27 de novembro de 2019

Two countries, two systems


No passado domingo, em conversa com uma familiar residente nos Estados Unidos, ela comentava que era óbvio o que os manifestantes em Hong Kong queriam – two countries, two systems.
Acredito que com muitos seja efectivamente assim.
Não é segredo que há uma frente independentista em Hong Kong que conta com o apoio de uma faixa da população residente.
Uma faixa que muito claramente pede o impossível.
Impossível legalmente, impossível politicamente, impossível na prática.
A Declaração Conjunta e a Lei Básica consagram o conceito “um país, dois sistemas”.
Um conceito imaginado para integrar Macau e Hong Kong na grande China (eventualmente Taiwan...), nunca para permitir a qualquer uma das regiões administrativas especiais ser independente.
E vamos a questões práticas – como poderia qualquer uma das regiões administrativas especiais sobreviver sem o apoio da China? Da China de onde recebem todos os bens essenciais e as suas maiores fontes de receita? 
Jangada de Pedra só mesmo no romance de José Saramago.

28 comentários:

  1. nossa, amigo, isso é complexo. passadinha para deixar um abraço com o desejo de uma semana gloriosa!

    ResponderEliminar
  2. Respostas
    1. Alimentação, electricidade, água, dinheiro, turistas, vem tudo da China.
      Só não vê quem não quer.

      Eliminar
  3. É preciso ter noção....para não pedir o impossível.

    Isabel Sá  
    Brilhos da Moda

    ResponderEliminar
  4. Complicado...
    Bom dia :))

    Bjos
    Votos de uma óptima Quarta - Feira

    ResponderEliminar
  5. É mais "fácil" a Catalunha tornar-se independente do que Hong Kong meu amigo, a China é poderosa/arrogante de mais para o poder permitir.
    Um abraço e continuação de uma boa semana.

    Andarilhar
    Dedais de Francisco e Idalisa
    O prazer dos livros

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Na mouche, Francisco, a célebre questão da face.
      Aquele abraço

      Eliminar
  6. Bom dia:- A política e o gosto do Povo, regra geral, nunca coincidem. Nem sempre o que o Povo quer pode ser dado.
    Será uma "discussão" interminável.
    .
    Votos de uma 4ª feira feliz

    ResponderEliminar
  7. Na politica nunca há um entendimento para bem do povo. Digo eu, não sei!
    Beijos e um excelente dia

    ResponderEliminar
  8. A China é uma potência que quer dominar, não só Macau e Hong Kong, mas o mundo todo.

    Beijos Pedro.

    ResponderEliminar
  9. A situacao de Hong Kong esta muito complicada e espero que consigam dar um bom rumo ao problema. Acho que a China toda poderosa quer apoderar-se de tudo o que pode e nao so Macau ou Hong Kong...Ja ca nao estarei para ver.

    ResponderEliminar
  10. Concordo! Neste mundo que dizem ser moderno. Toda a gente habitante de uma qualquer ilha ou região quer ser independente da nação à qual está agregada. Sem tão pouco pensar que em muitos dos casos isso não será possível?

    Continuação de boa semana caro amigo Pedro. Um abraço.

    ResponderEliminar
  11. Se é impossível face à Declaração Conjunta e a Lei Básica de que adianta contestar?
    Um abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Boa pergunta, António.
      Lembra-se do D. Quixote a lutar contra os moinhos de vento?
      Pois...
      Aquele abraço

      Eliminar
  12. do querer ao exequível vai uma grande distância. neste caso em concreto ainda mais...

    ResponderEliminar