16 de setembro de 2014

O tufão Kalmaegi foi até Hainão


O tufão Kalmaegi foi uma espécie de Lobo Macau que, chateado com Macau, soprou, soprou, fez uns estragos, provocou umas inundações, e resolveu ir até Hainão que tem mais espaço e umas praias bestiais (não faço referência a comer Capuchinhos Vermelhos que ainda corro o risco de ser acusado de algo do género obsceno/pornográfico).
As escolas encerraram, os serviços públicos também (só da parte da manhã porque o sinal 8 foi baixado para 3 antes das 14.30), a cidade esteve muito mais parada e muito mais alagada do que é hábito,  sobrou o lixo, alguns incidentes e o chamado "rabo do tufão" (chuvas, ventos fortes e uma humidade tremenda) a lembrar que o Kalmaegi andou por aqui.
Num ano que o director dos serviços meteorológicos  classificou como neutro (não é El Niño nem La Niña) e no qual se prevê que haja menos tufões do que é habitual nesta época do ano, ficamos à espera do próximo.
Tufão, que "tufinhos" já fomos tendo alguns.

28 comentários:

  1. É sempre assustador e mais vale prevenir do que remediar em termos de avisos/alertas! Julgo eu de que...

    Beijocas

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tenho sempre o maior cuidado, Fatyly.
      Não se desafia a natureza porque ela é sempre mais forte.
      E cheia de surpresas.
      A minha casa fica numa zona alta, bastante abrigada, e mal sinto a violência dos tufões.
      Só no dia seguinte vejo os estragos e percebo se foi ou não violento.
      Este foi um bocadinho.
      Beijocas

      Eliminar
  2. Aqui choveu (muito), mas nada de alarmante (o alerta laranja rapidamente desceu para amarelo).
    Abraço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ricardo,
      Este tufão, não sendo um "tufinho", também não foi particularmente bruto.
      E passou depressa e com pressa.
      Aquele abraço

      Eliminar
  3. Caro Amigo Pedro Coimbra!
    Aqui a estiagem continua.
    Caloroso abraço! Saudações climáticas!
    Até breve...
    João Paulo de Oliveira
    Até breve...
    João Paulo de Oliveira
    Um ser vivente em busca do conhecimento e do bem viver!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Permanece içado o sinal 3 de tempestade tropical, Amigo João Paulo de Oliveira.
      O que é normal nestas circunstâncias
      É o tal "rabo do tufão" a fazer sentir a sua força.

      Eliminar
  4. Um modo muito interessante e inteligente de descrever o itinerário do tufão.

    Nem todos têm poder descritivo com a dose de humor bem equilibrada.

    Parabéns. Gostei imenso

    Beijito da Gota

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Gota de vidro,
      O melhor mesmo é levar a vida com um sorriso nos lábios, não é?
      Mesmo nas situações aparentemente mais complicadas.
      Beijinhos

      Eliminar
  5. O Kalmaegi faz parte da história e, felizmente, os estragos não foram devastadores.

    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não, por acaso até foi um tufão algo "meigo", António.
      Hoje sentem-se os efeitos do dia seguinte - dia feio, chuva, vento, humidade.
      Já estamos habituados.
      Aquele abraço

      Eliminar
  6. Parece assustador, espero que não venha mais nenhum por aí.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Este ano parece que não, Gábi.
      Exactamente por ser um ano neutro.
      Noutros anos, são vários.

      Eliminar
  7. Olá amigo

    Aqui fica o link

    http://lagoreal.blogspot.com

    Beijito da Gota

    ResponderEliminar
  8. Ainda bem que por cá não há tufões. Enfim... por enquanto.

    ResponderEliminar
  9. Acho que morreria de medo!!
    Uma das vezes que fui fazer formação de professores à Madeira, houve um vendaval que me abriu durante a noite a janela do quarto de hotel e quase tive um ataque de pânico (eu tenho-os a sério...) a pensar que ia ficar "trancada" na Ilha se os voos fossem cancelados...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Essa sensação de ficar preso não existe, Graça.
      Porque há uma ponte com um tabuleiro inferior coberto que permite a ligação Macau/Taipa e porque é possível sair à rua.
      Não é conveniente, é arriscado, mas não é proibido.

      Eliminar
  10. São sempre momentos complicados. Fico feliz por estarem bem, desse lado :)
    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Passou sem grande alarido, carpe diem to me.
      Abraço

      Eliminar
  11. Só de pensar em tufões, mesmo que dos mais fracos, fico completamente arrepiada...

    Beijocas

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nós, os que aqui vivemos, já estamos habituados, Teté.
      Não é assim tão complicado como parece.
      Beijocas

      Eliminar
  12. Assustador...eu tenho muito medo, tanto como o quanto gosto da natureza.

    Beijinho e uma flor

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Parece mais complicado do que efectivamente é, Adélia.
      Se se tiver cuidado, se não se procurar a aventura, nem é assim grande problema
      Beijinhos

      Eliminar
  13. ~ Uma piada infeliz, na medida em que eu me dei ao trabalho de advertir a autora do blogue para não cair na vulgaridade. Os seus poemas não mereciam...
    ~ Cair no banal é fácil, criar com originalidade e intelecto é construir arte evoluída.

    ResponderEliminar
  14. E contra eles não há nada a fazer a não ser tomar as precauções habituais, não é verdade?

    ResponderEliminar