23 de agosto de 2016

Vítimas, dizem eles


Haider e Ridha são dois gémeos de 17 anos.
Mas Haider e Ridha não são apenas dois gémeos de 17 anos.
Haider e Ridha são os filhos do embaixador iraquiano em Portugal.
Os mesmos que espancaram barbaramente em Ponte de Sor o jovem Rúben Cavaco, de 15 anos, que continua internado em coma induzido e com prognóstico muito reservado.
Os mesmos que se apresentaram ontem em entrevista à SIC alegando ter agido em legítima defesa e dizendo-se vítimas de uma situação que ocorre todos os dias em Portugal.
Haider e Ridha, dois bárbaros que agem a coberto da imunidade diplomática que o estatuto do papá lhes confere, depois de terem espancado e desfigurado um garoto de 15 anos, têm o desplante de insultar Portugal e os portugueses em entrevista a uma estação televisiva portuguesa.
Espancamentos que deixam pessoas em coma acontecem todos os dias em Portugal??
Vai sendo tempo de dar uma lição a estes fedelhos e ao papá.
Não sendo possível aplicar-lhes a Lei de Talião (vontade não falta...), em vez de lhes dar tempo de antena é necessário ensinar a esta escória que imunidade e impunidade são coisas muito diferentes.

59 comentários:

  1. Onde assino, Pedro?

    Para cúmulo, tinha sido noticiado que as autoridades lhe tinham perdido o rasto....

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Acredito perfeitamente que, se as autoridades policiais não os tiverem constantemente debaixo de olho, os dois energúmenos se ponham na alheta assim que puderem, São.
      Trastes de m##@!

      Eliminar
  2. Não vi a entrevista, mas acho revoltante. Que a justiça e o governo, tomem uma atitude severa, ainda que seja apenas considerar o pai persona não grata e expulsá-lo do país com a sua prole nojenta, já que não acredito que o Iraque lhes levante a imunidade diplomática.
    Um abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O MNE pediu o levantamento da imunidade diplomática, Elvira Carvalho.
      Também não acredito que o Irão ceda a essa pretensão.
      E também queria ver essa escumalha fora de Portugal.
      Mas não consigo deixar de imaginar o que sentem os familiares do garoto que está no hospital, desfigurado e entre a vida e a morte.
      E lá vem o humano desejo de vingança...
      Abraço

      Eliminar
  3. Rúben Cavaco é um jovem deliquente, referenciado pela GNR/PSP/CPMJR da cidade onde vive, que semeia o terror em Ponte de Sor, como tal, não conhecendo o processo não me pronuncio, meu caro.

    Aquele abraço, Pedro.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Daí até ser espancado de forma bárbara a ponto de ficar desfigurado tem que ir toda a diferença, Ricardo.
      Não há justificação para um acto destes por mais rufia que o garoto seja.
      Aquele abraço

      Eliminar
    2. Caro Pedro Coimbra, é óbvio que nada justifica este tipo de agressões bárbaras e hediondas e que as mesmas devem ser severamente punidas. O que eu gostava também de ver era o caro Pedro Coimbra com essa desenvoltura crítica em relação a este tipo de energúmenos como este delinquente agredido e o que tantos jovens e seus familiares sofrem por acção cobarde, mesquinha e doentia dos mesmos. Lembra-se do caso Gisberta, no Porto? Eu nunca, mas nunca esquecerei. E sabe porquê? Precisamente por essa barbaridade que, muito justamente, agora condena nos dois iranianos, mas que no caso da Gisberta foi ainda incomparavelmente mais brutal, mais hedionda e perpetrada por uma série de... "rubens cavaco". E lembra-se da justiça que teve a Gisberta, da justiça que agora o caro Pedro Coimbra tanto reclama, e justamente, neste caso? De certeza que se lembra, já que o tomo por uma pessoa inteligente e com sensibilidade. E acredite que não falo no caso da Gisberta por mero lobby, mas sim por toda a revolta que essa monstruosidade e tudo o que a seguir se seguiu nunca deixará de me provocar. Não queira arvorar-se em paladino romântico.
      Cumprimentos,

      Eliminar
    3. Qual paladino romântico qual quê, José Batista!!
      Eu NÃO SEI quem é o Rúben Cavaco.
      Vivo em Macau e não faço ideia de quem é o garoto (pelos vistos não é flor de cheiro...).
      Daí até ter sido espancado desta forma brutal e animalesca vai uma distância que só por cegueira se pode ignorar.
      O Rúben Cavaco, por mais rufia que seja, não tem tempo de antena.
      Por isso mesmo, eu, e muitos como eu, não o conhecemos.
      Estes fedelhos mimados e manientos têm tempo de antena depois de espancarem outro garoto e ainda se dão ao luxo de insultar um povo e um país.
      O que é que quer que eu faça??!!
      Cumprimentos

      Eliminar
  4. E vai ficar tudo “em águas de bacalhau”! O MNE terá sucesso com o governo iraquiano? Se não podem ser punidos em Portugal, deverão ser punidos no Irão. Mas aposto que nada lhes acontecerá.
    Mesmo que o outro garoto seja delinquente, continua a ser dois contra um! Estou a imaginar os meninos bem, ricos, a viver à sombra da imunidade diplomática do papá sabendo que a lei portuguesa não lhes pode “pegar”!
    Fico por aqui. My blood is boiling!!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Infelizmente também é isso que penso que irá acontecer, Catarina.
      Por muito má rês que o garoto seja não há qualquer justificação para o abalroar com um carro e depois agredí-lo até o desfigurar e o deixar à beira da morte (felizmente as últimas notícias são que já saiu do coma).
      Os dos meliantes vão ficar sob protecção policial até desaparecerem (têm dupla nacionalidade, iraniana e americana, o que lhes permite procurar refúgio em muitos países para além do Irão).

      Eliminar
    2. O meu sangue também continua a ferver...

      O miúdo estava sózinho, tinha apenas 15 anos, os gémeos 17 e não apresentam quaisquer ferimentos.

      Uma VERGONHA para o Irão, se esta brutalidade ficar sem castigo.

      Eliminar
    3. O embaixador já foi chamado a Teerão, Teresa.
      Para quê é o que vamos ver em seguida.

      Eliminar
  5. até compreendo que exista imunidade em crimes, delitos 'leves' para os embaixadores mas, não compreendo que tenham imunidade total e muito menos que essa imunidade se estenda à família.
    Estes enquanto forem filhos de embaixadores serão irresponsáveis...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mais que irresponsaveis, criminosos,Tétisq.
      Ainda que fosse verdade que agiram em legítima defesa, há algo que se chama excesso de legítima defesa.
      Muito dificilmente não seria esse o caso.

      Eliminar
  6. Ainda bem que não vi nem ouvi nada sobre essa entrevista à SIC.
    A vitimização é a arma nº1 dos psicopatas. Não posso com gente que não assume os seus actos e para todos arranjam uma explicação onde se vitimizam. Principalmente quando cometem actos abjectos como este!

    Mas será que não entendem que NADA pode defender a atitude cobarde e de extrema frieza que tiveram? Só se justifica algo assim em defesa da própria vida, quando ameaçada por alguém que te quer matar. Duvido que o puto de 15 anos, sozinho, constituísse essa ameaça de vida ou morte para estes dois.

    Em portugal existe uma expressão que já diz tudo: "Dois contra um é cobardia". Não me interessa o que estes dois possam dizer, a superioridade numérica sempre esteve do seu lado. E uma vítima de ataque, quando se defende, o faz para escapar, não o faz para matar o agressor. Agride mas não precisa de deixar o outro sem nenhum osso no rosto que não esteja quebrado.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Como comenta a seguir a isa, a ser verdade que tinham sido agredidos no dia anterior, os agressores eram muito meigos.
      Não há justificação para o que fizeram, Portuguesinha.
      E dizerem que coisas destas acontecem todos os dias em Portugal faz crescer a vontade de lhes dar muitos tabefes.

      Eliminar
    2. Cara Portuguesinha,
      E nos olhos do Ruben Cavaco, o que viu? Eu digo-lhe o que vi, vi um jovem arrogante, prepotente e com ar de desprezo. Se for investigar, poderá confirmar que ele é ainda muito pior que isso. Obviamente que este crime tem de ser punido e severamente, mas deixe-se de baboseiras. E já agora, assino com o meu nome:
      José António Batista

      Eliminar
    3. Eu não vi nada, caro José Batista.
      E sabe porquê?
      Porque não vi o Rúben Cavaco.
      Quem teve tempo de antena foi quem o agrediu.

      Eliminar
  7. E custa mais pensarem que nos enrolam com aquela de, na véspera, terem sido atacados por 6 e, definitivamente, esses 6 devem ser fáceis de encontrar, devem ter mãos de algodão porque se isso fosse verdade, quem estaria no hospital, seriam eles.
    Há muita gente que ainda não percebeu que, nós temos sido uns felizardos aqui no nosso canto, a violência tem alastrado na Europa e foi programada para provocar um recuo civilizacional. A maioria nem imagina a quantidade, deste tipo de jovens que são educados em culturas de violência.
    É bom relembrar coisas antigas e, como é a educação deste tipo de jovens:
    Link
    e, se alguém acredita que pode haver algum recuo naquilo que o Futuro nos reserva, quando em vez de famílias de refugiados, a grande maioria, são jovens idênticos a estes na violência mas, piores.
    A islamização da Europa tem um propósito e, quem ainda não percebeu, só pode estar a dormir ou ser muito ingénuo. A Câmara de Lisboa, usar milhões dos nossos impostos para construir uma Mesquita, é mesmo o que nos estava a fazer falta... ou será que está a fazer falta para quê?
    A elite do 1%, para atingir os seus objetivos sempre trabalhou da mesma maneira "Ordo Ab Chao" para assim, subjugar e controlar os 99% para serem, eles próprios a pedir "as mordaças e as grilhetas". Neste Mundo nada tem acontecido por acaso, sabemos alguns nomes, sabemos que têm a sua "criadagem" mas, apenas, 4 Corporações controlam praticamente tudo, só falta, mesmo, meterem os "carneiros no redil" para o trabalho ficar concluído.
    isa

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Realmente os hipotéticos agressores da véspera deviam ser muito meigos, isa.
      Dêem as voltas que derem, não há justificação para o que fizeram.
      Muito menos para ofenderem Portugal.
      Acontece algo semelhante todos os dias em Portugal??
      Fdp!!!

      Eliminar
  8. Basta serem dois contra um para se ver logo que de legítima defesa não houve nada...

    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Falar em legítima defesa quando são dois a bater num chega a ser irónico, Teté.
      Trastes!!
      Beijinhos

      Eliminar
  9. Posso falar dessa imagem?
    É que desde que fiz aquele post sobre os serial Killers canadianos fiquei algo «perita» na leitura de imagens (lol).

    No meu entender e sem ter visto a linguagem corporal, a primeira coisa que noto é o olhar. Nos olhares não vejo nada de bom. Principalmente no do rapaz à direita, mais incorporado, com um olhar frio, vazio. Parece ainda conter raiva, raiva e vontade de espancar até à morte. A forma como prende as mãos uma na outra é o gesto que tanta vez se faz antes de se lançar a socar alguém.

    A segunda coisa que prestei atenção foi à escolha de indumentária do da esquerda. O seu blusão de "Top gun", de moço que estudava na escola de aviação - da qual ouvi dizer ter sido expulso. E isso diz-me muito. Diz-me que tem uma necessidade por prestígio, por títulos, quer ser reverenciado. Quer estar acima dos restantes e cada logo costurado é uma declaração, uma medalha.

    A terceira coisa que reparei - e SALTA à vista é que... Para alguém que espancou praticamente até à morte outra pessoa numa rixa, nenhum dos dois apresenta um único arranhão ou corte. Sinal de que a vítima nem teve tempo de se defender.

    História mal contada, de certo.
    Pela imagem não noto que tenham tido percepção de terem cometido um acto hediondo, indesculpável seja qual for a desculpa que queiram espalhar. Um acto que, o correto, é trazer consequências que vão além da repreensão, porque é um acto que constitui CRIME, e dos graves.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não consigo "ler" a imagem como você lê, Portuguesinha
      Não tenho essa capacidade.
      Mas tenho que reconhecer que muito do que escreve faz sentido.

      Como faz todo o sentido o facto de o comportamento das bestas configurar crime.
      Vamos ver é se, como comenta a Catarina, não fica sem castigo...

      Eliminar
  10. Falar em legítima defesa é pensar que a nossa polícia é burra. Um acto muitíssimo vergonhoso que tem de ser castigado, senão a justiça é uma batata.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Espancar daquela maneira alguém, seja quem for, muito dicilmente pode ser considerado legítima defesa, Teresa.

      Eliminar
  11. Seja porque a via diplomática o premite, seja por causa do currículo de Rúben Cavaco, este assunto deve ser abordado com pinças.
    Poderíamos, simplesmente, chamar-lhes criminosos mas, ao fazê-lo dessa forma tão básica, correríamos o risco, por falta de conhecimento do que deu origem à acção dos filhos do pai.
    Creio que Haider e Ridha já se disponibilizaram para contar tudo às autoridades.
    Quanto a Rúben, desejo-lhe rápidas melhoras.
    Um abraço, Pedro.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu não consigo aceitar um espancamento tão brutal, sejam quais forem as explicações que venham a ser dadas, António.
      Nada justifica este comportamento e estas agressões.
      Pura barbaridade.
      Aquele abraço

      Eliminar
    2. Faltou-me referir esse aspecto. Tanta brutalidade era dispensável, mesmo que estivessem cheios de razão.

      Eliminar
    3. De uma violência sem limites, tresloucada, António :(

      Eliminar
  12. Já ouvi inúmeras versões em cada canal de informação, contudo, nada justifica a violência praticada. Não consigo compreender nem aceitar tal coisa.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois é, Chic'Ana, seja qual for a justificação, nada poderá legitimar este espancamento brutal e bárbaro.
      O resto pode ser importante na graduação da culpa.
      Mas não mais que isso.

      Eliminar
  13. Seja o que tenha acontecido, nada é justificação para a violência. Repito, nada. Agora, nos próximos dias, acredito que se venham a conhecer mais detalhes.
    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mais do que violência, perfeita brutalidade, Carpe Diem.
      Aquele abraço

      Eliminar
  14. A vontade que dá mesmo é aplicar a celebre Lei de Talião.
    Um abraço e boa semana.
    Andarilhar

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. São estes momentos que nos fazem perceber bem o "olho por olho, dente por dente", Francisco.
      Aquele abraço, boa semana

      Eliminar
  15. Caro pedro
    Não se enoje tanto com este assunto pois de concreto não passa dum ajuste de contas entre menores de idade que deverá ser derimido em local próprio e em julgamento que presumo imparcial, todo o resto são especulações.
    Todavia como também gosto de dar palpites tudo isto se baseia na falta de educação e de responsabilidade das famílias destes candidatos á marginalidade que já praticam , ora vamos fazer um "suponhemos" Que raio tem que estar um menor de idade sem direito a voto num bar de copos donde saiu ás 4 da matina. Por que raio os mourinhos andavam á caça de quem, nas calçadas de Ponte do Sôr? Quem souber que me responda. Eu tenho cá a minha teoria. faz parte do imaginário alentejano desde há sete séculos xingar e dar uns tabefes nos sarracenos, Portugal construiu-se assim, faz parte da nossa memória e da nossa cultura ancestral tal como a morte do touro em Barrancos. Por sua vez os sarracenos gostam de fazer umas algaradas na charneca alentejana "para tomar captivas" umas donzelas cristãs (embora não saiba, onde nos tempos em que vivemos). Da refrega que ninguém viu, a vítima foi encontrada desfalecida e com "as ventas num sedeiro" numa sargeta em Ponte do Sôr, por varredores da Câmara Municipal e depois: - Quem "conta um conto acrescenta-lhe um ponto", todos dão opiniões, até quem não sabe onde fica Ponte do Sôr ou o Traque, com grandes culpas para os jornaleiros da imprensa e televisão que se armam em patrióticos defensores da "vitima da moirama", Se este embaixador tem culpa é a mesma que têm os pais do Ruben que é a de deixar á solta e sem cabresto os menores pelos quais são responsáveis. Não metam nisto o ministério dos negócios estrangeiros, nem o embaixador do Iraque nem imunidades. O que há aqui é falta de educação e de doutrina seja ela do catecismo ou do alcorão. Em minha opinião estes menores não valem um traque de cão.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ajuste de contas, aguerreiro?
      Em que um dos envolvidos acaba desfigurado e em coma no hospital???
      Não é (só) uma questão de educação e falta de pais.
      É pura brutalidade.
      E essa é sempre injustificada e injustificável.

      Mais que isso, não se sentiu ofendido quando estes trastes disseram que isto acontece todos os dias em Portugal??
      Eu senti.
      E muito!

      Eliminar
  16. Como sempre os nossos políticos começaram por olhar
    para o lado. Foi preciso o PR vir de férias e dizer-se
    chocado e ter telefonado para o Hospital para saber do
    estado do miúdo, para o Ministro dos Negócios Estrangeiros começar a dizer qualquer coisinha.Depois
    e porque a Comunicação Social não se calava e a estrangeira também pegou no assunto, enfim...
    Um abraço,amigo.
    Irene Alves

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Finalmente foram tomadas medidas diplomáticas que se impunham, Irene Alves.
      Os meninos, a coberto da imunidade diplomática, pensaram que tudo lhes era permitido.
      É preciso que percebam que não é nada assim.
      Um abraço minha amiga

      Eliminar
  17. Entretanto, o discurso dos jovens que se diziam vítimas, já mudou um pouco, Pedro.
    Ainda que seja apenas um dos irmãos a falar, talvez por ter maior dom de oratória, já pediu desculpas. Isto, não os iliba da culpa de terem posto o Rúben às portas da morte e eles se apresentarem sem uma beliscadura.
    Pode ter havido uma rixa inicial, talvez, quem sabe, motivada por uma provocação verbal, por parte do jovem ferido, mas o que está aqui em causa é que um crime desta natureza não pode ficar impune. Tenham eles imunidade diplomática ou não.
    Tomara que este não seja mais um caso que fica em águas de bacalhau.
    O Rúben já saiu dos cuidados intensivos e uma irmã do jovem já falou para os orgãos de comunicação social, embora sem adiantar muito mais do que aquilo que já foi dito.
    O que me mais me revoltou no discurso, bem estudado, do jovem Haider ( se não me engano ) foi a tremenda desfaçatez ao dizer que as "coisas se descontrolaram e aconteceu o que é normal acontecer em Portugal". E temos nós que engolir esta afronta,no nosso próprio país, vinda da boca de um catraio com as costas quentes? Dois borrachos naquela tromba, ainda era um favor que lhe faziam...

    Beijinhos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu fiquei com uma vontade terrível de enfiar uma série de tabefes nestes cachopos mimados quando os ouvi dizer que isto acontece todos os dias em Portugal, Janita.
      Acontece no raio que os parta, na pqp!!!

      Já não chegava serem bárbaros, ainda por cima são arrogantes.

      Beijinhos

      Eliminar
  18. Pois é, Pedro! Nada, em minha opinião justifica uma agressão, deste teor, ao Rúben Cavaco, um miúdo com 15 anos, apenas, e talvez, repito, talvez, com uma história de vida, nada favorável.

    Felizmente, não sou mãe, pke, independentemente do meu filho/a ser o maior delinquente do mundo, eu, e se pudesse, daria o troco na mesma moeda, e caso eu não tivesse coragem para o fazer, pagaria a quem o fizesse.

    Quem é pai ou mãe, tem "telhados de vidro" e não pode, nem deve "cuspir para o ar", pke, se um dia, os meninos ou meninas deles forem referenciados pelas autoridades todas e mais alguma como delinquentes, marginais, ladrões, traficantes, assassinos, prostitutas com "ligações perigosas", eles não ficarão calados, portanto, pronunciar-se-ão, mesmo sabendo do comportamento dos filhos/as e desconhecendo o processo, ou seja, em k circunstâncias as coisas aconteceram.

    Qto à imunidade diplomática destas criaturas, pai, filhos, primo, prima, papagaio, periquito, etc. desconhecia-a, completamente, aqui ou na Gronelândia.
    Tanta lei para fazer de novo e rever! São tão absurdas, qto medievais!

    Outra coisa em k estou a pensar é k nesta triste história, para o pobre do Rúben, claro, estão metidos árabes. Pay attention, Portugal, pke isto pode ter sido o início de outras coisas graves, k podem vir por aí.

    Beijinhos e Alá por lá.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A imunidade diplomática está prevista a nível de Direito Internacional e em muitas Convenções a que Portugal há muitos anos aderiu.
      Mas não se pode confundir com impunidade.
      Que é o que os fedelhos julgam que são - impunes.
      Que lhes seja demonstrado que o não são.
      Longe disso.
      Beijinhos

      Eliminar
  19. Olá. Regressada de férias e de volta às minhas visitas =).

    Ontem ouvi, outra vez, a notícia na rádio. E diziam que a GNR, chamada para uns desacatos lhes tinha dado boleia após verificarem que tinham álcool a mais para conduzirem. Isto 2 horas antes do que aconteceu ao Rúben!! Muito estranho... ou muito arquitetado.

    Seja o que for que tenha acontecido, e tendo o Ruben contribuído para a animosidade, parece-me que foi demasiado bélica a atitude dos meninos gémeos. Só o facto de serem 2 contra 1 já dá que falar!

    Quanto à imunidade diplomática, uma lei a rever sem dúvida!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A violência das agressões é injustificável, Golimix.
      Pode ser uma atenuante, pode servir para graduar a culpa, não justifica nada.
      E aqueles insultos a Portugal e aos portugueses são inqualificáveis.

      Rever a questão da imunidade diplomática envolve um grande consenso na comunidade internacional.
      Que julgo não existir neste momento nem ter condições para existir brevemente.

      Seja bem regressada!

      Eliminar
  20. Caro Pedro
    Trabalhei quase 40 anos em urgências hospitalares e infelizmente e ao contrário do que se pensa as rixas e agressões são o pão nosso e tudo resulta das borracheiras, não tanto das drogas que entorpecem, ou das disputas de mercado de droga. A maior parte tão ou mais graves que este tão propalado caem no esquecimento e só dão trabalho e preocupações ás famílias, aos hospitais e aos tribunais. A propósito digite:- Tiago Puga-Viana do Castelo. E vai ver um caso a meu ver bem mais grave. Veja no que deu e os agressores eram de maior idade , infelizmente não pertenciam ao corpo diplomático. Por isso desvaloriza a importância que os fazedores profissionais de notícias gostam de fazer. Cumprimentos para si.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Caro aguerreiro,
      Nunca trabalhei nas urgências hospitalares mas levei lá muita gente com essas bebedeiras à beira do coma alcoólico.
      E muitos outros todos rebentados em resultado de cenas de pancadaria.
      Daí até afirmar, como estes fedelhos afirmaram, que acontece o que aconteceu todos os dias em Portugal vai uma grande distância.
      Estes cretinos ainda não terão percebido que desfiguraram o garoto e o deixaram em coma num hospital???
      Isso não acontece todos os dias.
      Vou seguir o link que me indica.
      Cumprimentos para si também.

      Eliminar
  21. Com certeza que no bar houve bocas, insultos,ofertas de murros, seja lá o que for que os jovens de hoje não prescindem, seja em que lugar do mundo for, porque eles resolvem as discussões com pancada, pelo que todos têm culpa, uns mais, outros menos. O que não se admite foi deixarem o Ruben às portas da morte.
    Esses meninos, os gémeos, tiveram a ousadia de se protegerem tomando uso da palavra na entrevista que deram à SIC.
    Tiveram tempo de se organizar e contar a sua história.
    Agora, os outros, os putos do grupo do Ruben, menos protegidos e porque devem meter-se em algumas zaragatas, não tiveram "direito
    de antena, não mostraram a cara, porque temem condenar o futuro das suas vidas. Tudo isto é muito mau para a sociedade.
    Os iraquianos usaram o nome do nosso país, rebaixaram a nossa sociedade, como se a deles fosse superior à nossa.
    Oxalá a justiça aja com imparcialidade porque do jovem Ruben não sabemos o que vai acontecer, as feridas psicológicas ficarão para toda a vida.
    Dificilmente a sociedade vai tomar o Ruben como exemplo, porque amanhã está tudo esquecido, mas gostaria de acreditar na juventude, nos valores que possam edificar.
    Tenho pena da sociedade que construímos.
    Beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Até em todas as vertentes que menciona os meninos diplomatas tiveram vantagem, cantinho.
      Até nesse aspecto, falar em legítima defesa é insultuoso.
      Beijinho

      Eliminar
  22. Obrigada pela informação Pedro, pois não soube deste caso revoltante. Eu adoro Portugal e o povo português que acho bastante pacifico, bem-educados... Portanto aonde foram eles (estes dois patifes, desculpe o palavrão) buscar estas desculpas para agirem assim? Isto Revolta-me. Bjs

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Revolta qualquer pessoa bem firmado, The Reader's Tales.
      Bjs

      Eliminar
    2. Pessoa bem formada.
      O iPad faz cada uma!!

      Eliminar
  23. Evito comentar este tipo de notícias... porque me causa muita dor! :((

    Quando há dezoito anos e uns "trocos" anunciei aos meus pais que estava grávida, a reacção do meu pai não foi a que eu esperava! Ele apenas disse: «mandar vir mais uma criança para viver neste mundo tão mau...»

    Chocaram-me muito as palavras dele, logo numa fase tão feliz da minha vida!... mas numa coisa ele estava certo: o mundo é mau! E é mau porque há muitas pessoas más de instintos bárbaros e desumanos.


    Beijo triste

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. As pessoas não são más, Afrodite.
      Não quero acreditar nisso.
      Há algumas que o são, que são efectivamente más, muito más.
      Não sei se o Rúben Cavaco é uma delas (parece que não flor de cheiro, mas confesso que não sei...).
      Estes dois fedelhos que os espancaram são escória humana.
      Beijos

      Eliminar
  24. Caro pedro:
    Espero que também o Pedro e outros "padecentes" se revoltem de igual forma com o jovem, filho de emigrantes, da Póvoa do Lanhoso, que também e desgraçadamente foi atingido por um ou mais meliantes com um taco de golfe, fazendo-lhe um afundamento craneano, que o pôs em coma induzido no Hospital de Braga. Até agora ninguém saiu a terreiro para "tomar as dores" dele nem sequer o inefável, sorridente e gramofónico presidente Marcelo. Por que será que isso se passa? Concerteza por que o papá desse é um esforçado emigrante na Suíça, que lá fora faz pelo país tanto ou mais que o embaixador do Iraque, só que não tem passaporte nem imunidades diplomáticas. Razão pela qual apelo a que demos ao caso de Ponte do Sor a importância que tem em si, sem especulações e sem histerismos. SSão casos por demais semelhante e que de modo nenhum podem ser desvalorizados. Não se dê mais importância do que de facto tem, até ao momento que se saiba nenhum morreu e Deus queira que tal não aconteça, Ao invés do Tiago, que referi em post anterior, mas não tomem por suas as dores dos outros. Deixem a justiça seguir o seu caminho, sem palpites nem palpitações, pois podem fazer um enfarte. Cumprimentos para si

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Claro que sim, aguerreiro.
      Mas há alguma dúvida?
      Todos esses actos de violência gratuita são abjectos e merecem a mais severa censura e punição.
      A diferença é que há os que têm mais destaque na comunicação social, e, por via disso, chegam a Macau, e outros não.
      Cumprimentos para si também

      Eliminar
  25. Um caso muito triste e muito mal contado!! O país está em polvorosa, Pedro! E com razão. Imunidade diplomática?! Para quase matar?! Isto aqui não é o Far West!!! Far West é lá no país deles! Vamos ver o que é que a nossa débil justiça decide...

    Beijinhos, Pedro!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Foi isso que estes fedelhos arrogantes disseram, Graça - isto acontece todos os dias em Portugal.
      O quê??
      Vão para a ....pata que os pôs que em Portugal não têm lugar.
      Beijinhos

      Eliminar