2 de junho de 2016

Haverá algum equivalente ao provérbio popular português "quem tudo quer tudo perde" em língua chinesa?


Ainda o caso Dore não adormeceu completamente na opinião pública (segue nos gabinetes e nos tribunais) e já temos um novo caso em tudo semelhante a fazer notícia em Macau.
Desta vez tendo a agência de mediação imobiliária, entre outros negócios, Macau Group como protagonista.
Mais uma vez o esquema é muito simples - fazendo uso da ganância desmedida de algumas pessoas, a referida agência prometia o pagamento de juros muito superiores aos praticados pelas entidades bancárias a todos os que depositassem as suas poupanças na empresa.
Como sempre acontece com esquemas semelhantes (lembram-se da Dona Branca??), durante uns tempos tudo correu muito bem.
Até chegar o momento em os cheques com os montantes correspondentes aos juros devidos passarem a ser devolvidos por falta de provisão.
Queixas junto das forças policiais, junto dos tribunais, detenções, umas dezenas de milhões de patacas que desapareceram.
Esta é a face visível, conhecida, de toda a tramóia.
Para além desta face visível, pública, quantas serão as pessoas que não apresentaram queixa, por acharem que não valia a pena ou por pura vergonha?
Quais serão os montantes efectivamente envolvidos?
Quantos mais casos semelhantes a estes existirão ainda em Macau?
E, finalmente, haverá algum equivalente ao provérbio popular português "quem tudo quer tudo perde" em língua chinesa??

34 comentários:

  1. Pois é a famosa bolha quando rebenta muita gente fica a "arder".
    Continuação de uma boa semana.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Este caso, como o outro que já aqui relatara (Dore) nem é um caso de bolha que rebenta.
      É pura ganância que faz desaparecer o juízo e leva as pessoas a colocar as poupanças de uma vida a quem lhes promete algo de ilegal.
      Não tenho nenhuma das "vítimas".
      Aquele abraço, continuação de boa semana

      Eliminar
    2. Não tenho pena nenhuma das "vítimas", era isso que queria escrever.

      Eliminar
  2. E é o efeito bola de neve, vai crescendo a cada dia que passa... Tirando os que não apresentaram qualquer queixa..
    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Quase de certeza há para aí muito boa gentinha a "arder" em silêncio, Chic'Ana.
      Bem feito, não sejam gulosos.
      Beijinhos

      Eliminar
  3. Não tenho pena nenhuma dessas pessoas , Pedro.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E eu, Karocha?
      Sendo um conservador como sou, revolta-me que haja pessoas que toda uma vida trabalharam e pouparam, colocaram as suas poupanças junto de instituições bancárias supostamente seguras, e agora se vejam assaltadas no seu esforço, no trabalho de uma vida.
      Estes sacanas gananciosos merecem perfeitamente o que lhes está a acontecer.

      Eliminar
  4. Estou tão de acordo com o "quem tudo quer tudo perde" que me apetece chamar nomes aos interessados no tipo de esquemas a que o Pedro se refere.
    À falta de melhor ... 所有谁愿意失去一切
    Um abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Gananciosos de m***@, António.
      Agora gritem que há lobo!!!
      Aquele abraço

      Eliminar
  5. Infelizmente por cá veio verificar-se que a dona Branca era uma pobre coitada, se comparada aos banqueiros DDT que usavam o mesmíssimo esquema nos seus bancos, com o BP a assobiar para o ar porque era tudo gente de muito respeito, até falirem. OPior é que somos nós que pagamos as vidas luxuosas que eles levavam e ainda levam - porque o deles está bem guardado, num paraíso fiscal qualquer... :P

    Beijocas

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Isso é revoltante, Teté.
      Ouvia aqui há dias um pobre homem, em choro convulsivo, a contar que passou a vida emigrado na Alemanha a trabalhar e a poupar todos os tostões para poder garantir uma vida desafogada aos filhos e uma velhice tranquila para ele e a mulher.
      Depositou TODO o dinheiro que ganhou junto do Banco Espírito Santo para ficar sem NADA e viver agora da caridade dos filhos.
      Não é justo, não é admissível.

      Estes gulosos, por outro lado....bem feito!!!

      Beijocas

      Eliminar
  6. Eu diria, neste caso que o provérbio seria : "Quando a esmola é grande, deve-se desconfiar" ! :))

    Em chinês, não sei se ha equivalência ! :)))

    Abraço !

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Os "santos" chineses parece que não desconfiam, Rui.
      Depois f....lixam-se!!
      Aquele abraço

      Eliminar
  7. ai, que difícil saber. difícil!

    abraço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Deve haver, Sara com Cafe.
      A sensatez é uma característica que qualquer povo deve ter.
      Abraço

      Eliminar
  8. Respostas
    1. Eu também estou à espera que os meus amigos de língua materna chinesa, ou que dominam o chinês, me digam, Diana Fonseca.
      Até agora, nada!

      Eliminar
  9. Há casos e casos, muitos deles atrveo-me a dizer que é ganância, outros talvez não, não sei.

    Beijinho Pedro.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Neste caso é mesmo ganância, Adélia.
      Da mais pura!
      Beijinhos

      Eliminar
  10. O povo cai uma e outra e outra vez. Parece que não aprende
    Um abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ainda não arrefeceu um caso muito semelhante (Dore) e já apareceu outro, Elvira Carvalho.
      Pior que não aprender é não querer aprender.
      Um abraço

      Eliminar
  11. A ganância nunca tem limites.
    Aí, aqui em qualquer lado.
    Abraço, amigo.
    Irene Alves

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Atrevo-me a dizer que aqui ainda vai um bocadinho mais longe do que noutros locais, Irene Alves.
      Um abraço

      Eliminar
  12. A corrupção anda em todo o lado, Pedro.
    É triste muitas pessoas terem confiado o dinheiro à banca para terem um pé-de-meia para a velhice e perderam tudo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Isso é revoltante, cantinhodacasa.
      Completamente diferente destas situações em que pessoas caiem no conto do vigário diariamente por pura ganância.

      Eliminar
  13. As pessoas gananciosas vão atrás dos juros chorudos e passado um tempo é que se apercebem que caíram no conto do vigário, Pedro!
    Quando é assim, não tenho pena nenhuma.
    O Pedro lembra-se do Carlos Caldeira, que apanhou muitos incautos, do jet set, com essa coisa de aplicações avultadas na Bolsa de Valores? Depois baldou-se para a América - se não estou em erro - com os dinheiros alheios e passado uns anos regressou como se nada tivesse acontecido.
    Um dos lesados foi o Carlos Cruz- grandes amigos -falou-se, ao tempo, em 30 mil contos. Uma fortuna!
    Chegou agora a vez dos chineses caírem no conto? Temos pena! :))

    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Isto é diário, Janita.
      Quando não são estes casos mais mediáticos, por envolverem mais pessoas e maiores quantias, são pessoas que se deixam arrastar em esquemas de pequena criminalidade.
      Tudo por ganância desmedida.
      Não tenho pena nenhuma!
      Beijinhos

      Eliminar
    2. Janita. Era Pedro Caldeira, da "Pedro Caldeira Sociedade Corretora, SA." (conheci muito bem) ! :(

      Eliminar
    3. Foi preso pelo FBI e deportado para Portugal.

      Eliminar
    4. Também me recordo bem do personagem

      Eliminar
  14. Pedro, não sei se recebeu um comentário meu, que me deu tanto gosto escrever. Depois de clicar em «publicar» apareceu-me um 'boneco' todo escangalhado e uma mensagem a informar ter havido um problema com o DNS do servidor? Não percebi nada.
    Tomara que o tenha recebido. Referia o escândalo com o Carlos Caldeira e os milhares de contos que o Carlos Cruz viu voar.
    Que pena. Isto agora fica sem pés nem cabeça. :(

    ResponderEliminar
  15. ~~~
    O meu comentário sumiu...
    Não devo ter dado o toque para publicar...

    Se não há equivalente que se cite a sabedoria ocidental,
    ou será que esse país pretende a exclusividade como terra dos sábios?

    ~~~ Beijinhos. ~~~
    ~~~~~~~~~~~~~~~~~~

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Quem faz "investimentos" destes se há coisa que demonstra é falta de sabedoria, Majo.
      Beijinhos

      Eliminar