27 de novembro de 2017

Requiem para um HACORDO HORTOGRÁPHICO


Era uma vez um Acordo
Que de tão mal acordado 
Causou zanga e confusão
Deixou tudo baralhado

O cágado ficou cagado,
Coitado do animal
Tão envergonhado estava
Que deixou de dar sinal

Os egitos no Egito
Não sabiam que fazer
Se ficar pelas pirâmides 
Se beber para esquecer

O junho ficou minúsculo
Todos os outros também 
Gritava o dezembro, fulo:
- Sou agora um Zé-Ninguém !

O pára passou a para
Mas que grande confusão
O trânsito ficou parado
Andava-se em contramão

O pêlo chamado pelo
E já ninguém se entendia
Uns rezavam ao Diabo 
Outros à Virgem Maria

O facto ficou de fato
Mas não lhe serviu de nada
E reclamava sempre:
- Sem o meu “c” não sou nada!

A receção sem o “p”
Sentia-se mesmo mal
Andava tão chateada
Que foi para tribunal.

- Que saudades do meu “c”!
Lamentava-se o noturno
Grande farrista que era
Tornou-se muito soturno.

Espetadas e espetadinhas
Fugiam dos espetadores
Tinham fama de sexistas
Os desonestos senhores

Vivesse o douto poeta
Homem de bom critério
Diria hoje decerto:
- Vós que lá do vosso império
Decretais Acordo novo
Calai-vos, que pode o povo
Querer um Português a sério

BOA SEMANA!

36 comentários:

  1. É um facto – se o c se pronuncia, deve existir, e segundo o priberam “fato” é grafia brasileira - que continuam a bater na mesma tecla!!

    Não tiverem (eles, o que estão do contra!) oportunidade de apresentar as suas opiniões na altura devida?

    What a waste of time and energy!!!

    : )

    Boa semana, Pedro!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O problema é que essas opiniões foram chutadas para canto, Catarina.
      Aprenderam com Macau.
      Fazem-se consultas à população acerca de tudo quando já se sabe o que se quer.
      Boa semana!

      Eliminar
  2. Pedro parece que
    pelo menos parece que falam uns com os outros, mesmo em desacordo!
    e por momentos deixam descansar os wi-fis !
    boa semana
    Angela

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Onde é que está o diálogo, Angela?
      O Acordo Ortográfico foi um dictate de uma cambada de iluminados para supostamente todos cumprirem.
      Já sabemos que não é essa a realidade e que houve quem dissesse convictamente "não"!
      Boa semana

      Eliminar
  3. As linguas vivas, estão em constante mutação. No século XX tivemos três e todos geraram grande polémica, embora o de 90 fosse o pior, já que só entrou em vigor em 2008 depois de 18 anos de contestação. O pior é que ele era para entrar em vigor em todas as nações de lingua portuguesa, e até agora só os portugueses o estão a usar o que toda a confusão maior.
    O poema já conhecia e tem algomas imperfeições.
    Já viu este vídeo?
    http://figueiraminha.blogspot.pt/2017/11/novo-acordo-ortografico.html
    Um abraço e uma boa semana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Foi vendido assim, Elvira Carvalho.
      Todos os países de Língua Portuguesa iriam adoptar o novo Acordo Ortográfico, a nova grafia.
      Não foi assim nem nada que se pareça.
      Agora vou ver o vídeo.
      Um abraço, boa semana

      Eliminar
  4. Ate parece o "portugues" que sai do meu teclado sem acentuacao.
    Eu ainda continua a escrever como aprendi.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Também não adoptei o acordo ortográfico, Sami.
      Se algum dia for obrigado a fazê-lo...

      Eliminar
  5. Respostas
    1. Enquanto a tanto não formos obrigados vamos resistindo à aplicação do famigerado acordo, Francisco.
      Aquele abraço, boa semana

      Eliminar
  6. Bom dia

    Fabulosa imaginação. Parabéns sinceros
    .
    Hoje: { Se o pôr-do-sol eu pudesse abraçar }
    .
    Deixo cumprimentos poéticos
    .

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu não sou o autor, Gil António.
      E desconheço quem seja.
      Mas lá que está bestial, lá isso está :)))
      Aquele abraço, boa semana

      Eliminar
  7. Acordo ortográfico, Pedro? Não, obrigado.
    O requiem está um 'must'.
    Abraço com votos de uma boa semana.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Contra o acordo, marchar, marchar, António :)))
      Aquele abraço, boa semana

      Eliminar
  8. Eu "estou numa" de resistir e simultâneamente de "deixar correr". :)
    Concordo que seja um quebra-cabeças para estudantes e professores de português, mas quanto a mim, não valorizo minimamente a questão.
    Costumo dizer a brincar que "até dá jeito" ! eheheh
    Se se escreve de uma maneira acaba por estar certo com o argumento de que é à moda antiga, mas se se escreve de outra o mesmo argumento também serve, porque é à moda nova ! :)))
    Acaba por estar sempre certo, porque poucos ligam a isso ! :)

    O "Requiem" está óptimo !!! :)))

    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ora bamos lá a ber se na Inbicta hoube destas coisas, carago.
      Num hoube.
      Num sabem falar cum simplicidade, cambada de morcões.
      Isto é coisa daqueles gaijos de marrocos, até apostaba :)))
      Aquele abraço, boa semana

      Eliminar
  9. Que maravilha de Poema. Adorei e vou levar, Pedro!!:)

    Já António Aleixo dizia
    que não tinha instrução
    foi um grande português
    que não precisou 'acordar'
    mas teve sempre razão...

    Beijinhos, Boa semana!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O Aleixo, mesmo sem acordos, deixou-nos preciosidades sem tempo, Janita.
      E não é o único.
      Beijinhos, boa semana

      Eliminar
  10. Sou a favor do AO e, tal como tudo, é apenas uma questão tempo.

    Beijinho, Pedro!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Acredito que seja, CÉU.
      Mas, até lá, resistir, resistir.
      Beijinhos

      Eliminar
  11. Não conhecia este Requiem, e gostei pela ironia!

    Quanto ao acordo, não estou a favor, embora existam algumas palavras que já me conformei e até já escrevo os meses do ano com minúsculas... meu pobre Novembro... já não lhe basta ser o mês das almas!

    É um facto!Mas este, facto nunca será fato,isso nunca que tamanha aberração!

    Beijinhos, Pedro e uma boa semana!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Beijinhos, boa semana, mz.
      Com Dezembro à porta.
      Com maiúscula sempre!

      Eliminar
  12. Está demais!

    Sou contra ao novo acordo ortográfico e não me imagino a escrevê-lo.

    Boa semana Pedro e um beijinho.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu também não, Adélia.
      Mas, se a isso for obrigado, que remédio...
      Beijinhos, boa semana

      Eliminar
  13. :))
    Pedro, também não concordo com o acordo, mas parece não haver volta a dar. A coisa chegou a tal ponto que, na minha profissão, sou obrigado a escrever e a ensinar da forma acordada, enquanto que, nos meus papéis, o "sem acordo" continua a vigorar.

    Um abraço :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. As tais confusões que o Rui aponta, AC.
      Com acordo aqui, sem acordo ali.
      Aquele abraço, boa semana

      Eliminar
  14. O acordo do desacordo é um fato
    abraço
    Kique
    http://caminhos-percorridos2017.blogspot.pt

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Até era capaz de dizer que é um facto, Kique :)))
      Aquele abraço, boa semana

      Eliminar
  15. De fato, ou será de facto, fui e sou uma resistente ao acordo.
    Há gente que diz que a nossa língua é viva e ao longo dos séculos houve muitas mudanças, mas sinceramente já não estou com pachorra para acordos.
    O comentário do Rui, ilustra muito bem o que penso.

    Beijos Pedro

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Se me obrigarem a escrever de outra forma, paciência, Manu.
      Enquanto assim não for, nada para ninguém!
      Beijos, boa semana

      Eliminar
  16. Eu cá não vou nessa do novo acordo.
    Escrevo como aprendi na escola, há uns bons anos atrás.

    Beijinhos, A Vida De Diana.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Somos dois, Diana Fonseca.
      aliás, a avaliar pelos comentários, parece que somos vários.
      Beijinhos, boa semana

      Eliminar
  17. Hope the agreement put everybody in satisfactory position

    ResponderEliminar
  18. Eu vou e não vou nesse novo acordo ortográfico.
    A confusão está programada.
    A poesia expressa o que eu penso, sempre que escrevo segundo o novo acordo ortográfico.

    PS: continuo a ter problemas com a NET.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu também sou um resistente convicto, Teresa.
      Só se a isso for obrigado é que adopto o famigerado acordo.

      Eliminar