4 de junho de 2019

O elefante na sala


A expressão elefante na sala tem a sua origem numa publicidade norte-americana de combate ao alcoolismo.
A escolha deliberada em negar problemas familiares originados pelo consumo excessivo de álcool era caricaturada com a presença de um enorme paquiderme no interior de uma sala da casa cuja presença a família insistia em ignorar. 
Hoje é uma data que também, mais e mais, se procura seja o elefante na sala. 
No anúncio publicitário a insistência em ignorar e evitar o problema era retratada com um aspirador que ia sendo utilizado contornando o enorme elefante. 
Não vale a pena, o elefante não se move, não desaparece. 
É melhor enfrentá-lo, tentar explicar a sua presença, tentar persuadi-lo a mover-se para que possa depois seguir o seu caminho na floresta em paz e liberdade. 
Trinta anos depois, o que aconteceu em Tiananmen continua a não ser enfrentado, debatido, procura-se contornar o enorme elefante na sala.
Que não se move, não desaparece.
Até quando?

52 comentários:

  1. Pedro
    É tal fazer de conta.🙃
    Bjins
    CatiahoAlc.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não vale a pena, CatiahoAlc.
      A realidade é teimosa, impõe-se.
      Bjins

      Eliminar
  2. Há quem insista em não reconher os grandes problemas/tragédias/massacres porque não sabem como lidar com eles. A China nunca irá admitir que agiu mal. Muito mal.
    Estão a planear um rally em Washington amanhã (terça-feira).

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Por mais que se insista no oposto, como ensinou Galileu, a Terra move-se, Catarina.
      E esse movimento não pode ser contrariado.

      Eliminar
    2. Não se esqueça, Pedro, que Galileu quando viu as coisas não paradas, com medo negou que a terra se movia!!!

      Eliminar
    3. E ainda há muita gente com medo a e negar o que tem à frente dos olhos, Teresa.
      E pur si muove.

      Eliminar
  3. Concordo e o que há mais por este mundo fora são "elefantes na sala" cujos mandantes negam sempre e fazem-se de mortos para não perderem o poleiro.

    Individualmente devemos enfrentar e também ajudar "o outro" a destruir esses elefantes. Difícil mas não impossível.

    Beijocas e um bom dia

    ResponderEliminar
  4. Concordo por completo amigo Pedro, o melhor e mais razoável é mesmo encaminhar o "elefante" para o seu habitat.
    Um abraço e boa semana.

    Andarilhar
    Dedais de Francisco e Idalisa
    O prazer dos livros

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Infelizmente continua a negação, Francisco.
      Aquele abraço

      Eliminar
  5. Ter elefantes e não conseguir vê-los é um problema grave que, nenhum par de óculos vai conseguir resolver. :(

    ResponderEliminar
  6. Parece que ninguém quer mandar os "elefantes" embora...

    Isabel Sá
    Brilhos da Moda

    ResponderEliminar
  7. Não há no mundo uma fábrica de óculos com matéria-prima para fabricar os necessários e o pobre do elefante lá continua à espera sentado!

    Com o meu abraço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Já vai ficando cansado, António Querido...
      Aquele abraço

      Eliminar
  8. Pior que ser cego é aquele que não quer ver!

    Beijos Pedro

    ResponderEliminar
  9. OU seja; os anos passam e fica tudo na mesma (?!)

    Deambulo pela solidão da maresia .
    Beijos e um excelente dia!

    ResponderEliminar
  10. O tempo voo, mas trinta anos passados e nada mudou na China!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mudou sim!!!
      O meio de transporte:
      Ontem bicicletas.
      Hoje automóveis.
      E a Alemanha é um dos países que lucra com essa mudança.
      Direitos humanos? Who cares?

      Eliminar
    2. A Teresa respondeu, Sami - mudou o poderio económico.
      Essa foi a grande mudança

      Eliminar
    3. Os carros alemães são muito bons, Teresa.
      Eu e a minha mulher somos fãs

      Eliminar
    4. Eu também! Eu também!

      Só o pato Donald é que não gosta!!!

      Eliminar
  11. When the elephant leaves the room will be like " a bull in the china shop " .
    Que o diga Gorbachev com o seu "glasnost " na ex-URSS de MOSCOVO e Berlin Wall.abraco, bom dia, Pedro

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Esse é o grande receio na China, Augie Cardoso.
      Ma s não pode justificar tudo.

      Eliminar
  12. Não conhecia a origem da expressão.
    O mundo está cheio de elefantes na sala.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O que é uma contradição incrível em tempos de aldeia global, Magui

      Eliminar
  13. Nunca ouvi essa expressão, mas vou passar a citar aos alcoólicos

    Um graande beijinho
    ww.danielasilva.pt

    ResponderEliminar
  14. E assim vai a vida...

    Hoje:-Por vezes existem dias sem cor.

    Bjos
    Votos de uma óptima terça - Feira.

    ResponderEliminar
  15. Não conhecia essa expressão. Já ouvi um elefante numa loja de porcelana em relação As pessoas desastradas, mas essa não.
    Tiananmen, sempre me recorda as centenas de mortos em 1989.
    Abraço

    ResponderEliminar
  16. Conhecia a frase mas não a origem e muito menos o significado.
    Gostei de saber. GOSTO de saber. Obrigada!
    Quanto à pergunta : até quando? - de muito difícil resposta.
    O Homem teima em não aprender com os seus erros, e a História vai-se repetindo, infelizmente.
    Mas é sempre bom ir relembrando, apesar de tudo.

    Desejo uma semana feliz
    Beijinhos
    MARIAZITA / A CASA DA MARIQUINHAS

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A aldeia global de Marshall Mcluhan está cheia de elefantes na sala, Mariazita.
      Beijinhos

      Eliminar
  17. E o mais assustador é que três décadas depois, Tiananmen é um “não-acontecimento” para os jovens chineses...
    Cumprimentos do Porto

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ontem foi exibida uma reportagem na TDM one se comprovava isso mesmo, maria Eugénia.
      Jovens visitantes chineses declaravam abertamente que nunca tinham ouvido falar nestes acontecimentos e que não fazia parte do currículo académico.
      Cumprimentos

      Eliminar
  18. Nunca pactuei com essa não aceitação da realidade, sejam eles, os "elefantes", grandes ou pequenos. Sempre fui de pegar o "touro pelos cornos", ainda que leve algumas cornadas. Negar o que toda a gente sabe, ou fingir desentendimento, é deixar que a 'sala' fique cheia de elefantes, sem espaço para se respirar livremente, Pedro!
    Se é para metaforar...metaforemos!!

    Beijinhos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E o mais incrível é querer continuar a negar as evidências, Janita.
      Beijinhos

      Eliminar
  19. Não entendo esse comportamento numa potência tão florescente e tal e tal. Estive a rever na TV e nem dá para acreditar.
    Mas, embora com gravidade diferente, é assim também com as pessoas. Não todas. Mas com muitas. Nesse aspecto não dou lições.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A China desenvolveu-se muito a nível económico.
      A nível político está a regredir, bea.
      Negar isso é não querer ver o elefante na sala.

      Eliminar
  20. Enquanto durar o regime vigente tudo será apagado e inacessível para esconder a verdade
    Abraço

    Kique

    Hoje em Caminhos Percorridos - Maria queres dar uma....??

    ResponderEliminar
  21. o ultimo fecha a porta5 de junho de 2019 às 05:55

    Ainda há pouco estava-se a falar disso na TV e dizer o mesmo que tu: ninguém fala sobre isso. Um silêncio para ignorar.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Dentro da China nem é assunto, não se fala, não existiu.

      Eliminar
  22. E não se pode fazer como a avestruz!

    Beijinho Pedro

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É o que se anda a fazer há trinta anos, Adélia.
      Beijinho

      Eliminar
  23. Trinta anos passaram e nada fui explicado.
    O elevado número de vítima não deixam esquecer. As imagens terríveis continuam a chocar quem as vê.
    O elefante continua parado no centro da Praça Tiananmen.
    Beijo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E as autoridades chinesas a fingirem que não vêem, teresa.
      Beijo

      Eliminar
  24. Infelizmente, a política está corrompida em quase todo mundo!

    Fazem vista grossa a tudo e o povo precisa seguir e o elefante está lá, na sala.

    Beijos.

    Deliciosa Ilusão

    ResponderEliminar