10 de agosto de 2016

Uma tragédia que deve dar origem a reflexão


O trágico acidente ocorrido na Rua da Entena deve ser o ponto de partida para uma reflexão profunda.
Uma reflexão acerca do número de veículos de grandes dimensões que circulam em Macau, muitas vezes em vias exíguas como é o caso da Rua da Entena, do estado de conservação desses veículos, das habilitações daqueles que os conduzem.
Desde logo vai sendo tempo de reflectir acerca do número de autocarros que circulam em Macau.
Aos veículos de transporte público foram sendo adicionados nos últimos anos autocarros das concessionárias dos jogos de fortuna e azar, de empreendimentos habitacionais ditos de luxo, um cada vez maior número de autocarros de turismo.
Tudo isto num território que se debate com problemas de falta de espaço, de poluição e de congestionamento das vias públicas.
Só quem não circula nas vias públicas de Macau é que ainda não percebeu que é necessário limitar o número destes veículos em nome do bem-estar dos residentes.
Mesmo que essa medida implique alguns sacrifícios para os que visitam esta cidade que se pretende "centro internacional de turismo e lazer" (jargão político).
Como se não bastasse o número excessivo de veículos, deixar que veículos de grande porte circulem em ruas estreitas, exíguas, como é a Rua da Entena, é uma receita infalível para o desastre.
A tragédia que ocorreu na Rua da Entena poderia ter assumido proporções muito mais gravosas.
Bastava que houvesse pessoas a circular no passeio para se assistir ali a uma verdadeira carnificina.
Mais uma vez, ainda que seja necessário impor alguns sacrifícios a quem visita Macau (andar a pé em Macau, com o calor, a humidade, a poluição, não será muito agradável...) é necessário restringir os locais onde circulam estes veículos ao estritamente necessário.
Veículos que, como se já não bastassem todas as questões já expostas, tantas vezes se apresentam em muito mau estado de conservação e são conduzidos por pessoas cuja habilitação e conhecimento dos arruamentos de Macau são no mínimo duvidosos.
Tantas vezes uma tragédia funciona como wake up call.
Que seja esse o caso do acidente ocorrido na Rua da Entena.

18 comentários:

  1. Um bom alerta para os responsáveis abrirem os olhos para verem os problemas que afectam a segurança das pessoas.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Era bom que assim fosse, Caro A. João Soares.
      Confesso que não tenho grandes esperanças nesse sentido.

      Eliminar
  2. Apenas se lembram de Santa Bárbara quando troveja. Veja-se a "fatalidade" dos incêdios estivais em Portugal.
    O tráfico automovel numa cidade não pode ser deixado ao deus-dará em que os interesses de uma parte subvertem o equilíbrio do todo.
    Abraço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Vamos ver se mesmo assim acordam, Agostinho.
      Tenho dúvidas....
      Aquele abraço

      Eliminar
  3. Esperemos que sim, que este facto tão duro sirva para reflexão.

    Relativamente a transportes para turistas e ruas estreitas , Granada tem a solução de mini autocarros.

    Tudo de bom.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Há muitas soluções, São.
      O que não é possível é manter estes monstros em ruas tão estreitas.
      Tudo de bom também

      Eliminar
  4. E eu a pensar k em Macau tudo ou quase funciona, funcionava às mil maravilhas. Autocarros em mau estado? Há ásias... que mais parecem ... áfricas.

    É preciso acontecer, sempre, algo grave ou menos grave, para quem de direito, acordar ou pelo menos, abrir os olhos, Pedro!

    Beijo e cont. de boa semana.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anda muito disparate à solta, CÉU.
      Money, money, money.
      Beijos e continuação de uma boa semana também

      Eliminar
  5. Há coisas tão ridículas que se tornam difíceis de comentar.
    Ninguém vê/quer ver esses problemas?
    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Quase a imagem dos três macacos, António.
      E é quase porque não são mudos.
      Às vezes até falam em demasia...
      Aquele abraço

      Eliminar
  6. Concordo consigo, Pedro.
    Beijinhos.
    ~~~~~~~

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Vamos ver se haverá algum agitar de águas, Majo.
      Duvido...
      Beijinhos

      Eliminar
  7. Pois, a solução parece fácil, haja vontade política para a implementar... ;)

    Beijocas

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois, aí é que a porca torce o rabo, Teté...
      Beijocas

      Eliminar
  8. Respostas
    1. Um autocarro de turismo, desgovernado (o motorista saiu para ver se havia danos no veículo resultantes de um pequeno toque e não o terá travado), que foi pela rua abaixo até embater na esquina de um prédio.
      Trinta e tal feridos, quatro com gravidade, uma senhora ainda em coma e com prognóstico muito reservado, Gábi.

      Eliminar