28 de maio de 2013

Mia Couto vence Prémio Camões 2013


Hoje comecei o dia a tomar conhecimento de uma boa notícia - Mia Couto ganhou o Prémio Camões 2013.
Mia Couto é, sem sombra de dúvida, o autor em língua portuguesa que leio com maior prazer.
Porque Mia Couto reinventa a língua portuguesa em cada livro que escreve, torna-a mais rica, mais alegre, mais viva, confere-lhe matizes únicas, adiciona-lhe esse tempero tipicamente africano que é a morabeza.
Numa época em que a discussão em torno do Acordo Ortográfico se reacende, em que se procura administrativamente massificar uma língua tão rica em cambiantes como é a língua portuguesa, é com grande satisfação que assisto à atribuição do Prémio Camões a um autor que se afasta totalmente dos cânones tradicionais para seguir uma linguagem muito própria, única mesmo, ricamente  adornada pela perene adjectivação que só Mia Couto sabe adicionar a cada um dos seus livros.
O imaginário de Mia Couto, que se reflecte nos seus livros, resume em muito a riqueza da língua portuguesa.
Na sua diversidade, nos seus diferentes sabores, nas suas diferentes formas de ser falada e escrita.
Como tal, não consigo imaginar um autor que mereça mais a atribuição do Prémio Camões, o qual, relembre-se, distingue um autor que "pelo valor intrínseco da sua obra, tenha contribuído para o enriquecimento do património literário e cultural da língua comum", do que Mia Couto.

26 comentários:

  1. Também gosto de ler Mia Couto.
    A linguagem e o pensamento se elevam a um nível muito alto.
    Poderia dizer que ele confere ao pensamento uma forma, e descreve-o lindamente.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Devoro os livros dele, luis.
      Como tenho aqui um amigalhaço moçambicano vou tendo acesso a vários livros dele, para além daqueles que eu próprio possuo.
      Lê-se de um só fôlego praticamente.

      Eliminar
  2. Fiquei contente com a notícia, porque o admiro e porque acho que merece mesmo o Prémio Camões.

    Bom dia, Pedro

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Inteiramente, São.
      Neste época é especialmente relevante.
      Em vez de uniformizar a língua, vai-se premiar alguém que escreve de uma forma única.
      Fiquei muito contente.
      Um bom dia para si também, São :)

      Eliminar
  3. fiquei feliz com esta notícia.

    agradeço a partilha.


    abç

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Uma notícia que deixa feliz quem, como eu, devora os livros deste grande escritor

      Eliminar
  4. Só li um livro de Mia Couto e gostei muito da sua escrita, da história nem tanto. Tenho de ler mais livros seus... :)

    Beijocas!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Viciante, Teté, a escrita dele é viciante.
      Beijocas

      Eliminar
  5. Também tive conhecimento da notícia hoje, Pedro, apesar do Prémio lhe ter sido atribuído ontem.
    Acho merecidíssimo já que adoro toda a sua poesia e os livros -infelizmente poucos - que dele tenho lido.
    Soube, há poucas horas atrás, que Mia Couto declarou numa entrevista, a sua intenção de usar o valor do Prémio ( 100 mil euros) num projecto a favor dos jovens escritores moçambicanos.
    Mais palavras para quê?

    Um abraço!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois é, Janita, também é essa a ideia que tenho dele - é um extraordinário escritor e também um extraordinário ser humano.
      Abraço

      Eliminar
  6. Gosto e já li várias obras e concordei em absoluto com o prémio.

    Já que gostas tanto, já leste "O beijo da palavrinha, com ilustrações de Malangatana"? O nome da personagem é Maria Poeirinha (julgo não me ter enganado)...é uma delícia e o ano passado nas duas semanas de férias que tive com as netas para onde ia todos os dias lia uma ou duas folhas e elas adoraram:)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. De tantos livros do Mia Couto que já li, esse não é um deles, Fatyly.
      Fica registada a sugestão.

      Eliminar
  7. Sinto-me tão "poucochinha"... Ainda não li nada dele. Mas o caso vai mudar de figura. Ó se vai. :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Vale a pena, luisa.
      Depois de ler um, não vai parar.
      Vicia.

      Eliminar
  8. Um prémio merecido. Só ouvi ao jantar com as notícias porque hoje nem tive tempo de ler o jornal.
    Beijinho, Pedro e obrigada pela sua gentileza. É bom ter notícias de Macau.:)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mais que merecido, ana.
      Sou suspeito porque sou fã incondicional.
      Mas acho que há muito o justificava.
      Beijinho :)

      Eliminar
  9. Dá gosto ler autores assim, parece que as palavras assumem ritmos únicos!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ainda me falta ler alguns livros dele, Poppy
      Outros já li duas e três vezes.
      Uma maravilha!

      Eliminar
  10. TB não li nada de mia couto ainda ... mea culpa , mas se bem depreendo do texto e dos comentários que tenho ouvido vou adorar de certeza... O Ondajaki ...mais jovem e de origem angolana, mas com uma escritapoética e inventiva da lingua portuguesa deve ser da mesma água...

    ResponderEliminar
  11. TeKanelas,
    Os livros dele são um vício.
    Quando ler um não vai querer parar.
    Diferente, superior ao Ondjaki

    ResponderEliminar
  12. Tb fiquei contente com a atribuição desse prémio.
    O autor encanta-me... e os seus livros tb!!!! : )

    ResponderEliminar
  13. Mia Couto é mesmo brilhante.
    Muito merecido, Pedro.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Para ler, reler, voltar a ler, sempre com o mesmo prazer, Pats

      Eliminar