5 de junho de 2019

Protesto múltiplo em Hong Kong


Milhares de pessoas acorreram ontem a Victoria Park para relembrar os acontecimentos de 4 de Junho de 1989 em Tinanmen.
Já é tradição, já era previsível.
O que também já é tradição é haver uma disparidade brutal nos números de participantes apresentados pelos organizadores dos protestos e as forças policiais.
Martelando ainda a tecla da tradição, estes protestos raramente se resumem a um único tema.
O mote pode ter sido Tinanmen mas os protestos de ontem em Hong Kong tinham outros temas.
Para além de Tinanmen estava em causa o projecto de lei de alteração da legislação relativa a extradição e uma demonstração de força perante o Executivo de Hong Kong e o Governo Central.
Foi assim ontem, será assim no aniversário do handover no início de Julho.
Sem surpresas também, percebeu-se que a sociedade civil em Hong Kong se mantém atenta, vigilante, interventiva.
E que não será fácil fazer aprovar as alterações legais pretendidas em Hong Kong.
Olhando para o que aconteceu ontem em Hong Kong fiquei a pensar se não será Macau, à semelhança do que aconteceu com a regulamentação do artigo 23º da Lei Básica, o filho pródigo, o exemplo a ser seguido pelo rebelde, agora com as leis de extradição em pano de fundo.

19 comentários:

  1. Não sei que lhe diga, Pedro, estou completamente fora do assunto.
    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Hong Kong é uma pedra no sapato de Pequim, Elvira Carvalho.
      Abraço

      Eliminar
    2. É mesmo amigo Pedro Hong Kong é uma pedrinha no sapato do gigante mas que incomoda bastante.
      Um abraço e continuação de uma boa semana.

      Andarilhar
      Dedais de Francisco e Idalisa
      O prazer dos livros

      Eliminar
    3. E Hong Kong tem os olhos do Mundo postos na Região Administrativa Especial.
      Não fosse uma das maiores praças financeiras a nível mundial, um dos maiores e mais movimentados portos e um dos maiores e mais movimentados aeroportos.
      Aquele abraço

      Eliminar
  2. Este comentário foi removido por um gestor do blogue.

    ResponderEliminar
  3. Não serei a pessoa indicada para comentar o artigo. Mas li!

    Beijos e um dia feliz.

    ResponderEliminar
  4. Anda tudo doido:))


    Hoje:-Por vezes existem dias sem cor.

    Bjos
    Votos de uma óptima Quarta - Feira

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Os tipos de Hong Kong sabem bem o que querem e estão a fazer, Larissa Santos.
      Bjs

      Eliminar
  5. Será que a população macaense fica mais alienada dos problemas sociais, em relação à de Hong-Kong, devido ao vício do jogo, Pedro?
    Com tantos casinos...

    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não é o vício do jogo, Janita, é outra consciência social, outra cidadania.
      Beijinhos

      Eliminar
  6. Parece que a tradição ainda é o que era.
    Um abraço

    ResponderEliminar
  7. Uns reclamam por tudo e por nada,
    também há quem queira armar confusão
    enquanto que outros estarão na bancada
    só, mesmo, para assistirem à contestação?

    Continuação de boa semana. Um abraço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Também há desses que só armam confusão em Hong Kong, amigo Eduardo.
      Aquele abraço

      Eliminar
  8. Macau esta a ser melhor aluno do comunismo
    Abraço

    Kique

    Hoje em Caminhos Percorridos - Jogo da BALEIA AZUL faz vitimas...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Macau está muito mais "domesticado", Kique ...
      Aquele abraço

      Eliminar
  9. Macau e Hong Kong são pouco falados na imprensa portuguesa.
    Incrível como se passaram tantos anos sobre o massacre de Tiananmen e continua tão presente na minha memória.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mesmo quando administrámos Macau pouca atenção lhe dedicávamos, Magui.
      A imprensa esqueceu a visita do Chefe do Executivo e vários membros do Executivo muito recentemente, por exemplo.

      Eliminar