6 de dezembro de 2016

OS PORTUGUESES, UM POVO FELIZ


Segundo um estudo do Prof. José Colmeia vindo recentemente a público, os portugueses já podem ser felizes porque têm quem trate, por eles, das suas coisas e, por isso, não têm de se preocupar ou incomodar com elas, nem têm de dizer mal de si próprios por aquilo que fariam com elas. 
Os portugueses podem agora apreciar e gozar “il dolce far niente” pois, de facto:

Da sua banca tratam os espanhóis; 
Da sua electricidade tratam os chineses;
Dos seus combustíveis tratam os angolanos; 
Da sua TAP tratam os brasileiros;
Dos seus aeroportos e espaço aéreo tratam os franceses; 
Do seu correio tratam os ingleses, franceses, alemães e noruegueses;
Das suas comunicações tratam os angolanos e os franceses; 
Da sua moeda trata o Banco Central Europeu; 
Da sua economia trata o Euro-grupo; 
Do seu governo trata a Comissão da União Europeia. 

O estudo mostra também que os portugueses estão muito felizes por terem tantos amigos estrangeiros a tratar das suas coisas e que nunca irão perdoar ao PM António não ter deixado:

Os mexicanos tratar do Metro de Lisboa e da Carris;
Os franceses tratar do Metro do Porto; 
Os espanhóis tratar dos Transportes Colectivos do Porto. 

Porque tal significaria mais descanso e maior tranquilidade que os portugueses teriam quanto ao tratamento das suas coisas. Foi um acto imperdoável não os deixarem tratar dessas nossas coisas, aliviando-nos desse incómodo.
O estudo do Prof. Colmeia assinala ainda que os poucos portugueses que ainda tratam das poucas coisas portuguesas que restam para eles tratarem fazem um esforço para se parecerem com os amigos estrangeiros e, para isso, têm vindo a fixar residência fiscal na Holanda.

30 comentários:

  1. Nem mais! : )

    Uma postura social/emocional/ etc. etc. a condizer com a natureza portuguesa! : ))

    Estou a brincar. Os portugueses sao pessoas muito trabalhadoras!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Saber rir de nós próprios é do mais saudável possível, Catarina :)))

      Eliminar
  2. Nós portugueses somos assim uns mão largas e gostamos de receber bem os nossos amigos e que se sintam bem na nossa casa e ás vezes até damos a casa hehe.
    Um abraço e boa semana.
    Andarilhar

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Receber bem é uma qualidade, Francisco.
      Mas também nem tanto, não é?? :)))
      Aquele abraço

      Eliminar
  3. No mínimo, somos um povo "estranho", Pedro...
    Quando à maldade «(...)os poucos portugueses que ainda tratam das poucas coisas portuguesas que restam para eles tratarem», não comento. ;)
    Aquele abraço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Comente, Ricardo, comente.
      Nós portugueses até somos uns gajos porreiros.
      Aquele abraço

      Eliminar
  4. "A gente via continuar, a gente não vai parar", assim diz a canção e olhe k já não estamos mto longe de bater no fundo.
    Ah, esta não é a minha amada e ditosa Pátria, Pedro!

    Beijos e boa semana.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Foi com esses dizeres que Mutti pôs o teatro a cantar de pé o que era obviamente um grito de revolta contra Berlusconni, CÉU.
      O mia patria si bela e perduta
      Beijos, boa semana

      Eliminar
  5. Ora aqui está um tema importante e interessante, Pedro.
    Temo que um dia acordemos e apenas ouçamos falar estrangeiro.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Isso já não acontece frequentemente, António??

      Eliminar
  6. Isto é suposto ter graça, mas pessoalmente nãoacheinenhuma - omeu sentidode humor anda pelas ruas da amargura.

    Talvez por me lembrar uma frase do Salazar, que dizia maisou menos que os portugueses escusavam de se preocupar coma política, que para isso estava lá ele... :P

    Beijocas

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Esqueça lá o Salazar, Teté.
      E leve as coisas a sorrir.
      Rir de nós próprios é saudável.
      Beijocas

      Eliminar
  7. Será isso a "inclusão" ???? ahahah
    Divertido..bjs

    ResponderEliminar
  8. Olhe Pedro, que isso de "tratar das coisas" só quer dizer fazer relatórios de trabalhos concluídos e de fecho de contas,
    porque o trabalhinho e o puxar da carroça, são os portugueses e alguns emigrantes que o fazem ! eh eh eh isso ninguém lhes tira :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Somos muito obedientes, Angela.
      Muitas vezes em demasia.

      Eliminar
  9. O prof Colmeia devia ir dar aulas para a S Caetano à Lapa :-)

    ResponderEliminar
  10. Ahaha! Da-me ideia que nós não somos lá muito bons a mandar ou administrar. Somos melhores a obedecer. Assim, é bem-vindo quem saiba mandar!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mas também não seria necessário ser assim tão obediente, não é, Briseis?? :))

      Eliminar
  11. Ter quem trabalhe para nós é um enorme privilégio, Pedro ! eheheh
    Afinal com a nossa emigração sempre trabalhamos para os outros !
    rsrsrsrs
    Agora somos um país ambicionado pelos outros ! :)))

    Todos nos querem
    Não queremos nem um
    Queremos resultados
    Sem pagar nenhum !

    :)) ... Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sendo assim até somos espertos, Rui :)))
      Aquele abraço

      Eliminar
  12. Respostas
    1. Não há nada mais saudável do que saber rir de nós próprios, Elvira Carvalho.
      Um abraço

      Eliminar