30 de Setembro de 2014

Sense and sensibility, please


Sense and sensibility é o que se pede aos dois lados em confronto em Hong Kong.
Pequim ofereceu a Hong Kong menos do que era esperado por uma larga franja da população, ansiosa pela implementação de um regime de sufrágio directo e universal livre de restrições já em 2017.
Algo que nunca terá estado nos planos das diferentes lideranças em Pequim.
Porque, com um regime de sufrágio directo e universal sem condições ou restrições, a obrigatoriedade constitucionalmente consagrada de ser Pequim a nomear o Chefe do Executivo da Região Administrativa Especial faria pouco sentido.
Qual seria a utilidade de levar a cabo uma eleição com candidatos que se sabia à partida que Pequim não iria nomear?!
Neste particular vem à memória a frase de um ilustre cidadão macaense, já desaparecido, que dizia que Pequim nunca organiza umas eleições sem antes saber quem as vai ganhar.
Tendo Hong Kong repelido a implementação do famoso artigo 23º da Lei Básica na Região, mais  se acentuava o risco de os candidatos a Chefe do Executivo não serem do agrado de Pequim.
E Pequim não corre riscos, como todos sabemos.
Neste cenário ofereceu a Hong Kong mais do que aquilo que tem agora (o sufrágio directo e universal só será realidade depois de os candidatos ao cargo de Chefe do Executivo terem passado pelo crivo de Pequim), muito mais do que existia sob administração inglesa.
Uma larga fatia da população de Hong Kong, que aspirava a ainda muito mais, sente-se defraudada, afronta abertamente Pequim, sai para as ruas em consciente acto de desobediência civil, primeiro conhecido por Occupy Central, agora cognominado Umbrella Revolution, porque serem os guarda-chuva o meio de defesa utilizado para os manifestantes se protegerem do gás lacrimogéneo e do gás pimenta lançados pelas forças policiais.
Os excessos já aconteceram, as posições estão extremadas.
Mas é bom que haja serenidade, que haja bom senso, para a situação não deslizar para além do controlável.
Sexta-feira será um dia essencial para se perceber até que ponto poderemos estar à beira de semelhante cenário.
Com os feriados que se aproximam é de prever alguma acalmia nos dois dias que se seguem.
Na sexta-feira, no regresso do business as usual, o perigo de haver excessos de parte a parte recrudesce.
E será então o momento ideal para começar a imperar a máxima sense and sensibility.
Pequim não vai dar a Hong Kong o que uma boa parte da população de Hong Kong neste momento exige.
Mas terá que tentar dar algo mais para desbloquear este impasse.
Que não interessa a ninguém.
Em última análise Pequim poderá sempre retirar a proposta agora sobre a mesa e deixar ficar tudo como está em termos políticos (uma forte possibilidade, admita-se).
Com que custos, no presente e no futuro, na governabilidade de Hong Kong?
Ninguém sabe, ninguém poderá seriamente prever.
E volta o apelo às duas partes - sense and sensibility, please.

Momento único passado em Coimbra

29 de Setembro de 2014

Robô


A mulher está na cama com um 'amigo' e de repente ouve o barulho da chave na fechadura.
Fica nervosa, principalmente, porque nos apartamentos modernos não há espaço debaixo da cama, estão a 20 andares de altura, não há armários.
De repente, ela diz ao amante:
- Querido, fica tranquilo e faz tudo o que eu disser. Fica ali de pé, como se fosses um robô, sem pestanejar.
O marido entra: 
- Olá amorzinho! Olha, anteciparam o vôo e eu cheguei um dia antes... mas... quem é esse tipo e que merda está aqui a fazer nu, aí plantado?
A mulher sorri e responde:
- Como me tens abandonado com essas viagens e reuniões, resolvi comprar este robô escravo sexual modelo RTSEX-2007'. Vem, aproxima-te, toca-o.Tem pele de verdade; é arrefecido a água; gasta pouco, processador de 256 bites, ligação GPRS à Internet, actualizações automáticas, etc, etc.
- Mas, amor... Havia necessidade disso?
- E o que querias? Que me enrolasse com algum vizinho ou com o porteiro do prédio?
- Está bem, deixa-te de parvoíces e vamos para a cama - disse ele.
A mulher, que já estava cansada, responde:
- Ai, fofinho, é que... me dói a cabeça e além do mais eu estou naqueles dias...
- Que má sorte a minha. Então, porque não vais arranjar qualquer coisa para eu comer?
A mulher sai do quarto e vai para a cozinha. 
O marido, que ficou a sós com o suposto 'robô', olhando-o diz:
- Se este invento é bom para a minha mulher, também vai servir para mim.
E então, puxa-o pelo braço, atira-o para cima da cama, põe-o de quatro e quando está a ponto de partir para os finalmente, o robô diz nervosamente e com a voz mais metálica e robótica que consegue:
- 'ERRO! ERRO DE SISTEMA, ENTRADA INCORRETA! ERRO! ERRO DE SISTEMA,
- ENTRADA INCORRECTA'.
O marido mira-o de alto a baixo, sobe as calças e diz:
- Que se lixe a merda do robô moderno. Vou atirá-lo agora mesmo pela janela fora.
O amante, assustado ao lembrar-se dos 20 andares do prédio, grita com a mesma voz metálica:
- SISTEMA ACTUALIZADO! DOWNLOAD DE SOFTWARE COMPLETO! POR FAVOR, TENTE DE NOVO.

(BOA SEMANA!)
( Curtinha aqui em Macau porque quarta e quinta-feira são feriados e sexta-feira há tolerância de ponto)

Pais e filhos


O pai pergunta ao filho de 12 anos se ele sabe como são feitos os bebés e ele desata a chorar e responde:
- Não quero saber! Promete que não me contas!
E o pai, espantado, pergunta porque razão o filho não quer saber e, ele ainda ainda chorando, responde:
- Quando eu tinha 6 anos me contaram que não havia Coelho da Páscoa, aos 7 descobri que não havia Fada Madrinha e aos 8 contaram-me que o Pai Natal é você!
Se eu descobrir que os adultos não dão quecas... não tenho mais qualquer razão para viver! 

Adivinhas


O que são quatro pontos marron no chão?
FOURmigas

E o que são cinco pontos no alto do morro?
Uma FIVEla

E o que é um ponto cinza no céu?
Uma GRAYvota

26 de Setembro de 2014

O menino e o papagaio




Em qualquer lugar de Portugal, um menino regressa da escola cansado por andar a pé uma grande distância. 
O governo subiu os preços e não há dinheiro para o passe.
Faminto, pergunta à mãe;
- Mãe, o que temos para comer?
- Nada, filho!
O menino olha para o papagaio que têm em casa e pergunta:
- Mamã, porque não comemos papagaio com arroz?
- Não há arroz!
- E papagaio ao forno?
- Não há gás!
- E papagaio no grelhador eléctrico?
- Não há electricidade!
- E papagaio frito?
- Não há azeite!
O papagaio felicíssimo gritou:
PUTA QUE PARIU. VIVA O PSD!!!

BOM FIM-DE-SEMANA!

Astúcia de uma Mulher Casada


Uma senhora muito bonita procura um tatuador e pede-lhe:
- Faça-me na minha virilha esquerda um lindo
 coelhinho de Páscoa.
O tatuador trabalhou e fez um perfeito coelhinho, que ela adorou.
- Agora, faça-me um Pai Natal com o seu saco de presentes na minha virilha direita. 
O tatuador trabalhou e fez um lindo trabalho, que ela aprovou incondicionalmente.
Ela perguntou quanto era, pagou e, quando ia sair, o tatuador perguntou:
- Minha senhora, o seu pedido para mim foi inédito e isso deixou-me muito curioso. Por favor, diga-me, porquê um coelho de Páscoa numa virilha e um Pai Natal na outra?
Ela respondeu:
 - É para eu calar a boca do meu marido, que está sempre a dizer que lá em casa não há nada de bom para comer entre a Páscoa e o Natal!

Como lavar os Tintins

Para não danificar os tintins, lave-os apenas com um pano húmido esfregando suavemente, tal como a imagem abaixo mostra...
     !
      ! 
      !
   ver
      !
      ! 
     !
     !
     !
     
em baixo

     






25 de Setembro de 2014

Liberdade (de movimentos) cerceada


Na próxima semana (1 de Outubro) completo dezanove anos de permanência em Macau, a terra que adoptei como lar para mim e para a minha família.
Há dezanove anos, no dia em que aqui cheguei, depois de repousar um pouco e de tomar um duche retemperador, fui passear com amigos, conhecer Macau.
E foi amor à primeira vista.
A cidade era bonita, arejada, tinha vida, podíamos passear na rua em segurança e com espaço.
Dezanove anos depois, fiquei ontem a saber oficialmente aquilo que já todos sentimos no dia-a-dia - nos dias da Semana Dourada não vou poder usufruir da cidade que é também minha.
Porque nesses dias se prevê que a cidade seja invadida por cerca de um milhão e meio de visitantes, que ficarão limitados nos seus movimentos por barreiras artificiais para evitar que se portem (muito) mal. 
Não tendo programada uma saída de Macau nesses dias (há qualquer coisa de perverso numa cidade que expulsa os seus residentes) ficarei também eu limitado nos meus movimentos, obrigado a procurar os locais que os visitantes não procuram ou a ficar enclausurado em casa.
No meio desta esquizofrenia, já a roçar a demência, é quase ofensivo ouvir falar na necessidade de se efectuarem mais estudos para perceber o óbvio - é demasiada gente para uma cidade com a dimensão e as infra-estruturas de que Macau dispõe!
Estudar o quê?!

Resposta a anúncio de emprego


Este anúncio foi publicado num famoso site de procura e oferta de trabalho nacional em Portugal.
Um jovem recém-licenciado na área leu-o e achou que devia responder à letra!
A Revista Visão  publica um artigo sobre o jovem que deu esta resposta!

A XXXXXXXXXX está a aceitar candidaturas para estágio na área de Design
Requisitos Académicos: Finalista ou recém-licenciada(o) em Design
Competências pessoais:
• Poder de comunicação;
• Iniciativa;
• Auto-motivação;
• Orientação para resultados;
• Capacidade de planeamento e organização;
• Criatividade
Competências técnicas:
Conhecimentos nos seguintes programas/linguagens
® Adobe Photoshop,
® InDesign,
® Illustrator (FreeHand e Corel Draw) Flash,
® Dreamweaver,
® Premiere,
® AfterEffects,
® SoundBooth,
® SoundForge,
® AutoCad,
® 3D StudioMax
® HTML (basic),
® ActionScript 2.0 (basic),
® CSS,
® XML.
Remuneração: Estágio Remunerado
Duração: 6 meses, com possibilidade de integração na equipa

Portanto, e resumindo, esta empresa quer um recém-licenciado que saiba de origem 13 softwares e 4 linguagens de programação. Isto é o país em que vivemos.
Não me ficando atrás perante esta pérola, decidi responder no mesmo estilo.
Eis o que lhes respondi:

Boa noite,
Estou a entrar em contacto para responder ao anúncio colocado no site Carga de Trabalhos para a posição de estagiário em Design.
Chamo-me André Sousa, tenho 25 anos e sou um recém-licenciado em Design de Equipamento (Fac. Belas Artes de Lisboa).
Sou extremamente comunicativo, transbordo iniciativa e auto-motivação, estou constantemente orientado para os objectivos como uma bússola para o Norte (magnético), sou mais planeado e organizado que o Secretário de Estado de Planeamento e Organização e sou um diamante da criatividade como já devem ter percebido e como vão poder comprovar nas próximas linhas.
Quanto aos conhecimentos técnicos:
Sou um mestre em Adobe Photoshop.
Conheço o InDesign por dentro e por fora.
O Illustrator, Freehand, Corel e o Flash são os meus brinquedos do dia a dia, faço o que quiser com eles.
Nem me ponham a falar do Dreamweaver, até de olhos fechados...
Premiere... Até sonho com ele!
AfterEffects tem um lugar especial no meu coração.
Faço umas coisas bem maradas com o SoundBooth e o SoundForge.
Com o Autocad e o 3d Studio Max até vos faço duvidar dos vossos próprios olhos.
Html, Action Script 2.0, CSS e XML são as linguagens do meu mundo.
Mas sejamos francos, qualquer estudante de 1º ano sabe de cor e salteado qualquer um destes 13 softwares e 4 linguagens de programação...
Eu sou um recém finalista. E como tal tenho muito mais para oferecer:
Tenho conhecimentos de Cinema 4D, Maya, Blender, Sketch Up e Paint ao nível de guru.
Tenho conhecimentos mega-avançados de C+, C, C++, C+ ou –, Java, JavaScript, Ruby on Rails, Ruby on Skates, MySQL, YourSQL, Everyone'sSQL, Action Script 3.0, Drama Script 3.0, Comedy Strip 3.0 e Strip Tease 2.5, Ajax, Vanish Oxi Action, Oracle, Sonasol, XHTML, Batman e VisualBasic.
Conheço o Office todo de trás pra frente assim como a Microsoft WC.
Domino o Flex ao nível do Bill Gates e mexo no Final Cut Pro melhor que o Steven Spielberg.
Tenho ainda conhecimentos de grande amplitude em 4 softwares que estão a ser desenvolvidos por grandes marcas e também de 3 outros softwares que ainda não foram inventados.
Falo 17 línguas, 5 das quais já estão mortas e 6 dialectos de povos indígenas por descobrir.
Com estes conhecimentos todos estou super interessado num estágio porque acho que ainda tenho muito para aprender e experiência para ganhar. Espero que ao fim de 6 meses tenha estofo suficiente para poder fazer parte da vossa equipa e quem sabe liderá-la.
Fico ansiosamente à espera de uma resposta vossa.
Embora tenha uma oportunidade de emprego na NASA e outra no CERN espero mesmo poder fazer parte da vossa equipa.

Cumprimentos,
A. S.

PS: Com um anúncio desses, a pedir o que pedem a um recém-licenciado, é uma resposta destas que merecem. Peço desculpa se feri susceptibilidades mas não me consegui conter


24 de Setembro de 2014

Uma opção muito arriscada


Confirmando os sinais que se vinham avolumando nesse sentido Fernando Santos será hoje apresentado como novo seleccionador português.
À beira de completar 60 anos, Fernando Santos consegue a proeza de treinar os três maiores clubes portugueses (Porto, Benfica e Sporting) e a Selecção Nacional.
O que é ainda mais relevante, e surpreendente, se pensarmos que estamos perante um treinador cinzentão, sem rasgo, sem chispa.
Espero estar errado na minha avaliação, mas julgo que Fernando Santos não é o timoneiro que a nau Selecção Nacional neste momento necessitava.
Por várias razões:
I) porque não é um treinador para fazer a renovação absolutamente essencial nesta fase em que uma geração está a terminar a sua carreira e outra a dar os primeiros passos (Fernando Santos só conseguiu algum sucesso com equipas que já estavam montadas, que já tinham uma dinâmica própria, como o eram o Porto e a equipa nacional grega); 
II) porque é um treinador que precisa de ter atrás de si uma estrutura muito forte para ter sucesso (precisamente o que aconteceu no Porto e na equipa nacional grega, em contraponto com o que sucedeu no Benfica e no Sporting); 
III) porque não acredito que seja um treinador capaz de ter pulso suficiente para dominar um balneário cheio de vedetas e pseudo-vedetas (Fernando Santos, que se descrevia a si próprio como alguém com cara de quem anda permanentemente com azia, não é um disciplinador, um líder nato); 
IV) porque está sujeito a um castigo pesadíssimo, imposto pela FIFA, que o pode afastar do banco durante muito tempo (confiar que esse castigo, de oito jogos de suspensão, vai ser reduzido, é uma autêntica aposta na roleta russa).
Confesso o meu desapontamento com esta escolha da Federação Portuguesa de Futebol.
E confesso que cheguei a acreditar que, depois da saída de Paulo Bento, ainda muito mal explicada nos seus contornos e a fazer adivinhar mais lavagem de roupa suja em público, a Federação Portuguesa de Futebol fosse apostar num técnico estrangeiro, totalmente estranho aos jogadores, com uma personalidade forte e com indubitável capacidade de liderança.
O escolhido foi Fernando Santos.
E não vou cair no lugar-comum de dizer que é agora o meu seleccionador.
Seria hipócrita e falso.
Porque temo que esta opção, muito arriscada, se venha a revelar um grave erro de casting.
Com sérias consequências para a tal nau Selecção Nacional neste momento a dar a sensação de andar muito à deriva.

Seguramente nunca usaram uma destas





























23 de Setembro de 2014

Chefe em Pequim


Chui Sai On deslocou-se a Pequim para cumprir o protocolo e receber o decreto de nomeação como quarto Chefe do Executivo da Região Administrativa Especial de Macau (RAEM).
Costume intimamente ligado à idiossincrasia típica do povo chinês ("uma mão cheia de mel, outra cheia de merda"), Chui Sai On ouviu de Xi Jinping alguns elogios [prosperidade económica da RAEM,  estabilidade política e paz social (recado para Hong Kong ouvir e anotar)], à mistura com uns puxões de orelhas relacionados com o crescente descontentamento da população acerca do rumo da governação da Região, incapaz de ser activa e mostrando-se mais e mais apenas reactiva.
Chui Sai On deve ter percebido, se o não tinha percebido antes, que o próximo período de governação será objecto de escrutínio ainda mais apertado por parte das autoridades centrais.
As mesmas que curiosamente aparecem agora a apontar o dedo a um monstro que ajudaram a gerar e alimentar.
O brutal crescimento económico da RAEM não podia acontecer sem custos sociais associados.
E não faltaram avisos nesse sentido, vindos dos mais diversos quadrantes, ao longo de todos estes anos.
Se é verdade que a governança de Macau preferiu seguir uma postura autista face aos sinais muito claros de descontrolo que se avolumavam, e aos avisos que recebia, também não é menos verdade que, de Pequim, descontando uns recados enviados de quando em vez, pouco se fez para reverter o caminho que agora Xi Jinping vem publicamente criticar.
Depois de ouvir Xi Jinping dirigir-se a Chui Sai On apeteceu-me citar  Bette Davis - fasten your seatbelts, it's going to be a bumpy ride!

Filho anarquista



-Filho, eu descobri estas coisas no teu armário ...
-Qual é o problema de ter uma máscara do Anonymous e um taco de beisebol ?
-Usas isso ?
-Não ... quer dizer, às vezes ...
-É que preciso delas ... emprestas-mas ?
-Precisa ? P'ra quê ?
-É que eu li as coisas que escreveste na internet...

-Leu o meu face ?
-Qual é o problema ? Não é público ?
-É ... mas ...
-Pois é, li o que escreveste e ...
-Pai eu sei que não gostou do que eu escrevi, mas... eu não vou discutir, são as minhas ideias. Eu sou anarquista e...
-Não ... eu achei excelente ... convenceste-me.
-Convenci ? ... de quê ?
-Está tudo errado mesmo ... eu li o que escreveste e concordo, agora eu sou anarquista também, como tu ...
-Pai ... o quê ? Pai... que história é essa ?
-É, viraste-me a cabeça, temos que quebrar tudo ! Agora eu sou Old Black Bloc !
-O pai não pode... é director de uma empresa enorme e ...
-Já não sou! Deixei o meu emprego, mandei o meu chefe levar no ... mandei toda a gente levar no ...
-Pai, não pode largar o seu emprego, está há 30 anos lá ...
-Posso sim !... aliás vou recrutar gente p'ra ir lá e partir tudo.
-Partir tudo onde ?
-No meu trabalho ! Vamos partir tudo ! Abaixo a opressão ! Abaixo tudo !
-Não pode fazer isso, pai ...
-Posso sim ! Emprestas-me a máscara e o taco de beisebol. Vens comigo ?
-Não ... acho melhor não ...
-É melhor vires porque agora que eu larguei tudo, vamos ter que sair deste apartamento ...
-Sair daqui ? E vamos morar onde ?

-Sei lá ! Vamos acampar em frente a uma empresa capitalista qualquer e exigir o fim do capitalismo !
-Pai, não pode fazer isso, não pode abandonar tudo !
-Já fiz ! Agora, mãos à obra!
-Espere, Pai ! ... Pai ! E a minha mesada ? E o meu computador ? E a gasolina do meu carro ? Onde vou morar ?

Volta aqui ! ... Volta, Pai ! ... Voooooltaaaaaaaaa !

22 de Setembro de 2014

Alentejanices



PARAGEM DE COMBOIOS NO ALENTEJO


Devido ao fim de algumas linhas férreas, um repórter num inquérito de rua no Alentejo, pergunta a um alentejano:
- O senhor é a favor ou contra a paragem dos comboios?
Responde o alentejano:
- A favor claro! Se os comboios não parassem, como é que a gente subia e descia?!

ALENTEJANO NA “BRINCADEIRA”


De sachola ao ombro, um alentejano ia caminhando quando a certa altura, ouviu uns murmúrios e risinhos vindos de trás de uma sebe.

Curioso, espreitou com muito cuidado e então viu um casal muito agarradinho, ele já de certa idade, ela uma bela moçoila.
Não sendo desmancha prazeres, recuou e seguiu o seu caminho.
Duas horas depois já de regresso a casa, ao passar pelo mesmo sítio, apercebeu-se que a ”brincadeira” ainda continuava.
Admirado, debruça-se na sebe e pergunta:
- Antão compadri, inda dura?!
Responde o outro:
-Nã sinhori… inda móli!


PORQUE NÃO TROCA DE LUGAR?


Estava um Alentejano sozinho no autocarro só mesmo com o motorista.
Chovia muito e o infeliz estava mesmo sentado por baixo de uma goteira.
O motorista ao parar num sinal vermelho, olha através do espelho, vê aquilo e estranhando, pergunta ao alentejano:
- Mas porque é que não troca de lugar?
E responde o alentejano:
- Ê até trocava, mas com queim?

BEBÉ PROVETA


Dois alentejanos estavam passeando.
Diz um deles:
- Ó compadri, vocemecêi sabi dizer alguma coisa da manêra como são fêtos os bébés proveta?
Responde o outro:
- Sê sim sinhori, amigo Chico!
Olhi, até foi assim que a minha Maria e eu fizemos o nosso primêro filho!
Pergunta o primeiro muito interessado:
- Ah sim?!!!
- Antão, diga lá comé que foi?
Explica o segundo:
- Olhe, compadri, ela e eu íamos passeando pelo monti e a certa altura, ela parou à sombra duma olivêra, levantou a saia, baixou as cuecas e disse-me:
- ”Manéli, olha a provêta”…

ALENTEJANO VAI AO MÉDICO

Um alentejano entrou na sala de espera de um consultório médico.
Ao aproximar-se da mesa da recepção, a recepcionista dirige-lhe a palavra:
- Bom dia senhor, qual o seu problema?
Diz o alentejano:
- O mê problema é no pénis.
A recepcionista ao ouvir o alentejano, irritou-se e pregou-lhe uma descompostura:
- O senhor não devia dizer uma coisa dessas numa sala de espera tão cheia! Está a causar embaraço aos outros presentes!
São pessoas de fino porte, educadas…
O senhor devia ter dito por exemplo, que estava com um problema na orelha e depois já dentro do consultório, contava os detalhes ao doutor.
O alentejano sentindo-se humilhado, retirou-se da sala, voltou à rua, recompôs-se e regressou à sala de espera predisposto a corrigir a má impressão causada.
A recepcionista ao vê-lo de regresso sorriu e colaborante, perguntou:
- Muito bom dia senhor, qual o seu problema?
Diz o alentejano:
- Estou com um problema na orelha!
A recepcionista rejubilou num indisfarçável aceno de aprovação e sorrindo triunfante, prosseguiu:
- E diga-me, qual é o problema da sua orelha?
Responde o alentejano:
- Arde muito, quando mijo.

ALENTEJANO MÚSICO E OS ESPANHÓIS


Tinha acabado de chegar ao Alentejo uma excursão de espanhóis.
Ao verem um alentejano, o guia feito esperto, decide ir gozar com o alentejano. Então comunica aos passageiros:
- Ahora me voy hablar con ese portugues alentejano.
Vai ter com o alentejano e diz:
- Hola, como te llamas?
- Toino – Responde o alentejano
Diz o espanhol:
- Yo también me llamo Antonio!
Cual és tu profesión?
- Sou músico  – Responde o alentejano
Diz o espanhol:
- Yo también soy musico.Y que tocas?
Desconfiado, o alentejano lá continua a responder:
- Toco trompete e tu?
Diz o espanhol:
- Yo también toco trompete.
 – E acrescenta – Una vez fue a la Fiesta de Nuestra Señora de los Remédios y toqué tan bien, que a Señora bajó del andor y empezó a llorar.

O alentejano já a topar que o espanhol estava a gozar com ele, responde:
- E ê fui uma vez à Festa do Senhor dos Passos e toquei tan bem, tan bem, que o Senhor largou a cruz, agarrou-se a mim e disse-me:
- “Ah, g’anda Toino! Tocaste melhor que o sacana do espanhol que fez chorar a minha mãezinha!

BOA SEMANA!!

(Todas do "cancioneiro" do FerreirAmigo)