15 de março de 2017

Eleições na Holanda - Mais um teste para a União Europeia


Realizam-se hoje as eleições gerais na Holanda.
Eleições que serão um novo teste à continuidade do projecto europeu, mais um teste à aceitação do ideal europeu.
Uma vitória dos nacionalistas, xenófobos, racistas e eurocépticos do PVV (Partido da Liberdade), liderados pelo famoso e polémico Geert Wilders, seria uma tragédia para a União Europeia uma vez que se traduziria num "Nexit” a somar ao “Brexit".
Geert Wilders é mais um populista a centrar o seu discurso no reforço de fronteiras na linha de tantos outros que se vêm afirmando um pouco  por toda a parte.
Havendo sempre essa possibilidade, a vitória de Geert Wilders não implica automaticamente um governo liderado por Geert Wilders.
Em boa verdade as sondagens dizem-nos o oposto.
As mesmas sondagens que agora até apontam para uma queda do PVV para o terceiro lugar nas intenções de voto.
Muito dificilmente Geert Wilders poderá formar um executivo porque mesmo que o PVV vencesse as eleições teria que formar governo em coligação (com quem?).
Mas vale a pena pensar nessa possibilidade, ainda que remota, e fazer tudo para que não se torne realidade.
As sondagens têm-se revelado tão fiáveis ultimamente…
Com franqueza dá vontade de dizer que para líderes de governo populistas e demagogos com penteados esquisitos já chega aquele que senta agora na Sala Oval.

22 comentários:

  1. Eu diria antes "tão pouco fiáveis" Pedro.
    Um abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Já que hoje também estamos em maré de ditados populares vale a pena dizer que "cautelas e caldos de galinha nunca fizeram mal a ninguém", não é, Elvira Carvalho>

      Eliminar
  2. Pedro, considerando a sua agenda anti-islâmica, nacionalista e isolacionista, Wilders pode ser visto como um pioneiro do "trumpismo", os nacionalistas e os populistas forçaram a Europa a debater a identidade, a tradição e a cultura e os governos nacionais e os líderes europeus ignoraram isso até agora.

    Mas, o futuro da Europa encontra-se na sua identidade, em vez de ficarem envergonhados ou receosos, aqueles entre nós que não concordam com as respostas dos populistas, devem ter a coragem de entrar neste debate.

    E tenho a certeza que este tipo de debate se irá alargar por toda a Europa Continental até, quiçá, à destruição do "sonho de uma Europa Unida".

    Aquele abraço e desculpe-me o comentário/testamento.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Desculpar o quê, Ricardo?
      Tenho é que agradecer.

      Eu quero continuar a acreditar no sonho europeu, nos ideais e nos valores que são únicos e identitários da Europa.
      Mas temos realmente que repensar a nossa actuação para que estes fenómenos não se espalhem como estão a espalhar.

      Aquele abraço

      Eliminar
  3. É aterrador pensar que argumentos de ódio e populismo podem ganhar eleições. Mas eu tenho esperança.

    Um beijinho, Pedro

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Estão em crescimento, Miss Smile.
      Isso é inegável e não é só na Europa.
      Mas também acredito que não cheguem ao poder.
      Seria catastrófico.
      Beijinhos

      Eliminar
  4. As eleições de hoje na Holanda poderão ser um indicador, mas não mais do que isso, Pedro. Como escreve- e bem- Wilders nunca conseguirá formar governo.
    Os verdadeiros testes ao futuro da Europa são as eleições em França e na Alemanha. Vitórias de Macron e Schulz darão um novo impulso à construção europeia.
    Se Le Pen vencer em França e o Alternativ subir muito na Alemanha, então teremos um problema grave na Europa.
    Mas, para além dos actos eleitorais, convém estar atento ao desenrolar do processo do Brexit. Não só pelos impactos que terá na UE, mas também no próprio reino unido que pode desagregar-se, no caso de Sturgeon conseguir avançar com o novo referendo. Um ano muito interessante, mas também de muitos perigos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não consegue formar governo e quero acreditar que não ganhará as eleições.
      Nem este populista na Holanda nem os seus pares em França e na Alemanha.

      Já o Reino Unido acredito perfeitamente que caminhe para a desunião.
      Apetece citar Bette Davis para caracterizar este ano - It's gonna be a bumpy ride!

      Eliminar
    2. A extrema-direita na Holanda e na Alemanha não são problema, Le Pen é que é o risco.

      Eliminar
    3. Também é ela quem mais me assusta, Teresa.
      A implantação que tem em França é incrível.

      Eliminar
  5. Preocupante esta vaga de oxigenados, sim.

    Deveria quem de direito reflectir nas razões que nos levaram até esta situação.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Isso é que é fundamental, São.
      Perceber porque é que aparecem, como é que aparecem.
      E combater as causas desse aparecimento.

      Eliminar
  6. Estou plenamente convencido de que o PVV não passa no teste.
    A maioria do povo holandês (ainda) sabe o que (não) quer.
    Um abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Também quero acreditar que sim, António.
      E que, com isso, seguindo o raciocínio do Carlos, retire gás a outros movimentos semelhantes na Europa.
      Aquele abraço

      Eliminar
  7. É preocupante o que se está a observar, tanto na Europa, como em todo o mundo... Estados Unidos, Macau, China....
    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Os daqui de Macau são pacíficos, Chic'Ana.
      Têm intere$$e$ muito específicos.
      Beijinhos

      Eliminar
  8. Nunca conheci um povo tão tolerante como o povo holandês. Mas os últimos acontecimento com os turcos que vivem na Holanda e partidários do louco em Ankara, vai levar muitos holandeses a votar no Geert Wilders.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pelos resultados das sondagens à boca das urnas terá tido muitos votos mesmo.
      Mas não os suficientes para ganhar as eleições.
      Ainda assim, com uma votação tão expressiva, não podemos propriamente estar tranquilos.

      Eliminar
  9. Amigo estou ansiosa por saber os resultados reais.
    Mas parece que há "turbulência por diversos países"
    e que a radicalidade está a pegar.
    Veremos, faltam poucas horas.
    Mesmo que não forme governo, mas se ficar em 1º. lugar
    já é mtº. mau.
    Um abraço
    Irene Alves

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Os resultados das sondagens à boca das urnas deixam o PVV no tal terceiro lugar, Irene Alves.
      Ainda assim com uma votação bastante expressiva.
      Um abraço

      Eliminar
  10. OI PEDRO!
    ME ASSUSTA O QUE TENHO VISTO COM RELAÇÃO A POLÍTICA MUNDIAL E O QUE ME VEM À MENTE VENDO AS LOUCURAS DE UNS E DE OUTROS, COM "PENTEADOS ESQUISITOS", É QUE, OS SERES HUMANOS, DIGA-SE NÓS, NÃO APRENDEMOS MUITO COM A HISTÓRIA POIS ME PARECE QUE ESTAMOS INDO POR UM CAMINHO BEM PERIGOSO PARA A HUMANIDADE.
    ÓTIMAS CONSIDERAÇÕES EM TEU TEXTO.
    ABRÇS
    http://zilanicelia.blogspot.com.br/

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Parece que o bom senso imperou, Zilani Célia.
      Mas a votação que os nacionalistas conseguiram não deve deixar ninguém tranquilo.
      Abraços

      Eliminar