21 de abril de 2010

Grandes portugueses (vivos)

Hoje em destaque um treinador de futebol, melhor, o treinador de futebol, The Special One, José Mário dos Santos Félix Mourinho (José Mourinho).
Nascido a 23 de Janeiro de 1963, José Mourinho é filho do antigo guarda-redes e treinador de futebol Félix Mourinho.
Foi a acompanhar o seu pai, ainda muito novo, que José Mourinho começou a mostrar o seu interesse pelo futebol, nomeadamente pelo estudo do jogo.
Ainda tentou uma carreira como futebolista, mas cedo percebeu que não tinha talento para tal, nunca tendo passado de um jogador medíocre.
A sua entrada no futebol, deve datar-se nos inícios dos anos 1990 quando se torna intérprete de Sir Bobby Robson , à época treinador do Sporting.
Sousa Cintra despede Bobby Robson do comando técnico do Sporting, o treinador inglês é contratdo pelo FC Porto, e José Mourinho segue-o.
O sucesso nos "dragões" desperta a atenção do Barcelona, clube que contrata a dupla Bobby Robson/José Mourinho.
Permanece em Espanha até decidir lançar-se como treinador principal.
É contratado pelo Benfica (Manuel Damásio), exige determinadas condições para levar o clube ao sucesso, nomedamente as contratações de alguns jogadores, condições que Damásio lhe nega,  levando Mourinho a assinar pelo União de Leiria.
E é em Leiria que, no ano de 2002, começa a chamar a atenção.
Com uma equipa sem vedetas, sem grandes nomes, faz uma prova excelente (quinto lugar, o melhor da história do clube) até ser convidado por Pinto da Costa para suceder a Octávio Machado no comando do FC Porto.
Acaba a época no FC Porto prometendo levar a equipa ao título na época seguinte.
No defeso, contrata Derlei, Nuno Valente, Paulo Ferreira, recupera Jorge Costa, descobre Hélder Postiga e Ricardo Carvalho, e reinventa Deco, Costinha e Maniche.
Pelo meio, a conquista do balneário na disputa que manteve com Vítor Baía.
Em 2003 consegue o prometido título de campeão nacional, ao qual alia a conquista da Taça de Portugal e da extinta Taça UEFA.
O mundo do futebol fica atento ao português mas ainda o olha com alguma desconfiança.
Essa desconfiança desaparece no ano seguinte quando o Porto renova o título de campeão nacional e conquista a Liga dos Campeões, isto depois de ter começado a época a perder a Supertaça Europeia para o Milão.
No final do jogo de Gelsenkirshen, Mourinho, como é seu timbre, afirma que vai sair do FC Porto, algo que irrita profundamente Pinto da Costa.
Muda-se para Inglaterra, um sonho de menino, e leva consigo Ricardo Carvalho, Hilário e Paulo Ferreira para os milionários do Chelsea, sustentados por um excêntrico bilionário russo, Roman Abramovich.
Em Inglaterra, Mourinho conquista dois títulos de campeão, uma Taça de Inglaterra, uma Taça da Liga, leva o Cheldsea por duas vezes às meias-finais da Liga dos Campeões, mas não consegue conquistar o troféu como era desejo do patrão russo.
Ganha o troféu de melhor treinador nos anos de 2004-2005 e 2005-2006, atribuído pela Federação Internacional de História e Estatística do Futebol, mas o ano de 2006 marca o início das desavenças com o dono do clube, tendo como pano de fundo as aquisições de Ballach e, sobretudo, Shevchenko.
Os resultados não são os melhores e Mourinho, então já o treinador mais bem pago do Mundo, é despedido com uma indemnização milionária.
Muda-se em 2008 para Itália, contratado pelo Inter de Milão, onde ganha dois campeonatos e uma Supertaça.
Mantém-se em Itália, e no Inter, mas não esconde a sua desilusão com o Calcio.
A maior crítica que lhe era dirigida terá caído por terra ontem com a vitória sobre o Barcelona.
Mourinho está no caminho para mais uma final da Liga dos Campeões, ele que é o único treinador que chegou às meias-finais da prova com três clubes diferentes (Porto, Chelsea, este por duas vezes, e Inter).
Genial, polémico, corajoso, visionário, estudioso, trabalhador, é reconhecidamente o melhor treinador de futebol da actualidade e também o mais bem pago.
A frase que ficou mais célebre, e que lhe ficará para sempre colada à pele, foi o atrevimento de se auto-denominar "The Special One".
Mas convém não esquecer que esta frontalidade, até arrogância, já vem dos tempos em que começou a treinar, recusando-se a aceitar Jesualdo Ferreira na sua equipa técnica, referindo-se ao mesmo como um burro que andava a correr há trinta anos mas nunca conseguira chegar a cavalo.
O mesmo Jesualdo que até fora seu professor.
Poliglota (é fluente nas línguas portuguesa, espanhola, italiana, francesa e inglesa) Mourinho é Doutor honoris causa pela Universidade Técnica de Lisboa, grau atribuído em 2009.
Casado com aquela que era a sua namorada dos tempos de juventude, pai de dois filhos (uma menina e um menino), Mourinho preserva ciosamente a sua intimidade e a sua vida privada.
Nesse aspecto, é antítese do animal público que domina o palco e as atenções da imprensa mundial.
Já por diversas vezes admitiu publicamente que quer treinar a selecção portuguesa antes de terminar a sua carreira.
Por enquanto, vai espalhando o seu génio pelos estádios de futebol na Europa.
Um fenómeno!

2 comentários:

  1. Caro Pedro
    Esqueceu-se de referir que é professor catedrático. Dá lições de cátedra...
    Abraço

    ResponderEliminar
  2. Um dos que faz aumentar a nossa auto-estima, caro João.
    Um abraço

    ResponderEliminar