16 de abril de 2015

7 de Abril do ano 30: Sete verdades sobre o homem que abalou o mundo

"Sabemos que Jesus existiu, era um judeu na forma de viver e de rezar, não nasceu a 25 de Dezembro, era visto como profeta, foi condenado à morte pelo procurador romano e morreu, com forte probabilidade, a 7 de Abril do ano 30. Segundo os seus seguidores, ressuscitou dois dias depois – no Domingo de Páscoa, que hoje os cristãos assinalam. Começou aí um mistério e um fascínio que perdura.  

Ninguém sabe exactamente o que sucedeu na madrugada daquele 9 de Abril do ano 30. “O que se pode dizer é que se passou alguma coisa naqueles dias, um acontecimento que, abalando aqueles homens e mulheres, abalou o mundo.”
A frase é do jornalista francês Jacques Duquesne que, há década e meia, agitou o cristianismo europeu com um livro polémico sobre Jesus. No dia 7 de Abril – tudo aponta para essa data –, Jesus, chamado Cristo (Messias) pelos seus companheiros, tinha sido morto pelo suplício da cruz. Sepultado na mesma tarde, alguns dos seus amigos – mulheres, primeiro, os líderes do grupo, depois – dirigiram-se depois ao sepulcro, na madrugada do primeiro dia da semana. Voltaram, dizendo que Jesus ressuscitara. Nesse instante, começa um fascínio que atravessa os séculos.

1. Uma personagem histórica


Hipótese de reconstituição do rosto de Jesus 
feita pela BBC em 2001

A busca do mistério permanece após quase 2000 anos. Mas, durante dezoito séculos, ninguém se preocupou sequer em averiguar se Jesus teria realmente existido, escreve Frédéric Lenoir. “Não se punha o problema da crítica literária e histórica”, diz o padre e biblista Joaquim Carreira das Neves.
O panorama muda a partir do século XVIII. O Iluminismo e o progresso científico começam a ser também aplicados à investigação bíblica. Graças a este processo, sabemos hoje muito mais sobre Jesus do que há 200 anos – mesmo mais do que há duas décadas. Crítica literária, descobertas arqueológicas, antropologia cultural, economia das sociedades mediterrânicas são temas e métodos dissecados por investigadores e teólogos.
David Friedrich Strauss, Hermann Samuel Reimarus, Ernest Renan, Joseph Lagrange são nomes incontornáveis na “primeira investigação”. O protestante Rudolf Bultmann é o inspirador da “nova” (ou segunda) investigação acerca do Jesus histórico. Em alguns casos – Bultmann é o extremo – vai-se ao ponto de defender que o Jesus da história nunca poderá ser conhecido, pois os relatos dos evangelhos são reflexo do Cristo da fé das primeiras comunidades cristãs e já não da personagem histórica.
Só desde há duas décadas a terceira vaga de investigação começou a trazer ao de cima aspectos até aqui ignorados acerca de Jesus. E o primeiro deles foi reconhecer que ele era, afinal, um judeu do seu tempo. Outra diferença importante em relação às duas primeiras fases de investigação: considera-se que o Jesus da fé é a continuação natural do Jesus da história.
O problema das fontes é, aqui, fundamental. Hoje, os exegetas pensam que os quatro evangelhos são as fontes mais importantes, mesmo para o conhecimento do Jesus histórico. Mas em alguns casos, pode haver perspectivas demasiado historicistas, diz Carreira das Neves, que critica o livro de Joseph Ratzinger/Bento XVI por essa abordagem.
Antes dos evangelhos de Mateus e Marcos (o primeiro a ser escrito, por volta do ano 60), terá havido um manuscrito entretanto desaparecido, citado nos dois textos evangélicos, que a exegese designa como fonte “Q”. O biblista catalão Armand Puig escreve que “o texto do Novo Testamento, que possuímos graças aos estudos de paleografia e de crítica textual, é digno de confiança”.
Durante décadas, aliás, consideraram-se os evangelhos de Mateus, Marcos e Lucas como os mais históricos. O de João seria um texto elaborado fundamentalmente a partir da fé dos primeiros cristãos. As descobertas arqueológicas dos últimos anos, em Israel, têm confirmado, no entanto, vários elementos que apenas o texto de João refere. Um deles é a piscina de Siloé, perto de Jerusalém, onde Jesus cura um cego de nascença.
Mais: o imenso material com cópias dos textos do Novo Testamento é “muito superior a qualquer outro texto da antiguidade grega ou latina”. E também não existe nenhuma cópia de obras da antiguidade tão próxima do original como os textos bíblicos do cristianismo. Puig compara: “A distância temporal entre a data de elaboração do Evangelho segundo João (anos 95-100 d.C) e o primeiro testemunho deste texto evangélico (125 d.C.) é extraordinariamente pequena”, se cotejada com a mais antiga cópia da Poética de Aristóteles – data do século X, 1400 anos depois de ter sido escrita.
Não são só os evangelhos e outras fontes cristãs dos dois primeiros séculos (incluindo os textos apócrifos, não reconhecidos pelas primeiras comunidades como autênticos) que servem de fonte para conhecer o Jesus histórico. Há também textos não cristãos: Flávio Josefo e outros documentos judaicos, Tácito, Suetónio e Plínio entre os autores romanos, e ainda fontes helenísticas e islâmicas. Todos convergem para uma conclusão: a existência histórica de Jesus “não oferece qualquer tipo de dúvida” e negá-la seria um “exercício de irresponsabilidade”, escreve Puig.
Mas quem é, afinal, esta personagem?

2. Um judeu marginal


Cristo Pantokrátor, Sérvia, 1260

Judeu marginal? É certo que Jesus incomodou sobretudo alguns líderes religiosos do seu tempo. Neste caso, a expressão que John P. Meier utiliza como título da sua obra de referência aponta para outros aspectos: Jesus foi insignificante para historiadores judeus e pagãos da época; a sua morte foi a mesma da destinada aos escravos e rebeldes, aos “malditos de Deus”; ele próprio tornou-se marginal, ao escolher uma vida de pregador itinerante; ensinamentos como a rejeição do divórcio e do jejum voluntário, e práticas como a opção pelo celibato “não estavam de acordo” com ideias e práticas dos judeus do seu tempo.
Em muitos autores da primeira investigação, Jesus é desligado do seu contexto histórico-religioso. O seu judaísmo não é reconhecido. Na terceira investigação, essa é uma diferença fundamental, diz Armand Puig.
“Na arqueologia que se está a fazer na Galileia e na análise de textos como os de Flávio Josefo temos muita informação da vida sobre o contexto judaico em que Jesus viveu”, afirma Puig. E os frutos desses trabalhos arqueológicos começam a notar-se na exegese, acrescenta.
O judaísmo da época de Jesus é “muito mais complexo e plural do que se pensava há poucos anos”, diz por seu turno o biblista basco José Antonio Pagola. Hoje, “destaca-se muito a dimensão judia de Jesus dentro do marco sócio-político e económico da Galileia dos anos 30”. De tal forma que, mesmo entre os judeus, há cada vez mais investigadores contemporâneos fundamentais para a compreensão e estudo do Jesus histórico. David Flusser, Jacob Neusner ou Geza Vermes são apenas alguns dos nomes mais destacados neste panorama.
Nos diversos estudos, afirma-se com mais insistência a convicção de que Jesus estava próximo dos fariseus – pelo menos, tinha vários amigos entre eles. Estranho? As referências pejorativas dos evangelhos aos fariseus explicam-se porque, quando esses textos são escritos, o judaísmo que sobressaía depois da destruição do Templo de Jerusalém pelos romanos, no ano 70, era o da corrente farisaica.
Fora isso, Jesus ia à sinagoga ao sábado e professava a lei de Moisés (as práticas judaicas da época). Era um judeu. Mas quer em relação ao sábado, quer acerca da lei, Jesus afastar-se-à de concepções dominantes no judaísmo (nos judaísmos, para se ser mais rigoroso) do tempo. E essas serão também razões que ajudarão à sentença que o levará à morte.

3. Um nascimento singular


Leonardo da Vinci, 
Virgem Maria e Jesus com Santa Isabel e João Baptista
c. 1495, National Gallery (Londres)

À semelhança de outros pormenores da sua vida, “as circunstâncias exactas do nascimento de Jesus permanecem misteriosas e desconhecidas”, observa Jacques Duquesne. Uma coisa é certa: Yeshua pode ter nascido num qualquer dos 365 dias do ano (provavelmente, não nos dias frios, já que, se havia pastores, estes estariam nos montes só no tempo mais quente). A data de 25 de Dezembro foi adoptada pelos cristãos em Roma, para dizer que Jesus era o novo sol que merecia ser festejado em lugar do solstício de Inverno.
A partir daqui, há divergências entre os especialistas. O lugar do nascimento pode ter sido Nazaré da Galileia (onde foi criado) ou Belém da Judeia. Carreira das Neves pensa que as narrativas da infância de Jesus contidas nos evangelhos de Mateus e Lucas são narrativas “midrashicas” – ou seja, catequéticas, “criadas literariamente” para explicar determinada mensagem. “Não se pode comprovar historicamente o nascimento virginal” – que leva à discussão sobre se Jesus tinha ou não irmãos –, por exemplo. Esses temas devem ser deixados à liberdade de investigação dos exegetas, defende o biblista português.
Armand Puig acredita pelo contrário que, mesmo sem se poder conciliar o que dizem Mateus e Lucas (os únicos com narrativas sobre a infância de Jesus), “há algumas informações plausíveis” em ambos. Os magos teriam sido conduzidos por uma estrela? Certo é que os astrónomos chineses e coreanos da época registaram “algo no céu que foi descrevendo um arco”. Passou-se isto entre os anos 6 e 5 a.C. – ou seja, coincidindo com o período em que, hoje, se situa o nascimento de Jesus: entre 6 e 3 antes da nossa era.
Quer a linguagem seja simbólica quer seja real, os relatos do nascimento querem falar de um Deus pobre, que se revela primeiro aos mais desprezados (os pastores) e que nasce para todos os povos (a presença dos magos).

4. Um homem ou Deus? Messias ou Filho do Homem?


Gustave Doré, Pesca milagrosa 
(ilustração reproduzida daqui)

Jesus raramente se nomeia. Quase sempre pergunta aos outros como é chamado. O episódio mais interessante é quando interroga os companheiros: “Quem dizem os homens que eu sou?” A resposta é variada: João Baptista, Elias, um dos profetas… “E vós, quem dizeis que eu sou?” Pedro toma a palavra para responder: “Tu és o Messias, o Filho de Deus vivo.” E Jesus diz-lhes para não contarem a ninguém.
“Jesus nunca disse que era o Messias, mas entrou em Jerusalém como se fosse”, diz Armand Puig. No primeiro volume (único até agora publicado) da sua obra Jesus de Nazaré, o actual Papa fala dos títulos que Jesus se atribuía a si mesmo: o Filho do Homem, o Filho e Eu sou.
O título de Cristo (Messias), que interpreta uma das convicções dos cristãos em relação a Jesus “depressa desaparece como título isolado, unindo-se com o nome de Jesus: Jesus Cristo”, escreve Ratzinger.
Quando Jesus morre, Marcos coloca na boca de um centurião romano a afirmação: “Verdadeiramente, este homem era filho de Deus” – uma definição reservada ao imperador. Com isso, o evangelista quer alargar a afirmação de fé na divindade de Jesus não só aos judeus, mas a todos os povos. 

5. Um profeta


O Bom Pastor, fresco na Catacumba de Priscila, 
Roma, século III

Jesus já foi mestre espiritual, rabino, revolucionário social – entre muitos outros modelos. Mas a definição de profeta era comum, no modo como os contemporâneos se lhe referiam, nota Albert Nolan. Profeta como alguém capaz de ler os sinais do tempo – no caso de Jesus, uma marca integrante da sua espiritualidade.
José Antonio Pagola diz que se destaca a “dimensão profética de Jesus, a sua crítica social e religiosa à sociedade do seu tempo, a sua actividade terapêutica, a sua comensalidade com pecadores e pessoas indesejáveis, a sua defesa dos últimos, o seu acolhimento às mulheres”.
A dimensão de Jesus como terapeuta nem sempre foi bem vista por alguns exegetas. John Meier dedica aos milagres de Jesus o mais extenso volume da sua obra. “Pintar o Jesus histórico sem dar o devido peso à sua fama como realizador de milagres” não é uma descrição exacta deste “judeu estranho e complexo, mas sim um Jesus domesticado”, escreve.
No centro da mensagem e da vida de Jesus, está a ideia de “Reino de Deus”, comum a todos os evangelhos. Jesus nunca explica directamente o que entende pela expressão, pois quando a utiliza é para dizer, por parábolas, “o reino de Deus é semelhante a…”.
Pagola define-a deste modo: “É o projecto de Deus de construir um mundo mais humano, mais justo e mais ditoso para todos, começando pelos últimos.”

6. Um condenado


Andrea Mategna, Lamentação sobre Cristo morto
c. 1480-1490

Aclamado por uma pequena multidão à sua chegada a Jerusalém, Jesus será pouco depois condenado à morte. Alguns líderes religiosos decidem entregá-lo às autoridades romanas. De acordo com os evangelhos, há duas causas principais para a condenação.
Na versão de João, depois de Jesus ressuscitar o amigo Lázaro, que morrera três dias antes, alguns judeus foram ter com as autoridades “e contaram-lhes o que Jesus tinha feito”. Razão suficiente para decidir a morte.
Nos três evangelhos sinópticos – Mateus, Marcos e Lucas – a causa imediata para a condenação é a entrada violenta e purificadora de Jesus em pleno Templo de Jerusalém: “Entrando no templo começou a expulsar os vendedores. E dizia-lhes: ‘Está escrito: A minha casa será casa de oração; mas vós fizestes dela um covil de ladrões’.” O ensino de Jesus no templo que deixava o povo “suspenso dos seus lábios” levou os líderes religiosos da época a procurar a sua morte, conta o texto de Lucas.
Estes são os dias decisivos. Quando Jesus celebra a Páscoa judaica com os mais próximos, anuncia-lhes que irá morrer e um deles irá trai-lo. Depois da refeição, saem para o Monte das Oliveiras, onde Jesus se sente invadido por uma “tristeza de morte”.
Uma conspiração política e jurídica, analisada por Joachim Gnilka. Preso e levado perante o procurador romano, Pôncio Pilatos, Jesus acaba condenado à morte, satisfazendo os desejos dos líderes de alguns grupos religiosos – nomeadamente os saduceus, como recorda Michel Quesnel. “Sumos sacerdotes e governador agiram em total cumplicidade”, um autêntico “conluio”, diz este biblista.
A maior parte dos exegetas recorre aos elementos fornecidos pelo evangelho de João para dizer que a morte terá ocorrido numa sexta-feira, véspera do Shabath judaico. Como diz John Meier, esse dia foi, com muita probabilidade, 7 de Abril do ano 30.

7. Um ressuscitado?


Ressurreição de Jesus, ícone

No final da história, está a chave para entender o fascínio de Jesus e muito da sua vida: só depois da sua morte, os mais próximos companheiros começam a entender o que antes lhes dissera. Alguns contam que se encontraram com ele, algumas das vezes comendo juntos. A comensalidade de Jesus como um dos factores que o leva à morte é, aliás, uma das notas da investigação mais recente.
Lucas conta vários episódios em que refeições de Jesus são causa de escândalo para os circundantes. Escreve Tolentino Mendonça: “Este foi, provavelmente, um dos aspectos do ministério de Jesus mais significativos para os seus seguidores e mais ofensivos para os seus críticos (que desagradados pelo modo extravagante de Jesus se comportar à mesa, diziam dele: ‘é um comilão e um ébrio, amigo de publicanos e pecadores’. (…) O problema era que Jesus comesse com toda espécie de pessoas, fazendo da cozinha e da mesa um encontro para lá das fronteiras que a lei estabelecia.”
Estas amizades perigosas de Jesus levam-no à morte, mas são esses mesmos amigos e seguidores que começam por anunciar que ele ressuscitara da morte. Na primeira Carta aos Coríntios, Paulo, que não conheceu Jesus pessoalmente, conta que, depois de ressuscitar, ele tinha aparecido aos companheiros mais próximos e, noutra ocasião, a mais de 500 pessoas, “de uma só vez, a maior parte das quais” ainda vivia nesse momento.

Sabemos alguma coisa, afinal?

“Há muitos aspectos sobre o Jesus histórico que permanecerão um mistério”, escreve Ed Parish Sanders. Jesus teve irmãos? Como e quando nasceu? Que consciência tinha acerca da missão que assumira (ou, para os crentes, que tinha enquanto Deus)? Ressuscitou ele na manhã de Páscoa?
Ainda Sanders: “Nada é mais misterioso do que a história da sua ressurreição, que tenta retratar uma experiência que os próprios autores não conseguiram compreender. Mas (…) sabemos muito sobre Jesus. Sabemos que iniciou a vida pública sob João Baptista, que teve discípulos, que esperava o Reino, que foi da Galileia para Jerusalém, fez algo hostil ao Templo, foi julgado e crucificado. (…) Sabemos quem ele era, o que fez, o que ensinou e porque morreu; e, talvez o mais importante, sabemos como inspirou os seus seguidores, que, por vezes, não o entenderam, mas que lhe foram tão fiéis que mudaram a história.”

10 comentários:

  1. Li com grande interesse o texto de Nós Somos Igreja, embora o mistério sobre Jesus Cristo não seja revelado.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Deixam-se pistas para reflexão, ematejoca.
      E não podemos esquecer a componente essencial que é a Fé.
      Essa não se explica, sente-se.

      Eliminar
  2. Sou cristão pelo batismo mas não sou católico e não acreditando num deus todo poderoso e omnipotente, acredito na existência do ser humano JC que por ser incómodo para o poder então vigente foi condenado e executado. A sua vida foi de início contada oralmente e depois tem vindo a ser romanceada de acordo com as ideias e objectivos dos "historiadores".
    Claro que este meu pensamento carece de toda uma imensidão de valores e fundamentos; daí que a sua importância seja nula e a ninguém convença com uma única excepção: eu.
    Grande ABRAÇO!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não podemos confundir a História e a Fé, Kok.
      Com as duas em mente, cada um faz as suas escolhas livre e conscientemente.
      Grande abraço!

      Eliminar
  3. ~
    ~ Em cada estudioso, quase sempre, um fanático disposto a
    encontrar explicações originais e retumbantes...

    ~ Seja como for, a igreja cristã conseguiu uma ordem ética que
    reuniu uma vastíssima comunidade intercontinental.
    ~ Optou-se: não muito bem com a Igreja, mas antes com ela ...

    ~ Estou com a religião católica, porque é a minha religião de berço
    e reconheço que todas as derivações cristãs, como obras humanas
    que são, possuem os seus defeitos.

    Sempre desculpámos cristos e virgens de olhos claros e, por vezes,
    louros... Sempre percebemos quando há algo nos Evangelhos que
    não teria sido bem assim... Sempre entendemos muito mais do que
    os estudiosos supõem...

    ~~~~~ B e i j i n h o s. ~~~~~~~~~~~~~~~~~~~
    ~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sigo o blogue Nós Somos Igreja há muitos anos, Majo.
      Precisamente porque não há tabus, quartos escuros.
      Discute-se a religião abertamente.
      O que Francisco nos vai ensinando constantemente.
      Beijinhos

      Eliminar
  4. Texto muito interessante, mas o mistério continua.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E esse mistério alimenta a crença, o mito, a Fé, Carlos.

      Eliminar
  5. Faço minhas as palavras do Carlos Barbosa.
    Um texto muito interessante, muito bem feito,
    mas o mistério continuará sem resposta.
    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Repito que julgo que não era dar respostas o que se pretendia.
      Apenas e só pistas de reflexão, GL.
      Abraço

      Eliminar