11 de junho de 2019

Posições extremadas


Hong Kong terá assistido no domingo às maiores manifestações alguma vez ali realizadas.
Muitos milhares de pessoas saíram às ruas (os números oficias e dos organizadores apresentam sempre uma brutal disparidade) para exprimirem abertamente a sua oposição às leis de extradição que vão ser votadas no Legco.
A desconfiança mútua entre Hong Kong e Pequim chegou a níveis nunca antes experimentados e que ameaçam uma possível reconciliação entre as partes desavindas.
Tudo o que de algum modo indicia a presença do dedo de Pequim é imediatamente rejeitado por uma larga fatia da população de Hong Kong.
Pequim que olha para Hong Kong como uma constante ameaça à harmonia, como os eternos descontentes e arruaceiros.
Com posições tão extremadas, com o aniversário do handover a aproximar-se, esperemos que os acontecimentos de domingo ao final do dia (confrontos entres forças policiais e manifestantes) não prenunciem nuvens negras e carregadas no horizonte.

35 comentários:

  1. Para a China a falta de harmonia equivale a insubmissão

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Precisamente, Catarina.
      Sobretudo para a China de Xi Jinping.

      Eliminar
  2. Como a colmeia, abelhas individuais garantem o bom funcionamento do grupo. A rainha mestre, bem alimentada para reproducao do grupo. A natureza das coisas.
    Na real democracia o povo nomeia e mantem sempre o control sobre OS ELEITO S
    Dirigentes, com direito a recall, impeachment ou mesmo DIREITO a armas pessoais dos cidadaos contra um estado que se Thorne ILEGAL ou dictatorial.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A população de Hong Kong não confia em Pequim.
      E Pequim não confia em Hong Kong.

      Eliminar
  3. Ha 20 e tal anos o poderio bancario e capital , leis fir es de garantia e liberdade do investidor de HONG Kong, Taiwan com poder e Know How e OS USA , em forma de WIN WIN admitiram a CHINA no WTO, . O trabalho e disciplina e ambissao pessoal do povo chines, criou extends a riquesa .
    Agora a s ELITES Querem MATAR e comer O PATO QUE POE OVOS DE OURO.
    O principio do fim do PARTIDO e da actual China.
    God bless Hong Kong and people of China.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não acredito que seja o fim do regime.
      E quero acreditar que não seja o fim de Hong Kong.

      Eliminar
  4. Respostas
    1. Pois é amigo Pedro a situação em Hong-Kong não está fácil para a China.
      Um abraço e boa semana.

      Andarilhar
      Dedais de Francisco e Idalisa
      O prazer dos livros

      Eliminar
    2. Hong Kong e Pequim estão nos antípodas, Francisco.
      Aquele abraço

      Eliminar
  5. Essa gente não se entende....e a população é que sofre as consequências...

    Isabel Sá
    Brilhos da Moda

    ResponderEliminar
  6. Também fiquei surpreendido com as imagens que vi na TV, é muito mau quando começa a violência ninguém ganha a guerra.

    O meu abraço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Uma aberração para acabar uma mega-manifestação perfeitamente pacífica, António Querido.
      Aquele abraço

      Eliminar
  7. Pois... Todos guerreiam e quem terá razão? (ninguém?)

    Bjos
    Votos de uma óptima Terça - Feira.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E também ralham, Larissa Santos.
      Hoje e amanhã há mais.
      Bjs

      Eliminar
  8. A coisa está preta...
    Aguardemos para ver como acaba.
    Beijo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Para já sabe-se que hoje e amanhã há mais confusão, mais protestos, teresa.
      Beijo

      Eliminar
  9. As grande nações parecem-me sempre ingovernaveis...

    ResponderEliminar
  10. Acho que anda tudo enganando!

    Coisas de uma Vida
    .
    O dia da Maria... Aniversário
    Beijo e um excelente dia

    ResponderEliminar
  11. Estou ao lado de Hong-Kong, Pedro, e desejo que não seja comido pela China.

    O que significa "o dia do Yate"?
    Houve um acontecimento na Colômbia com um Yate. É esse acontecimento, que o Pedro quer comemorar?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mas eu sou paladino do conceito um país, dois sistemas.
      A ideia de Deng Xiaoping era aproximar a China de Macau e Hong Kong, haver contaminação dos sistemas jurídicos (3 diferentes), económicos e políticos.
      Esta liderança chinesa quer absorver Hong Kong.
      Vão ter muita luta.
      Já está a acontecer hoje novamente.

      Eliminar
  12. Há cerca de um mês vi um documentário sobre o percurso de vida de Xi Jiping, fiquei sem palavras.
    O poder extremista é de recear.
    Boa semana.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Deng Xiaoping preocupou-se muito mais com a abertura económica do que com a política, Maria Araújo.
      Boa semana

      Eliminar
  13. Ainda não tomei conhecimento do que poderá ter acontecido.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Continua hoje e continuará enquanto estas alterações legislativas se mantiverem no Legco.

      Eliminar
  14. Vi uma noticia na TV, muita brutalidade como é costume acontecer nestas manifestações.

    ResponderEliminar
  15. Pois...mas a China não abdica, não volta atrás. Está decidido!!! Que se seguirá? Não auguro nada de bom...
    Cumprimentos do Porto

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A China não volta atrás (face) e Hong Kong também não.
      E os confrontos acontecem e sucedem-se.
      Cumprimentos

      Eliminar
  16. Oxalá tudo se resolva que o mundo incha de homens desavindos, abespinhados, coléricos e o mais. Extraordinários seres são estes que tudo fazem perigar: o ambiente, os animais, nós mesmos.

    ResponderEliminar