20 de novembro de 2019

Amar pelos dois



A música feita em Portugal não é popular em Macau, passa completamente ao lado da esmagadora maioria da população aqui residente.
Mas começo a pensar que Salvador Sobral, especialmente depois de por aqui ter actuado com assinalável êxito, deixou boas memórias.
Particularmente com a famosa balada “Amar Pelos Dois”.
Deve ser essa a explicação para cada vez mais ouvir gente presumivelmente responsável em Macau encher a boca com o chavão “amar a pátria”.
Será preciso as pessoas estarem sempre a ser chamadas a atenção para a necessidade de amar a pátria, de amar tout court?
Amar é um sentimento que nunca pode ser forçado, incutido.
Quem ama, ama porque sente, porque vibra, porque faz parte de si, do seu ser, do seu viver.
Longe fisicamente, continuo a amar a minha Pátria.
E não preciso de ser constantemente lembrado disso.
Quando se bate a mesma tecla repetidamente a música e a voz começam a soar a falsete.

42 comentários:

  1. Respostas
    1. Passar o tempo a dizer o óbvio deixa-me desconfiado, Elvira.
      Se calhar sou eu que tenho mau feitio...
      Um abraço

      Eliminar
  2. Subscrevo inteiramente.

    Beijos e um bom dia

    ResponderEliminar
  3. Será que a maior das pessoas sabe o verdadeiro sentido da palavra amar?
    Isabel Sá  
    Brilhos da Moda

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nestes casos parece ser só um verbo para agradar a terceiros, Isabel Sá

      Eliminar
  4. Concordo consigo:))

    Bjos
    Votos de uma óptima Quarta - Feira.

    ResponderEliminar
  5. Gostei do que li e concordo plenamente.
    Bom dia, Pedro.
    Tudo de bom.
    Beijinho
    ~~~~

    ResponderEliminar
  6. Ora, nem mais, Pedro, nem mais.

    Aquele abraço, caro amigo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Aquele abraço, Ricardo.
      Pergunte à sua esposa se não amou Portugal sempre.
      Sem que fosse preciso martelar a ideia.

      Eliminar
  7. Ouço constantemente que atraiçoei a Pátria‼ Também eu amo os dois países: o país onde nasci e o país onde vivo. As suas palavras são as minhas.

    Abraço solidário, Pedro 💙

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E quem é que disse que os dois amores eram só a canção do Marco Paulo?
      Amo Portugal, amo Macau.
      Um não atrapalha o outro.
      Abraço, Teresa

      Eliminar
  8. É bastante razoável o que afirma. Parece até que esses apelos cheiram a nacionalismo exacerbado.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É mais vontade de ser agradável a Pequim.
      Volto a dizer que vozes de burro não chegam ao céu.

      Eliminar
  9. Pedro, você tem toda
    a razão. Até eu, que
    não sou português,
    morro de saudades da-
    quela terra.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E ama o Brasil, silvioafonso.
      Sem que ninguém o force a isso.

      Eliminar
  10. Está tudo dito, Pedro.
    Assino por baixo, se me permite.
    Um abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Esta gente adora slogans António.
      Cheira a falso que tresanda!
      Aquele abraço

      Eliminar
  11. ama-se o que nos enche a alma Pedro :) pode ser um país, poderão ser dois países
    veste-se a camisola, torce-se pela equipa nacional, um etc. de sentimentos que não se explicam, sentem-se portanto é verdade que não é necessário estar sempre a bater na tecla,
    depois vêm uns que acusam outros de nacionalismo, etc.
    mas por vezes quem desdenha, quer comprar !

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Portugal e Macau no meu caso, Angela.
      As tais Pátria e Mátria.

      Eliminar
  12. Essa é que é mesmo verdade. Ninguém deve ser forçado a amar. Aquilo que se calhar não ama. Tudo aquilo que se ama deve ser de livre vontade amado!

    Continuação de boa semana caro amigo Pedro. Um abraço.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tem que ser sentido, não é empurrado, amigo Eduardo.
      Aquele abraço

      Eliminar
  13. Boa tarde:- Quem ama não precisa de ser lembrado. Uma grande verdade.
    .
    …………… Poema ……………
    ^^^ Impuros Desejos ^^^
    .
    Deixando um abraço.

    ResponderEliminar
  14. Ladainha de quem não tem mais nada de importante a transmitir
    Não há pachorra para tanta incompetência.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não tem nada de interessante para dizer e quer ser agradável, Magui

      Eliminar
  15. Como é ÓBVIO, esse é um discurso fascista.
    Deixou de estar em voga nas escolas portuguesas assim que se deu o 25 de Abril. Não preciso que me digam que se deve amar isto ou aquilo: a família, os pais, o país. Coisas dessas sentem-se e deve gerar revolta e nojo se alguém o usa como chavão político. Cheap propaganda.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Que é tão transparente na sua falsidade que só os idiotas não percebem.

      Eliminar
  16. Amor e Respeito devemos ter sempre por nossa pátria.

    ResponderEliminar
  17. Esse discurso do "amor à pátria" tem conexões extremistas. Vejo as coisas do lado mais romântico. Gostar do nosso país, da nossa identidade, da nossa cultura, ter orgulho nos feitos dos portugueses (desporto, música, ciência, arquitetura), mas nada de entrar em exageros e fundamentalismos.

    ResponderEliminar
  18. Um amar forçado
    Abraço

    Kique

    Hoje em Caminhos Percorridos - Urgências...irá melhorar

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ou me amam ou castigo-vos, qualquer do género.
      Aquele abraço

      Eliminar
  19. Amar pelos dois? isso não dá certo, tem de ser mutuo. Gosto de quem não esquece a sua pátria.

    ResponderEliminar
  20. Respeitar e amar, a Pátria é algo que está inerente a todo a cidadão, esteja lá onde estiver, não é preciso ser lembrado nem forçado.
    Quanto mais falarem nisso mais enjoam.
    Há cada coisa mais sem jeito...:(

    ResponderEliminar