14 de março de 2013

Blogue Olhar Direito

Novamente por aqui
Hoje com a eleição do novo Papa como tema

14 comentários:

  1. Todos esperamos o melhor deste Homem de Deus. Pareceu-me simples e com vontade de fazer e cumprir a sua missão. Que ele seja um Servo fiel de Deus e de toda a Igreja

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. luís,
      Infelizmente, afino pelo diapasão daqueles que o consideram um Bento XVII.
      As novidades (sul-americano e jesuíta) não apagam o sentimento de déjá vu.
      Oxalá esteja engando.
      Aquele abraço!

      Eliminar
  2. Quem não gosta mesmo nada dele é a presidente da Argentina. O Papa é claramente contra o aborto, o casamento gay e demais coisas que ninguém da Igreja pode admitir. E ainda bem que assim é. Os modernistas e os progres vão ter de esperar pelo próximo conclave, em vão, pois nenhum cardeal pode ir contra a Tradição da Igreja.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. As desavenças com o casal Kirchner também têm a ver com a ostentação deles, em contraste com o estilo de vida asceta, discreto, do novo Papa.
      Estou contente por ele ser Jesuíta
      Fazem parte da minha vida, da minha formação.
      E são gente de uma cultura incrível

      Eliminar
    2. A Cristina Kirchner só se interessa por jóias e uma vida de luxo, e o povo que se lixe.

      A cultura dos Jesuítas é, sem dúvida, incrível, mas há muita gente que os teme, porque eles são demasiado poderosos e de certo modo conservadores.

      Eliminar
    3. Essa foi uma das razões para haver choque de personalidades entre Francisco I a a presidente argentina.

      Os jesuítas são algo conservadores?
      Alguns.
      Olhe que conheci muitos que não o eram nada.
      Gente de uma dimensão cultural e humana perfeitamente invulgar.

      Eliminar
  3. É isso Pedro !
    Comentei (lá) acima, antes de ver este post.
    São também esses os meus "receios" de um impedimento (ou travão) às mudanças necessárias. :((

    Abraço !
    .

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A Igreja não é de revoluções, Rui.
      Essas mudanças, se e quando se fizerem, será de forma muito pausada, muito ponderada.
      Aquele abraço!!

      Eliminar
  4. Para ser franca, também me parece que nada vai mudar com este Papa. E, pessoalmente, acredito que a Igreja bem precisava de se modernizar, em muitos aspetos... ;)

    Beijocas!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Como comentei com o Rui, isso não acontecerá de repente, Teté.
      A acontecer será com muita calma, com muita ponderação demorará muito tempo.
      Beijocas!

      Eliminar
  5. Francisco I é conhecido pela personalidade discreta, pela forma simples com que prega e pelo seu amor aos pobres – de certo modo um contraste com o "meu" Papa, muitas vezes criticado por não falar a língua do povo.
    Mas o alemão é um grande intelectual e filósofo, os seus livros são verdadeiros tratados de filosofia.

    NENHUM Papa, mesmo o brasileiro, tomaria medidas drásticas em temas como o aborto, o casamento de homossexuais ou a ordenação de mulheres, portanto, alegrem-se com o primeiro latino-americano na História da Igreja Católica e também por se livrarem do pastor alemão (o meu Papa).

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Exactamente. Por isso que aqueles que se dizem católicos e esperam que a Igreja se "modernize" o melhor que têm a fazer é deixarem de ser católicos.

      Eliminar
    2. Você acaba de me expulsar da Igreja, Firehead :))

      Eliminar
  6. Exactamente, ematejoca.
    Medidas drásticas, alterações drásticas, não fazem parte da História da Igreja.

    Ratzinger/Bento XVI teve o azar de suceder a uma personalidade fascinante como era João Paulo II.
    Um handicap muito complicado de ultrapassar.

    ResponderEliminar