7 de fevereiro de 2017

Ainda Donald Trump


Como já aqui referi várias vezes não gosto nem um bocadinho de Donald Trump.
Da pessoa, dos seus ideais, das suas políticas, da sua postura arrogante, do seu narcisismo, do seu desrespeito pelo outro (raça, credo, sexo).
E também já confessei que tenho muito medo do que poderá resultar da sua acção enquanto Presidente dos Estados Unidos da América.
Dito isto, repetido e sublinhado, não posso deixar de reconhecer alguns aspectos que são demasiado evidentes.
Desde logo o facto de Donald Trump não ter tomado o poder à força, de ser um líder político legítima e democraticamente eleito pelo povo americano.
E de ter sido eleito precisamente com base numa plataforma de ideias que está agora a executar.
Combata-se Donald Trump e tudo o que ele representa, combata-se a sua profunda ignorância, a sua extrema má educação, a sua boçalidade.
Mas não se critique Donald Trump por estar a fazer precisamente o que prometeu que ia fazer.
Donald Trump disse claramente ao que vinha.
E foi eleito com base nesse seu programa, um programa que devia ser assustador mas que, em vez de assustar, seduziu milhões de votantes.
Estamos zangados?
Temos todos o direito de estar zangados e apreensivos.
Mas teremos que dirigir essa nossa raiva para aqueles que votaram em Trump, para aqueles que não perceberam que Hillary Clinton não era a candidata ideal para bater Trump (uma figura política que já cansava contra uma figura que se apresentava como o seu oposto, alguém fora do mundo da política), para aqueles que pura e simplesmente não  votaram porque pensaram que as sondagens não mentem e a derrota de Trump era um dado adquirido.

72 comentários:

  1. Os americanos não vão chegar a lado nenhum ao ficarem zangados com todos esses milhões que votaram nesta figura patética, irreverente, de uma imaturidade dolorosamente incompreensível para um homem de 70 anos com uma experiência de vida fora dos parâmetros da decência. Devem, sim, fazer tudo para evitar uma governação totalitária e, se conseguiram conciliar a coisa, deixá-lo afundar-se pelas suas próprias mãos/boca/aberrações.

    Ele não vai acabar o seu mandato. Mark my words.

    Tem visto o SNL? Melissa McCarthy a imitar Sean Spicer... fenomenal!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A América está dividida talvez como nunca antes, Catarina.
      Não gosto nada de Trump, nem de nada do que ele reprersenta.
      Mas reconheço que não está a enganar ninguém.
      Ao contrário da maioria dos políticos está a fazer precisamente o que prometeu em campanha.

      Tenho seguido Melissa McCarthy a imitar aquela coisa inenarrável que é Sean Spicer.
      E tem sido de facto hilariante! :)))

      Eliminar
  2. Olá Pedro, vim conhecer seu blog, achei bem interessante. Gostei do que li, realmente o homem é mesmo de uma arrogância ímpar, será que ele vai conseguir levar à frente todos os propósitos?

    Vou seguir seu belo blog.

    Tenha um ótimo dia.
    Abraços

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá alegriadeviver (o nome do blogue agrada-me. Gosto de gente que gosto da vida),
      Não acredito que Trump consiga impor todas as suas vontades.
      O sistema de checks and balances americano, a força da rua, do povo, de alguns media e de outros Estados que está claramente a hostilizar e a pôr em alerta irão fazer com que recue em muitos dos seus intentos.
      Mas estes primeiros dias já deram para perceber que vai tentar realmente fazer aquilo que disse que iria fazer.
      Vêm aí tempos muito agitados.
      Essa é a única certeza que podemos ter.

      Agora vou visitar o seu blogue.

      Tenha um óptimo dia.
      Abraços

      Eliminar
  3. Também não gosto dele pelas mesmas razões que enumerou. Triste, que o único politico que quer cumprir o que prometeu, seja aquele que prometeu absurdos. E mais triste ainda que o povo o tenha eleito. A única esperança, é que ele não acabe o mandato. Num país onde toda a gente desde criança anda armado, tudo pode acontecer.
    Um abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Já vimos que nos Estados Unidos da América tudo pode acontecer, Elvira Carvalho.
      Mas não vou acreditar que Trump não cabe o mandato.
      Prefiro que seja controlado, nas frentes interna e externa, porque é realmente um tipo perigoso.
      Um abraço

      Eliminar
  4. Quanto a mim o grande erro destas eleições foi terem afastado o Bernie Sanders se não o têm afastado hoje possivelmente tudo seria bem diferente.
    Um abraço e boa semana.
    Andarilhar || Dedais de Francisco e Idalisa || Livros-Autografados

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nunca saberemos a resposta, Francisco.
      O que se pode afirmar com um grande grau de certeza é que os americanos nunca gostaram muito de Hillary Clinton e já estavam cansados de ver as mesmas caras na política há muitos anos.
      Donald Trump também é muito isso - uma cara nova, vinda de fora do círculo tradicional de políticos.
      Aquele abraço

      Eliminar
  5. No fundo é lutar através da paz! =)
    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Combatê-lo com inteligência e com eficácia mostrando e pondo em prática os valores que Trump agora coloca em causa.
      Como tão bem o está a fazer o Parlamento inglês ao recusar receber Trump, muito menos deixá-lo discursar naquele local de liberdade, tolerância e respeito pela diversidade.
      Beijinhos

      Eliminar
  6. Subscrevo integralmente, frase a frase, tudo o que escreveu, Pedro !
    Onde estavam, na altura da votação, os americanos que agora o criticam ?...
    A minha esperança reside no Congresso (Câmera dos Representantes e Senado) não deixar passar algumas das pretensões mais polémicas de Trump.

    Abraço :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Trump terá muitos obstáculos para ultrapassar se quiser concretizar o que prometeu, Rui.
      Já estamos a ver isso e a ver o sistema de checks and balances americano a funcionar.
      Mas haverá muito mais a nível interno e externo.
      Agora que vai tentar fazer o que prometeu não tenhamos dúvidas que vai.
      Aquele abraço

      Eliminar
  7. Precisamente a mesma frase que disse a minha há filha. Ele está a seguir o prometido. Mas penso que o colégio que o elegeu já deve ter posto as mãos aà cabeça. Pelo sim pelo não vai chegar a eles que o elegeram.
    Kis:=}

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não tenho essa certeza, AvoGi.
      Ele falou a uma América rural, bruta, cheia de medos e complexos.
      Que votou nele e se revê naquilo que ele prometeu e está efectivamente a procurar fazer.
      Bjs

      Eliminar
  8. Concordo em absoluto!!!
    Fala-se muito dos descontentes mas esquecem-se que os contentes existem e foram eles que o elegeram.
    Bjs

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Foram eles que o elegeram e estão contentes com a escolha que fizeram, papoila.
      Não podemos invocar o jogo democrático e a vontade popular só quando nos dá jeito.
      É a vida...
      Bjs

      Eliminar
  9. Pelo um lado, é uma forte pancada na cabeça dos abstencionistas.
    Por outro lado, é a prova que a educação anda de rastos nos ''states'', formando gente machista e boçal que elegeu este cromo perigoso.
    Mais de metade dos americanos anda inconsolável e acorda a pensar qual será o disparate do dia...
    Beijinhos.
    ~~~~

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mais de metade anda inconsolável, Majo.
      Os outros foram os que o elegeram e que estão todos contentes com as ideias que ele defende.
      Americanices que são complicadas de entender.
      Beijinhos

      Eliminar
  10. Olá Pedro,
    Congratulo-me com a sua análise equilibrada sobre o factor Trump, sem se deixar influenciar pela campanha dos adeptos do radicalismo renascido, que não os diferencia, em nada, das posições que pretendem criticar.
    Como tinha referido numa publicação anterior à eleição do novo Presidente dos EUA, e que mantenho, não tinha qualquer tipo de simpatia por nenhum dos dois candidatos que tinham sido nomeados, pelos partidos que representavam o sistema bipartidário nos Estados Unidos, às eleições presidenciais dos Estados Unidos.
    Tenho-me abstido de comentar a maior parte das publicações que referem negativamente a actuação de Donald Trump, após a sua tomada de posse, devido à grande dose de hipocrisia que lhes está subjacente.
    Abro aqui uma excepção, para subscrever a sua posição, apesar de discordar de um ponto que passo a enunciar.
    Recentemente foram feitas duas sondagens, nos EUA, uma da Reuters e outra da Rasmussen, ambas consideradas instituições idóneas neste domínio, que avaliam as medidas implementadas pelo Presidente, nomeadamente a suspensão temporária de proibição de entradas de cidadãos de sete países. O resultado foi o seguinte: Reuters (49% dos cidadãos apoiam, 40% estão contra); Rasmussen (57% a favor, 33% contra).
    Ora bem, o que se pode inferir destes resultados? Que existe uma maioria silenciosa que legitima a eleição e actuação do Presidente (aparentemente) mais detestado do Mundo.
    E estou em crer que se fosse realizada uma auscultação de âmbito Europeu (para além do Brexit), provavelmente obteriam também alguns resultados suspreendentes.
    Algo que também se pode deduzir, através destes resultados, e aqui o ponto em que discordo da sua análise (e também da minha anterior), é o facto de Donald Trump ter podido ganhar a eleição, eventualmente, contra qualquer candidato, e não pelo facto de a candidata Hillary Clinton não ter conseguido atingir grandes níveis de empatia com os eleitores.
    Para além disso, considero que a maior parte dos cidadãos que criticam o presidente Trump, para além dos seus legítimos opositores, o fazem por via do tom agressivo e rude da sua apresentação, e não tanto pelas suas políticas, que, em abono da verdade, não têm muito de inovador. Só com uma diferença. Ele está a cumprir o que prometeu.
    Um abraço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nunca saberemos se Trump sairia vencedor contra qualquer outro candidato, Rui Marcelo.
      Nem vale a pena agora pensar muito nisso.
      Ele foi eleito e é apoiado por muita gente dentro e fora da América.
      Aliás, e será tema para hoje, Trump faz parte de um movimento que se alastra mundialmente - protecção de fronteiras, paranóia securitária, nacionalismo, medo do outro.
      Goste-se ou não Trump foi eleito e está a cumprir aquilo que prometeu.
      É o jogo da democracia com regras que são diferentes de país para país.
      Nos Estados Unidos não funciona directamente o voto popular, prevalece o número de delegados eleitos.
      E essas foram as regras do jogo que deram a vitória a Trump.
      Por muito que se não se goste.
      E eu assumo que não gosto nada.
      Um abraço

      Eliminar
    2. O objectivo não era especular se o Trump teria ganho contra qualquer outro candidato, Pedro.
      Um mero exercício de raciocínio lógico, tendo em consideração os índices de aprovação que referi.
      Convenhamos que, comparativamente, 49% ou 57% são valores superiores aos que foram apresentados à data da eleição, se tivermos em consideração que, e a acreditar nas sondagens apresentadas pela comunicação social, Trump registou os níveis de aprovação mais baixos durante os primeiros dias no cargo em relação aos últimos dez presidentes eleitos para a Casa Branca.
      A bota não bate com a perdigota!

      Eliminar
    3. Eu percebo, Rui Marcelo.
      Dá vontade de perguntar - se ele tem tamanha desaprovação quem raio votou no homem??!!
      E foram muitos, disso não há dúvidas.

      Eliminar
  11. Pedro, começam a faltar adjectivos para caracterizar este senhor.

    Aquele abraço e votos de excelente semana para si e suas princesas.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mas temos que reconhecer que o cretino está a fazer aquilo que disse que ia fazer, Ricardo.
      Não é nada bom, mas essa é a realidade.
      Aquele abraço, boa semana para si e as suas mais que tudo.

      Eliminar
  12. Acho que ainda não nos demos bem conta ( isto é não queremos acreditar) desta nova realidade. E o que mais me assusta é o que aí vem ( ou pode vir). Em França, por exemplo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O tema hoje será precisamente França e que se poderá seguir, luisa.

      Eliminar
  13. Também me assusta. Também não gosto dele.
    Mas sei que o povo é que o elegeu, apesar
    de Hillary ter tido mais votos.
    Que não tem preparação para o lugar,já
    se vai vendo, veremos a evolução.
    Abraço, amigo.
    Irene Alves

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Esse é ponto fundamental, Irene Alves.
      Ele foi eleito com as regras do jogo do sistema americano.
      Por muito trágica que seja, essa é a realidade.
      Um abraço

      Eliminar
  14. Nunca gostei dele desde que apareciam notícias sobre o seu mundo e a forma como se afundou e renasceu das cinzas empresarial. Nesta campanha foi bem pior a roçar o "sem adjectivo" e hoje mal começa a falar mudo de canal.

    Se fosse pelo número de votos ele jamais ganharia. As eleições são um quebra cabeça para mim, mas o certo é que é mais um maluco a governar e tem sido semanas de loucos, mas acho que a maior parte do que pretende implementar serão barradas.

    Olhando para muitos países em que os povos estão fartos/cansados/desmotivados etc. etc. com os políticos que esta eleição como outras é um cartão vermelho mas...ó Pedro há tantos "mas" a maioria de quem vota nem sabe o e ou como o fazer.

    Beijocas

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A regra do jogo nos Estados Unidos não é voto popular directo mas o número de delegados eleitos, Fatyly.
      Contra todas as previsões, Trump conseguiu ganhar os Estados que mais delegados elegem.
      E assim foi eleito Presidente.
      Goste-se ou não foi uma eleição perfeitamente legítima.
      Beijocas

      Eliminar
  15. Como escreveu a Elvira:
    Triste, que o único politico que quer cumprir o que prometeu, seja aquele que prometeu absurdos...
    Pedro, é que já estamos habituados a ver políticos a não cumprirem as suas promessas eleitorais
    será que muita gente vota pelo seu contrário ?!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muita gente votou em Trump exactamente por ele ser alguém vindo de fora do mundo da política, Angela.
      Esse parece ser já um dado adquirido.
      E a fazer reflectir.

      Eliminar
  16. Pedro, nem o melhor argumentista conseguiria ter imaginação para fazer um filme com um personagem como Trump. Ele parece ter saído do próprio inferno.
    Estou muito preocupada com as repercussões pelo mundo da sua governação.

    Um beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Como hoje comentava com alguém noutra plataforma, o que assusta é que um espirro dos Estados Unidos constipa muita gente, Fê.
      Beijinhos

      Eliminar
  17. O mal da eleição de Trump foi não ter havido um opositor em condições. Hillary não me parece que alguma conseguisse vencer. Por várias razões, incluindo os EUA não estarem preparados para ter uma mulher no poder.
    De resto, assino, convictamente, por baixo desta sua análise tão oportuna, coerente e realista, Pedro.
    Esperemos para ver o que virá a seguir...

    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Hillary não foi capaz de mobilizar o eleitorado, Janita.
      Pelo contrário, personificou aquilo que muita gente já abomina - a eternização das mesmas figuras na política um pouco por todo o lado.
      Com isso a eleição de Trump, alguém que vinha de fora do mundo político e fez questão de o afirmar, ficou facilitada.
      Beijinhos

      Eliminar
  18. Hoje também abordo este tema lá no CR, Pedro. Embora por caminhos diferentes, chegámos à mesma conclusão.

    ResponderEliminar
  19. É assustador este homem, mas enfim, na América nada me surpreende.

    Beijinho Pedro

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Os americanos são únicos em muita coisa, Adélia.
      Já estamos habituados a isso.
      Beijinhos

      Eliminar
  20. Estou a ver que os xuxas, comunas, neo-comunas e bem pensantes do costume, andam todos por aqui a comentar.

    Se lessem coisas sérias não diriam tanta asneira junta:

    http://www.unz.com/ishamir/the-futile-efforts-of-donald-trump/

    Continuem todos a ver o lixo emitido pela CNN que esse é que o caminho da sabedoria.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Você tem um respeito admirável pelas outras pessoas, que nem conhece!!, e pelas ideias dos outros, João José Horta Nobre.
      E ainda por cima só escreve disparates.
      Identifique lá os "xuxas, comunas, neo-comunas e bem pensantes do costume".
      Valha-nos uma luminária como você para nos dizer o que pensar e o que ler.
      Não há traseiro que aguente!!

      Eliminar
  21. Eu também não gosto dele, é desprezível.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não gostar dele é uma coisa, Olivia.
      Outra é ter que reconhecer que foi eleito legitimamente e que está a cumprir a plataforma eleitoral com que se apresentou a sufrágio.
      Por mais horrível que seja.

      Eliminar
  22. É assustador e até Obama está a ficar preocupado.
    Eu ainda pensei que o que ele dizia na campanha eram baboseiras, mas estou pasma, porque ele está mesmo a fazer o que prometeu.

    Beijos Pedro

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não, Manu, não eram baboseiras.
      Aquilo era o que Trump pensava e é o que os seus apoiantes querem dele.
      E ele está mesmo a fazer.
      Beijos

      Eliminar
  23. Claro!
    Agora é esperar para ver os efeitos que as suas promessas eleitorais - ao serem realizadas - vão surtir.

    Tomara que todos os que recearam pudessem, no final, dizer: "Estava enganado".

    Os EUA já tiveram os Bush... para mim uma vergonha, pelo menos o filho. Nem sei se o Trump é pior que isso!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Bush era burro, Portuguesinha.
      Mas não era mau, intrinsecamente mau.
      Este é burro, convencido e mau, muito mau.
      Tudo junto é um cocktail terrível.

      Eliminar
  24. Afinal e interessante ver como o pensamento da multidao quake sempre bate certo. Quase.
    Entre o Marcelo e o CAPITAO do barco estamos quase la.
    Sr. COimbra irei acressentar OS seguintes factores na equacao:
    O presidente 44, o Sr. Doutor do Yale, George W. Bush. Foi augmento pelo pelo Sr. CArl Rowe, PHD em historia Americana, Texas A and M. Especialista imagem e eleicoes. O motivo principal , ditto por ele, OS insults da imprecations e vingaca contra o Sadam Hussein por ter ate taco assassinar o pai , FALHADA felismente de quando da sua visita ao Kweite depois da liberacao, Gulf 1.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Augie Cardoso, Plymouth, Conn.,
      Bill Maher, grande oponente de George W. Bush, satirizava brilhantemente esse episódio num dos seus shows.

      Eliminar
  25. Em 1776 em Philadelphia na covencao costtucional o Ben Franklin feio a rua e preguntaranhe, que que governo fabricaram ? Ele respondeu, " a republic madam if you can keep it". We always keep it.
    O Trump venceu todos OS candidatos republicanos que eram dos melhores dos ultimos tempos, so o Cruz verdadeiramente lhe deu combate. E contra a Hillary venceu em 33 estados e tambem , a rasca, as duas casas do Congresso. Mas le lembrem se que todo o poder e local.distrito a distrito da casa cada dois anos. Talvez isso fizesse bem a Portugal!.
    A razao principal do electoral college desde a guerra civil e installar o factor geografico e regional.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não discuto o sistema eleitoral americano, Augie Cardoso.
      Essas são as regras do jogo e são iguais para todos.
      E foi com essas que Trump ganhou.
      É um facto, goste-se ou não.

      Eliminar
  26. Ja agora, como eu votei Trump e temos guerra civil em casa, vou lhes contar as minhas razoes principais : Hillary loser, Clinton ja cheira mal, quis ser Obama 3.
    Obama quiz tirar armas ao povo individual, quis ser mais comunista no 2 termo, quanto a migrantes ilegais, transformou politica de " catch and return" em "catch and release" . Libya e Siria um desastre.
    Foi exactamente OS temas que OS tecnicos Bannan e Conway e o bazofias Donald usaram para ganhar elect. President.
    Mas tambem apresentou o sonho em que o povo sempre vota. Interno:
    Cortar taxes, cortar regras, cortar deficit, aumentar militar.
    Externo:
    Korea e Persia, poi te a pau e Cala o bico. Russia bom camarada. China , deixa o mar, o Japan, o Taiwan, Hongkong e Macau em paz. Cortar trade deficit.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Agradeço-lhe ser tão franco e tão directo neste seu comentário, Augie Cardoso.
      Repito que, pessoalmente, não gosto nada de Trump.
      Mas respeito quem nele votou e os resultados eleitorais.
      É esse o jogo democrático.
      Mais, e repetindo o que já escrevi, Trump disse ao que vinha, não enganou ninguém.
      Goste-se dele ou não esse facto tem que ser reconhecido.

      Eliminar
  27. Sr Coimbra, boa analise, parabems.
    Este J. Nobre e mesmo uma praga. Boa semana.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. De vez em quando aparecem assim umas luminárias destas, Augie Cardoso.
      Não elimino comentários.
      Só se forem insultuosos, especialmente para outros comentadores, ou mal educados, boçais.
      Com todas as nossas divergências, que são MUITAS, o João José Horta Nobre nunca entrou por esses caminhos.
      Enquanto assim for não só não lhe elimino os comentários como faço questão de lhes responder.
      Boa semana

      Eliminar
    2. Postei um simples comentário e só por isso sou rotulado de "praga". Francamente!

      Ou será que o Augie Cardoso vê como praga qualquer um que discorde dele?... a mim parece-me que é mais isso...

      P.S. - Cheira-me a personagem fictícia este tal "Augie Cardoso" que agora apareceu por aqui. Um nick criado em Novembro de 2016, um português mal escrito e abrasileirado. Hum... onde será que eu já vi isto?...

      Cá para mim este "Augie Cardoso" é mas é um certo troll nazi que costumava aparecer lá pelo meu blog com o nick de "Renato Santon" e que anda pela net a inventar mentiras sobre mim e a tentar virar bloggers contra a minha pessoa, apenas porque eu o bani do meu espaço devido ao seu péssimo comportamento.

      Ocasionalmente esse Renato Santon inventa um novo nick, portanto, não me admirava nada que este tal "Augie Cardoso" fosse o tal Renato Santon nazi. Os indícios deixados por ele, pelo menos isso bate certo e tudo aponta que sim, que se trata efectivamente da mesma triste personagem...

      Eliminar
    3. Este nazi do Renato Santon está mesmo a precisar de um valente "doxxing", caro JJHN! Geralmente sou contra revelar a veradeira identidade das pessoas, mas quem fomenta conflitos de forma reiterada como ele, merece!

      Eliminar
    4. João José Horta Nobre e Afonso de Portugal,
      Esse personagem nunca por aqui apareceu. Não sei realmente de quem se trata.

      Eliminar
    5. Sucintamente, vou explicar ao Pedro Coimbra quem é o Reanto Santon. Ora bem, basicamente trata-se de um troll Nazi e super anti-semita que anda pela internet a difamar e a inventar histórias doidas sobre nacionalistas, especialmente os anti-nazis como eu e o Afonso. O objectivo dele é apenas o de criar confusão, nada mais. De resto, ele não representa qualquer ameaça.

      Eliminar
    6. Nunca por aqui apareceu, João José Horta Nobre.

      Eliminar
  28. A minha raiva vai para aqueles que não apoiaram o Bernie. Sanders, como por exemplo, o Baracka Obama.

    Os americanos despediram-se da familia Clinton e fizeram muito bem.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O reinado Clinton durou muitos anos, Teresa.
      Chegou ao fim com a derrota de Hillary.
      Que ficava a anos-luz do marido, convenhamos.

      Eliminar
  29. Sr.Nobre, "Praga" realmente e exagero, deveria dizer "disrupter" e isso acho bem nas trocas de ideias. O meu estudo de portugues foi pouco. E meu IPad teima em trocar as palavras.
    Ja li o seu blog, interessante e irrealista. Sobre o Stev Bannon acho que e um grande tecnico de psicologia aplicada e eleicoes, realidade alternativa, aquem o D.Trump deve a presidencia.
    E sim eu vivo em Connecticut . Quanto ao resto nao sei nada.

    ResponderEliminar
  30. Escreve-se ou fala-se de "Donald Trump"
    e todo o mundo reage logo.
    Aqui os comentários já chegam a 60

    Mas eu pouco ou nada tenho a dizer
    porque já assumi várias vezes que não sei discutir política.

    Uma coisa sei:
    - tenho muito medo do que poderá resultar da sua acção enquanto Presidente dos Estados Unidos da América.

    Não sei como é que certas pessoas ainda agora dizem...
    que...
    pensavam que o que ele dizia na campanha era uma brincadeira
    para não levar a sério....
    Meu Deus, não se brinca com coisas sérias
    era uma eleição a sério
    ....
    Lógico que ele está mesmo a fazer o que tanto disse... nas campanhas.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Trump estava a dizer muito claramente aquilo a que vinha, tulipa.
      Quem pensou que não, quem pensou que o exercício do poder o faria mudar de rumo é que foi ingénuo.

      Eliminar
  31. Gosto muito de vir a este seu blogue, Dr. Pedro Coimbra! Raramente comento aqui, por manifesta falta de tempo, mas deixe-me dizer-lhe que o seu blogue me tem proporcionado muitas gargalhadas ao longo dos anos!

    Desde logo, pelas várias anedotas que o Dr. Pedro Coimbra partilha aqui quase todas as semanas, mas não só: desde que o Presidente Trump se candidatou, também posso rir-me com as várias centenas de comentários que foram sendo aqui deixados pelos seus leitores "bem-pensantes" contra o magnata que prometeu voltar a fazer da América grande! :)

    Viva Donald Trump! Morte ao globalismo!!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Afonso De Portugal,
      Este é um espaço aberto a todos.
      Não se admite má educação, boçalidade, insultos (sobretudo dirigidos a quem comenta).
      E é um espaço que se quer simples, bem disposto, informal.
      Por favor esqueça o Dr que é algo que nunca fiz questão e que faz cada vez menos sentido.
      Sobretudo num espaço tão informal quanto este.

      Como sabe, e eu não escondo, não gosto de Donald Trump.
      Respeito quem gosta e rendo-me à evidência que é ele o Presidente dos Estados Unidos, aquele que os americanos livremente escolheram.

      Eliminar
    2. «também posso rir-me com as várias centenas de comentários que foram sendo aqui deixados pelos seus leitores "bem-pensantes" contra o magnata que prometeu voltar a fazer da América grande! :)»

      Caro Afonso, é preciso ter em conta que esta gente não tem a mínima noção daquilo de que está a falar. A maioria dos críticos de Trump, limitam-se a repetir as baboseiras que ouvem na CNN, RTP, TVI, SIC, etc... depois é o que se vê.

      É óbvio que essas cadeias de televisão, precisamnte por serem controladas pelo "sistema", vão sempre lutar contra qualquer ameaça que surja contra esse mesmo "sistema".

      Um familiar meu era totalmente anti-Trump e pró-Hillary até que foi passar duas semanas aos Estados Unidos no início de Novembro, durante a altura das eleições e veio de lá completamente alterada a sua opinião sobre Trump. Agora essa mesma pessoa que tanto odiava Trump, disse-me ainda há dias que "Trump é o melhor Presidente que os Estados Unidos já tiveram"!

      As elites "bem pensantes" ainda não entenderam que nós estamos fartos de ser gozados na nossa própria terra por estrangeiros e martirizados com anos, após anos, de crise económica sem fim à vista, desemprego, austeridade e baixos salários.

      Já chega. Estamos fartos disto tudo. Pessoalmente, eu só quero é ver a actual classe política toda varrida do poder e devidamente julgada pelos seus crimes. Ganhei ódio a tudo o que cheire a cosmopolitismo e confesso-o abertamente sem problemas.

      Eliminar