17 de Abril de 2014

Annus horribilis


A expressão ficou conhecida por ter sido utilizada por Isabel II para descrever uma situação, um processo, que todos conhecemos.
Mas pode perfeitamente ser adaptada para qualificar a prestação do Futebol Clube do Porto (FCP) nesta época futebolística.
Último capítulo nesta interminável novela de erros e má fortuna, a derrota no jogo de ontem, e consequente eliminação da Taça de Portugal, às mãos do algoz Benfica.
Num jogo emotivo, com algumas picardias, não muito bem jogado de parte a parte, ganhou muito justamente a equipa mais bem preparada, mais arrumada, mais forte mentalmente.
A equipa que soube sair de duas desvantagens no marcador, de uma situação de desvantagem numérica, para vencer o jogo, a eliminatória, conquistar muito justamente o direito de estar na final da Taça de Portugal no Jamor.
Do outro lado, o FCP que se viu demasiadas vezes nesta época - uma equipa cheia de equívocos, sem confiança, nervosa, esquizofrénica, sem liderança, sem classe.
Um FCP que entra em campo em vantagem, sofre um golo patético aos 17 minutos, se vê rapidamente em vantagem numérica consequência de uma expulsão de todo desnecessária de Siqueira, chega ao empate já na segunda parte, obrigando o adversário a ter que marcar mais dois golos, e os sofre (no espaço de uma semana, no eixo Sevilha/Braga/Lisboa o FCP sofreu oito golos!!), não merece ser feliz.
Merece ser feliz quem tem coração e garra para correr atrás do resultado.
Precisamente aquilo que fez o Benfica.
Que até mereceu aquele golaço de André Gomes para abrilhantar a festa.
E que poderá estar a caminho do seu  annus mirabilis.
Mais que provável campeão; finalista da Taça de Portugal; semi-finalista da Liga Europa e da Taça da Liga; o Benfica tem tudo para definitivamente fazer a tão ansiada época perfeita que Jorge Jesus há muito vem perseguindo.


Annus horribilis também em Braga.
Com a eliminação da Taça, às mãos do Rio Ave, os arsenalistas terão dito adeus a uma presença numa prova europeia na próxima época.
Já os vila-condenses vão jogar duas finais (Taça de Portugal e Taça da Liga) e merecem um sincero aplauso.


Em Espanha, sem Cristiano Ronaldo, mas com um Gareth Bale fenomenal, o Real Madrid bateu o Barcelona (2-1) e conquistou a Taça do Rei.
Em Barcelona, Tata Martino terá perguntado - alguém falou em annus horribilis?

Tenham uma Santa Páscoa.
O blogue estará de volta na próxima terça-feira.

UMA QUESTÃO DE CULTURA

Aqui vai uma lição de como reconhecer artistas pelo seus quadros.


01)  Se o plano de fundo do quadro for escuro e todo mundo está com cara de tortura, é do Ticiano


02) Se todo mundo tem bunda Grande é do Rubens


03) Se todos os homens têm olhos de vaca e parecem donas-de-Casa, é do Caravaggio


04) Se tem um Monte de gente no quadro, mas elas parecem normais, é do Pieter Bruegel


05) Se todo mundo parece um mendigo iluminado por um poste, é Rembrandt


06) Se no quadro tem cupidos ou ovelhas, ou se você considerar que cupidos ou ovelhas poderiam estar no quadro, é Boucher


07) Se todos forem bonitos, estiverem semi-nus e empilhados ou apertados, é Michelangelo


08) Se Tem Bailarina, é  Degas


09) Se tudo é pontudo, tiver contraste e os homens tiverem barba em um rosto magro, é  El Greco


10) Se todo mundo parece o Vladimir Putin, o presidente da Rússia, é  Van Eyck


11) AGORA, SE TODOS TIVEREM CARA DE LADRÃO, é  a Assembleia da República !!! 


16 de Abril de 2014

O exemplo do fracasso de uma política externa e de segurança comum e a possibilidade de uma nova Guerra Fria


Um dos grandes desígnios da União Europeia seria a implementação de uma política externa e de segurança comum.
Seria mesmo, a par da criação de uma moeda única, um dos grandes momentos e um dos grandes marcos do sonho europeu, sobretudo na sua vertente mais federalista.
A situação de eminente guerra civil na Ucrânia, e a anexação da Crimeia por parte da Rússia, muito provavelmente representarão o estertor desse ideal, dessa utopia, que a União Europeia devia alcançar no momento actual da sua evolução.
Uma União Europeia que, num primeiro momento, se apressou a apoiar os movimentos internos na Ucrânia de aproximação ao seu seio, e que agora assiste ao correr do sangue nas ruas, e à clara afronta à sua influência na arena internacional por parte de Putin, enquanto se distrai a contemplar o seu umbigo.
Debilitada por uma crise financeira que não soube estancar, entontecida pela evolução política interna no seio de um dos seus tradicionais motores (uma França à deriva e a resvalar para os braços da extrema direita), a União Europeia fica, uma vez mais, refém das decisões alemãs.
Uma Alemanha (Merkel) que foi dos apoiantes mais entusiastas dos movimentos de insurreição interna na Ucrânia mas que não está em condições (a História, sempre as lições da História...) de corporizar por si só uma frente de resistência ao activismo russo.
A mesma Alemanha que, pressurosa, impaciente,  solicita o auxílio da NATO e dos Estados Unidos para atingir um contraponto ao poderio russo.
Não é possível perceber neste momento até que ponto a situação interna na Ucrânia poderá ser o rastilho para um conflito armado a nível global.
Mas vão-se acumulando os sinais de que podemos estar à beira de uma nova situação de Guerra Fria.
Clara e directamente resultante do completo fracasso de uma política externa e de segurança comum a nível europeu.

O fascínio da publicidade

15 de Abril de 2014

Não há almoços grátis


Macau é uma terra onde abundam beneméritos.
Cidadãos de coração puro e bolsos fundos, sempre disponíveis para enfrentar qualquer problema com um bocado de dinheiro, uns trocos.
Atente-se no mais recente exemplo - a embrulhada em que está envolto o Edifício Sin Fong Garden - para se aferir da veracidade desta afirmação.
Discussões, manifestações, vigílias, acampamentos em plena via pública, polícia ao barulho.
Eis quando, no meio desta confusão, com a harmonia presa por fios, surgem quase do nada a Associação de Beneficência Tong Sin Tong e a Associação dos Conterrâneos de Jianmen, quais heróis de capa e espada, para resgatar a harmonia das garras dos agitadores.
Sem mais, os primeiros, com o irmão e o primo do Chefe do Executivo na mesa,  apresentam um cheque de 50 milhões de patacas; os segundos, dispostos a suportar 60% do custo total das obras de recuperação do problemático edifício (160 milhões de patacas?).
Que exemplo de desprendimento, de atenção ao próximo, terão pensado os mais incautos.
Pois, não será bem assim.
É que, para haver "sapeca", é preciso que não haja barulho, que não se critique o Chefe do Executivo (as eleições estão já ali ao virar a esquina) e que não se dê atenção e ouvidos aos agitadores locais (esse Pereira Coutinho é terrível!!).
Tinham dúvidas, meus amigos?!
Não há almoços grátis!

Krijtjesman voltou ao trabalho com suas pinturas


14 de Abril de 2014

A CUEQUINHA DA VIÚVA


Uma senhora estava viúva há quatro anos e durante todo esse tempo não teve contacto com nenhum homem.
A filha, cansada de ver a mãe tão triste, apresentou-a a um viúvo muito simpático. 
Os dois acabaram por se darem muito bem.
Depois de seis semanas, a saírem todas as noites, o viúvo levou-a para um motel.

Ela tira a roupa e fica nua, com exceção de uma minúscula cuequinha de renda preta. Olhando para o viúvo disse:
"Você pode fazer o que quiser comigo, mas aqui (apontando para a cuequinha), ainda estou de luto".
Foi um verdadeiro balde d'água fria no pobre homem.
Na noite seguinte, a mesma história. 
Ela tira a roupa e faz aquela mesma ladainha.
 Só que ela não esperava por esta. 
O viúvo estava nu naquela situação vexatória e com o "pilau" coberto com uma camisinha preta.

Ela olha espantada e pergunta:
Mas o que é isso?
Ele responde:
Pois é, vim  dar os meus pêsames!  Já posso entrar?


 BOA SEMANA!!

Família disfuncional


Um tipo fez análise durante cinco anos, até que descobriu que ele, o pai, o avô e os cinco tios tinham tendências homossexuais. 
O psicólogo estupefacto perguntou-lhe: 
Mas não há ninguém na sua família que goste de mulheres? 
Claro que há, as minhas quatro irmãs!!!

No dentista


Havia um senhor com uma grande cárie. 
Um dia foi ao dentista e ele disse-lhe:
 - Mas que grande buraco que o senhor tem!
Mas que grande buraco que o senhor tem!
Mas que grande buraco que o senhor tem! 
- Tá bem, mas escusa de repetir! - diz o homem. 
- Eu não repeti! O que você ouviu foi o eco

11 de Abril de 2014

À beira da piscina


À beira da piscina do clube, quatro pais conversam sobre seus filhos.
 - Eu tenho cinco garotos, um time completo de basquete - gaba-se o primeiro. 
- Pois eu tenho seis, dá pra formar uma equipe de volei - rebate o segundo. 
- Grande coisa: com os onze que eu tenho lá em casa, formo um time de futebol - exagera o terceiro. 
Em seguida um deles se volta para o quarto homem, que continua quieto em seu canto. 
- E você, quantos filhos tem? 
- Filho, nenhum. Mas mulheres, tenho dezoito, um campo de golfe oficial!

BOM FIM-DE-SEMANA!!!

No confessionário


Há uma rapariga que entra na igreja, e chega quase na altura do padre acabar as confissões. 
O padre ficou muito zangado e disse: 
- Então vá lá menina. Eu já estou muito cansado, diga lá o que quer! 
A rapariga pôs-se de joelhos e confessa: 
- Senhor padre, eu namoro já há alguns anos e cometi um grande pecado. 
- E qual foi esse pecado? - Disse o padre. 
- Sabe, ele deu-me a mão... 
- Mas isso não é pecado nenhum! 
- Depois demos uns beijinhos... 
- Isso também não é pecado! 
- E fizemos amor! 
- Isso também não é pecado, apesar de serem só namorados! 
- Pois é, mas ele fez amor de uma maneira diferente, que não é usual. Fez amor anal! 
E então ela começou a ouvir ressonar. 
Viu que o padre estava a dormir e foi-se embora. 
Ia a sair e entra um homossexual todo à pressa para se ir confessar. 
Diz ele: 
- Ai, já está quase na hora!!! 
E quando se ajoelhou na sacristia acordou o padre, que diz: 
- Então fez amor anal e depois?! 
- Ai, até parece que o homem é bruxo!!! - diz o homossexual.

As dores do milionário


Um dia um milionário teve um grande problema. Começava-lhe uma dor nas costas, subia-lhe pela espinha acima e acabava-lhe na nuca. 
Resolve ir a médicos e a solução era sempre cortar o sexo; vai à Suíça e a solução era cortar o sexo; vai a Londres e a solução era cortar o sexo; correu a América toda e a solução era cortar o sexo. 
Refugia-se então na sua ilha e resolve cortar o sexo. Cortou e passados uns anos vai a terra comprar roupas. Chega a uma loja de moda e dirige-se à empregada e pede: 
- Ó minha senhora, eu quero uns slips, ...nº 36! 
A rapariga olha para o homem e diz-lhe: 
- Ó meu caro amigo! Para si os slips são do nº 38! 
- Mas qual 38?! Ó minha senhora, o meu nº é o 36!
 - Não, não! Eu já ando há muitos anos nisto e sei que pela sua configuração, o seu nº é o 38! 
- Mas eu sempre usei o sempre usei o 36! 
- Sempre usou o 36?! Então escute uma coisa, nunca lhe deu uma dor que começava nas costas, subia-lhe pela espinha acima e acabava-lhe na nuca?!

10 de Abril de 2014

A propósito da remodelação da Doca dos Pescadores


David Chow, dono da Macau Legend, terá já assegurado o financiamento necessário para custear a obra de remodelação da Doca dos Pescadores de Macau (Macau Fisherman's Wharf).
Projecto megalómano de David Chow, claramente inspirado noutro muito semelhante existente em São Francisco, a Doca dos Pescadores foi um daqueles casos que promete muito e resulta em muito pouco.
Confesso que, quando vi o projecto inicial do que viria a ser este parque temático, então em avaliação por parte da Administração, fiquei muito impressionado com o que era proposto.
Finalmente, Macau ia ser dotada de um local que possibilitaria aos seus habitantes fruir da belíssima frente marinha de que a cidade dispõe.
Esplanadas junto à água, inexistência de barreiras físicas e visuais, e consequente existência de grande horizonte visual, docas que possibilitariam a navegação e atracagem de iates, uma novidade total.
Depois de finalizada a construção, a completa desilusão.
Edifícios dos dois lados de uma rua que atravessa todo o projecto,  horizonte visual inexistente, a água longe e tapada pelos edifícios ali construídos, mais um "funil" na cidade. 
Com algumas bizarrias até hoje incompreensíveis (aquele vulcão foi mesmo uma ideia peregrina).
O resultado final, em boa verdade, se foi uma desilusão para mim, foi também um claro fracasso em termos de atracção de visitantes.
David Chow propõe-se agora alterar profundamente a face de um projecto em que investiu muito dinheiro e muito do seu prestígio pessoal, mas que redundou num rotundo fracasso.
Se se aproximar do que vi inicialmente, auguro-lhe grande sucesso.
Se for apenas para fazer um facelift, injectar algum botox sem mudar profundamente a face e a aparência, não acredito que o tratamento seja minimamente eficaz.

Relembrar o 27 de Fevereiro de 1953


O Acordo de Londres foi assinado a 27 de Fevereiro de 1957. Depois das ajudas do Plano Marshall veio o haircut. Grécia e Irlanda ajudaram

Há 60 anos, a 27 de Fevereiro de 1953, 20 países, entre eles Grécia, Irlanda e Espanha, decidiram perdoar mais de 60% da dívida da Alemanha (República Federal ou Alemanha Ocidental). O tratado, assinado em Londres, foi determinante para o país se tornar numa grande potência económica mundial e num importante aliado dos Estados Unidos durante as décadas da Guerra Fria contra a antiga União Soviética.

O perdão da dívida, que na prática foi uma extensão e reforço das ajudas financeiras directas do Plano Marshall, liderado pelos Estados Unidos, permitiu aos alemães reduzirem substancialmente o fardo da dívida contraída antes e depois da Segunda Guerra Mundial.

Segundo uma análise de Éric Toussaint, historiador e presidente do Comité para a Anulação da Dívida do Terceiro Mundo, "a dívida antes da guerra ascendia a 22,6 mil milhões de marcos, incluindo juros. A dívida do pós- guerra foi estimada em 16,2 mil milhões. No acordo assinado em Londres a 27 de Fevereiro de 1953 estes montantes foram reduzidos para 7,5 mil milhões e 7 mil milhões respectivamente. Isto equivale a uma redução de 62,6%", explica o perito.

"O acordo estabeleceu a possibilidade [por parte da Alemanha] de suspender pagamentos e renegociar as condições caso ocorresse uma mudança substancial que limitasse a disponibilidade de recursos", diz o historiador.

A Alemanha beneficiou ainda de uma medida excepcional que, em alguns casos, permitiu reduzir taxas de juro cobradas aos país em 5 pontos percentuais.

Outro historiador, desta feita o alemão Albrecht Ritschl, confirmou que existiu de facto um perdão de dívida gigantesco ao país, que no caso do credor Estados Unidos foi quase total. "Em 1953, os Estados Unidos ofereceram à Alemanha um haircut, reduzindo o seu problema de dívida a praticamente nada", disse em entrevista à revista Spiegel, em 2011.

9 de Abril de 2014

A harmonia já não é o que era


No léxico político local, grandemente influenciado pelos ventos que sopram do Norte, os vocábulos harmonia e consenso são fundamentais.
Não só no discurso, mas também na prática.
Não deixa assim de surpreender o teor da entrevista concedida por Ho Sut Heng, líder da influente Associação Geral dos Operários de Macau (AGOM), facilmente identificável como pró - Pequim, ao Ponto Final de ontem.
Ho Sut Heng, membro do Conselho Consultivo, da Conferência Consultiva do Povo Chinês, admitir o aparecimento de um candidato ao cargo de Chefe do Executivo mais forte que Chui Sai On, quando era (ainda é?!) um dado adquirido que Chui Sai On se apresentaria a sufrágio sem qualquer oposição ou concorrência, é um dado novo no panorama político local que merece alguma atenção.
Se é óbvio que, com esta chamada de atenção, a AGOM procura antecipar-se a futuras negociações e apoios com o futuro Chefe do Executivo, também não se pode descurar o que estas declarações representam no tal quadro dos tão ansiados harmonia e consenso.
A performance da equipa governativa vai sendo cada vez mais alvo de críticas.
Vindas até dos sectores que tradicionalmente apoiam o Governo.
As declarações de Ho Sut Heng, admitindo o aparecimento de um candidato mais forte na corrida a Chefe do Executivo, e a necessidade de renovação da equipa governativa (mais uma voz que afina pelo mesmo diapasão), julgo que têm que ser lidas também na vertente de uma mensagem audível no espaço público (costuma acontecer apenas em círculos muito reservados) no sentido de o mandato do novo Chefe do Executivo, ainda que seja a mesma pessoa, ter que ser muito mais convincente e muito mais abrangente que este que agora termina.
De onde vem essa mensagem é a pergunta que devemos colocar a nós próprios.
Virá com o tal vento que sopra do Norte?