26 de setembro de 2016

Médico chinês



Um médico chinês não consegue encontrar um emprego em hospitais.
Então ele abre uma clínica e coloca uma placa com os dizeres:
"Tratamento por 20 euros. Se não ficar curado, devolvo 100 euros." 
Um advogado vê a placa, pensa que é uma grande oportunidade de ganhar 100 euros e entra na clínica.
Advogado: "Eu perdi o meu sentido do paladar."
Médico chinês: "Enfermeira, traga o remédio da caixinha 22 e pingue 3 gotas na boca do paciente."
Advogado: "Credo, isso é petróleo!"
Médico chinês: "Parabéns, o seu paladar foi restaurado. Dê-me 20 euros, por favor."
O advogado, irritado, volta depois de alguns dias para recuperar o seu dinheiro.
Advogado: "Eu perdi minha memória não me lembro de nada”.
Médico chinês: "Enfermeira, traga o remédio da caixinha 22 e pingue 3 gotas na boca do paciente."
Advogado: "Mas isto é petróleo outra vez! Você deu-me isso da última vez para restaurar o meu paladar."
Médico chinês: "Parabéns, você recuperou sua memória. Dê-me 20 euros, por favor."
O advogado já fumegante paga ao chinês e volta uma semana mais tarde determinado a ganhar os 100 euros.
Advogado: "A minha visão está muito fraca e eu não consigo ver nada."
Médico chinês: "Bem, eu não tenho nenhum remédio para isso. Sendo assim tome lá 100 euros."
Advogado: "Mas isso aqui é uma nota de 20 euros!"
Médico chinês: "Parabéns, sua visão foi restaurada. Dê-me 20 euros, por favor."

(Todas do "cancioneiro" do FerreirAmigo)

BOA SEMANA!

A galinha infiel


Segredos do casamento


22 de setembro de 2016

Eu show Marcelo


Marcelo Rebelo de Sousa, Presidente da República Portuguesa, é indiscutivelmente um fenómeno de popularidade dentro e fora do País.
A sua postura informal, a sua sensibilidade, a sua afectividade, em conjunto com a sua extraordinária energia, e a par com as suas excepcionais cultura e inteligência, seduzem com facilidade e naturalidade.
Discursando na 71ª sessão da Assembleia Geral das Nações Unidas, Marcelo Rebelo de Sousa teve a ousadia de, sem nunca mencionar o nome do antigo primeiro-ministro português e actual candidato ao posto de Secretário-Geral da ONU, comparar António Guterres, sobretudo na sua dimensão de "congregador de espíritos e vontades", na sua capacidade de "indo para além do seu grupo ou círculo" representar o todo e não uma parte, ser um líder consensual e natural ao nível de Mahatma Gandhi e Nelson Mandela.
Com a bonomia que o caracteriza, Marcelo Rebelo de Sousa terá feito o mais eloquente elogio público de alguém que foi seu adversário político a nível interno.
E deixou bem claro que, para além das naturais divergências político-partidárias, ideológicas, há sempre consensos que são possíveis de alcançar, pontes que se podem facilmente construir.
Sim, em boa verdade muitas das qualidades que Marcelo Rebelo de Sousa tão justificadamente apontou a António Guterres, e que fazem de António Guterres o mais forte candidato à sucessão de Ban Ki-moon, aplicam-se por inteiro também a si próprio.
Seres humanos superiores dos quais Portugal se tem que orgulhar.

Intemporais (44)


21 de setembro de 2016

Os ricos que paguem a crise?

Não gosto de fulanizar propostas que claramente são apresentadas não em nome individual mas sim no âmbito partidário.
O caso das propostas orçamentais do Bloco de Esquerda em matéria fiscal é disso um bom exemplo.
Não são propostas de uma pessoa, são propostas de um dos partidos integrantes da actual solução governativa em Portugal. 
Propostas que me deixam seriamente preocupado porque, a serem aprovadas e levadas avante, acredito que poderão revelar-se desastrosas em termos de poupança e investimento. 
Querer taxar as grandes fortunas e os detentores de grandes patrimónios são propostas demagógicas a fazer lembrar slogans de tempos não muito distantes - os ricos que paguem a crise. 
Como a História tem mostrado, uma e outra vez, não é isso que efectivamente acontece. 
As grandes fortunas, os grandes patrimónios, espalham-se um pouco por toda a parte, conseguem com facilidade esquivar-se à voragem da máquina fiscal portuguesa. 
A serem levadas avante as propostas orçamentais do Bloco de Esquerda estou convicto que vão desencorajar o já débil aforro das famílias portuguesas, vão desencorajar o investimento interno, afastar o investimento externo. 
Propostas que, apresentadas publicamente sem serem antes discutidas no seio da coligação, deixam o PS numa posição muito complicada. 
O que fazer agora? 
Aceitar tais propostas e ser conivente com os resultados a que as mesmas poderão conduzir ou rejeitá-las e correr o risco de ver o Bloco de Esquerda abandonar a coligação, fazer cair o Governo e caminhar para eleições antecipadas? 
A precipitação (ou será estratégia?) do Bloco de Esquerda deixa pouco espaço de manobra ao PS (o PCP mantém um prudente silêncio relativamente a esta matéria...) e pode agravar um ambiente político de alguma crispação que parecia já afastado e que em nada favorece o País.

BULLYING: A professora explicou, a criança entendeu



Uma professora quis ensinar os efeitos do bullying à sua turma.
Deu a todos os alunos uma folha de papel e disse-lhes para a amarrotarem, deitarem para o chão e pisarem. 
Podiam estragar a folha o mais possível, mas não rasgá-la.
As crianças ficaram entusiasmadas e fizeram o seu melhor para amarrotarem a folha.
A seguir, a professora pediu-lhes para apanharem a folha e abri-la novamente com jeito para não a rasgarem, deviam endireitar a folha com o maior cuidado. 
A senhora chamou-lhes a atenção para o estado em que a folha ficou: Suja e cheia de marcas. Depois, disse-lhes para pedirem desculpa ao papel em voz alta. 
À medida que mostravam o seu arrependimento e passavam as mãos para alisar o papel, a folha não voltava ao seu estado original. 
Os vincos estavam bem marcados.
A professora pediu então para que olhassem bem para as marcas no papel, marcas que NUNCA mais iriam desaparecer, mesmo que tentassem repará-las.
“É isto que acontece com as crianças que são “gozadas” por outras crianças” - afirmou a professora -“vocês podem pedir desculpa, podem tentar mostrar o vosso arrependimento, mas as marcas, essas ficam para sempre.” 
Os vincos e marcas no papel não desapareceram... 
O rosto das crianças revelou que a mensagem da professora foi recebida e entendida. 
O bullying causa mais danos do que se pode imaginar! 
HÁ QUE EVITAR, DENUNCIAR E AJUDAR.

20 de setembro de 2016

Um êxito de vendas anunciado


José António Saraiva vai publicar um livro (??) que se pode desde já afirmar, mesmo antes de ser posto à disposição dos possíveis leitores, será um êxito de vendas. 
Tirando proveito do voyeur que existe em cada um de nós, por muito que o queiramos negar, José António Saraiva propõe-se contar os segredos de alcova de muitos dos mais conhecidos políticos portugueses, vivos ou já desaparecidos.
Segredos que conseguiu reunir no exercício da sua profissão, que lhe foram confiados ao abrigo do seu estatuto de jornalista e fazendo fé na deontologia e nos deveres que se encontram associados a esse estatuto.
José António Saraiva, homem culto e inteligente, demonstra com este vómito em forma de livro que, para além de culto e inteligente, também é esperto.
Seria muito fácil prever a celeuma que uma publicação deste teor iria gerar.
José António Saraiva, com frieza, aproveita essa celeuma para aumentar a publicidade à obra e, consequentemente, fazer crescer o volume de vendas e receitas.
Nem o autor, nem a obra, me merecem o mínimo respeito.
Como também não se mostram merecedores de respeito quem edita a obra, quem a apresenta, quem a virá eventualmente a ler.
Para ler folhetins cor-de-rosa, ou de faca e alguidar, há muito mais escolhas e muito menos sabujas que este livro (??). 

As variações em língua maior

Porque o FerreirAmigo, que hoje até faz anos e tudo, não envia só anedotas.
Toma lá um abraço, FerreirAmigo!

19 de setembro de 2016

Nunca falar antes do tempo


Sábado, como de costume, levantei-me cedo, vesti um agasalho, vesti-me silenciosamente, bebi café e até fui dar um passeio com o cão.
Em seguida, fui até à garagem e engatei o barco de pesca no meu Jeep.
De repente, começou a chover torrencialmente. 
Havia até neve misturada com a chuva, ventos a mais de 80 km/h. 
Liguei o rádio e ouvi que o tempo iria ser de frio e chuva durante todo aquele dia. 
Voltei imediatamente para casa. 
Silenciosamente, despi-me e deslizei para baixo dos cobertores. Afaguei as costas da minha mulher e disse-lhe baixinho: 
- O tempo lá fora está terrível. 
Ela, ainda meio adormecida, respondeu: 
-Acreditas que o cabrão do meu homem foi pescar com este tempo ? 

BOA SEMANA!

Coser à máquina


O marido puxou a cadeira para junto da máquina de costura em que sua mulher estava cosendo e sentou-se.
- Não te parece que vais depressa de mais? - disse. 
Olha, olha que saltas fora da bainha! 
Repara nesse canto, agora! 
Cuidado!
 Mais devagar, olha que entalas os dedos!
- Mas o que é isso? Para o que te havia de dar! - exclamou a esposa assustada. 
Há uma quantidade de anos que coso nesta máquina!
- Então filha, eu só queria ajudar-te, como tu me ajudas quando vou a guiar o carro!

Tem açúcar?


- Oi, você tem açúcar?
- Não.
- Oi, você tem açúcar?
- Eu já disse que não!
- Oi, você tem açúcar?
- Não! E se perguntar mais uma vez, te dou um tiro!
- Oi, você tem uma arma?
- Não!
- E açúcar?