29 de maio de 2013

E, mais uma vez, o incontornável Relvas


10 comentários:

  1. Caro Amigo Pedro,

    com notícias como esta, apetece sugerir mudar o título do blog para "Devaneios em Portugal"! :)

    Fora a brincadeira, isto é verdadeiramente vergonhoso, revoltante! O País está entregue à bicharada!

    Um abraço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anónimo,
      Foi propositada a publicação destes dois posts em simultâneo.
      Como é que, com exemplos destes, se podem pedir sacrifícios a quem passa por sérias dificuldades?
      Revoltante!
      Aquele abraço!!

      Eliminar
  2. Respostas
    1. Coisa que ele não tem, Ricardo.
      Nem um pingo :(

      Eliminar
  3. Pedro, no dia em que houver um politico em campanha que tenha t.... para dizer que uma das medidas que vai tomar é cortar com as regalias que esta gente tem, e coisas como o post anterior tinha terá o meu voto, o pior é que eu nunca ouvi ninguém ter coragem para isso, nem sequer em campanha eleitoral!

    Agora nesta situação em concreto ainda é pior, vai usufruir de algo que supostamente já não devia existir, como é que isto é possível? Falha da justiça, é por não haver denuncia é por não haver acusações? Isto acontece porquê afinal?

    Nós não podemos reunir-nos enquanto povo, fazer uma vaquinha arranjar um grupo de advogados e processar esta cambada toda? é que bolas, já não há palavras para expressar revolta face a estas coisas...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O Mia Couto, ontem, tal como o Paul Krugman, apelava à insubordinação, Poppy.
      Quem sabe não será essa a solução.

      Eliminar
  4. Esta malta anda mesmo a fumar umas coisas estranhas.

    ResponderEliminar
    Respostas

    1. Se fosse na dose certa até era capaz de ser interessante, António.
      Nesta doses, dá estes resultados.

      Eliminar
  5. Ainda é mais nojento do que cuspir no chão. Agora sempre quero ver no que vai dar a investigação aberta pela UE!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Posso fazer uma aposta, Carlos (e eu não gosto nada de apostas)?
      Não vai dar em nada.
      Um puxãozito de orelhas, talvez.

      Eliminar