas

    1. Os loucos tomaram mesmo conta do asilo, Adélia.
      Mas, desta vez, os bombeiros pirómanos queimaram-se.
      Beijinhos

      Eliminar
  10. Conforme já escrevi noutro lado, não sou tão crítico a estas medidas, como o Pedro !
    Como disse, só o "dinheiro sujo" das mafias russas depositado na "lavandaria" banca cipriota, é muitíssimo mais que o PIB de Chipre. Ora, o "ataque" teria que ser feito nessa direcção !
    Acontece que o dinheiro que entra na banca, não é para ficar nos cofres, mas sim para ser aplicado e o "azar" da banca cipriota foi tê-lo investido em demasia na Grécia, o que veio a gerar a quase generalizada falência da banca cipriota.
    Creio que esta medida de iniciativa do Eurogrupo (ministros das finanças) representa um "ataque camuflado" à Rússia e já ontem Puttin se insurgiu e de que maneira, contra ela e os seus efeitos na Rússia. Repare-se que a decisão foi "tomada por unanimidade" precisamente para não ficar em causa nenhum Estado em particular, perante a Rússia.
    Por outro lado, se não fosse tomada esta medida de apoio, (resgate de 10 milhões) unicamente à banca de Chipre e se se encarasse preferencialmente uma falência quase geral da banca, o "desastre" para os cipriotas seria enormíssimo, porque sem banca, não poderia haver economia em Chipre !
    .

    ResponderEliminar
  11. Ora bem ! A bola passou para as mãos dos cipriotas, que acabam de chumbar a medida sugerida pelo Eurogrupo !
    Veremos agora como se vão arranjar, "perdendo a oportunidade" de irem buscar muitos milhões às mafias russas, que agora respiram de alívio ! Palpita-me que aqui há dedo do Sr. Puttin, que já ontem tinha reagido violentamente contra este "ataque" à Rússia, ou melhor aos seus "mafiosos" !
    Sendo assim, os cipriotas terão que contar apenas consigo próprios para pagar a "falência da banca" ! :((
    .

    ResponderEliminar
    Respostas

    1. Rui,
      Resposta dois em um :))
      Quando se pretende atacar dinheiro sujo, ferir a "lavandaria", ataca-se esse dinheiro, não se ataca, de forma cega, TUDO.
      Aconteceu aqui com o Banco Delta Ásia e o dinheiro do regime norte-coreano.
      Esses ataques geram ondas de pânico.
      Que foi também o que aconteceu aqui.

      Como é que reagiram os cipriotas?
      Chumbaram a medida.
      E, com esse chumbo, encostaram a UE à parede - ou nos entregam a massa sem condições leoninas, ou nós viramos a agulha para a Rússia.
      Quem diria que seria uma ilhota a enfiar o dedo no nariz dos burocratas da UE??
      Aquele abraço!

      Eliminar
  12. Quando ouvi essa notícia só pensava, espero que o PC não veja isto não vá ele ter ideias... Enfim, atacar as poupanças das pessoas é do mais ridiculo que pode haver, não vai buscar dinheiro de modo igualitário, pois só vai buscar dinheiro a pessoas que sejam poupadas, ou seja uma pessoa até pode ganhar pouco mas ter boas economias, e uma pessoa pode ganhar muito ser um grande esbanjador e não ter economias, quem sofre? Que as tem... Um grande contra senso a meu ver, além de instabilidade finaceira que cria e da corrida aos bancos para levantar o dinheiro.

    A designação de bombeiro pirómano é muito pertinente... Os fundadores da UE devem andar a dar voltas na tumba certo Pedro? De certeza que os objectivos deles não eram estes...

    ResponderEliminar
  13. As medidas tomadas em Chipre são completamente estúpidas, Poppy.
    Atacar os depósitos bancários, o pequeno aforro, para tentar atacar a lavagem de dinheiro é o reconhecimento tácito da incapacidade de quem toma tais medidas.
    Que, para além de criarem mau estar na UE, abalarem a confiança que é necessária nos depósitos bancários, ainda "compram" uma guerra perigosa com as mafias russas.
    Disparate em toda a linha!

    ResponderEliminar