7 de fevereiro de 2017

Quino, brilhante

Tristemente Brilhante.
Quino, o cartunista argentino autor de Mafalda, desiludido com o rumo que está tomando o mundo quanto a valores e educação, expressou o seu sentimento a respeito.










16 comentários:

  1. O inexorável caminho da autodestruição.
    Muito triste.
    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Retratado de forma brilhante pelo genial Quino, Elvira Carvalho.
      Abraço

      Eliminar
  2. Infelizmente ainda resta, por mostrar, a "face oculta" deste conjunto de cartoons :
    Refiro-me à crise mundial na relação pais / filhos no sentido de que essa possibilidade de ensinamento está muito degradada !
    Quantos filhos crescem sem valores transmitidos pelos pais !!!
    ... e creio que aí é que está o problema ! :(

    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Uma das coisas que Macau permite, e que é preciosa, é exactamente essa proximidade entre pais e filhos, Rui.
      Se houver vontade da parte de ambos há a possibilidade de se estabelecer uma relação de proximidade entre pais e filhos que não tem preço.
      Aquele abraço

      Eliminar
  3. um cartoon com muita atualidade Pedro !:(
    chocante quando envolve uma criança tão pequena, mas é mesmo assim, é o que começam a ver no dia a dia e nas televisões sempre ligadas nas casas e apartamentos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Os miúdos agora estão sempre ligados ao virtual, Angela - televisão, computadores, telemóveis.
      É nessa realidade virtual que vivem e crescem.

      Eliminar
  4. Ontem, passava por um parque e uma criança num carrinho diz para a mãe: "Where's MY money?". E a criança continuou:
    - "Mommy, I need MY money".
    "I whant my money".

    A mãe calou-se na primeira menção a dinheiro. A criança - que juro mal sabia falar, ou seja, devia ter no máximo uns 3 anos - fixou-se no dinheiro. E repetiu umas sete vezes que queria o SEU dinheiro.

    Dá que pensar.

    Talvez fosse o caso de lhe terem dado uma moeda para guardar, esta ter escorregado para o assento do carrinho e a criança simplesmente estava fixada em ter de volta o dinheiro dela, tal como estaria com um qualquer objecto, como um brinquedo ou uma chucha.

    Mas dá muito mais que pensar. Já incutiram naquela mente a importância do dinheiro. Tão novo e... a pedir o "meu dinheiro". Podia ter perguntado por dinheiro, dizer que queria dinheiro como as crianças costumam dizer: "quero o urso. Onde está o urso?". Mas aquele pronome: "MEU"...

    Não sei como transmitir a impressão que tive. O vil metal é mesmo o DEUS da actualidade. O pior é que estas crianças correm o risco de crescer a idolatrar este Deus, mas sem saber o quanto terão de se esforçar para o obter. Esperam que lhes seja dado, porque foi assim que foram ensinadas desde cedo.

    Enfim. Considerações.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Materialismo que é cultivado em muitas crianças desde tenra idade, Portuguesinha.
      Tão triste quanto real :(

      Eliminar
  5. É também uma questão da perspectiva, Pedro. O mmundo que me rodeia é bem diferente do mundo materialista aqui apresentado.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Como em tudo, generalizar é sempre desaconselhável, Teresa.

      Eliminar
  6. Talvez a intenção e o abraço final consigam compensar o resto...ou então deveriam é dar ao pai (imaginando que seja o pai que quer ensinar o filho) um exemplar do Meu Pé de Laranja Lima para que veja que essa ideia não resulta assim tão bem na prática...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ora aí está uma proposta que acompanho totalmente, Gábi!

      Eliminar