7 de maio de 2019

New cameras in town


No ano 1977 a banda americana The Eagles lançava o que seria um dos seus grandes êxitos – New Kid in Town.
Em Macau, no ano 2019, há new cameras in town.
São câmaras de detecção de estacionamento ilegal e supostamente (informação oficial) permitirão uma mais fácil identificação das matrículas dos veículos e com isso uma maior eficácia no combate a esse suposto flagelo.
Não tenho nada contra a instalação de câmaras, muito menos contra o combate ao estacionamento ilegal.
Dito isto tenho que confessar que esta medida me suscita muitas outras dúvidas.
Desde logo saber se o fenómeno estacionamento ilegal é assim tão grave.
Se é, não há recursos humanos para lhe fazer face (tenho sensação que há muitos agentes nas esquadras e muito poucos nas ruas...)?
E atenção que estacionamento ilegal vai muito para além de algum tempo a mais nos parquímetros, que dá a sensação de ser o mais combatido e o menos importante.
Depois vem a facilidade e rapidez com que se autuam supostas infracções de estacionamento ilegal.
Tenho conhecimento através de amigos que, com esta facilidade (facilitismo?), o cidadão comum se pode ver envolvido numa quadratura do círculo verdadeiramente assustadora.
Depois da aprovação dessa aberração legal que foi ligar a liquidação de obrigações fiscais (imposto de circulação) com a liquidação de multas aplicadas por infracções à lei de trânsito rodoviário, o autuado por estacionamento ilegal (é isso que agora tratamos) fica submetido a autêntica chantagem por via de lei.
Se não concorda com a multa que lhe foi aplicada pode impugnar a mesma por via administrativa e contenciosa.
Mas esse(s) processo(s) demora(m) muito tempo a ser(em) concluído(s).
Nesse interim não pode liquidar as suas obrigações fiscais (imposto de circulação) porque tal não lhe é permitido pela conexão de dados entre a Direcção de Serviços dos Assuntos de Tráfego e o Corpo de Polícia de Segurança Pública.
Se não pode liquidar o imposto de circulação não pode circular com o veículo.
Que fica parado a acumular anos (em Macau é bem mais importante que os quilómetros como todos sabemos) e a perder valor comercial.
Qual a alternativa?
Liquidar a multa, e com essa atitude tacitamente conformar-se com a mesma, para em seguida poder liquidar o imposto de circulação e circular com o seu veículo.
Se isto não é chantagem…
Não há new kid in town, há new cameras in town, mas cuidadinho na forma como vão ser utilizadas para não haver abusos.

36 comentários:

  1. Interessante este post.

    Arthur Claro
    http://www.arthur-claro.blogspot.com

    ResponderEliminar
  2. Eles arranjam sempre maneira de tramar o povo.
    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Vou ficar atento para ver o que vai resultar da implementação desta medida, Elvira Carvalho.
      Maior eficácia no combate a infracções ou novo Big Brother?
      Abraço

      Eliminar
  3. Dizia-se que Deus está em todo o lado,
    mas parece que não passava multas com tanta facilidade!
    bom dia Pedro, pena, o cidadão não poder ter "olho" nas manobras que por aí se fazem, desvios, etc... e poder também "ligar a liquidação de obrigações fiscais…" etc, etc.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ligar o imposto de circulação com a liquidação de multas de trânsito é de doidos, Angela.
      Estou à vontade porque falei no tempo e local certos e está registado em actas.

      Eliminar
  4. Concordo co a Elvira todas estas medidas nunca são para beneficio do Zé Povinho.
    Um abraço e boa semana.

    Andarilhar
    Dedais de Francisco e Idalisa
    O prazer dos livros

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não tendo nada a esconder esta paranóia securitária mete-me impressão, Francisco.
      Aquele abraço

      Eliminar
  5. Claro, tudo para tramar o povo!

    Beijo e um excelente dia.

    ResponderEliminar
  6. Hoje em dia somos vigiados em tudo....


    Isabel Sá
    Brilhos da Moda

    ResponderEliminar
  7. Bom dia, Pedro! Aqui no Brasil também temos essas preocupações em nos tirar o trabalhado e suado dinheiro. Sabe-se lá o que vão inventar deppis! Talvez alguum aparato para pegar os cadeirantes. ... Grande abraço daqui de SAnta Luzia, Minas!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ainda por cima estamos sujeitos a este verdadeiro catch 22, betonicou
      Aquele abraço

      Eliminar
  8. Esta vigilância pode tornar-se muito perigosa, além de já ser um autêntico saque!

    Abraço

    ResponderEliminar
  9. Vigilancia a mais para sacar mais dinheiro ao povo.

    ResponderEliminar
  10. Lá e cá, as mesmas sacanagens! O que há é perfumaria para arrancar o dinheiro suado do usuário do trânsito inchado pela excesso de veículos. Cá já há cidadãos que se livrando da propriedade de veículos para usar o Uber e aluguel de automóvel para viagens maiores com permanência. Belíssima matéria, ilustre causídico! Receba meus cumprimentos e abraço fraterno! Laerte.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Aqui o sector dos táxis é miserável e o metro é uma obra de Santa Engrácia, Laerte.
      Aquele abraço

      Eliminar
  11. Com tanta vigilância, um dia destes, os macaenses nem podem dar um traque que não sejam multados...Arre, que é demais!

    E que tal ser o contribuinte a cobrar uma taxa, ao Governo de Macau, por cada dia sem sol e de nevoeiro cerrado, em plena Primavera? Isso é que era! :)

    Beijinhos!

    ResponderEliminar
  12. Essas câmaras de vigilância não vigiam somente o estacionamento ilegal. Também vigiam os movimentos das pessoas que vagueiam por esses locais onde, as mesmas estão, instaladas. Como é escasso o policiamento, será que identificam os amigos do alheio?

    Continuação de boa semana caro amigo Pedro Coimbra. Um abraço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Essa é a questão - a sensação que tenho é que isto é mais para o estacionamento e para proteger certos interesses.
      Aquele abraço

      Eliminar
  13. Podem ser para combater as infrações, mas acho que é uma invasão da privacidade.

    Beijos Pedro

    ResponderEliminar
  14. O problema está bem visto. A associação ou englobamento de sistemas de informação parece ser o caminho para que o homem perca o poder de interpelar ou decidir e, descartado. A máquina é sistema ficarão ao serviço de uma qualquer poder discricionário sem controlo, passando o cidadão comum a ter um papel formal e de submissão.
    Em última a análise o Estado passa a ser a máquina que é alimentada, já nos dias de hoje, pelo cidadão/contribuinte/consumidor.
    Abraço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O que me deixa mais irritado é que depois há um monte de gente a vigiar a máquina que vigia as pessoas.
      De doidos, Agostinho.
      Aquele abraço

      Eliminar
  15. Se a medida for importada cá para o burgo tuga o estado vai encher os cofres mto rápido
    Abraço

    Kique

    Hoje em Caminhos Percorridos - Peito vrs Tomates

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Acabo de ver, mais uma vez!!, um polícia junto aos semáforos.
      Os carros parados no cruzamento e o tipo impávido e sereno.
      Está ali a fazer o quê???
      A ver se o semáforo não foge?
      Aquele abraço

      Eliminar
  16. Quando é para cobrar inventa-se tudo e mais alguma coisa, mesmo que robots com probabilidade de erro (mas menos de corrupção).

    ResponderEliminar
  17. O inquietante livro "1984" está cada vez mais atual.
    Acuda, Max...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A genialidade de George Orwell comprova-se a cada dia que passa.

      Eliminar
  18. "Bota" Big Brother nisso...
    Concordo com o João Paulo de Oliveira, "1984" deve ser o livro de cabeceira dessa gente.
    Beijo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. São outros, teresa, são outros.
      Dos livros do Orwell apostava mais no Animal Farm ;)
      Beijo

      Eliminar