25 de agosto de 2016

O adeus à Uber


Os lóbis em Macau ainda são o que eram e há muito têm sido - poderosas máquinas de pressão política, de defesa de interesses económicos e corporativos.
Tão poderosas que conseguiram, no espaço de sete meses, levar ao desespero a Uber.
A empresa que viu os seus serviços serem reconhecidos e legalizados um pouco por todo o Mundo, incluindo no interior da China, abandona Macau nos primeiros dias do mês de Setembro vergada ao peso das pressões que se diz alvo e da incapacidade de legalizar os serviços que se propõe prestar (a Uber é por natureza concorrencial do serviço de táxis por isso não faz sentido nenhum que lhe seja proposto candidatar-se a licenças de táxi).
No meio de acusações gravíssimas às autoridades administrativas e policiais de Macau, a Uber, que se propunha concorrer com um péssimo de serviço de táxis como o que é oferecido em Macau, vê-se obrigada a procurar outras paragens para continuar o seu modelo de negócio.
E eu só quero deixar uma pergunta - no dia em que precisar de transporte, eu e/ou a minha família, que tentar pedir um táxi, se tiver a sorte de a minha chamada ser atendida (e é preciso muita sorte para isso acontecer!!), só para me comunicarem que não há táxis disponíveis, devo telefonar a quem??

35 comentários:

  1. Há meses também houve por aqui (Toronto) um protesto, mas não prestei muita atenção. Palpito que talvez por razões semelhantes.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A Uber tem tido vida difícil um pouco por toda a parte, Catarina.A diferença é que, em Macau, nunca houve vontade nem intenção de legalizar a empresa.
      E, depois de muitas multas e outras coisas mais graves (é disso que falam os responsáveis da empresa), a Uber abandona Macau.
      Com um serviço de táxis que é uma porcaria, qual é a alternativa??

      Eliminar
  2. Lamento muito, Pedro.
    Seria uma competição saudável.
    Beijinhos.
    ~~~~

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E explicar isso a algumas luminárias aqui, Majo?? :(
      Beijinhos

      Eliminar
  3. Lamento. Vida mais difícil para quem não dispõe de transporte próprio
    Um abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mesmo quem dispõe de transporte próprio, Elvira Carvalho.
      Muitas vezes necessitamos, pelas mais variadas razões, de recorrer a transportes públicos.
      E esses têm que existir e, numa cidade com tanto dinheiro e que quer ser "centro internacional de turismo e lazer"(sic), têm que ter qualidade.
      Algo que manifestamente não têm.
      Um abraço

      Eliminar
  4. Cá em Portugal, as vozes de burro, queira ler-se taxistas, não chegaram ao céu, o que causou um enorme burburinho entre os inenarráveis taxistas cá do burgo, Pedro.

    Eu uso a Uber, quer em Portugal, mas, principalmente, no estrangeiro é regra e só tenho a dizer bem da empresa, composta por motoristas educados, discretos, asseados e muito, mas muito, profissionais, aliás, o inverso do é a "classe taxista".

    Aquele abraço, Pedro.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Quando o Ricardo estava de férias escrevi aqui acerca da Uber.
      A minha experiência com a empresa, em vários pontos por onde viajei, é excelente.
      Aí em Portugal (Lisboa e Algarve) foi cinco estrelas.
      As viaturas, o asseio, a simpatia, a educação, a atenção, não podiam ser melhores.
      Macau vai no sentido oposto.
      E se o serviço de táxis aqui é mau!!!
      Há coisas que a gente não percebe.
      Em bom rigor, até percebemos muito bem...follow the money!!!
      Aquele abraço

      Eliminar
  5. Em Portugal, preparamo-nos para legalizar a Uber...
    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Isso é que faz sentido, Chic'Ana.
      E era isso que a Uber queria que fosse feito em Macau.
      Ninguém queria operar à margem da lei.
      Falaram mais alto os lóbis locais.
      Beijinhos

      Eliminar
  6. Realmente, é incrivel !

    Mais uma vez é o interesse das pessoas que é espezinhado !

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Protegem-se os interesses de poucos à custa dos interesses de muitos, São.
      Revolta!

      Eliminar
  7. Não é em Macau que o termo 'lóbi' tem raízes profundas?
    Os taxistas continuam, também por aqui, a prestar serviços de péssima qualidade. Ao invés, a UBER sobe na preferência dos passageiros.
    Há, de certo, por aí, alguém a quem a UBER faz confusão. Alguém que defende os taxistas com unhas, dentes e, quem sabe, um saco azul na mão.

    Um abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Cheira à distância, não é, António?
      Na mouche!!
      Aquele abraço

      Eliminar
  8. Aí parece que os lóbis venceram. Em Portugal parece
    que a Uber vai mesmo ter existência legal.
    Um abraço, amigo.
    Irene Alves

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E assim devia ser em toda a parte, Irene Alves.
      A concorrência é sempre saudável.
      Um abraço

      Eliminar
  9. Mais conservadores do que aqui?! Pena!! Não devia ser assim...

    Talvez noutra altura eles (e vós) tenham mais sorte.

    Beijinhos (vão de táxi...)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não podemos ir de táxi, Graça.
      Quando se quer um táxi nunca estão disponíveis.
      E estamos entregues a uma mafia sem escrúpulos todos os dias.
      Beijinhos

      Eliminar
  10. Por cá parece que o assunto está mais ou menos resolvido. E ainda bem, que os taxistas parece terem melhorado de um modo geral o seu atendimento, que todos sabem não ser famoso...;)

    Beijocas

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A concorrência foi sempre algo positivo, Teté.
      Tente explicar isso a estas luminárias aqui...
      Beijocas

      Eliminar
  11. Respostas
    1. Aqui não há tuk tuks, Angela.
      Mas olhe que a minha experiência com esses gajos também não é a melhor.
      na Tailândia, nas Filipinas, aí em Lisboa onde um deles teve o desplante de me dizer que só nos levava da Torre de Belém ao Museu dos Coches por 15 euros.
      Mandei-o à ... fava e fui de táxi porque a minha filha estava indisposta para irmos a pé.

      Eliminar
    2. Que horror! É praticamente uma ao lado da outra!!

      Eliminar
  12. A livre concorrência ainda nao chegou a Macau, Pedro?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Em muitos sectores económicos, não, Carlos.
      Está a ser noticiado hoje que a Uber pagou mais multas num mês que todos os táxis num ano inteiro.
      Não chega aí o cheiro a esturro???

      Eliminar
  13. "O cliente tem sempre razão"! Obrigarem-no a consumir o que não quer não é definitivamente deste tempo.
    Abraço, Pedro.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Infelizmente em Macau ainda é, Agostinho.
      E falam estes tipos em centro internacional de turismo e lazer.
      Tá bem abelha!!
      Está a ser organizada uma manifestação para exigir a legalização da Uber.
      Vamos ver no que dá.
      Aquele abraço!

      Eliminar
  14. Pergunta: A UBER faz ou não concorrência desleal?
    Uns gritam que sim... a própria empresa diz que não.
    Por mais ARTIGOS que leia não consigo perceber!
    Afinal em que ficamos?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Se nao estiver legalmente enquadrada, se não pagar licenças administrativas, impostos, pode argumentar-se perfeitamente que sim, Afrodite.
      Mas o que a Uber procura, e aqui também foi assim, é que exista esse enquadramento legal.
      Porque é que as autoridades administrativas o negam??

      Eliminar
  15. Olá,
    aqui ainda está uma guerra, os taxista não aceitam a UBER. Mas essa empresa vem para melhorar os serviços dos táxis.
    Abraços

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Acabo de assinar uma petição para tentar obrigar o Executivo a legalizar a Uber, Anajá.

      Eliminar
  16. Este teu post responde a uma dúvida que uma vez cá deixei.
    É lamentável. Sendo o serviço de taxis tão mau como descreveste, parecendo até ser um veículo para extorsão, agressão e possível assassinato, a Uber fazia falta.

    Aligeirando a coisa, por muitos instantes pareceu-me estar a olhar para o Júlio Isidro nessa foto... Ou então foi da posição do monitor mas acho que tens aí um sócia eheheh.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Se sou parecido com o Júlio Isidro?
      Não, acho que não sou, Portuguesinha.
      Temos ambos um nariz algo "avantajado".
      Só isso.
      Esta fotografia foi tirada em Helsínquia, com quase 30 graus negativos cá fora, no ano 2010.

      Eliminar
    2. Mas és tu o homem na foto? Assim comparando a do perfil com a da imagem diria que são homens distintos :)

      É esse homem na foto que ilustra a manif contra a Uber que tem ares de Júlio Isidro. Estava sobre a influencia do post que tinha acabado de escrever sobre sócias :) Depois percebi que não. Mas diz-me lá se não parece? Com o Júlio do presente, já de cabelo grisalho...

      Quanto ao Pedro, jamais faria uma piada de comparação ao Júlio Isidro pelo nariz.. lol.
      Abraço

      Eliminar
    3. Não, Portuguesinha, não sou o homem na foto.
      Sou mais novo (52 anos), não tenho tanto cabelo grisalho (só algum), não sou nada parecido com o homem na foto (tirada da Net) e o Júlio Isidro (ele o homem da foto até podem ser parecidos).
      Eu sou o da foto de perfil.
      Apesar de um pouco mais velho (seis anos) que naquela foto.
      Abraço

      Eliminar