16 de março de 2016

Um dia a casa vem abaixo


Neste filme não há Steven Spielberg, Tom Hanks e Shelley Long.
O realizador e os protagonistas são outros e o argumento não é o de uma comédia.
Aproxima-se mais até da tragédia, ou de um épico ao género Le Soulier de Satin, tão longo é o processo que envolve o decrépito Hotel Estoril.
Com a decisão ontem tomada por larga maioria no seio do Conselho do Património Cultural de não classificar o edifício do Hotel Estoril está aberto o caminho para que no local possa nascer uma obra icónica, assinada por Siza Vieira, que venha de vez substituir a ruína que há décadas é o outrora vistoso Hotel Estoril.
A obra projectada por Oseo Aconcci encontra-se num estado de abandono e degradação que entristece.
Tudo isto numa zona central da cidade, uma zona que pode tornar-se novamente num pólo de atracção  para os residentes e os que visitam Macau.
Um novo pólo  que terá que ser conjugado com a dinamização de São Lourenço, do Tap Seac e de toda a zona envolvente.
A decisão do Conselho do Património Cultural abre o caminho para uma nova vida em toda a zona envolvente ao espaço do actual Hotel Estoril.
Cabe agora ao Executivo ser de uma vez por todas célere na tomada de decisões para que possa depois também exigir celeridade aos executores do projecto que ali venha a ser edificado.

36 comentários:

  1. É uma pena ir a baixo pois o Hotel parece a ser bastante interessante a sua arquitectura.
    Um abraço e continuação de uma boa semana.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Diz quem sabe, eu sou só um curioso, que o valor arquitectónico se perdeu com sucessivos enxertos no edifício.
      Que está podre.
      Já estava quando eu cá cheguei há vinte anos.
      Aquele abraço, continuação de boa semana

      Eliminar
  2. É pena deixar-se degradar uma coisa assim. Depois não arranjam outro remédio senão deitar abaixo e construir outra coisa nova. Enfim!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Está num estado de degradação tal que tem mesmo que ir abaixo, Diana Fonseca.
      E Siza Vieira pode fazer nascer ali algo que funcione como referência para que todo o espaço à volta seja reabilitado.

      Eliminar
  3. Hummm... celeridade é uma palavra que existe por aí?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Anda um bocado arredia, Golimix.
      Mas, quando se quer, nomeadamente na construção de projectos privados, a rapidez é estonteante

      Eliminar
  4. Esperemos que seja célere, mas tudo o que envolva burocracia tem o seu tempo associado...
    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Se fosse um projecto privado era um instantinho, Chic' Ana

      Eliminar
  5. Que esta triste situação tenha um destino satisfatório.

    Achei sua comparação com Le Soulier de Satin bem espirituosa apropriada.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Estou em Macau há vinte anos, Rosa Mattos.
      Desde essa época que o hotel está decrépito
      O Soulier de Satin até é bem curtinho se formos comparar :))

      Eliminar
  6. Bem dito, bem escrito!
    Que o desejo expresso se realize com a diligência que se impõe, para que com a degradação não se torne o local um domínio das ratazanas...
    Abraço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Já é um local cheio de ratazanas, Agostinho.
      E outra bicharada nada recomendável
      Aquele abraço

      Eliminar
  7. Preocupante, Pedro, preocupante.

    Aquele abraço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Preocupante é não deitarem aquela porcaria abaixo de uma vez por todas, Ricardo.
      Aquele abraco

      Eliminar
    2. Se perguntar ao Nuno ele vai dizer-lhe que a última coisa que ali funcionou foi uma espécie de discoteca de duvidosa reputação (estou a ser simpático), Ricardo.

      Eliminar
  8. Caro Amigo Pedro Coimbra.
    Lamento saber deste golpe mortal à memória patrimonial.
    Caloroso abraço. Saudações patrimonais.
    Ate breve...
    João Paulo de Oliveira
    Um ser vivente em busca do conhecimento e do bem viver sem véus, sem ranços, com muita imaginação, autenticidade e gozo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O valor arquitectónico e patrimonial perdeu-se com o passar dos anos e a degradação do edifício, Amigo João Paulo de Oliveira.
      Está na hora de ir abaixo para dar espaço a uma obra icónica.
      Aquele abraço

      Eliminar
  9. O que dizer senão que é caso para uma enorme preocupação?!
    Um abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Espero que, de uma vez por todas, resolvam a situação daquela ruína que ali está numa zona central da cidade, António.
      Aquele abraço

      Eliminar
  10. Nem se percebe como deixaram deteriorar o edifício dessa forma, uma vez que aí o problema não é a falta de taco... ;)

    E é tão triste ver edifícios decrépitos no centro da cidade. Ou mesmo fora, mas não é tão gritante!

    Beijocas

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O Hotel Estoril foi o primeiro do império Stanley Ho, Teté.
      Com a construção do Hotel Lisboa, e a concentração dos negócios ali, este foi perdendo vida e importância.
      Até ficar abandonado.
      De uma vez por todas dêem-lhe uma fim condigno.
      Beijocas

      Eliminar
  11. Creio já lhe ter dito que quando cheguei a Macau, há quase 30 anos, já se falava na demolição do Estoril...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Agora parece que será de vez, Carlos.
      Se o projecto for um daqueles de rasgo de Siza Vieira, acompanhado com a dinamização de São Lázaro e do Tap Seac, poderá haver uma descompressão do centro da cidade, da Almeida Ribeiro, Largo do Senado, até às Ruínas de São Paulo que estão apinhadas de gente.

      Eliminar
  12. Esperemos que não venha a transformar-se numa comédia. Nem num drama ao estilo "Casa de Saramago, no Porto" by Siza Vieira. Ou a da Música, também no Porto, que tem despesas de manutenção anuais fixas de 1,2 milhões por ano. Ou mesmo o Pavilhão de Portugal, em Lisboa... durante décadas sem propósito ou utilidade bem definida e cuja sua estrutura icónica - a abóbada curva, já foi conjecturada ser destruida devido aos elevados custos de manutenção.

    Enfim... Já dá para perceber que temo um drama! Dos piores: os que pesam nos bolsos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Confesso que tenho uma grande expectativa acerca do que vai ali ser construído, Portuguesinha.
      Mas, insisto, essa construção só fará sentido se inserida num plano de requalificação de toda a zona envolvente.
      Obras icónicas, ou que o deviam ser, já aqui temos uma - o último projecto assinado por Y.M. Pei.
      E não veio trazer nada de novo para a cidade...

      Eliminar
  13. Não conheço Macau, mas espero que essa demolição e o que se aí construir enriqueça o espaço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Isso só acontecerá se toda a zona for reabilitada, São.
      Um edifício, por si só, por mais icónico que seja, não faz milagres.

      Eliminar
  14. É triste ver edifícios deste tipo em abandono e degradação!
    Aqui na Marinha Grande temos alguns, não com por-poções deste tipo, também temos muitas grandes e bonitas casas enormes e bonitas de grandes famílias.

    Um beijinho Pedro

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Este edifício, e não sou eu que o digo, são aqueles que realmente são conhecedores, já não tem qualquer aproveitamento nem valor, Adélia.
      Quando é assim, e há dinheiro, vai abaixo e constrói-se algo novo e marcante.
      Beijinhos

      Eliminar
  15. Eu, rapariga do rural, não conheço.
    Kis:=>

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Então eu estou capaz de propor uma visita a Macau, AvoGi.
      Vale a pena.
      Beijinhos

      Eliminar
  16. É uma pena que um edifício icónico tenha chegado a esse ponto. Agora que se avance em frente rumo a um futuro melhor.
    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Já foi icónico, Carpe Diem.
      Há muitos, muitos anos.
      Agora é uma coisa híbrida (é isso que diz quem sabe) e profundamente degradada.
      Aquele abraço

      Eliminar
  17. Executivos céleres a tomar decisões, só quando é para lixar o povo.
    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Verdade universal, Elvira Carvalho
      Um abraço

      Eliminar