16 de abril de 2014

O exemplo do fracasso de uma política externa e de segurança comum e a possibilidade de uma nova Guerra Fria


Um dos grandes desígnios da União Europeia seria a implementação de uma política externa e de segurança comum.
Seria mesmo, a par da criação de uma moeda única, um dos grandes momentos e um dos grandes marcos do sonho europeu, sobretudo na sua vertente mais federalista.
A situação de eminente guerra civil na Ucrânia, e a anexação da Crimeia por parte da Rússia, muito provavelmente representarão o estertor desse ideal, dessa utopia, que a União Europeia devia alcançar no momento actual da sua evolução.
Uma União Europeia que, num primeiro momento, se apressou a apoiar os movimentos internos na Ucrânia de aproximação ao seu seio, e que agora assiste ao correr do sangue nas ruas, e à clara afronta à sua influência na arena internacional por parte de Putin, enquanto se distrai a contemplar o seu umbigo.
Debilitada por uma crise financeira que não soube estancar, entontecida pela evolução política interna no seio de um dos seus tradicionais motores (uma França à deriva e a resvalar para os braços da extrema direita), a União Europeia fica, uma vez mais, refém das decisões alemãs.
Uma Alemanha (Merkel) que foi dos apoiantes mais entusiastas dos movimentos de insurreição interna na Ucrânia mas que não está em condições (a História, sempre as lições da História...) de corporizar por si só uma frente de resistência ao activismo russo.
A mesma Alemanha que, pressurosa, impaciente,  solicita o auxílio da NATO e dos Estados Unidos para atingir um contraponto ao poderio russo.
Não é possível perceber neste momento até que ponto a situação interna na Ucrânia poderá ser o rastilho para um conflito armado a nível global.
Mas vão-se acumulando os sinais de que podemos estar à beira de uma nova situação de Guerra Fria.
Clara e directamente resultante do completo fracasso de uma política externa e de segurança comum a nível europeu.

17 comentários:

  1. O nosso mundo degrada-se. Os usos e costumes alteram-se e aqueles que cultivavam o respeito e a honra perderam de todo essas características
    Os Políticos são os piores exemplos nesta sociedade.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. luís,
      Fico muito triste com este fracasso que está a ser o projecto europeu.
      Órfão de verdadeiros líderes, vai definhando a cada dia que passa.
      Este frente a frente com a Rússia mostra as debilidades de um Europa que vai perdendo qualquer réstia de credibilidade.
      Grande abraço!

      Eliminar
  2. O projeto europeu foi um produto e instrumento do tio Sam para a Guerra Fria com a URSS no pós 2.ª guerra mundial do velho século XX. Entretanto a CEE inchou tranformando-se na UE figura que, depois da queda do muro de Berlim, ficou refém da velha/nova Alemenha reunificada. Esta nunca perdeu a sua ambição de se tornar na Grande Alemanha, agora com nova roupagem, tal como a metamorfose da Rússia, em reconfiguração alguns anos, e que durante décadas teve a marca URSS.
    Quem sabe se a Guerrra Fria não será uma forma de se evitar o pior?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Neste momento estão a ameaçar e a escalar a retórica.
      Esperemos que não passem daí.

      Eliminar
  3. É assustador ver que tudo indica para uma nova guerra. Mas o mundo está muito agressivo, em todos os países há alguma manifestação ferrenha contra a politica atual. E a crise se espalha por todos os lados. É inevitável uma guerra. Espero que por lá a paz reine, pois sempre é a população que sofre as piores consequências.
    Tenha uma Páscoa maravilhosa e rezo para o que o resto do mundo também tenha e muita paz.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Espero que não se passe de um conflito dentro de um país, que já existe, para algo mais global.
      Só a perspectiva é aterradora!
      Tenha uma Santa Páscoa junto da família

      Eliminar
  4. Um autêntico pesadelo, o que se vive!
    A Europa degrada-se a cada dia que passa, a instabilidade não para de crescer. Temo que de uma guerra localizada - uma verdadeira tragédia - passemos a uma guerra alargada.

    Santa Páscoa para todos vós.

    Abraço.

    P.S. Vou ficar ali a "espreitar" se te portas bem. :)!




    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É esse também o meu temor, GL
      Espero bem que seja injustificado

      Um abraço e votos de uma Santa Páscoa

      P.S. Eu porto-me sempre bem.Mas fico muito contente que fique ali a espreitar :)

      Eliminar
  5. Concordo com a sua análise.

    Só acrescento que , para mim, a União Europeia falhou redondamente no aspecto político, pelo que ficou uma manta de retalhos mal alinhavada pelo Euro.

    Quando a Grécia foi atacada pelos especuladores, deveria ter sido defendida ,Até porque era prevísivel que seria um efeito dominó o que viria a seguir.

    Para cúmulo o mafioso banco judeu Glodman.Sachs , entretanto, colocou funcionários seus em lugares -chave e somos nós, classe média, a pagar a crise que foi provocada por ganância e má-fé.

    Não morro de amores, nem nunca morri, por Putin ( há muitos anos que li o livro escrito pela assassinada jornalista Anna Politviskaya sobre o que se vivia na Rússia e não esqueço a maneira brutal como a Chechénia foi esmagada por Moscovo), mas -reconheçamos - face à maneira vergonhosa como Merkel apoiou as "corajosas manifestações " em Kiev contra um Presidente eleito e que levaram directamente nazis assumidos da rua para o Governo, o Presidente russo fez exactamente o que os EUA fariam na mesma situação...e que , aliás, têm feito quando acham os seus interesses em perigo.

    Serviram-se de Bin Laden contra a União Soviética e de Sadam nunca os incomodou o massacre dos curdos, mas quando ele quis negociar o petróleo sem ser em dólares invadiram o país, usando mentiras e indo contra todas as opiniões.

    Claro que o inefável Durão Barroso , que serviu de caddie nos Açores e disse ter visto as provas de algo que nunca existiu, achou que nada disso era importante, pois Portugal até tinha beneficiado , já que era um português (esqueceu-se de ser a terceira ou quarta escolha) a presidir à União Europeia( muito incompetentemente, diga-se de passagem).

    Esperemos que não estejamos a caminhar para a tempestade perfeita...

    Pedindo desculpa pelo tamanho do escrito, desejo-lhe qu e esteja bem

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Um dos grandes dramas desta União Europeia amorfa, apagada, é a inexistência de lideranças, São.
      A nível nacional e supranacional.
      Não quero acreditar que a insensatez dos homens chegue ao ponto de criar condições para uma tragédia global.
      Mas não estou a gostar nada, muito menos estou tranquilo, com aquilo que estou a ver.

      Falta dizer que gostei imenso do seu comentário.
      Excelente!

      Eliminar
    2. Grato abraço pelo apreço, Pedro!!

      Eliminar
  6. Que a política da União Europeia é um fracasso, penso que já ninguém em dúvidas. E não me parece que seja só a nível externo...

    Beijocas

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A União Europeia, e isso entristece-me muito, é um fracasso, Teté :(
      Beijocas

      Eliminar
  7. Faço minhas as palavras da São e a tua resposta. Apenas digo que a UE falhou em tudo ou quase tudo, dez anos pelo cano abaixo e Putin está para Merkel, como a Merkel está para Putin, ou seja...venha o diabo e escolha.

    Ironia das ironias...quem está aos comandos da UE? Pois!!!

    Beijocas

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Em bom rigor, quem está aos comandos da UE é Merkel, Fatyly.
      Barroso e outros burocratas estão ali para cumprir ordens vindas de Berlim.
      A dimensão supranacional vai-se esbatendo cada vez mais.
      Com o auxílio de uma Inglaterra que está sempre com pé fora e um olhar desconfiado e de uma França distraída com problemas de política interna.

      Beijocas

      Eliminar
  8. Se houver guerra, não me parece que seja fria, Pedro. Infelizmente. Quanto ao resto, assino por baixo o comentário da São

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Infelizmente, depois do que hoje já vi e li, dá a sensação que já se passou da fase das ameaças
      Confesso que estou assustado

      Eliminar