10 de maio de 2017

A difícil linguagem do entendimento


16 comentários:

  1. ...e tá tudo dito!

    Lembro-me de uma piada (mas não me lembro quem foi o comediante) há muitos anos, no tempo em que o politicamente correcto ainda não tinha chegado ao humor, que dizia que um homem hetero estava sempre tramado. Dizia ele:

    -Se eu, homem heterosexual que gosta de mulheres, chegar ao pé de uma e lhe der um apalpão, ela, muito justificadamente, dá-me um estaladão na tromba e chama-me chauvinista, e com toda a razão.
    Por outro lado, se eu, homem heterosexual, estiver metido na minha vidinha, e um homosexual se chegar ao pé de mim, me der um apalpão e eu me virar e lhe der um murro na tromba serie imediatamente alcunhado de homofóbico!

    Refiro-me aqui a apenas uma tira, mas com as outras é a mesma coisa. Mas a verdade é que há racistas em todas as etnias, há radicais em todas as ideologias e há gente parva em todo o mundo. Alguns até chegam à presidência dos Estados Unidos... LOL

    :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Esse final do comentário é cinco estrelas!!! :))))

      Eliminar
  2. Nesta piada, o vilão é negro, o que é pena!
    Podia ter sido mais equilibrada, porque santos brancos ou negros são pessoas extremamente raras...
    Abracinho
    ~~~~

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Vilão, Majo?
      Começa com um boneco negro no primeiro diálogo, como tinha que ser, e continua a ser negro nos restantes.
      Abracinho

      Eliminar
  3. Pois é , o entendimento é muito complicado e a aceitação muito difícil e subscrevo o comentário de Filhos do Desespero

    Boa semana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Parece que cada vez mais difícil, São.
      Aceitar que o outro é diferente e que tem todo o direito a ser diferente.

      Eliminar
  4. Brilhante, Pedro, simplesmente, brilhante.

    Aquele abraço.

    ResponderEliminar
  5. Por mais que se diga e se faça as mentalidades são o que são e modificá-las (leia-se educá-las, elucidá-las) necessitarão de muitas mais gerações do que as que as formataram tal como existem.
    Akele abraço pah!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Educar e modificar são processos morosos, Kok.
      Mas têm que ser levados à prática .
      Aquele abraço

      Eliminar
  6. Caro Amigo Pedro Coimbra.
    Será que nos séculos do porvir a intolerância continuará?
    Caloroso abraço. Saudações tolerantes.
    Até breve...
    João Paulo de Oliveira
    Um ser vivente em busca do conhecimento e do bem viver, sem véus, sem ranços, com muita imaginação, autenticidade e gozo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Uma pergunta para a qual não tenho resposta.
      Até porque o que vejo cada vez mais é intolerância, não o movimento contrário.
      Aquele abraço

      Eliminar
  7. :) Assim não é fácil ser o bonequinho da direita :)

    ResponderEliminar