26 de março de 2015

Um PODEMOS de direita?


Com a entrega de 8500 assinaturas no Tribunal Constitucional terá sido criado um novo partido político em Portugal.
O "Nós, Cidadãos" é o resultado de um período de reflexão no seio do Instituto da Democracia Portuguesa e agrega várias personalidades tradicionalmente ligadas à direita em Portugal, insatisfeitas com o actual cenário político português.
Nomes como Garcia Leandro, António Capucho, Pedro Quartin Graça, Mendo Henriques (porta-voz do movimento) , José Cid, procuram apresentar aos portugueses uma alternativa fora do tradicional quadro político - partidário.
Uma alternativa que se insere nos movimentos de cidadãos insatisfeitos com o actual espectro político que se vão vendo um pouco por toda a Europa e que terá como melhor exemplo a força política PODEMOS em Espanha e o êxito por esta alcançado.
O "Nós, Cidadãos", que pretende apresentar-se a sufrágio nas próximas eleições legislativas em Portugal, procura testar a viabilidade de uma nova força partidária no espectro político português.
Ao contrário do que aconteceu com a experiência PRD, fulanizada na figura de Ramalho Eanes, o novo partido não se apresenta centrado na figura de uma qualquer personalidade, antes se propõe apresentar um programa político alternativo ao do chamado "centrão".
Mas não se estará perante uma nova experiência no campo da chamada "terceira via" porque, ao contrário desta, não se pretende fazer uma aproximação entre a direita e a esquerda em Portugal.
As personalidades que se reúnem no movimento "Nós, Cidadãos" são clara e assumidamente pessoas de direita e é assim que se apresentam ao eleitorado.
Enquanto tal, e se se quiser fazer algum paralelismo, talvez se possa dizer que estará em formação um PODEMOS de direita em Portugal.

22 comentários:

  1. Desconhecia de todo!!

    Esperemos o que vai dar,,,até porque sou de Esquerda, embora respeite os nomes aqui apontados.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Em fase muito adiantada, São.
      Estes movimentos de cidadãos cansados do quadro partidário existente acredito que tenham tendência a crescer.

      Eliminar
  2. Estou um bocado na expectativa, até porque alinho mais à direita.
    Gosto de alguns dos nomes aí referidos. Este partido bem pode ser uma pedrada no charco e mexer com a nossa vida política algo podre.
    Vamos ver o que dá.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Um dos grandes dinamizadores do projecto (Garcia Leandro) foi aqui Governador em Macau, Paulo Lisboa.
      Mais que não seja, já há algo de novo num panorama algo bafiento.

      Eliminar
  3. Respostas
    1. Estes, embora ainda não se perceba bem quais as ideias, estão na outra ponta do espectro político, Ricardo.
      Poderão?
      Vamos ver o que é que os portugueses acham.

      P.S. Estou a acompanhar os desenvolvimentos aí na Madeira também.

      Aquele abraço

      Eliminar
  4. (???) ... Sinceramente "não me cheira" que tenham sucesso, Pedro ! ... e espero bem que não ! ... Não sou nada de extremismos ( rsrs ) , mas concordo que a política (em geral) "anda de rastos" por cá (e se calhar, em toda a Europa) !

    Abraço ! :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Será dificil, Rui.
      Os portugueses são muito conservadores nas suas intenções de voto.
      Isto dito, a verdade é, e já tive essa experiência de forma muito directa, os movimentos fora do quadro dos partidos costumam ter algum apeal.
      Mas normalmente com uma figura à proa, o que não parece ser o caso.
      Aquele abraço

      Eliminar
  5. ~ ~ Nada significa para mim, a não ser, um bem vindo efeito destabilizador sobre a direita rasca que governa.

    ~ ~ O que eu lamento, mesmo, é a impossibilidade de existir, em Portugal, uma aliança entre o centro democrático e a esquerda moderada.

    ~ ~ ~ Beijinhos. ~ ~ ~
    ~~~~~~~~~~~~~
    .

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Com estas lideranças, nem pensar numa união dessas, Majo.
      A "terceira via" ainda não tem pernas para andar em Portugal.
      No futuro, quem sabe??
      Agora, nem pensar.

      Não sei no que vai resultar este partido.
      Mas, pelo menos, é algo de novo.
      Valerá a pena?
      Vamos esperar para ver.
      Beijinhos

      Eliminar
  6. Caro Amigo Pedro Coimbra!
    Aqui na terra que ainda tem palmeiras e sabiás (não sei até quando) os partidos políticos tornaram-se farinha do mesmo saco.
    Caloroso abraço! Saudações desiludidas!
    Até breve...
    João Paulo de Oliveira
    Um ser vivente em busca do conhecimento e do bem viver sem véus!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Em Portugal (na Europa) também, Amigo João Paulo de Oliveira.
      Por isso mesmo é que vão aparecendo estes movimentos de cidadãos.
      Que, por vezes, se transformam em partidos políticos.
      Grande abraço

      Eliminar
  7. Bom na minha humilde opinião não são precisos mais partidos políticos em Portugal. O que precisamos são políticos honestos e competentes. O nosso mal é que parece que foi uma raça que já se extinguiu.
    Um abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Se existem, e acredito que existem, têm-se mostrado muito pouco, Elvira Carvalho.
      Um abraço

      Eliminar
  8. Terão estes movimentos espaço para se implantarem, sem correr o risco de serem vistos como mais do mesmo?
    Um abraço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Esta experiência vai permitir responder a essa pergunta, António.
      Já é um mérito...
      Aquele abraço

      Eliminar
  9. Já acho uma grande e boa novidade o facto de se colocarem à Direita sem vergonha e sem medo!!! Há anos que a Direita anda envergonhada com medo de se expor abertamente: pelo menos ficamos a saber que EXISTEM, resta saber o que pensam fazer...
    xx

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Essa é agora a grande questão, papoila - ao que é que vêm???
      Não basta de dizer que são um novo partido, têm que dizer o que é que querem.

      Eliminar
  10. Coimbramigo

    Respondo ao Carlosamigo: eu tenho a Vodafone... pois nem quero pensar na NOS... Mal por mal fico com a multinacional (olha, rimalhei...)

    Quanto ao novo grupo politico partidário concordo com a/o(?) Papoila: a Direita tem todo o direito (e a obrigação) de não andar envergonhada e disfarçada de Neoliberal, Centrista et aliud.

    Mas também penso que vai dar bota: aí uns 0,36% nas legislativas. Como é do domínio público sou Socialista e militante Nº 327. Sou, portanto, de Esquerda ou seja do Socialismo Democrático. Porém em Liberdade todos têm que intervir da Direita à Esquerda.

    Oxalá das legislativas saia um Governo que não seja o (des)Governo que vamos tendo infelizmente. Isso digo eu...

    Abç de Goa

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E é por estas coisas, mais ainda do que pelas anedotas que envias, que gosto tanto de ti, FerreirAmigo
      Aquele abraço!!

      Eliminar