Para onde vamos? (Padre Vítor Gonçalves)


São de paixão as repetidas notícias de violência em contexto familiar, a que se dá o nome de “violência doméstica”. Explosões de muitas violências caladas e amordaçadas por medo e opressão, injustificáveis e desumanas, onde a lei do mais forte fere e mata os mais fracos, na maioria dos casos, crianças e mulheres. É a continuada Paixão de Cristo que tanto se identificou com os mais pequeninos, onde a indiferença de muitos e os preconceitos de outros continuam a permitir calvários!
É com extrema violência que uma mulher, apanhada em adultério, é levada por escribas e fariseus até Jesus. Sozinha, no meio dos presentes, transformada em objecto, qual rato de laboratório, corre risco de vida, e nem aquele mestre parece ter poder para evitar o peso da Lei. Jesus, sentado como mestre que ensina, recusa o debate de ideias. Quantos mortos causaram na história da humanidade os debates de ideias? Inclina-se a escrever com o dedo no chão, e ao longo dos tempos muitos perguntarão que palavras teria escrito. Só uma outra passagem da Escritura fala de alguém que escreve com o dedo: Deus, nas tábuas da lei que entregou a Moisés no Sinais (Ex. 31, 18). Perante a insistência dos acusadores, Jesus levanta-se e interpela cada um ao reflexo da própria vida. Ninguém é superior a outro, a ninguém pode ser dado o poder de tirar a vida, e muito menos, usar o nome de Deus para se desresponsabilizar.
Não os confrontando com o seu olhar, Jesus inclina-se de novo e volta a escrever no chão. Acabam por ficar só Ele e a mulher. Agora, sim, há um olhar e um diálogo. Foi importante a pergunta de Jesus, que a trata por “Mulher”, reconhecendo nela a humanidade e a dignidade a salvar, uma história que pode ter um novo rumo. Como foi importante a resposta dela: “Ninguém, Senhor!”, expectante de algo profundamente novo e recriador que Jesus pode fazer. E como para Deus, mais importante do que “de onde vimos” é “para onde vamos”, as palavras de Jesus abrem um futuro novo e luminoso. Não é posta em causa a ferida que trazia, mas não se cura a doença com a morte do doente e sim com o remédio que traz saúde. Uma Lei, uma religião, uma ideia que leva à morte de quem falha, esquece o essencial da encarnação: estamos a caminho, e Deus nunca desiste de ninguém!
Quando deixamos de nos olhar bem no fundo dos olhos uns dos outros, quando legalismos e preceitos se tornam mais importantes do que a história de cada um, quando nos julgamos “mais” e “melhores” que outros e caímos na armadilha das comparações, diminuímos em humanidade. Não adianta “envernizar” o que é desumano com camadas de religiosidade ou preconceitos que aprisionam: se não há “caminho para andar” com outros (como canta o Jorge Palma), naquilo que digo e que faço, posso até achar-me muito certo e poderoso, mas estou mais morto que vivo! Para onde vamos?

in Voz da Verdade, 07.04.2019

Comentários

  1. powerful piece of writing dear Pedro!

    i believe that God has not given right to take life of anyone

    here is a saying that

    COME FORWARD AND HIT THE SINNER WITH STONE

    BUT

    MAKE SURE THAT YOU HAVE NOT COMMITTED SIN EVER AND ARE PURE ENOUGH TO PUNISH

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. God, which ever religion, GIVES life, doesn't take it away, baili

      Eliminar
  2. Bom dia
    Este post está relacionado com o evangelho deste fim de semana . E como este muitos outros deveriam ser mais partilhados , para que pudéssemos dizer :
    Quem sou eu para atirar a primeira pedra ?
    Não me vou alongar , pois sei que é matéria para muita reação , mas esta é simplesmente a minha opinião .
    JAFR

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mas é essa mesmo a reflexão que se pretende, Joaquim Rosário.
      Antes de criticarmos, de julgarmos, fazer um juízo de introspecção.
      Também é assim no outro post.

      Eliminar
  3. O Evangelho está cheio de grandes ensinamentos que tornariam a humanidade mais feliz se fossem seguidos.
    E Samar Badawi não teria sido decapitada como exemplo em público pelo crime de defender os direitos da mulher.
    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Gente simplesmente bárbara, Elvira Carvalho.
      Seres desprezíveis que nunca evoluíram no seu humanismo.

      Eliminar
  4. EXCELENTE!
    Para ler e reflectir.
    "Quando deixamos de nos olhar bem no fundo dos olhos uns dos outros, quando legalismos e preceitos se tornam mais importantes do que a história de cada um, quando nos julgamos “mais” e “melhores” que outros e caímos na armadilha das comparações, diminuímos em humanidade." - vou levar para o meu "Pétalas de Sabedoria". Não te importas, pois não?!
    Beijo.

    ResponderEliminar

  5. a religião tem ensinamentos muito sábios, Pedro
    para que se possa viver em comunidade e em paz,
    muitos trabalham para destruir essas leis de vivências pacíficas

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. As interpretações distorcidas e convenientes, Angela.
      São essas que estragam o que seriam mensagens de paz.

      Eliminar
  6. Pedro vou ser sincera, como sempre, não gosto de padres nem acredito em qualquer religião. Mulheres vitimas de violência doméstica, um crime estupido, para não dizer pior é claro.
    Esta frase fez-me pensar : a ninguém pode ser dado o poder de tirar a vida. No contexto de violência doméstica não com toda a certeza, mas e noutros casos? de pedofilia por exp? sei que o texto não é sobre isso, mas olha que faz pensar.
    Boa quarta.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pena de morte, nunca, Mena Almeisda.
      Já a castração química para pedófilos...

      Eliminar
  7. Para er, reler e refletir

    "Não adianta “envernizar” o que é desumano com camadas de religiosidade ou preconceitos que aprisionam: se não há “caminho para andar” com outros (como canta o Jorge Palma), naquilo que digo e que faço, posso até achar-me muito certo e poderoso, mas estou mais morto que vivo! Para onde vamos?"
    Dificl explicar.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A violência doméstica é aberrante, Diná.
      Sem mais.
      Aberrante, ponto final.

      Eliminar

Publicar um comentário

Mensagens populares