Two countries, two systems


No passado domingo, em conversa com uma familiar residente nos Estados Unidos, ela comentava que era óbvio o que os manifestantes em Hong Kong queriam – two countries, two systems.
Acredito que com muitos seja efectivamente assim.
Não é segredo que há uma frente independentista em Hong Kong que conta com o apoio de uma faixa da população residente.
Uma faixa que muito claramente pede o impossível.
Impossível legalmente, impossível politicamente, impossível na prática.
A Declaração Conjunta e a Lei Básica consagram o conceito “um país, dois sistemas”.
Um conceito imaginado para integrar Macau e Hong Kong na grande China (eventualmente Taiwan...), nunca para permitir a qualquer uma das regiões administrativas especiais ser independente.
E vamos a questões práticas – como poderia qualquer uma das regiões administrativas especiais sobreviver sem o apoio da China? Da China de onde recebem todos os bens essenciais e as suas maiores fontes de receita? 
Jangada de Pedra só mesmo no romance de José Saramago.

Comentários

  1. nossa, amigo, isso é complexo. passadinha para deixar um abraço com o desejo de uma semana gloriosa!

    ResponderEliminar
  2. Respostas
    1. Alimentação, electricidade, água, dinheiro, turistas, vem tudo da China.
      Só não vê quem não quer.

      Eliminar
  3. É preciso ter noção....para não pedir o impossível.

    Isabel Sá  
    Brilhos da Moda

    ResponderEliminar
  4. Complicado...
    Bom dia :))

    Bjos
    Votos de uma óptima Quarta - Feira

    ResponderEliminar
  5. É mais "fácil" a Catalunha tornar-se independente do que Hong Kong meu amigo, a China é poderosa/arrogante de mais para o poder permitir.
    Um abraço e continuação de uma boa semana.

    Andarilhar
    Dedais de Francisco e Idalisa
    O prazer dos livros

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Na mouche, Francisco, a célebre questão da face.
      Aquele abraço

      Eliminar
  6. Bom dia:- A política e o gosto do Povo, regra geral, nunca coincidem. Nem sempre o que o Povo quer pode ser dado.
    Será uma "discussão" interminável.
    .
    Votos de uma 4ª feira feliz

    ResponderEliminar
  7. Na politica nunca há um entendimento para bem do povo. Digo eu, não sei!
    Beijos e um excelente dia

    ResponderEliminar
  8. A China é uma potência que quer dominar, não só Macau e Hong Kong, mas o mundo todo.

    Beijos Pedro.

    ResponderEliminar
  9. A situacao de Hong Kong esta muito complicada e espero que consigam dar um bom rumo ao problema. Acho que a China toda poderosa quer apoderar-se de tudo o que pode e nao so Macau ou Hong Kong...Ja ca nao estarei para ver.

    ResponderEliminar
  10. Concordo! Neste mundo que dizem ser moderno. Toda a gente habitante de uma qualquer ilha ou região quer ser independente da nação à qual está agregada. Sem tão pouco pensar que em muitos dos casos isso não será possível?

    Continuação de boa semana caro amigo Pedro. Um abraço.

    ResponderEliminar
  11. Se é impossível face à Declaração Conjunta e a Lei Básica de que adianta contestar?
    Um abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Boa pergunta, António.
      Lembra-se do D. Quixote a lutar contra os moinhos de vento?
      Pois...
      Aquele abraço

      Eliminar
  12. do querer ao exequível vai uma grande distância. neste caso em concreto ainda mais...

    ResponderEliminar

Publicar um comentário

Mensagens populares