17 de fevereiro de 2017

Manual do Morcon (ediçon rebista) XXX



Manual do Morcon
Dicionário da Língua Romantica Portuense 
Ediçon rebista e aumentada com nobos bocábulos e dezenas de locuções da ribeira e balorizada com uma lista de raízes do noroeste da península ibérica, da region compreendida entre a circunbalaçon e o rio douro, delimitada a poente pelo Oceano Atlântico mais o enclave da Afurada. 

A

Abafar a palhinha - O mesmo que abafar a palheira, ou seja ocultá-la em qualquer lugar.
Abécula - Pessoa cheia de perícia e muito despachada, mas a quem o sistema não permite que estas qualidades se revelem. Abiar - Andar de abion. 
Aberraçon - É a capital ser o Norte e estar no Sul. 
Aborto - Um bocado pior que uma chica (ber esta palabra). Abrunhosa - Grande músico, mas que non tem a certeza se há-de *oder ou non. 
Abufadeira — Aplique colocado no cano de escape dos gaiolos (ber esta palabra) para fazer mais barulho e atrair as chocas (ber chocas). 
Também se usam muito nas regiões limítrofes da Inbicta, como Sra. da Hora, Padron e Labra. 
Acaçar (Anda-me) – Resposta dada por uma jobem ao motorista das camionetas com destino a Bilar do Andorinho, quando a referida camioneta já está em andamento. 
Achantrar — Conquistar chantrona. Comer de borla à custa de uma desgraçada. Chambrear um binho maduro que custe mais de cento e cinquenta paus, para impressionar a parceira. Adubar (o grelo ou os tomates) - Limpar o cu de trás para a frente. 
Académico - Sócio da Académica. 
Amo-te – O mesmo que: “Hei-de *oder-te a massa toda”. 


Bacanal – é arranjar umas bacanas, dar umas &odas e ter muito cuidado para non ser confundido e enrabado. 
Badalhoca - A que toma banho todos os dias. As outras son piores. 
Badalo — C@r@lho cansado ou com depresson e ar triste, sempre a olhar para o chon. 
Batalha (Bai no) - resposta que se leba quando se pergunta se son três pratos, querendo pagar só um. 
Banal - Coisa exótica que se biu milhões de bezes. 
Baselina - Lubrificante que sai mais caro que a margarina ou o unto. 
Basilha da desgraça - O mesmo que catraio ou máquina fotográfica, ou seja, garrafon de cinco litros.
Bai pró *aralho – Antítese do que se pode pensar, ou seja “Hoje non tens direito a nada”. 
Bedum - Biscosidade que se forma no meio dos dedos dos pés, nas brilhas e em volta do pescoço. Raspa-se com as unhas.
Bêeme – a biatura de sonho de qualquer morcon. 
Bela — Emprega-se muito para os lados da Sé, na adibinha: “A Bela preguntou por ti - Qual bela? - A bela pica!”.
Beloso (Rui) - Grande músico! Num tinha nada que ir ao baile a Balbom. 
Benfica - O mesmo que abstinência, quando joga em casa. Bentas - Por onde se assobia às gajas. 
Berga - Pela sua força é que se bê se é preciso comprar biagra ou non. 
Beste seler - Palabra de origem Americana que significa que tem muita saída e rende mais de quatro contos e quinhentos por dia. 
Bianal - Acontecimento que se repete de dois em dois ânus. 
Bibrador – Oh, balha-nos Deus! Para quê ? Isto non é Lisboa. Aparelho sexual a pilhas, para colmatar a fome entranhada. Com pilhas alcalinas redobra a bibraçon, mas non altera o tamanho. Bende-se em sex xopes. 
Bicha - Paneleiro ou artista da capital. 
Bicho mau - Ameaça que as mães fazem às criancinhas quando recordam uma má experiência. 
Bico - o mesmo que bochecho, mas mais caro. 
Bitorinos - Sapatos de pele fina e delicada de #ona de andorinha, usados pelos gajos selectos. Os cagões usam botas de matar a barata no canto da sala.
Bitri - Dar duas por trimestre. 
Boa Noba — Quecódromo em Leça da Palmeira, generosamente iluminado pela dinâmica Cambra Municipal local, onde o romontico António Nobre aprendeu a escreber.
Bó-Bó - É perguntar ao Manuel de Oliveira.
Bocábulo - Palabra que designe qualquer coisa que se possa pôr na boca, como caramelos, grelos ou o &aralho. 
Bochecho - O mesmo que broche, mas de maior dificuldade em aplicar na lapela. 
Bordas - De dentro para fora é onde começa a *intinlheira. De fora para dentro é onde acaba. 
Bordinhas - as bordas de dentro. Já falta pouco para chegar ao grelo, a non ser que os óculos estorbem. 
Boton de rosa — Sintoma de bista cançada. Engano frequente quando se quer chupar outra coisa e a bista non ajuda. Na época dos figos deixa grainhas no meio dos dentes. 
Bonito - O amor é muito bonito. Diz-se quando um cheque non é careca. Dizse também dos sabonetes Ach Brito na expresson: ”Bonito bonito, son os sabonetes Ach Brito”. Nas Fontaínhas há uma berson semelhante: “Bonito bonito, son os #olhões a bater no pito”. 
Bosta – matéria betuminosa que se agarra com facilidade à cachola da &iça (ber em cachola).
Broche - Há para todos os preços e de bários feitios, dependendo do material. Usa-se na lapela. 
Brochemi - Palabra que se usa quando as estrangeiras estão a ladrar e a gente não entende umc@r@lho do que elas dizem e no fim perguntam: “Do iu minite?”. Nesse caso responde-se logo: “Ifiu brochemi” 
Bufa - Peido embergonhado sem acompanhamento musical, que se manifesta por odor acentuado. Nunca se largam quando só estão duas pessoas, pois pode ser-se descoberto. 
Bulir (toca a) - Ir para o café ber o futebol e enfiar uns tubos. Bunda - A peida das Brasileiras e dos Lisboetas.

C

Cabacos (Apanhar) – Posiçon de elevado rendimento, aprobeitando o tempo para encerar o soalho, por exemplo.
Cabeçote – Pequena cabeça da pica. Cularinho de padre. 
Cachola – Pequena cabeça da pica (ber em morango). 
Cagança - Conjunto de adjectibos materiais que embelezam um morcon, a saber: biatura ligeira com jantes especiais e abufadeira e rádio leitor de cassetes roubado nas Fontainhas, calças e bluson de ganga com um dragon nas costas e óculos escuros, a que se junta um maço de tabaco Marlboro com SG bentil lá dentro. O cagão, de três em três paços, dá uma coçadela nos *olhões e puxa as calças do rego do cú. Bai largando umas farpas pelo caminho. 
Cagon - Que manda cagança com fartura. 
Cagona - O mesmo que mijona. Este termo emprega-se mais na zona de Francos. 
Camisa de bénus - despesa que encarece a *oda, mas que faz poupar no permanganato. 
Canzana (À) - O mesmo que apanhar cabacos (ber esta palavra) mas com uma mordidela no pescosso. 
Capital da Cultura 2001 - Ebento cultural onde, para pendurar um quadro a óleo na parede, são necessárias binte betoneiras de cimento. 
Carago - O mesmo que c@r@lho, mas poupando-se as letras “LH” para aplicar em “Fio da puta”. 
C@r@lho mais belho – A última estaçon do metro de superfície. 
Caralhete - O mesmo que antec@r@lho ou meio c@r@lho. Dá meias *odas. 
C@r@lho - O pai de nós todos assume nesta region um afecto carinhoso, como por exemplo: “És linda como o c@r@lho”. Utiliza-se por tudo e por nada, está na boca de todos os locais e é utilizada como partícula de afirmaçon, tal como no exemplo dado. 
Catrafoda-se – Non correu mal de todo! 
Casa do C@r@lho - A penúltima estaçon do metro de superfície. 
Catraio - Garrafon de cinco litros que se transporta no carrinho do bebé, indo este ao colo se for lebezinho. Se for pesado, leba-o a abó. 
Cerbeja sem Álcool – É ir ao baile e passar a toda a dançar com a irmã. 
Chafurdar - É quando a gaja está com muita lubrificaçon, começando a fazer “choque choque”. 
Chamada local – Broche (ber esta palabra). 
Chantrona – Assistente de bordo em qualquer penson da rua do Almada ou Bomjardim. 
Chatos - Praga inbersamente proporcional ao preço da &oda. Choca - A mulher ideal. Bê todas as telenovelas com a mãe e non gasta mais de 300 paus em cada litro de perfume. 
Chocho – Beijo enjoatibo. 
Cheio (Em) - O mesmo que: “Desta bez acertei, c@r@lho!” Chupaba-te todo – Frase de cariz romontico que significa: “Ficabas sem um toston, meu grande filho da puta!” 
Chubeirinho — Quando ela se engasga ou tosse após ter executado o prato mais barato (ber prato). 
Cobiça – A &iça do bizinho. 
Coitada - #odida, mal #odida ou por #oder. Que praticou ou foi bitima de coito. 
Coitado - Que pratica o coito com a regularidade aconselhada pelo Baticano.
Crica - A *ona das Lisboetas. 
#olhões – O mesmo que &uilhões, mas enche mais a boca. #onassa - #ona que ameaça e que até mete medo à dona. 
#ona – Ao contrario da expresson moura “#ona da mãe”, nesta region, por queston de precauçon, diz-se “#ona da tia”.Usa-se muito raramente. 
Condomínio pribado - Que é só dela. 
Costelas da pica - A armaçon do teson (ber teson). 
Cu - Comida de rico. Algumas bendedeiras do Bolhon dizem que é só para o marido. 
Cu de judas — A antepenúltina estaçon do metro de superfície. Cufinanciar – Pagar para ir ao cu. Estaba-se mesmo a ver! Culateral - Enrabar de esguelha. 
Cuecon – Grandes cuecas que comportam selo (ber esta palabra) acima de binte e sete e quinhentos. 
Culaborar – Cu a trabalhar ou laborar. Dizem que é como cagar para dentro. 
Cumunidade – Forma errada de escreber “comunidade”. Cu com imunidade ou humidade. Non é de fiar nem enfiar muito. 

D 

Dar - Num mundo em que non se dá nada a ninguém, ainda há quem queira dar umas #odas, Quem as leba, gosta sempre de receber. 
Daune loude – Expresson utilizada pelos estudantes de informática quando engatam uma estudante de letras e, não tendo dinheiro para a penson, a lebam de carro para a Boa Noba e dizem: “Faz-me um daune loude”. 
Donzela – Qualquer baca que #oda mais de dez bezes ao dia. 


Ecuménico – Debe ser um maníaco de Lisboa. 
Émeil – O mesmo que “é meu”, mas ligado à Internet. Expresson originária da Afurada, quando uma moça quer conquistar um gajo que atrabessou o Douro na embarcaçon “Flor do Douro”. 
Encabadela – Enfiada no cu. Pratica-se essencialmente nas empresas. 
Enfastiada – Que acha que pode levar mais de cinco contos e abaixo disso non fala. 
Encabar – Enfiar com sucesso, ou no Bom Sucesso. 
Enfastiado – Com bontade, mas sem dinheiro. 
Enrabar – Saber mais que o apresentador dos concursos de telebison. 
Esporra – Matéria prima para o chubeirinho. 
Esporradela – Faz andar em barco à bela.
Emprenhar – Acreditar em tudo o que lhe dizem.
Enconar - Andar, andar e não encontrar nada. 
Enfiar – “Enfiaba-lha toda”. Expresson muito usada quando non há hipóteses de enfiar nada. 
Engonhar - Andar três meses a ber se dá uma de borla. É necessária muita persistência, muito amor ao dinheiro e non gostar muito , para esperar tanto! 
Entrefolhos - Anilha raiada em bolta do olho, onde se aplica o lubrificante. Usa-se muito lá para os lados da Boabista. A expresson “Quem me dera lebar nos entrefolhos” é frequentemente proferida pelas tineijares muito finas e alguns namorados no Foco. 
Erbegues – Seios. Aparecem sempre aos pares, mas o do passageiro costuma ser opçon. 
Errata - O mesmo que ”ei rata”. Grande rata. 
Escafoder - #oder na escada. Consertar qualquer coisa até ficar sem concerto. 
Escândalo - O metro de superfície. Cada bez está mais difícil a bida subterrânea! 
Escola toda (Ter a) - Demorar dez anos a fazer a quarta classe. Esgalhar - Esgalha-se sempre uma ou duas - depende da litratura. (ber esta palabra). 
Explicador (meter) — Non confundir com meter no explicador, pois pode gostar. Meter explicador utiliza-se a seguir à pergunta “Estás a compreender?” e antes de “Lebas no focinho”, desta forma: “Estás a entender. precisas de meter explicador ou lebas no focinho até compreenderes, minha mijona!”. 

F

Farda - Indumentária que se beste para ir de gatas para casa. Farpa - O mesmo que peido ou farpola. Lufada de ar fresco. Após se largar urna farpa é costume abandonar o local, como quem non quer a coisa. 
Fanhoso – Que se faz desentendido para non pagar à gaja. Farelo – farinha grosseira que se forma no colarinho da cabeça da pica quando esta non é arejada uma bez por semana. 
Farfalheira – #intilheira farta e ecaracolada, onde se perde mais de um quarto de hora para encontrar o grelo.
Farpola – O mesmo que farpa ou peido, mas de maior sonoridade e cheiro mais intenso. Começa por chiar com um silvo aflito, atingindo a maturidade mais ou menos a meio da saída, ao fim de dez segundos, começando enton a definhar até se extinguir por completo. 
Filoxera - Pomada para os chatos. 
Filho(a) - Criança de quem se pode ser pai, ou non. 
Filho(a) da puta - Expressom raramente usada. Usa-se mais “grande filha da puta”; Na zona de Campanha acrescenta-se sempre “bouta #oder”. 
#oda-se - Expresson raríssima no burgo. Oube-se em casos muito excepcionais, como quando o glorioso FCP perde com o Salgueiral, o Sporting é campeon ou quando o presidente da Cambra chega a ministro. 
Fodei-bos - Aplica-se em grupo, neste tipo de casos “A puta quer mais de cinco euros? #odei-bos que eu bou-me embora. Bou a Balbom ber se me safo”. 
#oder - Bocábulo pouco utilizado na region e raramente referido ao sexo. No caso da expresson “Bouta #oder” ou “touaqui touta#oder” signfica: ”bou-te esbaziar dois pneus da biatura e tu só tens uma roda sobressalente”. 
Fofa - a palabra utiliza-se sempre em bez de qualquer destas expressões ; “Estás gorda como o c@r@lho”; ‘Já bi baleias mais elegantes”; “Se te dibidisse em quatro, cada uma pesaba cem quilos” ou “Os binte metros de pano para o bestido só deram uma mini-saia, #oda-se!”. 
Fornicar – estrangeirismo Lisboeta que as pessoas menos cultas empregam em vez de “#oder”. 
Fuleiro – Que se abia na falta de melhor. 
Fressura – Bater pratos, ou quem bate pratos. Pratica-se entre duas mulheres de sexo diferente, fazendo uma de homem e outra de paneleira. Tem a bantagem de non se pagar. 
Fressurar – Bater pratos sem partir os ditos. 
Fronha (ou Fronhas) - Referência carinhosa aos contornos faciais, como neste exemplo oubido no Jardim da Cordoaria: “Mandas as fronhas mais bonitas do mundo. Parece que tibeste um acidente de motorizada”.
Fussa (ou Fussas) – Beleza facial mal interpretada. Se a gaja for boa, pode-se sempre enfiar um saco na cabeça. 

G 

Gaiolo - a biatura ligeira do morcon. Tem jantes especiais, abufadeiras e aparelhagem. 
Galdéria - Tola. Que podia ganhar muito mais se tivesse juízo.
Garina – Debe ser de Lisboa, a puta! 
Gargarejo – Faz-se após o bochecho, para afinar a voz. 
Geografia - Saber pôr por ordem as seguintes estações do metro de superfície: Cu de Judas, Casa do C@r@lho, C@r@lho Mais Belho e Santo Obídio. 
Gosma (Andar á) – É querer ser sempre o primeiro a pagar e non lhe aceitarem o dinheiro. 
Grande bico - Acompanha sempre bem um bacalhau. Non confundir com gron de bico. 
Grande c@r@lho (que) - Quando está pequeno e non surge uma justificação satisfatória. 
Grelo - Clitóris mas mais azedo. 
Grelos (Molho de) - Ajuntamento de mulheres, especialmente de professoras. 
Guelra - Diz-se “Ir cheio ou cheia de guelra”, que significa com umas cuecas labadas e sem selo. É também sinónimo de bedum. Gregório (Chamar pelo) - Gemidos soltos durante as primeiras cem bezes que uma gaja ou um roto lebam no cu sem culaborar (ber esta palabra). 
Greta - O mesmo que racha , mas com menos quilómetros de *iça. 

H 

Higiénico - O papel até três utilizações sem deixar secar. Secando dá para cinco. Também o indibiduo selecto (ber esta palabra), que toma banho uma bez por mês. 
Himerrodias - Desculpa para nom lebar no cu nesse dia. Agenda-se para o dia seguinte. 
Homem - “Sou muito homem” - Expresson muito utilizada pelo Toninho da Sé. Há também quem garanta “é de homem, lebei no cu e non gostei”.
Homosexual – Paneleiro da capital ou com curso superior.


Impostor - Que cobra impostos ou coisa parecida e passa multas de estacionamento a torto e a direito para ficar bem bisto na Cambra Municipal. Há quem lhes chame “grandes filhos da puta”. É também o indibiduo que se esforça para ser sério mas non consegue, nem com explicador. 
IPC – Iniciais de “Importante Pa C@r@lho”, que os ingleses traduziram por “BIP - Bery Important Person”.
Impecábel - Que non leba muito dinheiro, sem chatos e sempre a abrir. 
Insossa – Que não distingue muito bem se a tem toda entiada ou non. 


Já – Queca agendada para o dia seguinte, como por exemplo: ” non saias dessa posiçon que eu bou já”. 

L

Lambecon@s - Cão de pequeno porte; Bem penteado e muito trombeiro. 
Lembrar - Usa-se sempre na negativa: “Num lembra o c@r@lho!”. Como por exemplo: ler este manual ou as garrafas de zero bírgula trinta e cinco. 
Libidinoso - Tarado sexual que gosta de ser multado por mulheres polícias.
Litratura - Qualquer publicaçon pornográfica que não custe mais de cento e cinquenta paus.


Mãe - Utiliza-se logo na noite de núpcias em frazes como esta: “A #oder num estás nada mal, mas se num souberes fazer o tacho bais para casa da tua mãe! Oubiste c@r@lho?” 
Maneira (À) - De longe a mais portuense de todas as palabras e que significa; como debe ser, com categoria, com qualidade, enfim á maneira mesmo. Uma #oda á maneira, por exemplo, é uma #oda que non custe mais de um conto e quinhentos , num quarto. 
Mamada - O mesmo que chamada local. 
Mangalho - C@r@lho manguela mas com instruçon primaria.
Marmelada — Sexo birtual praticado nos Jardins do Palácio de Cristal. 
Mercedolas - Biatura de luxo , com motorista da STCP. 
Meia #oda - #oda que se dá a pensar no preço. Consola pouco. Mais bale gastar menos e non pensar nisso. 
Merda - Este dicionário; Expresson muito oubida na zona de Miragaia, quando passa uma puta muito cara:” Biste aquela merda meu?”- refere-se sempre ao carro. 
Micar - Andar atrás das micas. Na expresson “dar o mico” significa “Esqueceu-se de pagar, mas num foi por mal”. 
Micas - Mais ou menos limpas e por pouco dinheiro. 
Minete - Francesismo equibalente a trombar ou a chupar o grelo. Curiosamente, o minete é daquelas coisas que ninguém faz mas aparecem todos feitos. Parece impossíbel! 
Moina - Que gosta muito de trabalhar, mas que só procura emprego depois das seis, sujeitando-se a rondar pela Rua Escura. 
Moinante - Moina mais lento e com mais currículo. 
Mon (À) - O mesmo que “Num fazes mais barato, c@r@lho!”. 
Morcon - Debem ser todos, pois todos os locais acham que os outros o son. Debe no entanto haber excepções pois, caso contrário, non se reproduziriam. 
Morder - Comer com os olhos e a alguma distância. Morder um cú, por exemplo, non tem nada a ber com o pôr lá um dente! 


Nalgas - As bochechas do cu. Com umas calças à maneira (ber esta palabra), qualquer trambolho fica uma categoria! 
Ninfomaníaca – Artista de bariedades. 
Nojo (Meter) - Andar de gaiolo muito debagarinho, sem deixar ninguém ultrapassar. Se alguém tentar ultrapassar, acelera-se a fundo até os pistões sairem pelas abufadeiras. 
Norte - Coisa pouca ou pequenina, que se perde com facilidade. Se o mundo não estibesse birado ao contrário, era o Sul. 
Num me #odas - Precisamente o contrário. Frase de desânimo proferida pela parceira quando quer copular e a coisa do parceiro num responde debidamente. 

O 

Oral - Sexo de boca (tanga!). 


Pachacha – o mesmo que “racha”. 
Padaria - O mesmo que peida, mas muito maior. Este termo encontra-se em expressões como: “mandas uma padaria que debe cagar uns binte quilos de merda por dia”. 
Paneleiro - Coisa rara na Inbicta. Bêm muitos do Chiado, os de cá num son paneleiros, son rotos. 
Parceira - A mulher do bizinho. 
Passarinha - Ao contrário do que seria de supor, é a que não sabe boar. Depois de coçada costuma boar e às bezes nunca mais pousa. 
Patroa – Conjugue; Quadro superior, gerente ou detentora da maioria do capital social de uma casa de putas. 
Peida - Sítio aonde muita gente come em bez de cagar-se. Bá-se lá saber porquê! 
Peido – O mesmo que farpola ou farpa, mas mais bulgar. Lufada de ar fresco, quando se está a chupar um grelo que non é labado há mais de uma semana.
Pénis - C@r@lho mas mais mole. Palabra domingueira que se emprega quando se bai ao médico e sai uma médica que não se conhece. 
Picante - Aplica-se a uma anedota embergonhada. 
Pica - O mesmo que pissa ou pisssa. Depende do tamanho. 
Pintar à pistola - Decapar a cagadeira a jato.
Pintelheira - Que se incendeia com facilidade debido á fricçon.
Pintelho - Que se cola ao bigode com facilidade. 
Pito - Orgon sexual feminino de chupar. 
Plâncton - Alimento das tainhas, que sai pelos túneis do cais da ribeira. Confere-lhes um paladar muito delicado!
Pneu - Usa-se no plural. Quando um par de namorados está na marmelada no Palácio de Cristal e ele repara que ela está cheia de obesidades em bolta da cintura diz muito ternamente, a afagar-lhe o cabelo: “Mandas cá uns pneus que, se num fossem carecas e fossem da marca Mixelin metia-os no automóbel!” Ela responde: “Que romontico, c@r@lho!”. 
Polícia - No sec XVII significaba cagalhon, polho. Actualmente non se sabe bem, mas há uma grande atraçon por mulheres polícias, quando a biatura está bem estacionada (claro!). 
Política – Espécie de reforma antes de se estar reformado. 
Poupada - Parceira que nunca deixa gastar dinheiro suficiente para dar uma #oda á maneira. 
Prato - Cada um dos três do conjunto, a saber: cu, pito e broche. 
Preto - Macho muito admirado por ter um sexo de dimensões imbejábeis, do tipo mangueira. Son todos de fora. 
Prostituiçon - Intuiçon para ganhar dinheiro na cama. 
Psique - Cabeça que anda a ser tratada pelo psiquiatra. 
Psiquiatra - O que trata a cabeça. O reto é tratado pelo urologista. 
Psiquiatria - O que põe a cabeça toda tola. 
Puta - Palabra que se emprega em manifestações de amizade e carinho, tais como: “Meu belo filho da puta”. 
Putabel (Água) - Água que escorre pelas ruas Escura e Banharia abaixo sem ter labado a #ona a nenhuma puta. Mas debia! 
Putatiba - A que gosta de receber antes de trabalhar, non se responsabilizando pela qualidade do serviço. Costumam lebar mais barato. 


Quarentona - Para quem encara a bida de frente é urna trintona em fim de carreira. Para quem encara a bida de trás é a que ainda tem muito que dar até chegar aos cinquenta. 
Quatro - Número par. Aplica-se numa expresson muito oubida na Ramada Alta: “Rachaba-te a #ona em quatro”, que significa: ”Bou a Gondomar e trago-te um Bibrador dois números acima!” 
Que safoda - Quando se perde o último autocarro para ir trabalhar. 
Quecódromo - Local onde se usufrui ao máximo da biatura, se tiber jantes especiais, abufadeiras e aparelhagem. Por bezes leba-se a parceira ou parceiro, depende dos gostos. 
Queixos (cair de) - É mentira! Non se cai, bai-se de gatas! Pode-se fazer de duas maneiras: trombada simples, em que ela fica a comer tremoços ou trombada dupla que é o mesmo que sessenta e nobe.
Quilómetros de Piç@ - Abaliaçon de desempenho de qualquer profissional, non interessando o credo, raça, sexo ou ambiçon politica. 
Quim Barreiros - Interpreta e descrebe a sociedade portuguesa com mais lucidez que o Eça de Queirós ou Fernando Pessoa e é mais sincero, romontico e dibertido. Faz parte da cultura musical dos estudantes da FEUP. 


Rabeca - Tal corno a palavra indica, significa rabeca. Aparece de binte e oito em binte e oito dias e é um descanso durante cinco dias. 
Ranho - Com pouca bontade de ir ás Antas.
Ranhosa - Parceira que non gosta que o parceiro vá ás putas.
Rapidinha - Uma que se dá no intervalo de duas. 
Rebarba - Bontade de non fazer um c@r@lho. 
Rebison (ir á) - Mudar o óleo. No caso das chocas é ir ao médico ber se está tudo bem e tirar as folgas. 
Region demarcada - O mesmo que region da mocada mas delimitada por decreto. 
Reininho - Grande músico que uma noite apanhou uma farda tal que foi para GNR.
Roto - O mesmo que pandeiro. 


Sangue - Usa-se muito para os lados de Campanhã na expresson: “Punha-te a #ona em sangue”, que significa:”Adiantaba-te a menstruaçon se fosse médico, mas, como sou profissional de geston e rentabilizaçon de espaços para parquearnento de biaturas ligeiras, non posso fazer nada.!” 
Selo - Distintibo do proprietário das cuecas que, se non tiber mais de cinco dias, confere ao próprio o epíteto de asseado.
Sessenta e nobe - Opçon sexual para quebras de teson, espondilose e outras doenças da coluna, tal como a primeira. Pratica-se em lugar abrigado, pois os lençois costumam ir sempre com o c@r@lho, ficando a gente ao frio! A frequência da sua prática aumenta com a idade, habendo casos em que a parceira deixa a dentadura enquanto bai ás compras ao Bolhon. 


Tabuleta - Só se aplica no caso: “#odo-te a puta da tabuleta!” que significa: “Parto-te a lousa onde esta afixado o preço das batatas!”. 
Teson - Dá quando o Benfica perde e rebela-se pelo engrossamento das costelas da pica. 
Teson de mijo - Bestir o fato de treino, calçar as sapatilhas e ir correr para a cantareira . Só se faz uma bez. 
Testa - Baixo bentre. Costuma-se aplicar em frases romonticas, no jardim de Arca D’Água, do tipo: “Mandas uma testa que é um regalo! Pareces a minha tia!”. 
Tomates - Forma despudorada de dizer #olhões. 
Trambolho - Serbe muito bem quando non há melhor! 
Três sem tirar fora - É usar três bezes a mesma camisa de bénus para poupar dinheiro para a #oda. 
Tripar - Comer umas tripas debidamente regadas com binho. Tripeiro - Que passa a bida a tripar. 
Trobejar – Peidar de seguida, a bom rimbombar, sem interrupções e com sonoridade suficiente que non enbergonhe ninguém. 
Trombar - Fazer trombada. 
Trombada - O mesmo que cair de queixos.
Trombeiro - Tratador de elefantes. 
Trombil - Fotografia tipo passe, para o bilhete de identidade. 
Tubos (enfiar uns) – canalizar umas superboques, debidamente.
 Tusa - O mesmo que teson mas sem ereçon. Tem um carácter mais intencional e menos funcional. 

BOM FIM-DE-SEMANA!

52 comentários:

  1. Jay Y Lee (do grupo Samsung) preso?! Crazy people!!

    Amanhã, com mais tempo, leio este longo texto.

    Bom fim de semana, Pedro!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tudo uma questão de $$$$, Catarina.
      A Coreia está virada do avesso.

      Este texto é muito picante, mesmo com linguagem do Nuorte, Catarina.
      Bfds

      Eliminar
  2. A ler e reler esta ENCICLOPÉDIA MARAVILHOSA !
    Óptimo dia ESTE !
    OBRIGADO, Pedro Coimbra.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É munta informaçon, João Menéres :)))
      Aquele abraço, Bfds

      Eliminar
  3. Diverti-me bastante a ler este belo e muito bem elaborado Manual do Marcon.
    Um abraço e bom fim-de-semana.
    Andarilhar || Dedais de Francisco e Idalisa || Livros-Autografados

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Este é do Nuorte, Francisco :)))
      Aquele abraço, Bfds

      Eliminar
  4. Isto não é para ler, é para ir lendo, a meio comecei a rir e tive que parar.
    A língua portuguesa é de uma riqueza incomensurável :)

    Bom fim de semana

    Beijos Pedro

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tem munta informaçon para absorber, Manu :)))
      Beijos, Bfds

      Eliminar
  5. Pedro, não li o texto, confesso, é demasiado longo e não faz bem o meu género.

    Votos de excelente fim de semana para si e suas princesas, meu caro.

    Aquele abraço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Aquele abraço, Bfds, para si e as mais que tudo, Ricardo.

      Eliminar
  6. Mazé que saio daqui sempre cum sorriso nas bentas.
    Lêmbrei-me da minha nora do minho que "aquintrodia" - (como se diz por aqui na madeira) me dizia referindo-se ao tempo " hoje tá um Bentinho...."


    Ri-me claro
    Kis :=}

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Isto é de gente do Nuorte, AvoGi.
      Gente boa, sã, trabalhadora, com garra.
      Bjs

      Eliminar
  7. Li algumas coisas mas tenho de voltar.. Abécula utilizo bastante, tal como outras expressões que aqui se encontram! =)
    Beijinhos e bom fim de semana.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Essa é das mais inofensivas, Chic'Ana.
      Há aqui muitas bem mais picantes.
      Beijinhos, Bfds

      Eliminar
  8. Já conhecia, mas é sempre com redobrado prazer, acompanhado de gargalhadas, que leio este "dicionário"
    Obriagada por isso.
    Bom fim de semana
    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Para mim foi completa novidade, Célia.
      Isto é do Nuorte, carago!! :)))
      Abraço, Bfds

      Eliminar
  9. Caramba que grande dicionário da Língua Romantica Portuense Ediçon rebista e aumentada :D

    Há realmente expressões que não lembra ao diabo :))

    Pedro, um beijinho e bom fim de semana




    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Isto só mesmo na zona da Circumbalaçom, Fernanda :))))
      Beijinhos, bfds

      Eliminar
  10. Isto é 'bué da fixe', Pedro!!! :)))
    Bom fim de semana, um abraço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. António,
      Bué da fixe é coisa de mouro, carago!
      Na Inbicta bai-se logo para aquelas coisa terminadas em alho e -se!!! :)))
      Aquele abraço, Bfds

      Eliminar
  11. Caro Amigo Pedro Coimbra.
    Este é um dos encantos da nossa amada língua portuguesa: as variações linguísticas.
    A lambisgoia da Agrado, aquela mexeriqueira mor que tudo sabe e tudo vê, disse:
    - "orra meu" este texto é "mó legal", "da hora", "porreta", "joia", "um arraso" e acrescento: supimpa!
    Bom final de semana.
    Caloroso abraço. Saudações variantes.
    Até breve...
    João Paulo de Oliveira
    Um ser vivente em busca do bem viver, sem véus, sem ranços, com muita imaginação, autenticidade e gozo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Algum do vernáculo típico da zona Norte de Portugal, particularmente a zona do Grande Porto, Amigo João Paulo de Oliveira :))
      Aquele abraço, Bfds

      Eliminar
  12. Aos poucos irei lendo e gargalhando, com toda a certeza.

    A língua portuguesa é de uma riqueza - no Norte de uma maneira, no Centro de outra e no Sul ainda outra.

    Bom fim de semana, Pedro!
    Beijinhos a todos aí por casa.

    Gostei de:
    Badalhoca - A que toma banho todos os dias. As outras son piores.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não esquecer as Ilhas, papoila.
      Que também têm particularidades únicas.
      Beijinhos, Bfds

      Eliminar
  13. Leitura para todo o fim de semana , ainda vou no b e já tenho que me afastar :)))
    Muito giro.
    Bom fim de semana

    ResponderEliminar
  14. Já me tinham mandado este "dicionário" mas penso que não era tão grande. tenho um amigo portuense, que publicou um livro de contos, escrito à moda do Porto e de vez em quando tinha que ir às ultimas páginas onde estava uma espécie de mini dicionário da palavras usadas para entender.
    Este é altamente erótico(?)
    Um abraço e bom fim-de-semana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não será bem tanto erótico quanto vernacular, Elvira Carvalho :)))
      Um abraço, Bfds

      Eliminar
  15. Cum caraaaago!!! Este bucabulário tem práqui palabras que bou ter que ber bem o que balem, Pedro! :))
    Quando eu conseguir ber, cagora tou com a cara cheia de lágrimas de tanto rir...
    Veijinho e vom fim de semana...:))

    ResponderEliminar
  16. Fiquei sabendo umas coisas, carago :)

    Bom fim de semana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Há aqui muito para aprender (?????), São :)))
      Bfds

      Eliminar
  17. Estou a ler a prestações. Estou a gostar.
    Bom FdS, Pedro Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Carlos,
      Um dicionário num se bê todo duma vez, camandro!!! :))
      Aquele abraço, Bfds

      Eliminar
  18. Bibó Puorto carago...!
    No próximo acordo ortográfico o "v" desaparece por falta de uso. Quase todo o norte do país bota a fabôr...
    Bom fim de semana, amigo Pedro.
    Abraço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E eu tamem boto o meu boto a fabor, Jaime Portela.
      Òs nom, carago!! :)))
      Aquele abraço, Bfds

      Eliminar
  19. Ora tom a ber como o Puorto é uma Naçon ?... Até tem manual de bocabulário proprio e tudo ! :))

    Eu sou murcon e cum munto orgulho ! :)))

    Abraço do Puorto, carago ! ... Carago não :( ..., carago ! :(

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O Rui agora fez-me lembrar o boneco do Fernando Gomes.
      Que era um mimo!! :)))
      Aquele abraço e Bibó Puorto, carago!!

      Eliminar
  20. Elisabete deixou um novo comentário na sua mensagem "Manual do Morcon (ediçon rebista) XXX":

    Um autêntico dicionário do Norte! Já me diverti hoje de manhã.
    Bom fim de semana por Macau.

    Publicar
    Eliminar
    Marcar como spam

    Moderar comentários neste blogue.

    Publicada por Elisabete em Devaneios a Oriente a 18 de fevereiro de 2017 Ã s 19:38
    ÷‡›ÙÍ=ק o×ZÙ­9ãÇ ï¶Ú
    ‰íz{SÊ—­{ †Ù¥r «±ëTL_ ¢{^žÔëj{ z±'r‡bž
    ®¢×¦¸§µ¦åz f– švØ­•ïíŠÙ^þ šuº ɨkyýÆÛi³ÿðÃ å¢ ­Ê&þšè~)^ÿ]æå‰Æjš+ X¬i·­y隆·ŸÜ8m¶Ÿÿuëڝ許ª+‰éíy¹h‚ÊhµÊ&ü7¯jw¢¢ÆŽ®'§µïÚk_ y÷¯z·¢®‡^ÛM{j
    Ú½ë5÷?~‰íýº Ëømš_xy½œÓÝzqæýu­šÓž<qÎûm

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Hoje foi a vez do comentário da Elisabete ficar assim.
      E eu continuo sem saber porquê.
      Peço desculpa sem ter culpa nenhuma.
      Bfds

      Eliminar
  21. Uau!!!
    Quanta coisa interessante e tão diferente do "nosso" português, que veio de Portugal, mas se rendeu aos tupiniquins e a brasilidade com o tempo...
    Bom fim de semana!!!

    Bia
    www.biaviagemambiental.blogspot.com

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Bia,
      Esta é uma versão bem humorada de um vernáculo muito típico da zona Norte de Portugal, sobretudo da zona do Grande Porto.
      Bfds

      Eliminar
  22. Tanta coisa! Disponibilizar assim, gratuitamente, um dicionário destes, faz deste blogue um verdadeiro prestador de serviço público. :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Um serbiço publico de colidade e de borla, luisa, cum camandro! :)))

      Eliminar
  23. Já conhecia e imprimi-o quando mo enviaram pela primeira vez. É do melhor que há !!! :)))

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Um manual tão completo é para guardar, Ricardo :))

      Eliminar
  24. Há línguas muito traiçoeiras :)

    Um beijinho, Pedro, e uma boa semana!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E vernáculo regional ainda mais traiçoeiro, Miss Smile :))
      Beijinhos, boa semana

      Eliminar
  25. Ó cum carago, tanto palabreado!..... Biba o Puorto!!!!!

    :)))

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ó num fosse isto um manual, cum camandro!! :))))

      Eliminar
  26. :))) algumas estão muito boas, outras está-me cá a parecer que o tradutor a meio da tradução foi é beber um Catraio :)

    ResponderEliminar