28 de março de 2017

Um orgulhosamente sós de esquerda é melhor que um orgulhosamente sós de direita?


Ler as declarações de Catarina Martins, coordenadora do Bloco de Esquerda, no final da reunião da Mesa Nacional do Partido, acerca de um possível abandono da moeda única europeia e até de um reequacionar da participação de Portugal na União Europeia, deixaram-me a pensar se um orgulhosamente sós de esquerda será melhor que um orgulhosamente sós de direita.
Lembro-me da indignação, perfeitamente justa, com esta visão salazarista de isolamento do País.
E da indignação, perfeitamente justa, com semelhante visão vinda de Marine Le Pen, de Geert Wilders e outros que tais.
O que Catarina Martins está a propor afinal o que é?
Não é um regresso às fronteiras nacionais, à moeda nacional, à produção nacional?
Se assim é só é diferente dos populistas de direita porque não é racista, xenófoba, homofóbica.
Pelo contrário, é muito moderna e tem ideias muito progressistas, seja lá isso o que for, nestas questões ditas fracturantes.
Catarina Martins, que criticou em público (uma vez mais…) o primeiro-ministro do Executivo que viabiliza no Parlamento português, cada vez mais se parece com a versão feminina e portuguesa de Groucho Marx – “eu nunca pertenceria a um clube que aceitasse alguém como eu para membro”.
Seria só exótico se esta gente não tivesse responsabilidades governativas, ainda que indirectas.
Assim é simultaneamente anedótico e assustador.

32 comentários:

  1. Respostas
    1. Sabe qual foi o título que pensei dar a este post, Francisco?
      O título de uma música dos Deolinda - Parva que sou.
      Aquele abraço

      Eliminar
  2. Pedro, perdoe-me a expressão mas "já não há cu que aguente", meu caro.

    Aquele abraço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mas é que não mesmo, Ricardo.
      O que é que esta gente quer??
      Aquele abraço

      Eliminar
  3. Acho que estou a atingir a santidade.
    É que a penitência de aturar todos eles, esquerda, direita, centro, e outros que não têm lugar fixo, tudo isto, Pedro, garante-nos o céu.:(
    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Realmente é quase preciso ser santo para aguentar tanto disparate, GL.
      É que ainda não estamos refeitos de um e já está a aparecer outro.
      Beijinhos

      Eliminar
  4. Confesso-me desinteressado em (quase) tudo o que balbucia Catarina Martins.
    Não posso, nem quero, passar ao lado do que se passa no nosso país mas há pessoas que já excederam, pela negativa, as expectativas.
    Bye Bye Catarina!

    Adenda: Ontem à noite, um 'cumentadeiro' da tv dava razão a Catarina. De forma categórica, disse que tal deveria acontecer rapidamente. E não, o homem não é, sequer, de esquerda.

    Um abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Também há idiotas à direita e ao centro, António.
      Aparecem a uma velocidade estonteante.
      O que é que esta moça quer?
      Um Portugal fechadinho??
      Em que Planeta é que esta gente vive??
      Aquele abraço

      Eliminar
  5. Eu acho que a política hoje em dia é muito estranha, estranha de compreender, de interpretar.. de escolher os próprios candidatos...
    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Com gente desta não é efectivamente nada fácil, Chic'Ana :(
      Beijinhos

      Eliminar
  6. Vizinho do oriente...
    Já nem sei o que dizer. Mas certamente este país não é para velhos...
    Nem para novos
    Kis :=}

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mas pelos vistos é para idiotas, AvoGi.
      Vamos lá ficar outra vez fechadinhos que assim é que é lindo.
      Bjs

      Eliminar
  7. Ontem o meu marido dizia-me assim "Cada vez entendo menos de política. Então lá fora a direita radical quer a saída da Europa. E cá a esquerda quer o mesmo? Andamos ao contrário dos outros ou sou eu que não estou a perceber?"
    O orgulhosamente sós da esquerda para mim é como as ditaduras. Há quem pense que elas só são da direita. Eu tenho o mesmo medo delas venham da direita ou de esquerda.
    Um abraço

    Um abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O seu marido ficou com a mesma impressão e a mesma surpresa que eu, Elvira Carvalho.
      Radicalismos, venham de onde vierem, são péssimos conselheiros.
      Um abraço

      Eliminar
  8. Pedro, respondendo à questão, o orgulhosamento sós é igual, sendo ele de esquerda, direita ou mais ao centro. O que também é igual é a falta de competência que por aí abunda na política :)

    Um abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Já começa a ser irritante, Carpe Diem.
      Esta gente existe e pensa??? :(
      Aquele abraço!

      Eliminar
  9. Para eles é fácil falar. Quando chega ao fazer...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Quando chega ao fazer apoiam um Executivo que é claramente europeísta, Diana Fonseca.

      Eliminar
  10. Concordo com a sua análise,Pedro, mas permita-me que faça uma ressalva: o BE sempre foi coerente nesta posição, enquanto o CDS passou de anti europeista a europeista convicto. Daí que se possa realmente estabelecer uma diferença entre as posições de BE e CDS.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Agora sou eu a fazer uma ressalva, Carlos - o CDS eurocéptico era um partido de oposição.
      Estes senhores do Bloco de Esquerda apoiam e viabilizam um Executivo claramente europeísta quando são claramente eurocépticos.
      E dão-se ao luxo de criticar, em público e abertamente, o Executivo que apoiam e viabilizam.
      Para coerência estamos conversados.

      Eliminar
  11. Só fazendo como os Três Macacos: Não ver o mal, Não ouvir, o mal, não falar o mal...
    É que já não se pode!!!
    Bjs

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Realmente só pondo o coração ao lado, papoila.
      Mas não é nada fácil.
      Bjs

      Eliminar
  12. Pois bem, Pedro, embora eu não goste do António Costa, sei que ele é politico suficientemente esperto para não dar ouvidos à Catarina Martins.

    A União Europeia com todos os seus defeitos deu-nos 60 anos de paz na Europa.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. De paz e de prosperidade, Teresa.
      Eu não misturo o primeiro-ministro com os idiotas que o apoiam.
      Mas não consigo perceber, só por puro oportunismo, que se apoie e viabilize uma solução governativa com uma política com a qual não se concorda de todo.
      Que estupor de coerência é a desta gente???

      Eliminar
    2. Uma das razões da minha antipatia pelo o António Costa é o seu OPORTUNISMO sem limites.

      Eliminar
    3. Esse julgamento vou deixá-lo para o povo no momento de votar, Teresa.
      Toda a gente sabe que nunca concordei com esta solução governativa.
      E que continuo a achar que só foi engendrada para assegurar a sobrevivência política de António Costa.
      Mas agora está aí e estará até ser julgada no momento do voto.
      Dito isto não posso ficar indiferente às constantes críticas do PCP e do BE como se não tivessem nada a ver com essa solução governativa.
      Andam a chamar-nos parvos??

      Eliminar
  13. OI PEDRO!
    PARA MIM, A POLÍTICAS MUNDIAL PASSOU A SER UMA OBRA TRAGICÔMICA E NÓS, POVO, OS ESPECTADORES QUE AINDA PAGAM PARA VÊ-LOS E MUITAS VEZES APLAUDI-LOS.
    ABRÇS
    http://zilanicelia.blogspot.com.br/

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu muitas vezes sinto que nós é que somos os palhaços neste grande circo, Zilani Célia.
      E não é um papel que me agrade, confesso.
      Abraços

      Eliminar
  14. Hortaliça faz bem à saúde. Lavrar, semear, cuidar... Uf, tanta coisa a fazer... para se poder comer.
    Ora, a Catarina é pequenina e tem um sonho: continuar a ser gaiata até morrer.
    Abraço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Se calhar é isso mesmo, Agostinho - luta desesperada contra o envelhecimento, Agostinho.
      Pese embora a moça muitas vezes me parecer senil :)))
      Aquele abraço

      Eliminar