19 de junho de 2017

Dia de luto, não de humor

Tenham uma óptima semana.

59 comentários:

  1. Respostas
    1. Já hoje comentei várias vezes que se o Inferno existe tem que ser algo muito semelhante ao que vimos em Pedrogão Grande, Catarina :(

      Eliminar
  2. Junto-me a ti nesta hora trágica :(

    Boa semana
    Beijos Pedro

    ResponderEliminar
  3. tem sido uma tragédia e mais uma vez vêm a terreno as figuras políticas (não culpo só este governo, culpo todos), as ajudas, a enorme solidariedade dos portugueses e não só (este factor é o único que acredito) e passados meses tudo continuará na mesma: a incúria do ou no ordenamento do território. Junta-se a isto a hipocrisia da ajuda dos psicólogos quando sabemos que há poucos e os traumas vêm ao longo do tempo. Pobre de quem partiu e de quem perdeu tudo naquele inferno ainda não controlado.

    Deram cabo da agricultura e o interior cada vez mais abandonado por pessoas de idade...e tudo conjugado com políticas do "deixa andar"...dá nisto.

    O meu maior abraço a todos os soldados da paz!

    Não consigo dizer mais nada Pedro.

    Beijos e uma boa semana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O meu amigo Marco Carvalho, director do Ponto Final, diz aqui tudo por nós, Fatyly - https://opiniaopontofinal.wordpress.com/
      Beijos, uma boa semana

      Eliminar
    2. Estive a ler e subscrevo inteiramente o que o teu amigo escreveu.

      Já guardei o link para com tempo ir ler o "Ponto Final" e se me for permitido adicionar aos que leio!

      Beijocas

      Eliminar
    3. A rapaziada do Ponto Final, o Marco Carvalho em particular, é boa gente, Fatyly.
      Há por aqui gente que escreve muito bem.
      O Marco Carvalho é um deles.
      Beijocas

      Eliminar
  4. Mais outra grande tragedia em Portugal.
    Tenho pena dos que partiram e pena dos que perderam familia e haveres.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Demasiado horroroso para tecer qualquer comentário, Sami :(

      Eliminar
  5. Respostas
    1. Ainda parece mentira, Francisco Emanuel :(
      Aquele abraço, boa semana

      Eliminar
  6. Uma tragédia nunca antes vista que nos deixa a pensar como foi possível ter atingido tal dimensão.
    Deixar passar o tempo e depois reflectir e tomar atitudes para o futuro.
    Um abraço e boa semana.

    Andarilhar
    Dedais de Francisco e Idalisa
    O prazer dos livros

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Qualquer decisão neste momento seria quase de certeza precipitada, Francisco.
      Vamos dar tempo ao tempo e de uma vez por todas limpara os terrenos.
      Mesmo contra a vontade dos proprietários.
      A segurança pública tem que estar acima de tudo.
      Aquele abraço, boa semana

      Eliminar
    2. E já agora proibir o plantio selvagem de eucaliptos.

      Eliminar
    3. Inteiramente de acordo, Francisco.

      Eliminar
  7. Respostas
    1. Luto carregado, Cláudio Gil :(
      Aquele abraço, boa semana

      Eliminar
  8. Só hoje me apercebi a dimensão da tragédia! Tenho cá filho nora sobrinha sobrinho...temos saído em família e nem vejo TV...ouvi falar ontem mas hoje é que observei com tempo.
    Kis :={

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Uma coisa absolutamente dantesca, AvoGi :(
      Bjs

      Eliminar
  9. Dia de luto, ponto final. Apenas, com a sua permissão, acrescento que esta desgraça aconteceu por causas naturais: na sequência de uma trovoada seca, um raio atingiu uma árvore de grande porte. A partir daí, foi o que se sabe.
    Seja como for, o meu lamento e a minha solidariedade por quem sofreu na pele as consequências.
    Um abraço, Pedro.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Vou fazer 53 anos na próxima semana, António.
      Desde garoto que ouço falar na limpeza das áreas florestais, na prevenção de incêndios, no reforço de meios.
      Os anos passam, os governos mudam, a conversa e a prática são as mesmas.
      Este ano com uma tragédia que passou da propriedade para as vidas humanas.
      Até quando??
      Aquele abraço, boa semana

      Eliminar
    2. Quando acuso as ideologias políticas, quero expressar exactamente o que o Pedro diz que os anos passam, os governos mudam, mas a ignorância é sempre a mesma.

      O que interessa aos políticos são os votos nas eleições e não o bem estar do povo. E o que me irrita é que quem é a favor do actual governo, apela ao silêncio. Respeitar as vítimas e seus familiares não é ficar em silêncio, mas ponderar sobre as consequências e ter uma visão para o futuro.

      Eliminar
    3. Respeitar as vítimas, estas e todas as outras ao longo dos anos, é procurar de uma vez por todas debelar o flagelo anual dos malditos fogos florestais, Teresa.
      Ando a ouvir falar nisso desde garoto.
      E volto a perguntar - até quando??

      Eliminar
    4. Subscrevo, Pedro.
      Tem de se honrar todas estas mortes demonstrando que foram realmente sentidas e isso faz-se com muitas medidadas de prevenção, formação, instalações de bombas de água, etc, etc, etc...

      Até ontem! Isto tem de acabar.

      Eliminar
    5. Seria muito bom que acontecesse o que escrevem Portuguesinha.
      Não acredito.

      Eliminar
  10. Soube ontem à noite, que milagrosamente a casa dos meus compadres escapou Mas à noite eles ainda estavam em choque. Meu compadre teve 8 anos de guerra colonial, e diz que nunca teve tanto medo em toda a vida.
    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Na guerra há um inimigo que se pode combater, Elvira Carvalho.
      Perante um incêndio como este a sensação de impotência é total.
      Compreendo perfeitamente o sentimento do seu compadre.
      Um abraço

      Eliminar
  11. Respostas
    1. O Inferno, Chic'Ana, verdadeiramente o Inferno.
      Beijinhos

      Eliminar
  12. Caro Amigo Pedro Coimbra.
    Lastimo profundamente saber do incêndio
    que - desgraçadamente - ocorreu em Leiria.
    As famílias enlutadas minhas condolências.
    Sentido abraço. Saudações solidárias.
    Até breve...
    João Paulo de Oliveira
    Um ser vivente em busca do conhecimento e do bem viver, sem véus, sem ranços, com muita imaginação, autenticidade e gozo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Há momentos na vida em que ficamos com um nó na garganta, uma dor no peito, uma revolta, que são difíceis de ultrapassar.
      Aquele abraço

      Eliminar
  13. ematejoca deixou um novo comentário na sua mensagem "Dia de luto, não de humor":

    Estou consigo, Pedro, com o comentário que escreveu no blogue do Carlos sobre esta tragédia. Aquilo que eu gosto, é uma análise clara, sem ideologias.

    Publicar
    Eliminar
    Marcar como spam

    Moderar comentários neste blogue.

    Publicada por ematejoca em Devaneios a Oriente a 19 de junho de 2017 Ã s 22:22
    ÓMZ×^8ï—Zk}y÷Ý9çntuÇŸ
    ‰íz{SÊ—­{ †Ù¥r «±ëTL_ ¢{^žÔëj{ z±'r‡bž
    ®¢×¦¸§µ¦åz f– švØ­•ïíŠÙ^þ šuº ɨkyýÆÛi³ÿðÃ å¢ ­Ê&þšè~)^ÿO|÷nû÷4ço9Ûݹééšµèèq¯Úu豢릞‹èr‰žžÐ· Zâ¢v¬¹©žžÆ zj®¢Ö¡­ç÷ m§ÿÝzö§z*,jŠâz{^nZ ²š-r‰¿ÛM{ÿN¿v&z[­¢v¨uènšŠá¶iC‰§^–ëhœ-ÀÞ‡^†é¨¯öªº‹[­ºÄ²Ú.r‰ìŠ
    yÚèr‰¨r‰žžÐ· Z⢫žzÇ+z÷®ž†å¢ žv€š®Z,²†ëyë-jÚÚ€-ÀõØš «¢–Š®yë ¢Ëh p=ºfšœ-ÀÖX¬yÉZ­« š'^¢Z ‰« ­ºÚ†·ŸÜ8m¶›?ÿ 0nZ êÜ¢oÜ¢ižžÙ¨uêÚµç(ø«™Ú –ˆ põç­|Û~7ëM½óûëÚh²Ò Ü=÷ç^:׍6ó­ùóß4âËZ¶ë7 ² Ú$z}Ãë á,] †mkyõ# ^]€Ì{ðÏ ´ ”ë³ ì±Ô ¨ – ¾ŸRÔdXªb}NÝF,yçÒ2‰Yˤ€H*•‰` v
    §C{hUt00Ž ¨9V²§à>æå‰Æ«ý¦ëj Þpá¶Úlÿü0Á¹h‚ «r‰¿r‰¦z{f¡×«jל¢wâ®ghnZ =Ãמµómøß­6÷Îwï¯i¢ËH p÷ߝxë^4ÛηçÏ|Ó‹-jÛ¬Ü4Ñ !Ä Ú$z}Ãë á,] †mkyõ# ^]€Ì{ðÏ ´ ”ë³ ì±Ô ¨ – ¾ŸRÔdXªb}NÝF,yçÒ2‰Yˤ€H*•‰` v
    §C{hUt00Ž ¨9V²§à X¦Šv«ý¦ëj Þpá¶Úlÿü0Á¹h‚ «r‰¿r‰¦z{f¡×«jל¢wâ®ghnZ =Ãמµómøß­6÷Îwï¯i¢ËH p÷ߝxë^4ÛηçÏ|Ó‹-jÛ¬Ü4Ëh‘é÷ ¬g„±t ^ µ­çÔŒ}yv 1ïÃ%€EØ*
    í¡UÐÀÂ8z åZÊŸ€Æ«qªÜ¢j,¥©¿iºÛ­¨kyýÆÛi³ÿðÃ å¢ ­Ê&ý¹h‚ «¹h€€÷ ^z×Í·ã~´Ûß9ß¾½¥éÝŠx ¢ižžÛ ¡×«j¿Úr‰žžÐ· Zâ¢ÉÞ²×›–ˆ.yú'µÊ%¢½Ã‚¶²²,ÞÜ=›­ºÏ¹¹bq§Z¦ŠÞ™«^Ž‡ zf¡­ç÷ m§ÿÝzö§z*,jŠâz{^nZ ²š-r‰¿
    ëڝ許£«‰éí{öš××^Žéá¡×¶Ó^Ú‚¶¯zͶÛoߢ{n‡rþ f—M5k]xã¾]i­õçßt睹Ñ×

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Hoje foi o comentário da Teresa a ficar assim.
      Que raio se passa??

      Este momento é o menos indicado para pensar em ideologias, disputas políticas, Teresa.
      Não é isso que está em causa.
      Há que respeitar as vítimas, directas e indirectas.
      Depois sim, pela enésima vez, procurar perceber porque estas coisas acontecem e procurar evitá-las.

      Eliminar
    2. Neste e em todos os momentos temos que usar a razão, PEDRO, sem as ideologias políticas de sempre.

      Eliminar
    3. Não podia estar mais de acordo, Teresa.

      Eliminar
  14. Nunca é de bom tom escrever e opinar no momento das tragédias, quanto mais não seja, pelo respeito que as vítimas nos deverão merecer !

    Abraço enlutado, Pedro

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Quando a Emoção é tão forte a Razão dificilmente consegue falar, Rui.
      Demos tempo ao tempo.
      Aquele abraço

      Eliminar
  15. Segundo testemunho de um piloto dos aviões que combatem os incêndios , está-se perante algo terrível e em que só a Natureza tem Poder...

    Nós sabemos( eu pelo menos sempre o soube) que a Natureza é indomável, mas se os Donos do Mundo e acólitos são descuidados e se importam mais com lucros do que com resto...tudo piora !


    Desejo-lhe boa semana , Pedro.Aqui começa muito dolorosa.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O incêndio não terá tido origem criminosa.
      Ao contrário de tantos outros, não foi isso que aconteceu.
      Mas, e há sempre um mas, como é que alastrou daquela maneira e ceifou tantas vidas?
      Boa semana, São.

      Eliminar
  16. Um luto bem forte, não há palavras!
    No sábado estivemos em Ansião e Penela, éramos para passar o resto do dia por Fragas de São Simão, Pedrogão Grande, Barragem do Cabril e Castanheira de Pera, mas os 41º que se fazia sentir em Ansião fez com que o Rodrigo (doente cardíaco) não se sentisse bem e resolvemos vir embora.

    Beijinho Pedro

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não foram vítimas por acaso, Adélia.
      E isso é que é revoltante.
      Estas coisas não podem ser deixadas ao acaso, à sorte.
      Beijinhos

      Eliminar
  17. Pedro, o maior sentimento é de revolta perante a falta de proteção das pessoas
    que tipo de interesses ou falta deles, conseguem por em perigo tantas vidas e criar tanto sofrimento?!
    com tanta tecnologia disponível...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Angela,
      Continuo a dizer que, desde garoto, ando a ouvir falar em protecção civil, reordenamento florestal, limpeza das matas, prevenção, reforço dos meios de combate aos incêndios.
      E todos os anos acontece a mesma coisa.
      Durante anos assistia impotente a zonas bem perto de casa ou do local de trabalho a serem consumidas pelo fogo.
      Desta vez houve vítimas humanas em grande número e o fenómeno é muito mais mediático.
      Depois esquece-se e fica tudo na mesma.
      Até quando??

      Eliminar
    2. Espero que seja até sábado, 17 de Junho de 2017.
      ESTE tem de ser o diferencial.
      Aquele que vai por os melhores cérebros da nação a pensar em soluções e a por em prática medidas preventivas de louvar!

      Tem de ser desta.
      A morte de tantas pessoas de forma tão aleatória e injusta não pode ficar em branco, não devia resultar em nada... Tem de servir para nos ensinar!!

      Eliminar
    3. Ando a ouvir dizer isso desde garoto, Portuguesinha.
      Faço 53 anos na próxima terça-feira.
      E o que é que mudou???

      Eliminar
  18. Só para lhe deixar um beijinho
    e os votos de uma boa semana, Pedro.

    ResponderEliminar
  19. Muito triste.
    Desde o início...
    Desolador.

    Mas tem de acontecer alguma mudança com isto. Não podem tantas vidas ter falecido em vão.

    RIP

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Como eu gostava de acreditar que vai ser assim, Portuguesinha...
      Infelizmente não acredito minimamente.

      Eliminar
  20. Inacreditável e muito triste, parecia um filme catastrófico, só que não. Era real, pessoas reais como cada um de nós e todos correndo para salvar a vida. Me dói muito pensar na desesperança que ainda assim, impulsionava para a vida. Ontem vi uma reportagem , milhares e milhares de pessoas fugindo da guerra, morrendo em alto mar, morrendo de fome, sendo brutalmente assassinadas em nome de uma suposta fé. Terrível! Não sei o que mais precisa acontecer para que as pessoas sejam respeitadas, somos todos iguais, mas com vidas muito, muito diferentes. Sabe-se lá o porque.

    Abraços.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O ser humano ainda não aprendeu a respeitar-se e a respeitar o outro, vitalina de assis
      Tão triste quanto verdadeiro.
      Abraços

      Eliminar
  21. Um filme de terror, Pedro, um filme de terror.

    Aquele abraço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Já comentei isto várias vezes, Ricardo - se há Inferno tem que ser algo muito semelhante ao que se viu em Pedrógão Grande, ao que se tinha visto na Madeira também.
      Aquele abraço

      Eliminar