2 de julho de 2015

Grécia vai referendar a manutenção do Syriza no poder


Está agendado para o próximo domingo o tão falado referendo às propostas dos credores para solucionar os graves problemas que a Grécia enfrenta. 
Esta é a agenda oficial, a raison d'être desta consulta ao povo grego.
Na realidade, muito para além de referendar a aceitação das propostas que foram apresentadas aos seus governantes pelos credores, a manutenção da Grécia no euro e na União Europeia, os gregos vão referendar a manutenção do Syriza no poder.
Não tenho memória de ver um governo democraticamente eleito passar tão rapidamente de uma situação em que aparecia como um novo estilo e uma nova esperança na política internacional para o tudo ou nada que se jogará no referendo de domingo.
Alexis Tsipras, ao apelar abertamente a um voto de rejeição às propostas apresentadas pelos credores, coloca o seu próprio futuro político em jogo.
Um voto favorável representará uma derrota tão pesada para Tsipras e o seu governo que se afigura muito duvidoso que, a verificar-se, permita ao primeiro-ministro grego dispor de condições para se manter no cargo.
Tsipras, conscientemente ou não, esticou a corda até ao limite.
Acredito que, uma vez mais, a corda venha a quebrar pelo lado mais fraco e que o quase novo mito grego que o Syriza representou se revele afinal algo de muito efémero.

Boletim meteorológico no Alentejo


(Ainda não há fotos do Japão porque ando a tentar resolver "problemas técnicos" antes de as publicar)

1 de julho de 2015

Perder um título sem perder um jogo


Percurso brilhante, imaculado, de uma equipa nacional de sub-21 que perde um possível título de campeã europeia no desempate através de pontapés da marca de grande penalidade.
Depois de uma fase de apuramento brilhante, só com vitórias nos jogos realizados; da presença na fase final do Europeu; do primeiro objectivo assumido alcançado (presença nos Jogos Olímpicos); a desilusão no epílogo.
A final deste Europeu foi um jogo muito táctico, como aliás o havia assumido o seleccionador sueco (era determinante parar o jogo português, bloquear os criativos portugueses), no qual se notou algum nervosismo dos dois lados.
Portugal, que só tinha sofrido um golo neste Europeu, precisamente marcado pelos suecos, continuou sem sofrer golos (grande Europeu de José Sá escolhido para a equipa ideal).
A má novidade é que também não os marcou.
O jogo foi-se arrastando, calculista dos dois lados (talvez um pouco mais da parte dos suecos), acabou empatado a zero mesmo após prolongamento.
O título ia ser discutido no desempate através de pontapés da marca de grande penalidade.
E aí os suecos forma mais eficazes e conseguiram vencer por 4-3.
Nada apagará o percurso brilhante desta equipa de sub-21, ninguém pode pôr em causa a imensa qualidade da equipa e de algumas das suas individualidades.
No final deste Europeu, com um travo amargo na boca, fica a dúvida - o futebol português vai aproveitar todo o talento que estes jovens demonstraram ter?
As movimentações do mercado de transferências fazem antever o pior.

Organograma da Empresa


O patrão                                                 O adjunto


O estagiário                                    O contratado


O chefe de projetos                                                      O contabilista


A secretária


O marido da secretária


A "bomba" da contabilidade


O segurança


A mulher da limpeza nº1


A mulher da limpeza nº2


Dois chefes em conflito


A festa de fim de ano da empresa


Depois da festa


Fim de semana


A sesta em casa


Companheiros depois de uns copos


Em baixa prolongada


Reformado



30 de junho de 2015

A MELHOR ANEDOTA DE LOIRAS



Uma loira muito sensual entrou num casino. 
Trocou dez mil euros por fichas e dirigiu-se à mesa da roleta. 
Quando chegou anunciou que apostaria todo o seu dinheiro e que acertaria os números num único lance.
E fitando os dois empregados responsáveis pela roleta acrescentou:
- Olhem, espero que vocês não se importem, mas tenho mais sorte quando estou toda nua.
Dito isto, ela despiu-se completamente e colocou as fichas todas sobre a mesa.
Completamente abananado, o croupier girou a roleta.
Enquanto esta girava, a loura cantava:
- MÃEZINHA PRECISO DE ROUPAS NOVAS! MÃEZINHA PRECISO DE ROUPAS NOVAS!...
Assim que a roleta parou, ela começou a dar grandes pulos e a gritar:
- GANHEI!!! GANHEI!!! QUE MARAVIIIIILHAAA!!! GANHEEEI!!!
Ela então abraçou e beijou cada um dos croupiers.
Em seguida debruçou-se sobre a mesa e recolheu todo o dinheiro e as fichas.
Vestiu-se rapidamente e foi-se embora. 
Os croupiers entreolharam-se boquiabertos. 
Finalmente, um deles, voltando a si perguntou:
Em que número é que ela apostou?
E o outro:
- Sei lá... Pensei que estivesses a olhar...
Moral da história: **Nem todas as louras são burras, mas os HOMENS SÃO TODOS IGUAIS!

BOA SEMANA!!
(Mais um abraço para o FerreirAmigo)

Ai mê pai


Um ciganito, menor de idade, levava uma carroça cheia de azeitona roubada
Mais à frente, um polícia mandou-o parar.
Como não tinha factura das azeitonas, carta de condução, nem dinheiro para pagar a multa, o polícia deu-lhe o castigo de meter 10 azeitonas no cu.
Por cada azeitona que o ciganito metia no cu, só gritava: ai mê pai, ai mê pai!!!
O policia, intrigado, perguntou-lhe:
"Olha lá, porque estas só a gritar pelo teu pai??"
Diz-lhe o ciganito:
"É que o mê pai vem lá mais atrás com uma carroça cheia de melões!!!"

PASSWORD


- Desculpa, sabes dizer-me qual é aqui a senha de Wi-fi?
- Estamos num velório, idiota!!!
- E é tudo junto??

23 de junho de 2015

SETÚBAL NO SEU MELHOR



Porto de Setúbal, na entrada de um barco de grande porte, manobra de atracagem e ouvem-se gritos do cais: 
- Atirrá corrda!
E ouve-se do lado do barco...
- What?
- Atirra a corrda!
- What? I don't understand! ( novamente do barco, com mão junto da orelha, como se assim entendesse melhor)
- A-ti-rra a coorr-daa! Pa porr assim aqui... pámarrar o barrque... a corrda!( esbracejando)
- What?
-Sóce! Atirra a corrda, sóce...cósenão vais ca maré!
Eis senão quando um amigo aparece no cais...
- Ó Zéi?
- Quéi?
- Vê lá tú se te entendes c'o camone, qu' ele parrece qué parrve! Tou paqui à mais de meia horra a d'zer ó gaije pátirrar a corrda... nam me ouve...parrece qué mouque!
- É aquele que tá ali da borrda da prroa, ca cabecinha d'ódeforra?
- Éi,éi...
- Do you speak English? (diz o Zéi)
- Yes, Yes...
- Atã... atirra a merrda cooorrda, porra!

BOA SEMANA!
(Os próximos dias serão passados no Japão. O blogue estará de volta no dia 30) 

NO AUTOCARRO


Um bêbado entra num autocarro e desata numa grande gritaria:
- Estes maricas aqui à minha frente são todos rotos! Os desgraçados aqui atrás são todos cabrões! Os merdas aqui ao meu lado são todos filhos da puta!
O motorista, indignado com a conversa, faz uma travagem brusca, as pessoas desequilibram-se, levanta-se um e agarra o bêbado pelos colarinhos e ameaça:
- Quem é roto e cabrão aqui?
Responde o bêbado de mansinho:
- Não sei. Agora, com a travagem, misturou-se tudo ...

Comadres alentejanas


- Sabe, comadre, ontem à noute estive a ver um programa sobre sexo, mas houve algumas expressões que eu não entendi.
- Então diga lá quais foram as suas dúvidas, pode ser que eu a possa ajudar.
- Olhe, não sei o que é... sexo oral !?!
- Isso tá-se mesmo a ver o que é: Sexo de hora a hora.
- Então e sexo anal ?
- Isso é... sexo de ano a ano.
- E homossexual ?
- Oh comadre !!! Vossemecê não percebe mesmo nada disto. Tá-se mesmo a ver que é um detergente para lavar os tomates!!!

19 de junho de 2015

Humor Negro


A mulher grita louca na varanda de sua casa, para o marido que está no parque conversando com amigos.


- Chico! Ó Chiiiiico! Ganhamos 50 milhões no Euromilhões !!!

O homem salta como louco de alegria, deixa os amigos, e lança-se numa corrida para casa para abraçar a mulher.
Atravessa a rua a correr, e Zaááááááásss!... aparece um camião a 100 km/h e, sem abrandar, leva-o de rastos.

Ela, da janela, abre os olhos quase fora das órbitas e exclama:
- F...-se.! Quando se está com sorte... ela vem de todos os lados!
Agora até o SEGURO DE VIDA !!!

BOM FIM-DE-SEMANA!!

(Segunda-feira não há blogue - tolerância de ponto. Na terça haverá mais humor e depois uns dias de intervalo para uma estadia breve no Japão)

Conquista feminina no Afeganistão


A repórter Glória Maria, da TV Globo, quando esteve no Afeganistão, há 10 anos, notou que as mulheres caminhavam sempre meio metro atrás dos seus maridos.

Voltando lá agora, observou que elas tinham passado a caminhar pelo menos 5 metros à frente deles.


Interessantíssima nessa mudança de comportamento, a jornalista imaginou que tal mudança de costumes deveria significar uma grande vitória feminina.


Aproximou-se de uma das mulheres e disse, deslumbrada:
-"Amiiiga! Que maravilhaaaaaaa! O que aconteceu aqui que fez com que se extinguisse aquele costume absurdo de a mulher caminhar atrás dos maridos e que, agora, caminham gloriosamente à frente deles?"

E a mulher afegã respondeu:

- "Minas terrestres!"

Mudança de Hora


Tinha acabado de entrar o "horário de Verão".
Na paragem do autocarro, estavam uma velhinha, a sua neta de dezoito anos e dois fulanos a conversar.
Um deles pergunta ao outro:
*- João, que horas são?*
Responde o outro:
*- Três na nova e duas na velha! *
E a velha, que não tinha ouvido tudo, dispara:
*- E cinco na tua mãe, meu grande f.... da p.....!!! *

18 de junho de 2015

The Wall


Não, não se trata da obra-prima da banda britânica Pink Floyd.
Este muro ameaça ser muito real, ameaça substituir o Muro de Berlim, agora a separar não um mas dois Estados europeus, um já membro da União Europeia (Hungria), outro em processo de adesão (Sérvia).
Victor Orban, primeiro-ministro húngaro, conhecido pelas suas posições polémicas, extremistas (combate à imigração, aos ciganos, defesa da pena de morte), ameaça construir um novo muro na Europa, a mesma Europa que se quer livre de fronteiras.
Um muro com quatro metros de altura, que barre a entrada a imigrantes sérvios na Hungria (54 mil só nos primeiros meses de 2015, são os números que se apontam).
Não se percebe como poderá um membro da União Europeia assumir tão radical e obtusa posição.
Uma posição que encerra em si a negação da ideia de inclusão, de livre circulação de pessoas, dos mais básicos pilares em que se funda a União Europeia.
Muito menos se percebe a postura dessa mesma União Europeia face a tão grave atentado aos seus fundamentos, à sua raíz.
Aí sim, vale a pena lembrar um trecho fenomenal de The Wall, dos imortais Pink Floyd, para caracterizar a posição da União Europeia face aos desejos expressos pelo irresponsável primeiro-ministro húngaro - comfortably numb.

Há boas alternativas ao motor de busca da Google

Há boas alternativas ao motor de busca da Google. Apresentamos-lhe seis.
Não há dúvidas quanto à popularidade do Google. 
Mas se o que quer é informação mais técnica, fidedigna ou perdida nos primórdios do ciberespaço, há alternativas melhores.
Pesquisar na internet pode ser um problema, já que muita da informação disponibilizada carece de fontes fidedignas ou tem direitos de autor associados.

Autor
 Tiago Palma



· GOOGLE






· TOPSY


Em que ano foi a Batalha de Alcácer-Quibir? 
Qual é o nome do arquiteto oitocentista italiano que projetou a Torre dos Clérigos? 
Que cognome tinha o primeiro Rei da Dinastia Brigantina? 
Em que ano morreu António Egas Moniz, o primeiro — e único — Nobel da Medicina (1949) português? 
E como é que são apelidados os naturais de Salvaterra de Magos?
Não, não é um questionário do concurso “Quem Quer Ser Milionário”, nem lhe ofereceremos um cheque chorudo se entender por bem desistir a meio, mas, se tem pequenada lá em casa em idade escolar, são tudo questões que poderá ouvir volta e meia.
Há um bom par de anos, resolveria a questão com uma ida às enciclopédias empoeiradas da estante, ou ligando para o avô e a avó que são bons de datas, mas hoje não; hoje googla ou manda googlar. 
O termo em Portugal é resultado de um anglicismo, e são já poucos os que não fazem uso dele, mas na língua original, a inglesa, o termo ganhou até contornos de verbo transitivo. 
Até aqui tudo bem. 
Há uma dúvida, menor, com datas ou com nomes, quem fez e o que fez, lá se encontra uma fonte, acredita-se dela que é credível, e logo se responde que João IV foi “O Restaurador” ou “O Afortunado”, e está a prole satisfeita.
O problema é que nem tudo o que surge no Google ou via Wikipedia — que funciona por meio de crowdsourcing e nem sempre a “crowd” que por lá partilha informação é de se fiar — pode induzir-nos em erro, e nós, por conseguinte, e involuntariamente, vamos induzir em erro mais e mais pessoas. Há alternativas ao motor de busca do Google (e cita-mo-lo por ser profundamente popular, um dos pioneiros, com quase duas décadas, e por indexar um bilião de páginas), sobretudo se quer dar credibilidade a um trabalho académico ou, simplesmente, não quer fazer má figura quando for àquele programa dos milionários na TV.

1) À caça de informação científica:”Science Research”

Como em tudo, há que separar o trigo do joio. 
Se o que quer é informação técnica, como papers académicos, teses de mestrado ou doutoramento, investigações, o mais sensato é procurar em repositórios. 
No campo das ciências sociais, há estudos de direito, economia, humanidades, no Social Science Research Network, que desde há muitos anos está no topo do Ranking Web of World Repositoires
Se se interessa por ciências naturais (ou exatas), a solução é o Science Research.


2) Um “twitteiro” muito pessoal: “TOPSY”

São publicados diariamente mais de 500 milhões de twitts. Certo, você já segue quem quer, só segue quem quer, e não precisa de ajuda no Twitter para encontrar informação. 
Mas não estará a contar certamente com algoritmo do Twitter (também o há no Facebook) que lhe alimenta o “feed”, ora aleatoriamente, ora com base nas suas próprias pesquisas passadas, com a informação que considera mais relevante para si, omitindo outra que até lhe poderia interessar. 
Os algoritmos são “tramados”, mas a ferramenta Topsy — que é paga, mas que na versão básica (e gratuita) é igualmente útil — ajudá-lo-á não só a refinar a procurar, como a buscá-la nos primórdios do Twitter, desde 2006, com base em palavras-chave, nome do utilizador que procura, ou tão simplesmente no tema da informação que pretende.


3) Livre-se dos direitos de autor: “Creativecommons.org”

Quando se procura por uma fotografia no Google, e se quer utilizá-la profissionalmente, acresce sempre o problema dos direitos autorais, quer nas fotografias mais recentes, quer, sobretudo, nas mais antigas, cujo autor já foi tantas vezes partilhado e repartilhado que se perdeu no ciberespaço. 
Mas existe. 
Para se salvaguardar, utilize o creativecommons.org, que tem uma vastíssima base de dados, não só fotográfica, mas também de vídeos, música e textos, totalmente livres de direitos de autor.


4) A invisibilidade (possível) na internet: “duckduckgo.com”

Sai, limpa o cache e os cookies, mas quando volta, o Google, por via do seu IP, “recorda-se” de tudo quanto por lá buscou, e vicia (o que pode ser útil ou não) os resultados da pesquisa. 
A alternativa está no duckduckgo.com, que, garante Gabriel Weinberg, que o criou em 2011, elimina, à saída, a sua “pegada digital”.


5) Revolver no passado: ”Wayback Machine”

Um dos problemas do motor de busca da Google é que, até por necessidade de refinar a procura, e tendo em conta a quantidade diária de informação que é posta a circular na rede, tem que eliminar conteúdo de tempos a tempos. 
Experimente o Wayback Machine, que guarda mais de 40 mil milhões (!) de páginas, a contar desde 1996, se o que quer é encontrar páginas já extintas ou desaparecidas do Google. 
A pesquisa pode ser realizada, por exemplo, com recurso ao dia, ao mês ou ao ano da publicação, ou tão somente ao nome de uma página que deseje.


6) Fotografias falsas? Não, aqui não:”Tin Eye”

Experimente pesquisar (sem nenhum instinto necrófilo) por “bin laden dead body”. 
Esta foi uma das pesquisas mais comuns (e virais) no Google em 2011, quando o líder da Al-Qaeda foi abatido pelos Navy SEAL norte-americanos. 
E sim, vai encontrar fotografias do corpo do defunto…falsas. Se não quer ser enganado por quem tem demasiado tempo livre para se recriar no Photoshop, use a Tin Eye
É uma aplicação gratuita, e que, com recurso a uma tecnologia de reconhecimento digital, não partilha fotografias manipuladas.