23 de maio de 2013

Reacções à entrevista de António Passos Coelho



António Passos Coelho, pai do actual primeiro-ministro, em entrevista ao jornal "i", confessa que a família Passos Coelho encarou muito mal a entrada do filho na vida política e, muito mais tarde, a aceitação do cargo de primeiro-ministro nas circunstâncias que o País atravessa. 
Mais, António Passos Coelho, numa linguagem muito terra-a-terra, aconselha o filho a demitir-se e a deixar os comandos da nau a outro marinheiro.
O que mais captou a minha atenção na entrevista foi a hipotética reacção de Pedro Passos Coelho à invectiva do seu pai.
Mais do que teimoso e obstinado, que isso já sabíamos que eram características do actual primeiro-ministro, fica a sensação, pelo que o pai nos dá a conhecer, que Pedro Passos Coelho está convencido que, sem ele ao leme, a embarcação iria definitivamente ao fundo.
Ou seja, para além de obstinado e teimoso, o actual primeiro-ministro também é presunçoso e tem de si a imagem de personagem indispensável ao País, possuidor de uma qualquer aura salvífica até.
Como é que Pedro Passos Coelho e José Sócrates, com tão enormes egos, não haviam de ser inimigos figadais?!
Lida a entrevista de António Passos Coelho, nada é surpreendente.
Nem o facto de o filho não seguir os conselhos do pai.
Desde logo, Pedro Passos Coelho faz passar a ideia de seguir muito poucos conselhos.
Venham eles de onde, e de quem, vierem.
De, em boa verdade,  só obedecer cegamente ao triunvirato que vai efectivamente manobrando a embarcação, aquele  sucedâneo dos personagens do Barco do Amor (Merril Stubing, "Doc" Bricker e Isaac Washington, não vos parece?) que também a ninguém escuta e a ninguém obedece.
E, pensando bem, qual é a surpresa de o filho não obedecer ao pai se a história da Nação começou com o filho ao estalo à mãe?!

24 comentários:

  1. Pedro,

    começando e terminando pelo fim do seu post, diria que PPC só de lá sai à estalada!

    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Se nem ao pai ele obedece, Ricardo...
      Aquele abraço!

      Eliminar
  2. Também li a entrevista.

    Só que acho que o senhor se contradiz: não faz comentários, porque não é político.Como não é , se foi dirigente do PSD local e presidente de Câmara?!

    A família não queria que Pedro fosse Primeiro-.Ministro, mas o o pai fez campanha de rua com ele.

    EStá muito mal com cortes e mais cortes na reforma. Peço desculpa ,mas tenho muitas dúvidas.Além disso, não são cortes, são "poupanças", diz o filho.

    E que sentido de responsabilidade é o deste senhor quando diz ao filho para se demitir, não pelas asneiras que está a fazer , mas sim para se livrar "disto", quando usou todas as armas para ir para o Poder?!

    Os Passos fazem uma festa, nove milhões de portugueses também,exceptuando quem já se suicidou e quem acabou por morrer à míngua de trabalho,tratamentos, cuidados,casa, alimentação( que é o que vai acontecer com as poupanças de 11% nas reformas, a começar logo no valor mínimo, isto é, 485 E)

    Pedro Passos Coelho tem "uma missão a cumprir" e ninguém imagina o pânico que estas criaturas soberbas ao ponto de se acharem salvadoras da pátria e/ou designadas por DEus me provocam!

    Para cúmulo temos uma amiba mumificada vinda de Boliqueime e que o "melhor povo do mundo" achou por bem eleger para todos os cargos, quando a criatura nem à altura de limpar cavalariças está, com o devido respeito.Como se viu no discurso de Abril 2013 (até oa cravos se atiraram ao chão, os pobres) e neste recente Conselho de EStado.

    Bom dia, Pedro





    ResponderEliminar
    Respostas
    1. São,
      Isto é um comentário de alguém muito revoltado.
      Compreendo-a perfeitamente.
      E digo-lhe com toda a franqueza que ainda não percebi muito bem para que deu António Passos Coelho esta entrevista.
      Para dizer que o filho é um mártir, que está a fazer um sacrifício e que, para fazer esse sacrifício, até contrariou a vontade da família?
      Se foi para isso, era melhor ter ficado calado.

      Eliminar
    2. E eu acrescento:

      Isto não tem conserto, seja o Coelho ou o Toninho a comandar a nau portuguesa!!!

      Eliminar
    3. Esse é o maior drama, ematejoca.
      Onde é que estão as alternativas?
      O Tozé Seguro, o jovem mais velho de Portugal?
      Não, obrigado!

      Eliminar
    4. Só para fazer um reparo, Passos coelho nunca foi presidente da Câmara Municipal de Vila Real.

      Eliminar
    5. Só para fazer um reparo, Passos coelho nunca foi presidente da Câmara Municipal de Vila Real.

      Eliminar

    6. Também tinha essa ideia, Anónimo.
      Grato pelo reparo.

      Eliminar
  3. Vai prá puta que te pariu, palhaço de merda!

    ResponderEliminar
    Respostas

    1. Com essa linguagem, que eu não domino, deixou-me confuso, Anónimo - refere-se a mim, ou ao pai do Pedro Passos Coelho, seu cobarde do cara#%^??

      Eliminar
  4. Passos já disse: "não vou comentar o meu pai".

    E valia a pena fazê-lo?

    Como muito bem disse a São, e passo a fazer 'copy and paste', ... «E que sentido de responsabilidade é o deste senhor quando diz ao filho para se demitir, não pelas asneiras que está a fazer , mas sim para se livrar "disto", quando usou todas as armas para ir para o Poder?!»

    Aquele abraço, Pedro.

    ResponderEliminar
    Respostas

    1. Eu ainda não percebi para que raio deu ele a entrevista, António.
      Deve ser burrice minha...
      Aquele abraço!!

      Eliminar
  5. Estamos de acordo na substância, mas o Pedro acrescentou um remate muito importante. Este país começou com um filho a bater na mãe, logo mais tarde ou mais cedo ia dar bronca.
    Abraço e bom fds

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Se começou assim, como é que, em 2013, um teimoso ia obedecer ao pai, Carlos?
      Aquele abraço e votos de bfds

      Eliminar
  6. "Bom aluno" mas filho desobediente... Ai.

    ResponderEliminar
  7. Concordo a 100% com a São, se bem que não soubesse que o dito cujo afinal já tinha tido cargos políticos. No entanto, embora a ideia inicial talvez fosse passar a ideia que o filho era um mártir, soa-me a alguém que gosta de se ouvir falar... sem importar o porquê! Se calhar, tal pai tal filho...

    Certo é que, caso PPC seguisse os seus conselhos, não seria só a família a festejar, a festa de arromba seria em todo o país. Com grande benefício para a eoonomia, já que os espumantes se venderiam a rodos... :)

    Beijocas!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois, mas ele não obedece, Teté.
      Só obedece ao trio odemira.
      Beijocas!

      Eliminar
  8. Gostava de ler essa entrevista, até pensei que era mito :p

    Agora algo pouco relevante... Eu sei que mando pontapés na gramática como ninguém, e então a trocar letras isto anda cada vez pior, mas a sério... "A gente?" Agente de quê? Da polícia?

    "Quando isso acontecer a gente vai fazer uma festa"

    ResponderEliminar
  9. Onde é que leu essa do agente e a gente, Poppy?
    Não estou a ver onde.
    Às vezes essas coisas acontecem mesmo sem a gente querer.
    Correcção automática e a gente nem se apercebe.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não foi o Pedro que escreveu mal (e se fosse jamais corrigiria assim à brutalhada :p) é na prórpia capa, na imagem...

      Eliminar
    2. Este comentário foi removido pelo autor.

      Eliminar
    3. Tive que eliminar o comentário porque, com o corrector do iPad, ficou uma coisa imperceptivel

      Eliminar