1 de março de 2017

A propósito da visita de Francisco a Fátima


Francisco visitará Fátima no próximo mês de Maio participando assim directamente nas comemorações do centenário das aparições.
Tema muito controverso, mesmo entre crentes, as aparições da Virgem Maria a três pastorinhos (Lúcia, Francisco e Jacinta) são acima de tudo uma questão de fé, um tema ligado ao ideário católico, à fé católica, sobretudo ao culto mariano.
Tenho por princípio não discutir questões de fé.
Um sentimento tão profundo e tão particular deve ser sobretudo respeitado muito mais que discutido.
O que já discuto é o puro mercantilismo à volta da fé.
Há muitos anos que olho para Fátima e o que vejo tenho que confessar que me entristece.
Assim como acredito que entristecerá Francisco na sua vivência da fé cristã.
O culto mariano, que terá em Fátima o seu máximo expoente, foi desvirtuado e transformado num gigantesco negócio que se alimenta da fé dos crentes.
As notícias que se vão conhecendo relativas aos preços que se estão a praticar em Fátima para o período da visita papal fazem-nos pensar em exploração literalmente pecaminosa.
Por muito que isso entristeça os crentes, e os revolte até, Fátima transformou-se numa gigantesca Asa Branca, a cidade imaginada por Dias Gomes e Aguinaldo Silva para cenário da famosa novela, toda ela crítica social e religiosa, Roque Santeiro.
Se em Asa Branca havia um Zé das Medalhas, um santeiro, em Fátima esse número foi multiplicado até à infinidade, não faltando todos os negócios envolventes e de apoio que também existiam na imaginária Asa Branca - hotelaria, restauração, guias turísticos com os seus pacotes individuais e individualizados para vender o milagre.
Francisco conhecerá esta realidade, este imenso e proveitoso negócio .
O que pensará e o que sentirá quando estiver em Fátima no próximo mês de Maio rodeado de crentes e dos negócios que se alimentam da fé destes?  

40 comentários:

  1. O Papa nem vai dar por isso!!! : ))
    Em Pádua também há mercantilismo em redor de Sto. António mas numa escala inferior. Comprei lá as velas, os terços...
    Em nome da fé se fizerem as maiores atrocidades, os maiores golpes financeiros... E as corridas ao poder!!!
    Nada vai mudar.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Infelizmente acredito que seja exactamente assim, Catarina :(

      Eliminar
  2. Em todo o lado onde existem grande santuários, existe a exploração dos crentes em maior ou menor escala. O problema é que em Portugal, quando se trata de viver à custa de explorar os outros, não há limites.
    Um abraço e um Março sereno e feliz

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Essa exploração comercial da fé dá-me cabo dos nervos, Elvira Carvalho.
      Eu sei que Fátima não é caso único.
      Mas Fátima é em Portugal e por isso mexe mais comigo.
      Um abraço, um Março sereno e feliz para si também

      Eliminar
  3. Qualquer um de nós sabe que o que movimenta o mundo e a espécie humana é o sexo e o poder (traduzindo este e quasi sempre por dinheiro). A religião, qualquer que seja, tende a refrear esses impulsos vitais pelo que não admira que os baldios de Fátima fossem tomados pelo que movimenta o mundo.O resto e as boas palavras não passam de pias intenções, para sufragar as almas do purgatório. cumprimentos para si.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O célebre Money Makes the World Go Around não é, aguerreiro?
      Infelizmente é mesmo assim.
      Cumprimentos

      Eliminar
  4. É uma exploração constante a todos os níveis. Já não existem alojamentos disponíveis para esse período.. e noutros casos estão a cobrar 1000€ por noite, e ainda temos de levar o saco cama!
    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Era isso que tinha lido, Chic'Ana.
      Revoltante!
      Beijinhos

      Eliminar
  5. É isso mesmo, Pedro. Muito bem visto e escrito ! :)
    Eu adiantei-me no comentário a este facto, sem saber que o Pedro iria escrever sobre ele !
    É revoltante, creio que até para muitos católicos mais esclarecidos !

    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Uma exploração vil, Rui.
      Sem quaisquer escrúpulos, sem um pingo de vergonha.
      Aquele abraço

      Eliminar
  6. Isso é inevitável. O negócio floresce sempre em locais de grande atração de pessoas, seja a fé o motivo ou não.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mas até no negócio é preciso ética, luisa.
      E o que acontece em Fátima é o oposto, a negação da ética.

      Eliminar
  7. Sou uma mulher de fé, confesso e de vez em quando vou a Fátima, mas em dias em que não há confusões.
    Sinto-me lá bem e não me perguntes porquê e nem rezo, normalmente agradeço acendendo uma vela.
    Já visitei muitos locais de culto por esse mundo fora e a exploração sente-se em todo o lado.
    Creio que o papa Francisco nem vai ter isso em conta, já que se visitarmos o Vaticano o mercantilismo é idêntico.

    Beijos Pedro

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Já visitei o Vaticano e não me senti tão esmagado pelo peso do comércio como em Fátima, Manu.
      É demais!
      Beijos

      Eliminar
  8. Respeitando a fé de cada pessoa , repito: Fátima tem origem numa fraude e, infelizmente, duvido muito que não fosse propositada.

    Estou a rever "Roque Santeiro" e a usa referência a Asa Branca e a todo o sórdido negócio à roda de supostos milagres é totalmente pertinente.

    Não sei se Francisco sendo o Papa que é deveria vir a Fátima....

    E para que não haja dúvidas eu creio em Algo que nos transcende( a designação não é importante)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Francisco vem a Fátima porque também ele segue o culto mariano, São.
      E acredito que se abstraia do que passa à volta.
      Ser católico é diferente de ser dogmático e resignado.
      É assim que me sinto.

      Eliminar
  9. O problema é que o Papa Francisco Vai-se limitar ao santuário e aquela onda humana de pessoas de fé, ficando oculto todo o mercantilismos instalado em Fátima.
    Um abraço e boa semana.
    Andarilhar || Dedais de Francisco e Idalisa || Livros-Autografados

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É muito possível, provável mesmo, que assim seja, Francisco.
      Aquele abraço, resto de boa semana

      Eliminar
  10. Espero que ilumine a alma a algumas pessoas.

    ResponderEliminar
  11. Pedro:
    Este assunto revolta qualquer pessoa sensata, pois a humanidade está desumana e a religião não foge à regra infelizmente.
    Tenho a minha fé e gosto de ir a Fátima, fora destes períodos meramente comerciais.
    Quanto ao Papa Francisco, acho que não o vão deixar perceber este negócio, embora ele saiba como ninguém como é o ser humano.

    Beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Até é bom que Francisco não se aperceba de todo aquele mercantilismo, Fernanda.
      É revoltante!

      Eliminar
  12. «O que pensará e o que sentirá quando estiver em Fátima no próximo mês de Maio rodeado de crentes e dos negócios que se alimentam da fé destes?»

    Tristeza, Pedro, tristeza acima de tudo, porque Fátima é, hoje por hoje, o retrato fiel daquela passagem bíblica sobre os vendilhões do Templo, porém, Francisco não é Jesus e embora defenda o que Jesus pregou não é, nem de perto nem de longe, livre como Jesus O era.

    A mim, pessoalmente, revolta-me o mercantilismo em redor de Fátima, de Maria, Mãe de Jesus e Nossa Mãe, não suporto, acredito em Nossa Senhora, não acredito em Fátima, muito menos depois da revelação do 3º segredo de Fátima.

    Aquele abraço e bom resto de semana.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Por isso volto a dizer que até é bom que Francisco não veja todo esse mercantilismo, Ricardo.
      Que se possível lhe passe ao lado.
      Aquele abraço, bom resto de semana

      Eliminar
  13. Com toda a certeza, o Papa Francisco levará uma péssima imagem do que deveria ser uma festa cristã e se transforma, imaginamos porquê, num negócio.
    É triste, sem dúvida.
    Um abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Francisco não ficará feliz se vir aquilo em que se transformou Fátima e não conhecer antecipadamente essa realidade, António.
      Aquele abraço

      Eliminar
  14. Pedro, mas só compra os objetos expostos quem quer, ninguém é obrigado a fazê-lo
    e parece que ainda bem que há hotéis e restaurantes para receber os peregrinos, se não houvesse ainda nos tratavam de pais do terceiro mundo...
    e ainda bem que há outras coisas para ver como os museus e os locais onde nasceram os pastorinhos, nem todas as pessoas se contentam de visitar os santuários, querem conhecer a história, a paisagem, a vida das pessoas do local que visitam
    fora dos dias de grandes peregrinações, Fátima é um local muito calmo, passo por lá sempre quando vou ao norte, não há agressividade nenhuma e as pessoas têm conforto e limpeza no local do culto e nas ruas da cidade, quem não quiser ficar num hotel de Fatima tem outros a poucos quilómetros porque o pais é muito pequeno
    Acho que o papa Francisco não se irá admirar de nada, que ele sabe melhor do que nós o que se passa e creio que Fatima ao lado do Vaticano é uma gota no oceano
    recordo que no Vaticano queriam vender-nos bilhetes de entrada rápidas ou prioritária por exemplo...acompanhamento de guias, fotografias, etc.
    mas adorei visitar :)

    Angela

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Angela,
      O meu pai chegou a trabalhar lá em Fátima há já muitos anos.
      Conheço bem o local e fui acompanhando de alguma maneira o desenvolvimento mercantilista à volta do Santuário.
      Que chegou ao absurdo.
      Obviamente só compra quem quer.
      Mas o que eu contesto, e não estou sozinho, é o que lá está, não é que me obriguem a consumir.
      Obrigam-me a esquecer a fé para me concentrar no comércio e isso é inadmissível.
      Não tive, nem de perto nem de longe, essa experiência no Vaticano.

      Eliminar
  15. Tantos vendilhões do Templo!!! Que vergonha!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Explorar comercialmente e sem pudor a fé das pessoas é algo que nunca conseguirei aceitar, Graça.
      Em Fátima, no Vaticano, em Lourdes, em Pádua, seja onde for.
      Com a diferença de Fátima ser em Portugal e mexer ainda mais com a minha sensibilidade.

      Eliminar
  16. Vendem até terrenos nos céus, uns mesquinhos, que ferem a fé de uns, subestimam a inteligência de outros e nos enojam diante de tamanha picardia.

    Francisco por sua vez, sempre muito sensato e iluminado, há de tecer seus comentários, às vezes ácidos, porém necessários diante de tanta deturpação da fé e da religiosidade.

    Abraços!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Estou curioso para ver qual vai ser a reacção de Francisco quando confrontado com aquela realidade, Xúnior Matraga.
      Aquele abraço!

      Eliminar
  17. Quando era jovem ouvia a minha Mãe dizer que a distinção entre Fátima e Lourdes era que em Fátima havia Fé e em Lourds só comércio. Profundamente crente,a minha Mãe começou a desiludir-se também com Fátima nos últimos 20 /25anos da sua vida. E, mesmo nunca tendo deixado de ser crente, recusou-se a voltar a Fátima quando percebeu que se tinha tornado igual a Lourdes e outros locais de culto que a Igreja explora de forma tão insana, que até os cretes se afastam.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Fátima é sobretudo uma desilusão e revolta para os crentes, Carlos.
      Compreendo perfeitamente o sentimento da Senhora sua mãe.

      Eliminar
  18. O diabo do dinheiro está sempre associado à fé. O homem é bipolar.
    Abraço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Amanhã teremos a terceira parte das crónicas de Frei Bento (Fátima dá para tudo), Agostinho.
      Aquele abraço

      Eliminar
  19. Compreendo o seu ponto de vista mas isto é um "problema" em muitos esses sitios..Jérusalem, Lourdes omesmo ...Isto dito, as vezes que fui a Fatima fiquei encantada (apesar de nao ser de confessao crista). Comprei recordacoes para colegas que adoraram e até meteram em cima do escritorio. Ha coisas mais chocantes que vi em Fatima mas isto é outra historia...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Confesso que estou a ser egoísta, a olhar para o meu umbigo, The Reader's Tales.
      Eu sei que é um problema noutros locais.
      O Vaticano, antes de nenhum outro.
      Mas Fátima, sendo em Portugal, mexe comigo de uma forma muito especial.

      Eliminar