4 de setembro de 2014

A entrevista de Ieong Wan Chong


Ieong Wan Chong é docente no Instituto Politécnico de Macau, membro da Comissão de Divulgação da Lei Básica, antigo director do Centro de Estudos Um País, Dois Sistemas.
Resumindo, é daqueles especialistas (???) que auxiliam (???) o Executivo na definição de políticas e na tomada de decisões.
Em entrevista ao diário Ponto Final, o académico reforçou o entendimento que já exprimira em livro lançado por estes dias. 
A actividade do chamado campo pró-democrata é uma "actividade extremista" (sic) sendo que por actividade extremista se deve entender a actividade daqueles que "(...) invocam a democracia mas com o objectivo de perpetuar a prática da governação colonial anterior à transferência de soberania (...)".
Apetece-me fazer coro com Jorge Palma e cantar "Deixem-me Rir". 
O direito ao disparate, mesmo num regime que não é democrático, é livre.
Como tal, no meio de todos os recados que o académico vai deixando ao longo da entrevista, este enorme disparate não passa disso mesmo.
Pensar em Ng Kuok Cheong e Au Kam San, um na Assembleia Legislativa, o outro na Assembleia Municipal do Leal Senado, constantemente a zurzir na governação portuguesa em Macau, algo que se foi repetindo nos primeiros tempos da Região Administrativa Especial de Macau, já com os anteriores governantes portugueses bem longe de Macau, e depois ler estas declarações, provoca em mim o efeito que provocavam em Jorge Valdano as declarações dos que defendiam que o importante num jogador de futebol não era ter talento era trabalhar, trabalhar, trabalhar.
Como Jorge Valdano então, agora também só me apetece rir, rir, rir.

15 comentários:

  1. ~
    ~ ~ É uma grande alergia à democracia!!!

    ~ ~ ~ ~ Boa tarde!

    ~ ~ ~ ~ -Beijinhos.- ~ ~ ~ ~

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O mais curioso é ver este "especialista" defender a tese que defende - os tipos que mais problemas criaram à governação portuguesa, que mais a criticaram, mesmo pelas costas, são os que têm saudades desses tempos.
      É com cada uma!!
      Beijinhos

      Eliminar
  2. Pela fotografia, Pedro, o "especialista" é...experiente, e mais não digo para não ser indelicado.

    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O Ricardo conhece a série The Walking Dead??
      E mais não digo para não ser indelicado :)))
      Aquele abraço

      Eliminar
  3. Estou a ler um livro em que acabei de ver a declaração de Mussolini e esta criatura bem a poderia ter subscrito!

    Quanto à queixa-crime, acho - mas eu sou leiga - um disparate: o governo é legítimo e pode-se discordar politicamente, mas acho isto disparatado..

    Tudo de bom, Pedro

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Espécimes destes há para aqui em abundância, São.
      É cada luminária!!

      A acção da Ordem dos Advogados parece-me mais um grito de alerta contra uma reforma que acham desajustada.
      Terão escolhido a forma mais correcta?
      Também julgo que não
      Tudo de bom

      Eliminar
  4. Um docente especialista ou especialista docente a repetir uma cartilha dos anos 60?!
    Ou será que o homem anda a dormir mal e precisa de ir a uma consulta de psiquiatria?
    "Yes", Pedro. É de rir.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Gente que não tem a mínima ideia acerca do que é Macau, do que é a sua História, a dar pareceres, dá asneira, Agostinho.

      Eliminar
    2. Voltei aqui agora e reparei no engano:
      Um docente especialista ou um especialista indecente ...

      Estes senhores pelo facto de se considerarem investidos de uma certa autoridade julgam-se habilitados a discorrer "considerandos e finalmentes" mesmo em assuntos que conhecem mal.

      Eliminar
  5. Caro Amigo Pedro Coimbra!
    O que me deixa exasperado é saber que tipos, como o que você nos apresentou, têm asseclas.
    Caloroso abraço! Saudações inconformadas!
    Até breve...
    João Paulo de Oliveira
    Um ser vivente em busca do conhecimento e do bem viver!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E não são poucos, Amigo João Paulo de Oliveira :(
      Grande abraço

      Eliminar
  6. A politica é muito parecida em todo o mundo.

    Afinal é sempre a sede do poder, do materialismo a dominar.

    beijos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mas, mesmo com essa vicissitudes, não era necessário dizerem tanta asneira, Pérola.
      Beijos

      Eliminar